7 mentiras que prejudicam a preparação alimentar

Se você quer estar preparado para sobreviver após um desastre, um colapso social ou apenas os altos e baixos da vida nestes tempos cada vez mais turbulentos e incertos, você deve ter um estoque de necessidades. Uma das provisões mais importantes que qualquer preparador acumula são os alimentos.

Claro, em comparação com abrigo e água, a necessidade de comida pode não ser tão urgente. Você só pode passar algumas horas sem abrigo em condições ruins, e alguns dias sem água antes de chutar o balde, mas você pode aguentar um tempo considerável sem comida e sobreviver. Mesmo que você possa sobreviver, as coisas vão piorar cada vez mais até que você seja incapaz de afetar o auto resgate e, eventualmente, morra de fome.

Comida é combustível, e você precisará de bastante se quiser sobreviver. Apesar de todos os avanços trazidos para a metodologia de preparação na era da Internet, vários erros factuais e mitos desagradáveis ​​persistem e se propagam a respeito do armazenamento de alimentos.

Estamos aqui para lhe apresentar sete dos piores mitos de armazenamento de alimentos que você não deve cair!

Mentira n° 1: “Você não tem dinheiro para criar um estoque de alimentos”.

Este é um dos mitos mais comuns que vejo iniciantes ou aspirantes a preparadores sendo levados em relação ao armazenamento de alimentos. Eles veem os enormes estoques de alimentos de Sobrevivencilistas de longa data organizados ordenadamente em bancos de prateleiras em uma despensa de emergência dedicada e tudo o que podem pensar é em quanto deve ter custado muito para juntar tudo isso. Isso é totalmente compreensível, mas equivocado.

Acumular um estoque digno de comida com a qual você pode sobreviver quando os tempos ficam difíceis não é uma questão de sair e comprar dois ou três meses adicionais de mantimentos de uma vez, embora isso possa ser realmente uma opção para algumas pessoas. Você pode começar agora mesmo, comprando apenas um ou dois itens extras toda vez que for até o mercado e, em seguida, armazenando esses itens de maneira adequada.

Na próxima vez que você pegar alguns sacos de arroz, pegue um pacote a mais para adicionar ao seu estoque. Quando você sair para pegar um pouco de leite na mercearia, pegue um pouco de leite em pó para guardar. Compras ocasionais pequenas e indolores irão rapidamente somar até que você tenha um suprimento para três dias, depois um suprimento para a semana, então um suprimento para um mês e assim por diante. Em pouco tempo, você estará pronto para uma longa jornada com um estoque de três a seis meses!

Mentira n° 2: “Você pode confiar totalmente na data de validade do pacote”.

Mais do que a maioria dos outros mitos de armazenamento de alimentos, a quantidade de desinformação, mentira, falsidade e folclore que cerca a humilde data de validade é impressionante. Presente em praticamente todos os itens individuais que compramos no supermercado, ao que parece, sua data de vencimento normal pode não ser uma data de vencimento: pode ser uma data de validade, que é uma diretriz, no melhor, que indica até qual dia o produto pode ser comercializado.

Muitos alimentos, se armazenados corretamente e não contaminados, passam tranquilamente da data impressa na embalagem. Outros alimentos podem ter vidas úteis altamente variáveis, dependendo de como e onde são armazenados. Outros ainda têm uma vida útil francamente indeterminada e você só poderá confiar neles após uma inspeção ou preparação cuidadosa.

Há muito sobre o assunto para entrarmos aqui, mas basta dizer que você deve confiar em sua própria experiência, observações e iniciativa ao decidir se a comida é ou não boa, duvidosa ou obviamente insegura para comer depois de ter sido armazenada.

Mentira n° 3: “Alimentos ruins mudam de cor, textura, odor ou sabor”.

