REALMENTE VALE TUDO PARA SOBREVIVER? [+18]

AVISO: Este post contém relatos e imagens chocantes de acontecimentos reais. Se você for sensível, recomendo que não continue a leitura.

Vivemos em um mundo obcecado pela vida, doença e morte. Plausivelmente, isso ocorre porque a vida humana é muito frágil. É incrível como os humanos são tão delicados, apenas alguns dias sem água ou apenas alguns minutos sem ar podem acabar conosco.

Programas de televisão inteiros são dedicados a pessoas “perdidas” no deserto ou contos de causas inesperadas de morte, tornando-nos muito conscientes das possibilidades que nos rodeiam.

Outro enredo que chama a atenção é o de homens, mulheres e crianças que sobreviveram a condições inacreditáveis ​​e viveram para contar a história.

Nós prontamente abrimos nossos ouvidos (e carteiras) para ouvir seus relatos com admiração, sentindo arrepios na espinha ao nos imaginarmos na mesma posição. Na realidade, porém, esse sobrevivente poderia muito bem ser qualquer um de nós.

Apenas imagine

Imagine um caso em que uma emergência foi evitada por pouco. Talvez você quase pisou em uma serpente durante uma caminhada à tarde, ou um motorista amigável ofereceu uma carona quando seu carro não dava partida em um lugar desconhecido, sabe-se lá o que poderia ter acontecido se você ficasse ali sozinho. E, por mais que possamos nos preparar, existem algumas situações que pegam até o sobrevivente mais preparado desprevenido.

Seja através dos elementos, por animais, humanos ou um acidente, o perigo pode estar à espreita em cada esquina.

Quando acontecimentos como esses, ou piores, se apresentam, até onde você está disposto a ir?

É provável que você tenha ouvido familiares ou amigos recontarem com admiração, histórias de automutilação ou feitos desse tipo para escapar da morte. Vale a pena alcançar a sobrevivência a qualquer custo ou existe um limite? Ao ler as seguintes situações, pense em como você teria reagido.

Aron Ralston

Todos nós já ouvimos a história de Aron Ralston, aquele do filme 127 horas. Durante uma caminhada em Utah em 2003, ele acabou ficando com seu braço direito preso por uma pedra, sofrendo por mais de cinco dias. As tentativas fracassadas de quebrar a rocha e se libertar o deixaram desidratado, desanimado e quase morto.

Havia uma chance mínima de que alguém passasse pela área em breve e ainda menos chance de que o resgaste chegasse enquanto ele ainda estava vivo. Isso o levou a cortar o seu próprio braço com uma faca cega.

Um trecho de seu livro afirma: “Você nunca encontrará seus limites até que tenha ido longe demais”. Hoje, porém, ele prospera como nunca antes, e uma adaptação para o cinema foi criada sobre sua experiência.

Joe Simpson e Simon Yates

Outra história que deixou as mentes atordoadas é a de Yates e Simpson, dois amigos e montanhistas que encontraram um destino terrível quando buscaram abrigo durante uma tempestade de neve. A dupla estava explorando a cordilheira dos Andes quando a falha fatal ocorreu. Simpson escorregou, caiu e quebrou uma perna.

Surpreendentemente, ele descreveu a sensação como sendo “molhada” em vez de particularmente dolorosa (embora, ele reconheça, de fato tenha sido). Ele estava unido ao seu parceiro por uma corda até que Joe se viu despencando ainda mais em um precipício. Suspeitando que Yates tivesse morrido, ele puxou a corda apenas para encontrar um corte desgastado na outra extremidade.

Yates, que havia lutado para ajudar Simpson por doze horas, sentiu que a única opção que restava era interromper o contato com o amigo em um esforço para que pelo menos um deles sobrevivesse. No entanto, Simpson não desistiu, ele se arrastou de volta ao acampamento base, encontrou ajuda, resultando na salvação de ambos.

Simpson não guarda rancor de Yates e explicou seu ponto de vista em “Touching the Void”, um livro que narra os detalhes extenuantes. Simpson declarou: “É estranho que as pessoas pensem que penso mal de Simon por cortar a corda. Há um lado pragmático do montanhismo que escaladores de poltrona e o público não entendem.

