A bicicleta no conceito Sobrevivencialista… Será?

Em meio a tamanha modernização e tecnologia que nos roda atualmente, será que a simples bicicleta encostada no fundo da garagem não está sendo um recurso ignorado e desperdiçado? Em meio a tantos modelos de veículos motorizados, é muito provável que o simples o ato de pedalar possa se encaixar perfeitamente na sua vida.

Vamos pensar por partes, afinal é de partes que se compõe a vida!

Pontos positivos

Compra: É fato, comprar uma bike é muito mais barato que comprar uma moto ou um carro, com exceções de bikes profissionais, claro. E pra você que não tem nenhum veículo, talvez ela te economize um bom dinheiro com passagens no final do mês;

Regularização: Todo mundo sabe que os preços para se conseguir uma CNH no Brasil não são nada agradáveis, mas em contraste a bike você sobe nela e sai pedalando, não precisa se preocupar com as regularidades de um veículo a motor, sem falar que não tem IPVA todo início de ano;

Manutenção: Tanto em custo, quanto no aprendizado, a bicicleta é um veículo simples. É muito mais fácil aprender a concertar uma corrente quebrada do que aprender a mexer no motor de um carro popular, tanto que o Cavallari (colaborador do portal) consegue manter a dele em funcionamento nas diversas aventuras em locais remotos que ele já fez, e até mesmo você que não tem nenhuma aptidão mecânica e nem vontade de aprender sobre isso, novamente entra o fator financeiro, a troca de um pneu por exemplo, nem precisa dizer que é muito mais barato.

Pequenas vantagens: Sim, aquelas pequenas coisas que no final fazem toda a diferença, vamos a exemplos:

  • Não fica presa no trânsito, ao contrário, existem faixas exclusiva pra elas;
  • Vagas pra estacionamento, em qualquer poste ou árvore você deixa a sua;
  • Em caso de problemas, se não tiver os recursos para o conserto de imediato, é mais fácil transportar a bicicleta do que um veículo maior, tanto seja para casa ou para a oficina mais próxima.

Pontos negativos

Como nem tudo na vida são flores, a pontos que ela tem desvantagem em relação aos veículos motorizados.

Segurança: É obvio que nesse quesito ela perde, você está com seu corpo totalmente exposto, diferente de um carro, onde inclusive pode-se adicionar blindagens, etc.

Velocidade: Não tem comparação, por melhor condicionamento que tiver, você não será mais rápido que um carro ou moto.

Espaço: Com um bom bagageiro você consegue levar o essencial, mas não tem a mesma capacidade de carga de um carro, e em comparação com a moto, na bicicleta você terá que puxar todo o peso com a sua força.

Ahh, e se você estiver se perguntando sobre o uso da bicicleta como veículo de fuga, tem um texto específico respondendo a sua pergunta.

Conclusão…

A minha conclusão basicamente é, “Sim, vale a pena ter uma bicicleta”, mesmo que os pontos positivos não anulem os negativos, o contrário também é verdade. Um bom Sobrevivencialista deve manter a maior gama de possibilidades de deslocamento, além de que ter um bom condicionamento físico é essencial, e a bike é um meio pra isso.

Em crises como a recente greve dos caminhoneiros as bicicletas foram muito usadas, inclusive pelo Júlio Lobo, que economizou gasolina indo ao trabalho pedalando… Peço a ele que complete este texto com a sua visão de como a Bicicleta pode estar presente no meio Sobrevivencialista.

Texto escrito pelo sobrevivencialista e ciclista: Welthon Tavares.

Insert do Julio

A bicicleta é, na minha opinião, o casamento perfeito entre exercitar-se, gastar pouco dinheiro e aumentar a qualidade de vida em tempos tranquilos. Se você vive em uma cidade relativamente amigável aos ciclistas (com ciclovias e semelhantes) recomendo que experimente a sensação impagável de sair do trabalho e pedalar para casa vendo o sol se por e movimentando seu corpo! Eu sempre tive a impressão de que ao voltar para casa pedalando forte o estresse ia se dissolvendo e quando você chega em casa já riscou também a necessidade de se exercitar, sobrando mais tempo para você e sua família se curtirem. Enfim, sou suspeito de falar sobre o tema, até porque já produzi muitos conteúdos voltados para o ciclismo aqui no portal. Ótima iniciativa, Welthon.

