Sobrevivencialismo Canino

Devido a minha formação, sei que os cães têm muito a oferecer em uma preparação, por isso, quero escrever uma série de artigos focada em preparação para cães. Para isso acontecer preciso do apoio de você que está lendo em nos dizer se quer que isso continue e quais assuntos acha interessante abordar no âmbito do Sobrevivencialismo.

História da domesticação canina

Acredito que a história da domesticação dos cães nos mostra o potencial de termos o cão em nossa preparação. Existem muitas teorias descrevendo como isso aconteceu, e a teoria mais aceita é que o cão foi o primeiro animal a ser domesticado no início da Idade da Pedra (na era Paleolítica), para ajudar na caça de cervos e javalis.

Com o domínio da agricultura o homem deixou de ser nômade e os cães adquiriram novas funções além da caça, agora ele ajudava na proteção dos animais de produção e vigia do perímetro do lar. Quando o cão late ao ver algo de “errado”, ele quebra o efeito surpresa de um agressor e permite um tempo maior para resposta da defesa.

Isso tudo não começou pelo amor, era uma relação em que todos ganhavam! A seleção genética instintiva fez com que o homem desse a preferência para a reprodução os animais mais valentes, mais atentos, mais obedientes e mais fáceis de manusear, assim selecionou o Canis Lupus Familiaris.

Como o cão é um animal versátil, podendo ter diversas funções tanto para a alimentação, defesa e até mesmo saúde emocional, entendo como estratégico ter cães em minha preparação e é muito importante mantê-los funcionais em tempos de crise.

Entendo que a primeira coisa que temos que elaborar em qualquer preparação é a B.O.B., não por ser a mais importante, mas por ser barata e por ser o nosso primeiro recurso quando ainda não temos uma preparação completa e bem estruturada.

B.O.B. canino

Como toda B.O.B o primeiro item é a Mochila. Você pode montar uma B.O.B. canina para você carregar na sua B.O.B. ou montar uma para o seu cão carregar sozinho. Caso opte pela segunda opção tem que se a tentar ao detalhe que a mochila do seu cão não pode ultrapassar 10% do peso do animal, assim um cão de 10 kg só pode carregar 1 kg de material. Esse volume pode ser aumentado caso o seu cão tenha sido treinado para isso ou se o tempo de caminhada for curto o suficiente para ele não se cansar muito com o peso excedente.

O Primeiro item é a mochila, existem vários modelos, mas o meu favorito é o colete tático, existem modelos para trilha que podem ser uteis também.

712t3fdef+L._SL1001_.jpg
Colete tático

                                   

backpack-2-1-1500_1400x.jpg

Mochila para trilha

Podemos dizer que a Água, a garrafa de água e o pote de água formam o segundo item. Espero que a sua B.O.B. já tenha uma forma de purificar a água, será essa água que você fornecerá para o seu cão. Existem doenças que podem ser adquiridas por água contaminada, a principal é a giardíase, o agente infeccioso desta patologia é um protozoário que causa diarreia, desidratação e pode evoluir para septicemia. Por ser zoonose (doença que acomete tanto os animais como o homem) é de suma importância evitá-la para proteger a sua família. Crianças e idosos são muito suscetíveis a essa doença.

O volume e a forma de fornecer a água é muito importante. O volume de água mínima por dia que um cão saudável deve beber tem que ser de 50 mililitro (ml) por quilograma (kg) de peso do animal, animais desidratados e doentes necessitam de um volume maior. Um cão saudável de 10 kg tem que ingerir pelo menos 500 ml por dia, então você deve levar 1,5 L para as 72 horas. Os cães perdem a capacidade de sugar líquidos logo após a infância, para conseguir ingerir um volume de água capaz de se hidratar o animal precisa formar uma concha com a língua e traze-la até a boca. Sendo assim, não podemos fornecer água na boca do cantil, nem com uma torneira ou mangueira, a água tem que estar parada e em um pote limpo. Existem diversos modelos de potes, vai da sua criatividade, o meu favorito é um pote de plástico que encaixa embaixo da minha garrafa de alumínio, ocupa pouco espaço e é muito leve.

Untitled-4

Terceiro item é a ração, que pode ser úmida ou seca. Acredito que o volume de ração seca para 72 horas de evasão seja um volume muito grande para se carregar, por isso eu indico ração úmida em sache, leve e fácil de dar. Carrego também saquinhos chamados de cata-caca, uso esses saquinhos plásticos não apenas para a função que lhe foi confeccionada (catar a caca que seu amigo faz pelo caminho), mas uso para forrar o pote antes de fornecer a ração úmida, assim não sujo o pote de comida e não preciso gastar água para lavá-lo.

95103_Ampliada
Cata-caca
10003300000018-1
Ração úmida

O Quarto item são os acessórios de caminhada, coleira com identificação, peitoral, caso tenha optado pelo colete tático ele já serve como peitoral, uma guia longa e um cinto de segurança veicular.

Quinto e último item do B.O.B. canino é o Kit de Primeiros Socorros. Detalhe, esse kit tem que ser utilizado separadamente, não é recomendado utilizar um kit só para as duas espécies.

  • Carteirinha de vacinação;
  • Histórico clinico e telefone de um Médico veterinário de Confiança;
  • Termômetro retal;
  • Presto barba com lâmina descartável para retirar os pelos próximos de uma ferida;
  • Focinheira de plástico, já com o tamanho compatível ao animal que for usar;
  • Cobertor aluminizado;
  • Itens para curativo (Gaze, Algodão, P.V.P.I., Atadura elástica);
  • Lanterna de cabeça;
  • Tesoura;
  • Pinça;
  • Luvas de procedimento;

Medicamentos merecem uma lista a parte. Aqui vão algumas dicas de classes de medicamentos, contudo a escolha de quais moléculas podem ser usadas e qual a dose e frequência a ser administrada deve ser auxiliada por um Médico Veterinário!

  • Anti-inflamatórios
  • Antitérmicos
  • Antibióticos
  • Pomadas para lesões de pele
  • Repelentes para mosquito
  • Antieméticos
  • Analgésicos
  • Antialérgicos

Acredito que com essa B.O.B. canina mais a sua B.O.B. a evasão com seu amigo peludo tem tudo para ser bem-sucedida.

Texto escrito por Fagner de Moraes de Oliveira, formado em Medicina Veterinária pela PUCPR, Mestre pela PUCPR, Responsável Técnico da Clínica Veterinária Vet&Clin.