Aprenda o básico

Por Eremita Urbano

Para ser um sobrevivencialista, o básico é saber fazer “fogo com pauzinhos” e “entender de tudo sobre sobrevivência na selva”?FOGO SOBREVIVÊNCIA

No post de hoje eu vou falar um pouco da minha percepção do básico. O texto serve para os mais novos refletirem e para alguns pais, talvez, reverem alguns conceitos.

Falando do básico

Talvez você precise em algum momento de sua vida ficar sozinho em casa, ou até mesmo morar sozinho e a única coisa que sabe preparar pra comer é miojo porque você não foi instruído e preparado com um elemento básico de manutenção da vida, que é saber preparar comida.

Mas não se envergonhe, não tem problema… Continuemos a leitura.

Talvez você ou seus pais tenham muito dinheiro pra bancar empregados, para fazer de tudo pra você e não tem nada de errado nisso, mas é bacana que você também esteja preparado e saiba cuidar das suas coisas e de si mesmo.

Aquele kit de primeiros socorros na sua mochila não serve pra nada se não saber usar de verdade.

Sabe, você pode ter tido sorte e nunca precisou de nenhum conhecimento básico até hoje, mas acredite em mim quando digo que a vida é surpreendentemente imprevisível. É sério!

A que conhecimento básico me refiro?

Se você é capaz de lavar ao menos sua roupa, fazer sua própria comida, organizar e limpar a casa, cuidar de seus documentos, conhece os remédios que possa usar, mantém o banheiro limpo e arruma a sua cama, muito bem. Você tem o básico que toda pessoa devia saber, sobrevivencialista ou não, seja homem ou mulher.

Geralmente as mães ou pais, dependendo da situação, ensinam somente as suas filhas a fazer ao menos um arroz, feijão e bife, mas a seus filhos, não… E assim muitos garotos não sabem fazer nada do básico e sentem enormes dificuldades quando vão morar sozinhos, como ao fazer uma faculdade por exemplo.

Também existem as garotas que sempre tiveram empregados e penam muito no futuro, porque os pais deixaram para lá esta importante parte do aprendizado básico para a vida. Alguns falam que não é preciso – “minha filha vai ser doutora”.

Muitos pais não ensinam essas coisas por que querem “proteger” seus filhos. Eu penso que bons pais são aqueles que vão se tornando dispensáveis, à medida que o tempo passa. Reflita sobre essa afirmação. Como vai ficar seu filho ou sua filha se você algum dia por um motivo qualquer não puder “fazer as coisas” para ele ou ela?

E se você for um filho lendo esse texto, antes de aprender a “acender fogueiras com pauzinhos”, saiba usar um fogão comum e preparar comida de verdade, arroz, feijão, carnes e salada. Depois disso vá aprendendo outras coisas, arrume sua cama, aprenda a lavar roupas, depois continue aprendendo… Aprenda a usar agulha e linha para ao menos pregar um botão a camisa, aprenda a fazer pão você mesmo…É serio. Esse básico faz uma falta enorme se um dia você tiver que se virar sozinho.

Não importa se é ou vai ser engenheiro, médico, cientista… Aprenda o básico.

E mais uma vez, acredite em mim quando digo que a vida é surpreendentemente imprevisível. Aprenda o básico e assim as coisas vão ficar mais fáceis, seja morando sozinho ou em alguma crise qualquer.

Anúncios

37 Comentários

  • Ola pessoal sou a pessoa do comentario do dia 16/08 as 15:14
    eu pedi dicas mas ninguem me deu …
    E isso é realmente importante pra mim sera que podiam me ajudar ?

  • Meu pai sempre nos criou da seguinte maneira : Uma menina tem que saber fazer tudo que um menino sabe.
    Não foram poucas vezes que ele e minha mãe brigaram por causa dessa “mania” dele , assim crescemos (eu principalmente) aprendendo a pescar , caçar , trocar chuveiro , consertar tomadas , reparos hidráulicos, pequenos reparos mecânicos. Tirando a força física não me vejo em desvantagem com alguns homens , é claro q por ser mulher minha “visibilidade” e “fraqueza” no meio seria maior , mas me creio bem preparada em detalhes e pequenas coisas.

    Por isso digo a vocês , criem seus filhos sejam eles meninas ou meninos , iguais !

    Abraços

    • Eremita Urbano

      Falou tudo, muito bem, obrigado pelo seu comentário! :o)

  • Bem quando minha mãe começou a trabalhar fora,, além de cuidar da minha irmã de 5 anos, eu já sabia fazer macarrão (não me referindo ao miojo), depois de uns 17 anos pra cá, sempre fui aperfeiçoando as coisas, eu sinceramente, sinto um profundo desprezo de que não teve a vontade de aprender nada em vida, só sabe fazer muito bem uma única atividade ou não sabe fazer absolutamente nada.
    Morei uns anos sozinho, apenas eu e a Sophie ( minha cachorra), que é companheira de aventuras, e tipo,eu acho muito foda cuidar do lar, das pequenas coisas, até desentupir canos, plantar, fazer a própria comida, cuidar de si mesmo, foi ai que me dei conta que eu já era um sobrevivencialista…. e que aprender faria parte da vida toda…

    • Eremita Urbano

      Obrigado pelo comentário e compartilhar sua vivência Saulo. Valeu!