Depois que pousei na fenda, fiquei com raiva, mas com as circunstâncias, não com Simon. Não senti nenhum ressentimento em relação a ele. Teria sido totalmente ilógico para Simon morrer comigo. Na verdade, por causa de sua decisão de cortar a corda, nós dois sobrevivemos”. Mas muitos questionam o extremo a que Yates estava disposto a ir para sobreviver em tal situação.

Voo dos Andes

Outra história desastrosa de sobrevivência é a da seleção uruguaia de rúgbi, junto com familiares e amigos, ocorrida há mais de quarenta anos. A situação foi apelidada de “Desastre do Voo dos Andes”, bem como de “Milagre dos Andes”, e por razões compreensíveis. O testemunho angustiante de desgosto e extrapolação dos limites da humanidade deixa muitos sem uma opinião sólida sobre o quão permissíveis foram suas ações.

Era um pequeno avião que transportaria quarenta passageiros e cinco tripulantes ao Chile de maneira relativamente rotineira. Uma nuvem desorientou os pilotos, fazendo-os colidir com um pico que mais tarde apropriadamente foi intitulado Glaciar das Lágrimas. A queda foi horrível, alguns foram queimados até a morte pelos motores, outros mortos no impacto e alguns empalados por uma variedade de materiais.

Poucos ficaram relativamente ilesos. Quando os sobreviventes saíram para observar os arredores, encontraram apenas neve e silêncio. Através da estática do rádio, os vivos descobriram que, embora as equipes tivessem tentado encontrá-los, a falta de evidências os levou a quase desistir por completo da busca.

Depois de enterros, fome e ainda mais mortes, aqueles que ficaram conscientes foram levados a comer os restos mortais dos outros passageiros.

Eventualmente, dois dos sobreviventes caminharam para buscar ajuda, e os dezesseis sobreviventes foram resgatados após 72 dias de tortura. Um sobrevivente, Nando Parrado, expressou sobre a mentalidade em meio à situação: “Então, eu me ensinaria a viver na incerteza constante, momento a momento, passo a passo. Eu viveria como se já estivesse morto. Sem nada a perder, nada poderia me surpreender, nada poderia me impedir de lutar; meus medos não me impediriam de seguir meus instintos, e nenhum risco seria muito grande”.

Fome na Rússia

Os casos listados até agora incluem cortar membros, deixar parceiros para morrer e se alimentar dos cadáveres de entes queridos. A próxima história vai além dos limites.

Após a Primeira Guerra Mundial, a Rússia passou por uma grande fome que durou de 1921 a 1922. Esse evento, a Fome Russa de 1921, também é conhecida como Fome Povolzhye. Foi causado por dificuldades econômicas combinadas com um governo incompetente, embora a seca que se seguiu durante essa época possa ter sido um fator bem agravante.

As famílias comiam sementes em vez de plantá-las e vendiam tudo o que era possível na esperança de receber alimentos até que simplesmente não houvesse mais suprimentos. Cidadãos famintos voltaram a comer animais de estimação, pássaros e grama, mas isso ainda não era suficiente.

Os que ainda estavam vivos começaram a matar uns aos outros (amigos, familiares, estranhos) e comê-los. Um relato é o seguinte: “… na despensa encontramos dois pedaços, no fogão havia um pedaço de carne humana fervida, e na varanda interna havia uma panela com carne picada gelatinosa do mesmo tipo, e perto da varanda encontramos muitos ossos.

Quando perguntamos à mulher de onde ela havia tirado a carne, ela confessou que em fevereiro seu filho Nikita de oito anos morreu e então sua filha Anna de quinze anos pegou seu cadáver e o cortou em pedaços, como estavam morrendo de fome, o comeram juntas. Quando não havia mais nada, ela decidiu matar a filha para comê-la e assim o fez no início de abril.

Enquanto a menina dormia, ela a massacrou, cortou o cadáver em pedaços e começou a cozinhá-lo. Ela deu a carne gelatinosa e o fígado às vizinhas Aculina e Evdokia, dizendo que era carne de cavalo. A carne humana, as coxas e os pés de Anna foram levados à polícia como prova, a carne, os ossos cozidos e a carne gelificada foram enterrados”.

Contos semelhantes surgiram, incluindo irmãos que se mataram ou estranhos que desapareceram misteriosamente. O consumo de carne humana tornou-se tão difundido e aceito que até mesmo açougueiros começaram a vendê-la. Muitos dos que participaram de tais atos nunca foram punidos, pois foi considerado um ato de sobrevivência.

