Atravessando a maior praia do mundo a pé! – Bota Suja Ep.06

Chegou a hora de você acompanhar a maior aventura que a equipe do Sobrevivencialismo enfrentou até hoje. Nós vamos mostrar nossa tentativa de cruzar a maior praia do mundo (235km) a pé, carregando todos equipamentos necessários nas costas e sem nenhum apoio.

Aqui vai o relato completo para você acompanhar:

Esta foi sem dúvida a maior aventura que fizemos, e a mais difícil. Apesar das dificuldades para filmar por conta das baterias e do cansaço, eu espero que você consiga sentir um pouco do que enfrentamos por lá e quem sabe fique inspirado para começar as suas próprias jornadas.

Semana que vem vamos publicar aqui no portal um podcast contando todos os detalhes que não puderam ser mostrados em vídeo e também tirar dúvidas que vocês possam ter sobre a expedição, então por favor, deixe suas perguntas aqui nos comentários abaixo!

Além disso, filmamos toda a organização dos equipamentos e alimentos, assim você também pode ter uma noção exata de o que estávamos carregando. Aqui está o conteúdo extra:

Estamos muito orgulhosos desse relato e espero que você goste também. Por favor, nos diga o que achou nos comentários, sua opinião é sempre muito bem vinda!

Até.

Anúncios

34 Comentários

  • Boa noite Júlio e Ébano! Show a matéria de vcs, os vídeos e todas as dicas! Relato “pé no chão”! Próxima ida a Floripa vou até a loja de vcs. Já conhecem a Serra do Rio do Rastro, a Trilha dos Tropeiros e outras trilhas aqui do sul de SC? Fica o convite! Abraços!

  • Caro Lobo e leitores, como conheço essa praia relativamente bem, gostaria de colocar alguns detalhes que podem enriquecer uma aven tura nela.
    Os treme-treme são apavorantes e tem um bem proximo do návio naufragado que por sinal se degrada rapidamente! Naquele arroio próximo ao návio (em direção sul) tem uma vasta área de areia movediça, o tal treme treme, é imensa, e andar nela é muito semelhante a efeito de terremoto, a coisa embaixo dos pés é viva!
    Provavelmente as insurgências de água subterrâneas quando encaram a água mais denso do mar são empurradas para cima, fazendo o mesmo com a areia, assim parar o automóvel em um desses é perda do automóvel na certa! E andar é meio asustador mas é uma esperiência maneira, desde que não se deixe afundar pois se fizer isso, o torque para tirar o pé fará com que o outro afunde mais, e aí só deitando para sair!
    Outra coisa que é perigosa, aliás, perigosíssima é a grande quantidade de turfa nessa praia, e mergulhar na arrebentação pode ser mortal, pois se tomar um caixote e tentar se apoiar em pé poderá ficar fincado na lama/turfa e nesse acso a chance de escapar é muito baixa e o risco de virar um fóssil acompanhando os abundantes fósseis que tem nessa praia é realmente concreto!
    Essa praia não é para nadar fora das zonas já conhecidas, até porque é muito traiçoeira!
    É um maná incrível de fosseis, dentes de megalodonte são comuns na areia, e a lagoa mangueira é um bioma fascinante e destruido pelas industrias, havia lá uma sardinha gigante que foi dizimada e está extinta.
    Os fósseis abundam pois como coloquei tem muita turfa (carvão mineral meio macio e recente, quase vegetal compactado), o mesmo que quando existe no campo faz aquelas fogueiras subterrâneas que são mistério para quem não conhece. Se observarem com atenção o solo verão muito pedaço de casco de gliptodonte, um super tatu pré histórico.
    É um bioma e ecossistema muito frágil e está seriamente ameaçado, pois a vegetação rasteira é quem segura as dunas e a exploração da areia e edificações destroem ela, essa praia sempre foi muito traiçoeira para embarcações com muita banquisa movente pelo vento ininterrúpto e o mar que nunca amansa, foi palco de tragédias por conta disso. Mas caminhar nela até o Chui tem algo de mítico, não fiz toda a distãncia do cassino ao Chuí, mas várias vezes fiz do Hermenegildo ao Chuí, são uns dez kms, de bicicleta pode-se voltar à vela, pois é só abrir a camisa e os braços que o vento te leva (predomina direção sul norte, ou mais preciso sudoeste nordeste) como se fosse velejando, tanto é que lá tem uma galera que pratica windcar!
    É um dos cenários que me encanta, e gostei muito de ver sua travessia. Sempre preferi andar lá de pés descalsso, embora a areia socada seja bastante abrasiva. Os corpos de leões marinhos mortos e delfinsé algo lamentável, sobretudo porque se olhar de perto se ve que são abatidos no tiro, pois danificam as redes dos pescadores, vi também tubarão martelo, aliás, foi o único que vi ao vivo, muita atrtaruga de pente, pelicano, que só vi lá no brasil. e o vento absoluto em toda ela, é um cenário fascinante.
    Qualquer hora despenco para lá para matar a saudade daquele cenário.
    Creio que fazer uma travessia com tempo marcado é algo que nos tira muito o prazer da apreciação pura a simples, vale pelo desafio, mas entendo que aquela praia é para ser caminhada com carinho, atenção, pois é cenário único, é a maior praia do mundo em extensão, embora na ilha frazer na australia em alguns períodos do ano se forme uma praia um pouco mais longa, só que cheia de crocodilus porosus, o maior corcodilídeo do mundo!
    Em tempo, o nome da praia deveria ser praia do Hermenegildo, pois é muito maior a extensão dela dentro do Hermenegildo do que do Cassino. Aliás, quase toda está no Hermenegildo!
    Agradeço a atenção
    Obrigado