Esse mito pega carona no anterior. O senso comum sugere que os alimentos estragados mudam ou indicam de alguma forma esse estado. Talvez cheire mal, talvez fique diferente, a textura, o brilho ou a cor vão mudar e, se chegarmos tão longe, com certeza vai ter um gosto diferente. Certo?Não tão rápido: é verdade que os alimentos que passaram por algumas ou todas essas mudanças provavelmente estragaram, mas os alimentos que estragaram não necessariamente sofreram algumas ou todas essas mudanças.

Acontece que as bactérias da decomposição ou outra contaminação podem estar presentes nos alimentos que estragaram, mas ainda não tiveram tempo de alterar significativamente a aparência típica ou outras características dos alimentos. Isso significa que aqueles deliciosos enlatados que você tanto ama podem ter aparência, cheiro e sabor tão bons quanto o normal, mas estar abrigando uma ameaça bacteriana que vai esmagá-lo com problemas gastrointestinais.

A questão é que, para fins de sobrevivência, você realmente precisa estar alerta. Você deve suspeitar muito de qualquer alimento com embalagem comprometida, mesmo que pareça completamente normal. Ao preparar os alimentos, tome cuidado para cozinhá-los muito bem,assim matará as bactérias que estão à espreita. Se estiver lidando com alimentos que você sabe que estão armazenados há muito tempo, tenha cuidado.

Mentira n° 4: “Depois de conseguir tanta comida, você pode parar”.

Esta é outra falácia comum no armazenamento de alimentos à qual os preparadores são particularmente vulneráveis. Há uma noção de que depois de criar sua lista de verificação, ou lista de compras, para seu estoque de armazenamento de alimentos de emergência, você pode simplesmente “sair do programa” depois de ter verificado tudo fora da lista. É isso aí, você é bom! Você finalmente está “preparado”! Isso, infelizmente, não é verdade.

Você provavelmente já ouviu dizer que se preparar é uma viagem, e em nenhum lugar isso é mais verdadeiro do que no que diz respeito ao armazenamento de alimentos. Em termos simples, você nunca, jamais, pode sentar-se sobre as mãos e simplesmente parar. Mesmo depois de acumular uma certa quantidade de comida, seu trabalho nunca terá fim.

Os alimentos devem ser alternados regularmente, inspecionados periodicamente e substituídos quando necessário. Acumular tudo em sua lista e depois parar e ficar esperando as bombas caírem significa que você terá toneladas de comida estragada e inútil quando você realmente estiver precisando. Sua comida não vai durar para sempre, não importa como seja preparada ou preservada, e isso significa que você deve constantemente, gradativamente, repor seus estoques. É assim que as coisas são.

Mentira n° 5: “Feijão seco e grãos nunca estragam”.

Alguns preparadores, particularmente aqueles da velha escola ou inclinados ao minimalismo, não gostam de mexer em estoques e guardar todas as muitas latas, bolsas e potes cheios de comida que incorporam as provisões modernas e prontas para usar hoje. Em vez disso, eles voltam ao básico e planejam estocar apenas os alimentos básicos, principalmente feijão seco e vários grãos.

A ideia é que esses alimentos simples e saudáveis ​​são basicamente impermeáveis ​​à degradação e subsequente decomposição que tanto assola nossos alimentos modernos processados ​​e úmidos. Infelizmente, esses alimentos não duram para sempre e, na verdade, podem ser mais vulneráveis ​​à deterioração do que outras opções em certas condições.

Embora os feijões não se decomponham normalmente quando armazenados secos em condições corretas, eles são notórios por ficarem cada vez mais duros com o tempo, até que você basicamente não possa cozinhá-los. Há relatos de grãos antigos que se recusam a amolecer mesmo em uma panela de pressão.

Os outros grãos não são muito melhores, pois se decompõem com o tempo até se transformarem em pó e permanecerão vulneráveis ​​a infestações de vários insetos e artrópodes durante toda a sua vida útil. Acontece que você nunca pode ultrapassar ou “burlar” a exigência de inspecionar e fazer a rotação de seu estoque de alimentos regularmente.