Outras postagens já feitas sobre bicicletas aqui no portal:

FALANDO SOBRE BICICLETAS

COMO IR DE BICICLETA AO TRABALHO

SOBRECAST 35 – VIAJANDO 4.500KM DE BICICLETA!

 

Anúncios

9 Comentários

  • ALEXANDRE MUNHOZ

    Como já contribuiu o Vapera, a boa e velha “magrela” têm, nos dias de hoje, mais vantagens associadas à tecnologias disponíveis no mercado. Utilizo a bike como meio de transporte há mais de 10 anos (trabalho, faculdade, visita à parentes próximos, mercado…). Já fiz percursos diários de 40 Km ao trabalho (20+20) que começou com o tempo de 1 hora cada trecho e, com o passar do tempo, reduzi à 45 min (algo em torno de 1 mês). Também já realizei 2 viagens ao litoral (100 km. moro em Curitiba), ambas sozinho. Não recomendo, pois você fica “lutando” contra o vento sozinho.
    No momento estou no 6º período do curso de Eng. Mec. e pretendo focar meu TCC nesta área, mais especificamente em “velomóveis” (velomobile em inglês). Mas o que é um velomobile?
    Velomobile é um veículo de propulsão humana com 2, 3 ou 4 rodas e com uma carenagem que oferece uma proteção contra intempéries e acidentes, além de reduzir o arrasto aerodinâmico, que é um dos principais vilões de um ciclista.
    Claro que com o acréscimo de rodas e esta carenagem há o aumento no peso do veículo se comparado com uma bike comum, porém, já ha estudos na área que provam que a vantagem aerodinâmica compensa o peso extra (não é dificil encontrar vídeos na internet de ‘velos’ mantendo 40/45 km/h de velocidade média). Além disso, existem kits de motores de pedal assistido que auxiliam na hora da pedalada.

    • Mandou bem Alexandre!!
      A bike é uma invenção mágica e se soubermos entender isso somos livres da canalhada dominante!
      Observo que uma bike acoplada a um rolo de treino (rolo de treino é uma “esteira” em que se pedala a bike ou só pelo equilíbrio dinâmico, coisa para ciclista forte, ou até com pernas de fixação) vira um gerador elétrico, pois basta acoplar um gerador no rolo, que via de regra vem com umas turbinas no rolo para aumentar a pressão no ritmo que aumentamos os esforços na pedalada!

      Basta trocar a turbina do rolo fixo por um gerador ou acoplar um gerador no rolo solto.

      Observo que nenhum produtor de rolos ou ergométricas faz com gerador e só isso mostra a criminalidade visceral dos empresários dominantes!
      É algo absolutamente BANAL, mas mesmo assim se oculta forma banal de uso sustentável de energia elétrica.
      QUALQUER EQUIPAMENTO PARA MOVIMENTO EM ACADEMIAS É PERFEITAMENTE ADAPTÁVEL PARA GERAR ENERGIA!

      Te sugiro o uso de bambu na confecção de seu velociclo.
      É uma tecnologia sustentável e bambu é a planta que cresce mais rápido no mundo, com algumas crescendo mais de 10 cm ao dia!
      Algas também podem crescer de forma rápida, mas estão na água, em terra só dá bambu!
      É perfeitamente moldável pelo calor e é leve e flexivel, perfeito para agir de forma sinérgica com os esforços estruturais, ademais se vc usar sistemas de estais para gerar alavanca positiva nos momentos de torque (conceito de tensigridade).
      Para a carenagem vale fazer com o mesmo material de carrocerias bolhas de autorama (lexan, policarbonato) ou PET (polietileno teraftalato). São leves e moldáveis com uma sopradora.

      Leia sobre o gerador perendev e veja o quão perfeito é para auxiliar uma bike!
      Lembre-se que tudo sobre conservação de energia é MENTIRA, pois não existe sistema fechado, tudo é interativo, sinérgico!