Na verdade, atos como esses foram repetidos em instâncias futuras na União Soviética e em outros países, como relatos de canibalismo por ucranianos durante o Holomondor, uma fome/genocídio em que comer carne humana era tão comum que pôsteres tiveram que ser publicados com a mensagem: “Comer seus próprios filhos é um ato bárbaro”.

Você provavelmente nunca conhecerá a verdadeira fome

Muitas pessoas consideram impossível que eles próprios sucumbam a tais meios, mas as coisas são realmente assim? É possível que essas ações não sejam influenciadas pela consciência normal, mas, em vez disso, inspiradas por instintos de sobrevivência primários.

O hipotálamo, uma área vital do cérebro responsável por uma série de atividades baseadas na sobrevivência, é conhecido por influenciar a percepção de uma pessoa quando em perigo.

O efeito que esta área do cérebro tem sobre o comportamento é o seguinte:

O controle hipotalâmico do comportamento é mediado de várias maneiras. Em primeiro lugar, a área hipotalâmica lateral e o núcleo tuberomamilar histaminérgico desempenham um papel importante na determinação do nível geral de vigília ou excitação.

Em segundo lugar, as entradas hipotalâmicas para vários geradores de padrão motor podem aumentar a probabilidade de comportamentos específicos. Por exemplo, quando está com fome, a maioria dos animais precisa procurar comida, explorá-la lambendo e cheirando e, finalmente, consumi-la. O hipotálamo pode reduzir o limiar para ativar geradores de padrão motor para locomoção e para cheirar e comportamentos orais que estão envolvidos na ingestão de alimentos. Assim, os animais são mais propensos a encontrar comida e mais propensos a explorá-la e consumi-la.

Terceiro, existem saídas descendentes hipotalâmicas para os sistemas sensoriais que podem sensibilizá-los (por exemplo, quando com fome, a comida tem um gosto melhor) ou fazer com que haja perda de sensibilidade (por exemplo, quando sob ameaça, a dor não é percebida tão prontamente).

Finalmente, o controle hipotalâmico das respostas autonômicas pode causar sinais (estômago roncando quando com fome; boca seca quando com sede) que alcançam a apreciação consciente em sistemas cognitivos superiores como uma necessidade de se envolver em um comportamento (neste caso, comer ou beber).

Da mesma forma, a regulação hipotalâmica dos sistemas endócrinos pode retroalimentar o cérebro. Por exemplo, muitos neurônios no cérebro têm receptores para hormônios esteroides envolvidos na reprodução, respostas ao estresse ou depleção de sal, e mudanças nesses hormônios podem alterar a probabilidade de vários comportamentos complexos regulados por esses sistemas neuronais.

Isso é muito útil quando se considera por que alguém agiria de maneira não ortodoxa para sobreviver. Na verdade, as circunstâncias descritas anteriormente se correlacionam diretamente com as informações aqui citadas.

Por exemplo, o ato chocante de Ralston de cortar seu próprio braço pode ter sido produto da dessensibilização de seu sistema nervoso pelo hipotálamo. É concebível que aqueles que participaram de comer carne humana, o fizeram não porque quisessem, mas porque seus cérebros se enganaram ao considerá-lo menos terrível do que seria de outra forma.

Em termos simples, tempos de desespero exigem medidas desesperadas.

Agora, mais uma vez, lembre-se daqueles quase desastres. Quanto vale a vida para você? Vale a pena cortar um membro, arriscar a vida de outro, consumir material terrível ou matar família e amigos? Talvez a resposta varie de pessoa para pessoa.

Este pode ser, em essência, o motivo pelo qual muitos entusiastas da preparação e sobrevivência estão tão comprometidos com seu estilo de vida. Poucas pessoas desejam olhar nos olhos da morte e ficar tão consumidas pelo medo que restam apenas algumas opções para continuar vivendo.

Você pode não saber o quão longe está disposto a ir até que a situação chegue. Até então, devemos viver o melhor que pudermos.

Vou deixar vocês com outra citação de Nando Parrado:

“Como costumávamos dizer nas montanhas, “Respire. Respire novamente. A cada respiração, você está vivo.” Depois de todos esses anos, este ainda é o melhor conselho que posso lhe dar: saboreie sua existência. Viva cada momento. Não perca tempo”.