    • O navio Altair, naufragou em 1976, e começou a deteriorar com uma velocidade impressionante, quando o visitei tinha ainda alguma coisa do casco bem na beira da água e em sua jornada já não tinha, e quando li sobre ele na revista Terra era ainda mais imponente com os mastros conectados ainda, e visitei pouco tempo depois da publicação e já estava perdendo aqueles dois “mastros” conectados, estavam já separados, sugiro a quem queira ver o navio que corra, pois creio que em poucos anos estará completamente submerso e perigoso, pois as chapas do casco corroidas pela ferrugem vão virar láminas perigosíssimas!

    • E uma papete creio ser mais eficaz em uma travessia da praia do cassino, só que papete boa já não existe mais !

  • Raquel Dos Santos

    Olá Júlio, td bem? acompanho vc faz tempo e sou fã de seus vídeos. Parabéns pela jornada Cassino/ Chuí, mta coragem. Um abraço.

  • Pingback: Uma verdadeira peregrinação | Sobrevivencialismo

  • Abel Sávio

    Fala Julio beleza, acompanho vc ja faz um bom tempo.
    Então, vou fazer o mesmo percurso que vcs fizeram do Cassino até o Chuí também.
    Gostaria de ver se pode me ajudar com algumas dicas e tirar algumas duvidas que ainda eu tenho.
    Uma delas seria sobre os a aguá, vcs trataram a maioria das vezes? Como fizeram a logística do abastecimento de água? Planejaram pelo Google onde iria ter os Arroio de água? Fico no aguardo Obrigado

    • Fala Abel!

      Aqui vai o podcast onde falamos absolutamente tudo sobre a travessia!

      Abraço!

  • Vinicius Lima

    Julio, orçamento que você teve dava para ter utilizado um spot pra ter mais segurança https://br.findmespot.com/pg/
    .
    O aplicativo Wikiloc também tem uma modalidade que as pessoas conseguem acompanhar a sua trajetória e um botão de pânico caso precise de ajuda.
    Muito legal a jornada parabéns!!!
    Tenho vontade de fazer o Vale do Paty

  • Caio Goecke

    Olá Julio!
    Sou um escoteiro de 15 anos, estou prestes a participar de uma jornada de aproximadamente 17 km com um irmão escoteiro da mesma idade. Tenho certas duvidas de como me vestir adequadamente para tal, pois moro na capital gaúcha e aqui está um frio de rachar. Você poderia me indicar um vídeo completo para me ajudar, ou de preferência responder com dicas simples de vestimenta, eu seria muito grato se isso for possível!
    adoro o conteúdo dos teus videos, você é um exemplo pra mim. Um dia vou ai em Canasvieiras na Via de Fuga para te conhecer!!! Aguarde! rsrsrsrs.
    Um abraço, Sempre Alerta!!!

  • Maxwell maciel paula da cos5a

    Fala Julio !! Primeiramente parabens para os dois foi umanaventura e tanto . Cara , gostaria de saber como a Nepal se comportou nos ventos fortes dessa praia ? Ela segurou a onda legal mesmo ?

  • Ola Julio, estou ansioso pelo podcast, tenho algumas duvidas sobre a travessia,
    1- Quais os erros e acertos dos equipamentos?
    2- Quais os erros e acertos nas rações?
    3- Quais os erros e acertos das Vestimentas?
    4- Aguá foi um problema?
    5- Foi mais frio ou calor que vocês passaram?
    6- O vento foi muito incomodo e constante?

