ATAQUE CARDÍACO: COISAS IMPORTANTES QUE VOCÊ PRECISA SABER

Embora a taxa de sobrevivência de ataques cardíacos no mundo tenha melhorado devido a cuidados de saúde de melhor qualidade, isso não significa que a doença não represente mais uma ameaça significativa. Aqui vamos falar um pouco sobre o que são ataques cardíacos, o que os causa e como você pode evitar que eles aconteçam.

O que é um ataque cardíaco?

Um ataque cardíaco, também conhecido como infarto do miocárdio, acontece quando um bloqueio em uma ou mais artérias do coração impede que o sangue flua para o órgão. Essa falta de fluxo sanguíneo é perigosa porque faz com que o músculo cardíaco morra rapidamente.

Em geral, existem 2 classificações de ataque cardíaco:

  • O ataque cardíaco tipo I acontece quando a placa na parede interna da artéria se rompe. Em seguida, libera colesterol e outras substâncias na corrente sanguínea, formando  um coágulo de sangue que bloqueia a artéria.
  • Ataque cardíaco tipo II – Este ataque cardíaco não é necessariamente devido ao bloqueio completo de uma artéria, mas sim quando o coração não recebe o sangue rico em oxigênio de que precisa.

Causas de ataque cardíaco

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a principal causa de ataques cardíacos é a doença arterial coronariana (DAC). Isso acontece quando a placa se acumula nas artérias que fornecem sangue ao órgão. Este acúmulo de placa é geralmente conhecido como aterosclerose.

Espasmos graves ou contrações repentinas de uma artéria coronária também podem bloquear o fluxo sanguíneo para o coração. Outras causas comuns de ataques cardíacos também incluem:

  • Vasos sanguíneos rasgados;
  • Uso indevido de drogas;
  • Falta de oxigênio no sangue.

O CDC também estima que cerca de 50% de todos os adultos têm pelo menos um dos três principais fatores de risco que aumentam as chances de uma pessoa ter algum outro tipo de doença cardíaca. Esses fatores de risco significativos incluem colesterol alto, pressão alta e tabagismo.

Outros fatores de risco comuns também incluem:

  • Diabetes – A American Heart Association estima que os adultos que têm diabetes têm duas a quatro vezes mais chances de morrer de doenças cardíacas do que as pessoas que não a têm.
  • Depressão – O National Heart Lung and Blood Institute diz que adultos com depressão ou sintomas são 64% mais propensos a desenvolver DAC.
  • Obesidade – Ser obeso ou com sobrepeso também está ligado a inúmeras doenças cardiovasculares, como pressão alta e diabetes. Muitas vezes, é devido a uma dieta pobre, falta de exercício físico e consumo excessivo de álcool.

Sintomas de ataque cardíaco

Um aumento na conscientização dos sintomas de um ataque cardíaco também levou a uma taxa de sobrevivência melhorada globalmente. Esses sintomas geralmente incluem:

  • Dores no peito;
  • Náusea;
  • Fadiga;
  • Falta de ar ou respiração difícil;
  • Tonturas;
  • Dor na parte superior do corpo, principalmente nos braços, ombros ou pescoço.

Independentemente do sexo, uma pessoa pode experimentar uma mistura de qualquer um dos sintomas listados acima. Além disso, no entanto, existem diferenças específicas do sexo na biologia, apresentação e resultados de ataques cardíacos.

Por exemplo, um estudo de 2019 publicado no Journal of the American Heart Association mostra que as mulheres são mais propensas a sentir sintomas como falta de ar e dores no peito.

O estudo mostra ainda que os homens são mais propensos a ter ataques cardíacos causados ​​por rupturas de placas. Por outro lado, as mulheres são mais propensas a ter ataques cardíacos causados ​​por DAC não obstrutiva.

Além disso, altos níveis de estrogênio também reduzem o risco de ataque cardíaco. Por causa disso, o risco de as mulheres terem um ataque cardíaco aumenta após a menopausa.

Um estudo recente também mostra que, depois de sentir os sintomas de um ataque cardíaco, as mulheres tendem a esperar mais tempo antes de entrar em contato com os serviços de emergência do que os homens. Isso resulta em mais mulheres experimentando efeitos mais graves do que os homens.

Taxa de sobrevivência de ataque cardíaco

Um estudo mais amplo e específico para a idade “Taxa de sobrevivência ao ataque cardíaco” ainda não foi publicado. No entanto, a maioria dos estudos se concentra na taxa de mortalidade das doenças cardiovasculares em geral.

Um estudo publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) estima que 12% das pessoas que sofrem um ataque cardíaco morrem por causa disso.