      Entenda que 2 + 2 não é 4, pois se desconsidera a “cola” que une os dois, ou seja 2 + 2 depende do “aglutinante” (+) ou continua apenas uma equação sem nexo.
      Isso é uma armadilha maldita, é aquela coisa, 10% a mais em 100 é 110 mas 10% a menos em 110 é 99. Graças à incapacidade programada do entendimento matemático, a humanidade é refém dos esquemas usurários dos parasitas banqueiros!
      Toda a matemático coerente, racional, abarca a questão do simbolo da operação (- + / x etc) e seu valor, desconsiderar o valor da ação geradora da operação é lobotomização perpetrada pelas elites para garantir a estupidez que garante os impostos e toda sorte de usura e roubo perpetrados pelos governos e seus donos, as elites!

      É isso, qualquer coisa, estamos aí.
      Agradeço a atenção
      Obrigado

      • ALEXANDRE MUNHOZ

        Com certeza Vapera.
        “QUALQUER EQUIPAMENTO PARA MOVIMENTO EM ACADEMIAS É PERFEITAMENTE ADAPTÁVEL PARA GERAR ENERGIA!”
        Atualmente algumas empresas de bikes para spining (bicicleta ergométrica totalmente ajustável) estão utilizando uma propriedade de alguns materiais que é o diamagnetismo (que, basicamente é o material “gerar” um campo magnético que se opõe áquele que é exposto) presente em metais como o cobre e o alumínio.
        Assim, estão fazendo os volantes de inércia destas bikes de aço no centro e de alumínio nas bordas, com isso o ajuste de “carga” se dá através de um imã de neodímio que se aproxima ou se afasta deste volante.
        Abaixo, vídeo de marca de água mineral francesa utilizando bicicletas ergométricas adaptadas com geradores.

      • Caro Alexandre, gerar um campo eletromagnético oposto é magnetismo reativo, reatividade, o paramagnetismo é a propriedade de alguns materiais REPELIREM em vez de atrair.
        A reatividade eletromagnética é a fonte de energia “escondida”, todo equipamento “retêm” o eletromagnetismo, um aparelho hoje em dia liga instantaneamente por conta da retenção eletromagnética nos componentes.

        Veja esse exemplo abaixo sobre o que é reatividade

        Já o paramagnetismo é a capacidade de repelir magneticamente.

        O eletromagnetismo é um fenômeno obnubilado, pois entende-lo garante o desmonte das agendas energéticas!
        Assim, até hoje se fala um monte de tolices sobre o eletromagnetismo e o magnetismo, pois enquanto esse fenômeno permanecer oculto as agendas criminais dos dominantes plutocratas continuarão vigentes, com o entendimento real desse fenômeno, teremos inclusive carnificina das elites, pois a massa entendendo o que é o jogo vai ficar furiosa e certa de que só a matança das elites pagará e indenizará toda a desgraça perpetrada até hoje contra o ser humano!
        Até hoje nunca tive a oportunidade de interagir com um material paramagnetico.

        SEMPRE desconfie de qualquer agenda relativa ao magnetismo e eletromagnetismo.
        Agradeço a atenção
        Obrigado

  • Caros, bicicleta em minha opinião é uma das sacações humanas mais substante, obra prima!
    Ela começou com o celeripede que quer dizer: pedalar ou dar passos de forma célere.
    Hoje é magrela, camela, bike e sempre pronta a nos garantir não só deslocamento, meio de condução, mas sobretudo saude!

    O que creio pertinente colocar é que existem diversas formas de tornar uma bike mais eficaz ainda, mas todas passam pelo sequestro e castração perpetrados pelo status quo.
    Não posso me aprofundar nessa questão, mas gostaria só de lembrar que hoje com imãs de neódimio (imas de terras raras) é possível decuplicar a força aplicada no pedal e entendendo isso fica fácil perceber que podemos inclusive fazer algo semelhante a um automóvel a pedal.
    Mas lembro tamb´pem que invento é coisa proibida, só é permitido se beneficia as elites e esse invento não beneficia as elites, logo se fizermos, temos que mantê-lo em segredo, pois existe lei inclusive para sequestro do inventor e roubo de patente sem contemporização.
    Aos que duvidam sugiro que leiam a LPI 9279/96 no tocante a invenções que interessem o exército ou sao enquadradas como de “interesse nacional”!
    Éééé, galera, esse paiseco é supinamente mais criminoso do que nossa vã imaginação pode abarcar!
    Observo que o método de transmissão de força de bicicletas garante inclusive ELETRICIDADE de graça para nós, basta acoplar um gerador de até uns meio HP no lugar da roda traseira e conseguimos energia de graça! Observo que ao gerar eletricidade geramos uma indução eletromagnética reativa, que vai de encontro ao nosso esforço pedalista, por isso sugeri um gerador pequeno, pois quanto maior, mais peso, mais reatividade e esses não contribuem para a geração eletrica.