    Uma lista completa para podermos nos basear para nossas preparações.

    Tenho muita vontade de fazer esta travessia e gostaria de comparar com minhas preparações que estou ja fazendo.
    Sou do RS e por aqui temos alguns lugares muito bacanas para fazer caminhadas como o Viaduto 13 em Vespasiano Corrêa.

  • Video muito bom! parabéns!
    Fiquei com muita vontade de fazer este percurso… tenho algumas perguntas que acho pertinente.. vamos lá:
    1) O que acha de fazer este percurso SOZINHO?
    2) Imagino que o preparo fisico seja de suma importância para o sucesso da missão, poderia elaborar mais sobre isso?
    3) Como foi a recuperação?
    4) Houve alguma preocupação com a falta de agua? Chegou a ficar em um nível critico? Parava para “abastecer” sempre que havia oportunidade?
    5) Consegue fazer uma estimativa de custo dos equipamentos/mantimentos?
    Novamente, parabéns pelo sucesso!

  • douglas fronza

    Ola julio . realmente o teu video ficou show, parabéns. Amigo estou indo dia 2 de novembro deste ano fazer a mesma travessia ( 4 meses de preparação) e gostsria de perguntar só uma coisa: o que vc levaria de equipamento ou mudaria da tua logística se fizesse o trajeto novamente?

    • Fala Douglas! Boa sorte por lá.

      Eu com certeza não levaria tantas roupas, usei apenas as roupas íntimas e as meias, pois calças e camisetas foram apenas luxo e peso extra.

      Além disso usaria um óculos mais fechado para evitar areia nos olhos nos dias com vento, isso realmente pode ajudar, além de uma luva corta vento para as mãos não ficarem dormentes com o frio.

      Em cerca de 2 semanas lançaremos um podcast comentando sobre a aventura, fique atento aqui no site!

      Abração!

      • Gilmar Lira

        Boa noite Julio, acompanhamos todos os seus videos, bota sujo, setor 7 e…., admiro seu trabalho, gostaria de encontrar o podcast do comentário dessa aventura. Forte Abraço

  • Júlio parabéns pela bravura nesta empreitada.
    Se eu tivesse grana patrocinava vocês para fazer esta travessia de bike também, com apoio de drones e apoio técnico caso algo ficasse complicado.
    Mas como não tenho, fica aqui meu singelo parabeeens

  • Eduardo doege

    Parabéns ao Júlio e ao Ebano! Uma conquista fantástica…
    Como foi depois dos moles?
    Usaram analgesicos?
    Passarram algum produto pra diminuir o atrito “nas partes”?
    Tiveram que racionar muito a água?
    Daria ate pra usar uma micro turbina eólica presa na mochila com tanto vento assim…rs
    Ansioso pelos reviews

    Abç

    • Olá Eduardo!

      Vamos responder essas dúvidas muito em breve lá no nosso podcast que faremos dedicado para essa jornada. Fique atento aqui no site!

      Abração!

  • Parabéns, só terem chegado na noite riograndina com 2 mochilas cheias de equipamentos e não serem assaltados é uma vitória!
    Aquela área onde o Chuy ficou com o pessoal acampado tb é perigoso, pois foragidos da Justiça escolhem lugares ermos para viverem.
    Próximo aos restos do navio Altair, vivia até uns anos atrás o Vitor Hugo, conhecido como o “Ermitão do Cassino” – tem documentário no youtube. Ele abandonou a cidade, reabilitou uma casa soterrada pelas dunas e viveu lá por uns 15 anos, coletando mariscos e pescando, mas fazia pequenos serviços de eletrônica. Foi embora por causa dos roubos constantes!
    Enfim, o maior temor de uma aventura ou assumir um estilo de vida isolado próximo à natureza é o mesmo da cidade: a violência!
    Mas é uma bela praia, embora com lixo e agora aquela “greda” fruto de dragagens… no verão os veículos estacionam a poucos metros da praia, o que faz centenas de milhares de pessoas ocuparem essa praia ao mesmo tempo!
    Ah, avisaram da incidência de jararacas nas dunas? Mas de qlqr forma, se deparar com outro ser humano seria mais perigoso por lá!

  • Adorei o vídeo os dois estão de parabéns!!!
    Porque usaram estas calças e não a Sabre ou a Guardian??

    • Olá Marcones!

      Porque as calças da Hard Adventure são mais interessantes para jornadas longas onde pode haver água envolvida. As calças da Invictus são ótimas para jornadas curtas e de alta intensidade, porém se forem molhadas demoram muito para secar. As Hard Adventure secam em meia hora, e, considerando que o clima lá era muito frio, não poderíamos ficar com nada molhado no corpo.