Mentira n° 6: “Refeições de emergência liofilizadas são tudo o que você deve comprar”.

Em total contraste com o mito acima, alguns preparadores optam por opções modernas de armazenamento de alimentos, optando por estocar apenas de refeições de emergência liofilizadas, e aqui eu vou incluir os famosos macarrões instantâneos. Muitos desses produtos são comercializados especificamente para preparadores e outros adeptos da prontidão pessoal e costumam ser anunciados como tendo uma vida útil longa, sem absolutamente nenhum cuidado necessário.

Embora isso possa ser verdade e as refeições de emergência liofilizadas, conservadas e embaladas a vácuo podem realmente ser o rei quando se trata de vida útil, elas não são a única solução verdadeira para um estoque de alimentos. Sempre há um problema, e o problema com os alimentos desidratados é que eles exigem uma quantidade enorme de água apenas para serem preparados.

Isso, como você pode esperar, aumentará drasticamente a quantidade de água que você deve manter à mão, fresca e pronta para usar, se quiser contar com esse alimento liofilizado que comprou. Isso pode ser um esforço logístico desproporcional à disponibilidade do ingrediente crucial. Não é à toa que esses alimentos liofilizados costumam estar cheios de conservantes químicos adicionais e absolutamente cheios de sal, o que, por sua vez, vai deixá-lo com mais sede e com vontade de ainda mais água.

Mentira n° 7: “Você pode manter sua comida armazenada em qualquer lugar.”

Nem todo mundo tem o mesmo estilo de vida, para alguns, o espaço de armazenamento é muito limitado. Isso significa que os espaços de armazenamento não convencionais devem ser encontrados, convertidos ou de outra forma utilizados para o armazenamento deste estoque de alimentos. Há muitos artigos na Internet que aconselham aqueles que vivem em lugares pequenos onde podem guardar a comida e, embora sejam genuinamente úteis, costumam omitir os fatores pertinentes que determinam quais alimentos podem ser armazenados com segurança, onde e por mais tempo.

Deixar de levar em consideração os requisitos individuais de armazenamento de alimentos levará a um aumento da deterioração, desperdício de dinheiro e, certamente, a um maior esforço, pois a inspeção e a frequência de rotação serão aumentadas. Há muitas variáveis que podem estragar a sua comida e dependendo do item em questão os requisitos podem ser muito diferentes. Claro, você só pode fazer o que pode fazer, mas isso é algo que deve ser mantido em mente se você quiser que seu estoque dure o máximo possível.

Conclusão

Todos nós começamos de algum lugar e ninguém tem todas as respostas, mas quando você quer começar a fazer algo certo, geralmente é mais instrutivo evitar cometer os erros maiores e mais comuns.

Quando se trata de reunir e armazenar seu estoque de comida de emergência, os sete mitos acima são alguns dos mais prevalentes e potencialmente os mais destrutivos. Certifique-se de aprender o que eles são, memorize-os e se esforce continuamente para evitá-los!

Texto traduzido e adaptado do site: Daily Survival.

2 Comentários

  • Carlos Henrique

    Sempre seguimos as super orientação de vocês, parabéns a equipe.

    Fizemos meu sogro e sogra fazerem estoques de 3 meses e juntamos o meu e o de meu sogro num momento necessário, cara foi mais de 6 meses comendo daí só compramos Carnes p complemento.

    Agora estou no curso de tiro! Chegaremos lá

  • Evandro Celino da Silva

    Ótimo texto. Usamos nosso estoque nos meses antes de vir para a Holanda. Foi essencial para diminuir os gastos e juntar dinheiro pra vir pra cá. Agora, em 5 meses, temos novo estoque, seguindo alguns dos passos que colocaram no texto. Só para 1 semana, por enquanto. Erramos muito até aprender o que estraga rápido aqui e como armazenar. Cultura diferente, alimentos mais ainda!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s