A American Heart Association também diz que 19% dos homens e 26% das mulheres que sofrem um ataque cardíaco morrerão dentro de um ano. Além disso, nos próximos cinco anos após um ataque cardíaco, quase 50% das mulheres sucumbem aos efeitos da doença, em comparação com apenas 36% dos homens.

Tratamentos para ataques cardíacos

Claro, o melhor tratamento para um ataque cardíaco ainda é a prevenção. Se for tarde demais para isso, no entanto, os médicos têm várias maneiras de diagnosticar e tratar ataques cardíacos.

Muitas vezes, os médicos solicitam um cateterismo cardíaco. O uso de um tubo flexível envolverá uma sonda que o médico inserirá nos vasos sanguíneos. Isso permitirá que o médico veja onde a placa pode ter se acumulado, permitindo que ele decida sobre o curso de ação adequado.

Os tratamentos que se seguem dependerão da gravidade da condição. Pode ser cirúrgico ou não cirúrgico.

Alguns procedimentos padrão incluem:

  • Angioplastia – Este procedimento abre a artéria bloqueada usando um balão. Hoje em dia, no entanto, as angioplastias são frequentemente acompanhadas de outros tratamentos.
  • Stent – ​​Um stent é essencialmente uma malha de arame inserida pelos cirurgiões na artéria que a mantém aberta após a angioplastia.
  • Cirurgia de bypass cardíaco – Uma cirurgia de bypass cardíaco envolve redirecionar o sangue em torno de um bloqueio.
  • Cirurgia de válvula cardíaca – Também conhecida como cirurgia de reparo ou substituição de válvula, o procedimento envolve reparar ou substituir válvulas com vazamento para ajudar o coração a bombear.
  • Marcapasso – Marcapassos são dispositivos implantados sob a pele que ajudam o coração a manter um ritmo normal.
  • Transplante de coração – Nos piores cenários em que a morte permanente do tecido para a maior parte do coração já aconteceu, um transplante de coração geralmente é o tratamento ideal.

Prevenção de ataques cardíacos

Como foi mencionado anteriormente, é sempre melhor prevenir do que remediar. Portanto, prevenir ataques cardíacos ou reduzir seu risco implica em um estilo de vida mais saudável.

A prevenção de ataques cardíacos inclui aumentar a atividade física, manter um peso saudável, controlar a pressão arterial e o açúcar no sangue, seguir uma dieta saudável e evitar vícios como fumar e beber excessivamente.

Em caso de dúvida, você sempre pode trabalhar com seu médico para encontrar buracos em seu estilo de vida que você possa melhorar para diminuir o risco de ter um ataque cardíaco.

Saber reconhecer os sintomas, ter uma compreensão firme das causas, sintomas e tratamentos de um ataque cardíaco e o que fazer depois é crucial para aumentar a taxa de sobrevivência de uma pessoa.

De nada adianta se considerar um Sobrevivencialista aqui na internet e morrer porque simplesmente manteve durante toda a sua vida uma rotina que só lhe matou aos poucos.

Texto traduzido e adaptado do site: Survival life.

3 Comentários

  • Não são recomendações verídicas.
    Em caso de suspeita de um ataque cardíaco, o mais correto a se fazer é correr para um serviço de emergência.
    De preferência, um que tenha suporte cardiológico.

  • Excelente texto. Sou médico e, geralmente, vejo muita bobeira em textos para leigos.
    Mas esse está impecável. Parabéns!

  • Mayckel Antunes (Mayck)

    Muito informativo o texto, e o melhor foi saber que estou no caminho certo para evitar um ataque cardíaco, preenchi todos os requisitos listados no texto.
    Existem algumas técnicas sobre como agir em uma situação de possível ataque cardíaco que ouvi falar, porém não sei se são verídicas, coisas como bater no peito, ou deitar…
    Outra informação é sobre o fato de que a grande maioria dos ataques cardíacos acontecem a noite ou de manhã, devido ao fato de ao se levantar rapidamente a pressão arterial subir e gerar uma sobrecarga no coração, existe até técnica para se levantar da cama, você deve se virar de lado, colocar as pernas para fora da cama, e com a ajuda das mão se impulsionar aos poucos para a pressão subir gradualmente, geralmente é recomendado a pessoas idosas pois evita que sintam tontura que pode ocasionar uma queda.
    Enfim, não saberia dizer ao certo se é tudo cientificamente comprovado, mas fica uma sugestão de atualização futura sobre o assunto, se realmente existir algo que se possa fazer é importante saber.
    Abraços sobrevivencialistas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s