      Abração!

  • Maxwell maciel paula da cos5a

    Me amarro no Cash também !! Cry cry cryyyyyyyy cry hahahahahahaha

  • Maxwell maciel paula da cos5a

    Cara! Fiquei torcendo para o Chuí voltar contigo kkkkkkk

  • Maxwell maciel paula da cos5a

    Fala Julio !! Me chamo Maxwell de Natal Rn . Cara acabei de adquirir minha Nepal 2 , como ela se comportou nesta expedição em relação aos ventos no quesito resistencia ? Obrigado . Ficou muito massa o vídeo !!!

  • Simplesmente incrível!

  • Pergunte ao Julio: Aí no sul, os arroios são tranquilos de passar? Todos rasos, ou algum mais fundo que iria dificultar atravessar com uma bike?
    Quando fiz nordeste encontramos muitas barras dificílimas. Em algumas só possível atravessar graças aos barqueiros/pescadores locais. Curiosidade: No nordeste as barras/foz de rio são chamadas maceió.

    • Fala amigo! O único arroio que estava mais cheio era o que atravessamos com sacos de lixo (mostrado em vídeo) e chegava até um pouco acima dos joelhos, porém já me disseram que no verão a tendência é que eles possam aumentar um pouco mais.

      Abraço!

  • Haroldo Azevedo

    Show de bola o vídeo, me amarrei. Parabéns pelos relatos e pelas belas imagens. Quais câmeras vc usa?

  • Bruno Henrique Cunha

    Julio, show de bola, vi sua resposta no comentário meu la no vídeo e vc me mandou pra cá.
    Bem completa e sucinta sua bagagem. Mas me surgiu algumas duvidas, é a parte da higiene? Outra coisa como quero fazer essa expedição, em caso de emergência qual seria a saída para encontrar ajuda? Pois na maioria dos pontos não há civilização por perto.
    Parabéns o trabalho desse vídeo ficou simplesmente incrível. E outro parabéns pelo coração forte dos dois ao dar adeus ao Chuí, cara na moral eu não aguentaria, sei la iria me ferrar muito e levaria o dobro do tempo mas eu traria de volta esse dog. Parabéns mais uma vez. Continue com esse trabalho.
    Quero ver o monte Roraima eim kkkk
    Ah outra dúvida, andei vendo seus vídeos antigos e me responda como o tempo te tranformou no Serj Tankian? Kkkkk

    • Olá Bruno!

      Sobre suas dúvidas, a higiene era bastante simples: Lenço umedecido. Com ele nós tomávamos o “banho de gato” e também usávamos para “ir ao banheiro”. Em relação a procurar ajuda, é meio complicado, mas ao mesmo tempo é importante lembrar que a praia possui certo tráfego de carros, ao menos uma vez por dia algum veículo ou moto passava por nós.

      O monte Roraima já está na nossa lista… E o Serj Tankian que copiou meu estilo! rsrsrs.

      Abraço!

  • ANIMAL!!!!! PARABÉNS AOS DOIS.

  • Ricardo MESQUITA

    Boa tarde Julio, cara ficou Top as cenas apesar de a bateria nao ter aguentado. Julio da proxima o ideal é prender o carregador por inteiro na mochila para nao ficar batendo e o uso daquelas polainas da ( Quechua ) ou ( Deuter ) para proteger os pés do atrito da areia e o uso de um oculos de sobrepor para nao entrar areia nos olhos, agora falando fica tudo mais facil kkkk mas foi preciso voces passarem esse perrengue para achar os pontos falhos na missao. Fiquei muito triste por causa do ” chui ” nao ter ficado com voces, mas entendo que talvez comprometeria a missao caso ele estivesse junto… PARABENS pra VOCE e o ÉBANO que juntos foram ate o fim .
    P.S. Voce bem que podia fazer um reviw da mochila que foi usada e como acondicionaram os equipamebtos nela e a minha EV-1 chegou é TOOOOOOP D+ ainda nao testei mais to louco pra por na trilha kkkk FORÇA e HONRA

  • Que relato incrível! Sem dúvidas é o melhor que eu já vi até hoje no YouTube sobre trekking.
    Deve ter sido muito duro ter que continuar o trajeto sem a companhia do Chuí.
    Eu realmente espero que aquele grupo tenha adotado ele.
    Dava pra ver em suas caras que estava difícil depois do segundo dia.
    Uma travessia tão extensa em apenas 2 pessoas deve ter sido duro.
    Parabéns Júlio e Ébano. Vcs dois são guerreiros!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s