    Em minha opinião, se existe um invento que justifica o estudo profundo é a bicicleta, pois só de olhar percebemos que as possibilidades dela vão muito além do que é divulgado.
    Se nos dedicarmos a essa questão percebemos que fazer qualquer veículo sem necessidade de combustível é REAL!

    Só para entenderem: Para se separar o hidrogênio do oxig~enio da água (eletrólise) basta a pouca energia gerada por um pequeno gerador (do tamanho de um rotor de bandeja de microndas é mais que suficiente) e a dissociação é suficiente para mover QUALQUER automóvel!
    Vejam que a cada explosão é consumido em torno de uma gota 0,03 ml (é banal calcular o consumo de um automóvel entendendo essas coisas) em um motor até uns 5 litros (mais que isso a gota será de uns 0,05 aproximadamente) e dissociar essa quantidade de água é tão fácil que até uma pilha AAA faz isso (não da forma usual, é fundamental o pico de tensão, que pilhas não garantem, por serem reações químicas, ou seja, um capacitor com igual capacidade de carga faz melhor esse serviço)!
    Só com essas dicas, uma pessoa com conhecimento de eletricidade mata a charada!

    Como mostro, invento não se dá, se ensina a inventar! 😆

    Sem nenhuma sombra de dúvida, a Bicicleta é um veículo sobrevivencialista por excelência, sobretudo porque ela nos permite um repensar das tecnologias que nos são impostas!
    Bicicleta = Sobrevivência

    Com relação à segurança, automóveis e motos são alvos mais alvos, vide a dependência de fonte de energia fora de nós mesmos!
    Não confundamos a estupidez covarde dos motoristas com fragilidades na proposta da Bike.
    Isso é o mesmo que dizer que a culpa da violência é a arma e não a estupidez covarde dos “umanos”!

    Agradeço a atenção
    Obrigado

  • Rafael Trois

    Gostaria apenas de colocar um “porém”, na questão de comparar bike, carro e moto. Sem trânsito, com vias sem obstáculos e grandes subidas e descidas, OK bike perde para os demais veículos. Em cenários apocalípticos, bike só perde para cavalos.

    Carro: qualquer tronco, pedra, deslizamento, no meio do caminho, requer trabalho pesado para continuar.
    Moto: pneu furado, deslocamento acabado (não tem estepe, e se tiver uma câmera, não é qualquer um de consegue/sabe trocar).

    Obs: Já fui ciclista de trânsito, quando morava em Porto Alegre, e com o mínimo de trânsito eu tinha melhor desempenho do que os carros. Fazia 25, 30 km (diários), com média calculada (via velocímetro), de 20 a 22 km/h. Coisa que em SP é 4 vezes menor (mesmo em domingos e feriados).

    • Caro Rafael, concordo em parte pois valia vc ter citado o PERÍODO de uso, a frequência de reabastecimento, e também os riscos de enguiço que em bicicleta se resumem a quebra da corrente, pé de vela, raios ou pedal e furo de pneu, enquanto carro e moto têm n fatores danificantes!
      Ou seja, mesmo em subidas e descidas há possibilidade da bicicleta dar show!
      Mas o cabra tem que ser forte! 😀
      Ademais, o cenário que colocou é ficticio, não existe hoje ausência de transito em NENHUMA cidade média para cima!
      Ou seja, mesmo em cenário ideal, a bicicleta ainda pode ser a vedete!
      Digo isso porque entendo a bike ferramenta perfeita passível de ser upgradeada para algo mágico!
      Creio que no apoca, nem para cavalo ela perde, pois na descida vai embora e cavalo só aguenta trotar (galope é serviço para poucos minutos) por longo período e de bike vale nossa patada, se fortes, vamos embora, se fracos amaldiçoamos a nós mesmos por termos sido tão preguiçosos quando havia chance de preparação!
      A maior vantagem do cavalo são os sentidos, eles enxergam dos lados e sentem cheiros melhor que nós, e ouvem uma barbaridade comparado conosco.