Texto traduzido e adaptado do site: Intrepidoutdoors.

12 Comentários

  • Antonio Carlos da Costa Andersen

    òtimo artigo, concordo com o raciocinio de R. Maria, porém se no nosso país houvesse menos pendengas de egoísmo por parte dos políticos, e da própria Igreja, se desde a nossa infância, como já restou provado, nós tivessemos treinamentos não só sobre leis de trânsito, mas treinamentos secundários de como agirmos em determinadas situações, como faz a Japão por exemplo, talvez estas situações fossem amenizadas ou até mesmo contornadas. Não vou me estender muito, pois sei que o assunto sobrevivência é deveras inesgotável, mas poderiamos, com um pouco de boa vontade, como diz a popular ditado: darmos o pontapé inicial. Abraços e felicidades a todos.

  • Realmente chocante ver como os seres humanos podem chegar a atos tão extremos, em um momento de desespero, e claro, a questão citada a respeito do hipotálamo e dos hormônio tem tudo a ver. Só que existiram casos também de pessoas, no próprio desastre dos Andes, que preferiram morrer de fome à comer carne humana, e sabemos de tantos mártires que preferiram morrer de maneira lenta e torturante, apenas para não renegar sua fé em Cristo. Isso ocorre quando o ser humano tem a fé, que lhe dá razões de buscar algo que está acima das razões humanas. A vida não é só aqui nesta terra… Aqui é como se fosse uma escola, onde, no fim de nossa vida (e seja este fim, da maneira que for) veremos se seremos “reprovados”, se “passaremos de ano direto”, ou se ficaremos “recuperação em algumas matérias”. Ou seja, devemos lutar para sobreviver? Sim! Claro! Mas, mais ainda, devemos lutar pela vida eterna! E quem tem verdadeira fé, não teme a morte física, mas a morte eterna, que é da alma. Interessante ver nos estudos de Victor Frankl, psicólogo que sobreviveu aos horrores do campo de concentração; ele afirmava que só os quem tinham fé em Deus, lutavam para sobreviver com esperança, os outros se desesperavam. Interessante, confrontar este assunto com seus estudos da Logoterapia.

  • Napoleão e suas tropas cometeram canibalismo, urinária em suas próprias botas e beberam.

  • Comer os próprios filhos…isso nao é atitudes de pessoas sãs,nem em casos extremos.

    • CLEBERSON J.

      Concordo em parte Elizandro. Espero que nunca cheguemos nesse extremo, mas pensando sobre isso, creio que a sanidade já não habitava essas pessoas, pessoas desesperadas não possuem limite. Qual é o limite? Morrer de fome? ver meu filho morrer de fome? um estranho matar a mim ou meu filho para se alimentar? Sinceramente é difícil de imaginar que isso aconteceu, vendo as fotos da pra ver que as pessoas não possuíam mais nada, parece-me que o instinto de sobrevivência prevalece.

      • Discordo veementemente, uma pessoa sã se mataria para alimentar um filho, não o contrário.

    • Como dito, vc nunca conheça a verdadeira fome

  • Vagner Willian

    Interessante matéria , podemos observar o quão longe pode ir uma simples pessoa, quando estamos deveras “confortáveis” não nos vimos fazendo tais atos citados no texto , para mim , dentro de aspectos morais eu não cometeria canibalismo , mas … Não sabemos do que somos capazes .

  • Ivano Silva de Oliveira

    Eu tenho estudado muito sobre holomodor,pois só se lembram do genocídio do holocausto. Onde na escola só mostram um lado. Eu vejo no caso que estes dois momentos infeliz da história citados acima são ambos genocídio e não vejo diferença entre facismo e qualquer outro”ismo”.

  • Ótima matéria ! Para sobreviver, eu apenas não cometeria canibalismo (auto-fagia se encaixa aí). Não sou religioso, mas sou cristão porque acredito na pessoa Jesus Cristo (de fato, um personagem histórico), então por isso não irei cometer tais atos, de resto, seria muito subjetivo, Jesus já tirou-me de situações horríveis e me prepara para viver (sua sabedoria é muito valiosa, quanto mais o próprio Jesus).

  • Jardson Barbosa

    Ótimo artigo, parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s