      E isso sem observarmos os ruidos, se atentarmos para ruidos bike é hors concours!
      Salvo aquelas “bem lubrificadas” que rangem a cada pedalada!
      O maior problema da bike são os gases dos escapamentos de automóveis, acabamos respirando lixo pedalando em trânsito!

      Mas se o automóvel for diesel a coisa ganha um tom mais equilibrado, pois carro a diesel anda COM QUALQUER ÓLEO VEGETAL, basta para isso que afinamos o óleo no calor, para que ele se pulverise no pito de injeção, pois é a pulverização que o faz ignicionante.
      É um efeito similar a sinterização, quanto menor o corpo, menor a quantidade de energia necessária para fazê-lo encandecer ou ignicionar!

      O motor diesel foi construído para funcionar com óleo vegetal, de amendoin ou canhamo, mas assassinaram o Rudolf Diesel exatamente para obnubilar as obviedades do motor diesel. Ele funciona com qualquer óleo, desde banha de bichos até óleo velho.
      Centrifuga-se o óleo velho para separar a parafina e se consegue biodiesel!
      A dependencia energética imposta aos cidadãos é um engodo, é um sequestro para garanbtir todo o brasilzão nas patas de meia duzia!
      Essa também é razão de não existir carro popular 4×4 (ou diesel, que tem o dobro da autonomia), pois se houver, o povo descobre a maravilha que é essa terra e vão evadir das cidades claustros criados pelas elites para sequestrar e prender o cidadão.

      E bicicleta é meio de transporte que é livre e por isso se garantem bebados dirigindo (com o clássico se beber não dirija, e pedir para bêbado decidir algo é contar com a cag…da).
      É por isso que não se faz ciclovias protegidas, pois bicicleta não pode ser parada, se garante as brutalidades criminais contra bicicletas no transito para garantir a agenda de dependencia de transporte, de saúde (pessoa pedalante é mais forte e sadia, é muito perigosa para a escumalha degenerada encastelada no poder).
      Qualquer atropelamento de ciclista é FOMENTADO pelo estado!
      O estado gera o caos, pois só dessa forma os agentes dele tem alguma serventia, em mundo harmônico o estado não tem função!
      É o mesmo que polícia, polícia só tem função com a exponenciação do crime e sequestro das armas e por conta disso é patente que quem fomenta o crime é a polícia, é o estado, e qualquer dúvida basta entender a logistica de armas e drogas! É impossível entrar drogas em uma favela se a polícia não a colocar la dentro, armas pesam muito e logistica de transporte de arma e munição DEPENDE do beneplácito da “segurança pública”!
      O mesmo acontece com doenças, pessoas sadias não entram em médicos, logo, o médico cria a doença, garante doentes com agenda de farmáfias!

      Entendendo tudo isso percebemos que a bike é um perigo para os governantes e por isso é SABOTADA!

  • GERONIMO JOAREZ MICKUCZ

    Legal Julio. Acho bem valido sim a bicicleta. Vejo mais como pontos positivos que negativos. É possível incorporar ela no dia a dia. Ir ao trabalho, passear, ir a padaria ou mercado (Compras Pequenas). Fiz isso durante a falta de combustíveis onde precisei fazer deslocamentos curto e com pouca carga de bicicleta enquanto mantive o carro na garagem para casos mais importantes. O legal é montar um grupo de bike para pedalar e conhecer os lugares como também uma melhora no preparo físico. Faço percursos curtos de 15KM mais também já fiz alguns com mais de 80KM. Valeu!

    • Welthon Tavares

      Como dito muitas vezes, em tempos de paz ela é um ótimo item, e se enquadra em vários pontos e aspectos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s