  • Jonathas Gomes

    Ótima dica cara !!!
    Venho de uma família humilde, dês de pequeno tive que me virar sozinho. Minha mãe saia pra trabalhar e eu ficava sozinho em casa, pedir pra minha mãe me ensinar a cozinhar, a lavar roupas, me ensinar a arrumar a cama, e fui aprendendo.
    Hoje em dia sei cozinha o básico Arroz, feijão, Macarrão, salada,
    carne e outras coisas. Sei costurar um pouco … mas sei !!
    Tenho apenas 17 anos, sei o que é sobrevivencialismo na teoria
    venho estudando muito isso, mas tou ansioso pra praticar-lo.
    Ótima postagem !!!

    • Eremita Urbano

      Ok Jonathas… obrigado pelo comentário!

  • Ola pessoal
    eu tenho uma filha de 2 meses
    e um fikho cm um pequeno grau de autismo e queria saber se algum de vcs mais experientes tivessem alguma dica pra pder me preparar.. entende? para um caso de sobrevivencia urbana ou na selva……eu moro no centro ou seja estou proximo de tds as lojas pra comprar algo emergencial..porem crio galinhas no quintal kkkk entao
    alguemm tem algumadica pra mim ?

    • Eremita Urbano

      Obrigado por comentar, o fato de ter galinhas já é uma boa, não são complicadas de lidar e é bom ter os ovos e eventualmente carne, lembrando que enquanto estiverem botando os ovos são mais interessantes.

    • Olá Oliver ! Acho que o principal é você se garantir com o básico , vejamos , se você já cria galinhas significa que tem pelo menos um pequeno espaço no quintal, então porque não começar uma horta ? Alface , couve, tomate cereja , chuchu , maracujá, mandioca, coisas de fáceis manejo e que já farão uma diferença no orçamento ! Aproveitando a economia você pode usar o dinheiro para comprar outras coisas !
      Eu também gosto muito da ideia de captar a agua da chuva !

      venha pro forum que temos boas ideias pra você!
      Abraços

      sobrevivencialismo.forumeiros.com

  • Ontem fiz meu primeiro bife, inspirado por este artigo. Ufa! Que trabalho… Pronto, agora sei fazer bife. Agora vou mergulhar no YouTube para descobrir como fazer arroz. Minha preparação atual para sobrevivência é estar procedendo para a compra de uma arma e assistindo todos os vídeos da Dona Ana, sobre como fazer “um arroz saltinho e delicioso “.

    É… E assim eu me preparo para o SHTF

    • Eremita Urbano

      Ótimo Vilhena, é importante aprender mesmo… essa cozinha básica deve fazer parte do aprendizado da boa preparação, tem muita gente que pensa que vai pro mato caçar e assar um bicho qualquer… mas nunca sequer fez um simples bife, pre entender como funciona o preparo básico de carnes… esse básico serve de base para alicerçar os conhecimentos mais profundos e não deve ser negligenciado, valeu pelo comentário.

  • Exatamente.
    Confesso que muita coisa não sei fazer ainda (nem pregar um botão de camisa. Aliás, de costura não sei nada nada), mas por morar fora há uns 7 anos, fui aprendendo aos poucos.
    Sei lavar roupa, cozinhar me viro muito bem até, limpar casa, e tudo mais que me permite viver até que bem sozinho.
    Mas isso vai da criação também, lembro que quando tinha uns 7 ou 8 anos minha mãe me disse “Vou te ensinar a lavar suas cuecas, eu não lavarei mais”, e desde então sou eu que as lavo.
    Mais ou menos nessa idade também comecei a arrumar a cozinha, às vezes eu, às vezes minha irmã.
    Dentre outras coisas (instalar mangueira de gás no fogão; bater um prego; furar parede etc) que fui aprendendo com meu avô.
    Esses dias mesmo, meu banheiro começou a inundar após o banho, arregacei as mangas, peguei uns arames, tirei os 2 ralos e eu mesmo desentupi. Economizei a grana que iria pro encanador se fosse outra pessoa no meu lugar.
    Detalhe que eu sou muito mão de vaca, minha teoria é “se eu tenho as ferramentas necessárias, tempo livre e sei fazer, pra quê vou pagar alguém pra isso?”. E isso se aplica a lavar o carro, não contratar diaristas etc.
    E isso tudo sem esquecer dos estudos. Resultado = hoje sou um advogado que mora sozinho e se vira muito bem na maior parte dos casos =)

    • Eremita Urbano

      Perfeito Aldo, obrigado pelo comentário!

  • Jose Mauricio Rodrigues

    Gostei muito excelente recomendação

    • Eremita Urbano

      Obrigado, Jose Mauricio.

  • Existe uma historinha muito antiga, que euli nem sei onde que ilustra muito bem esta situação: ” Um jovem engenheiro recém formado foi incumbido de inspecionar umas terras no interior para um projeto.
    Para tanto devia atravessar um rio caudaloso. Então embarcou em uma canoa conduzida por um capiau. Durante a travessia, para espantar o tédio, o jovem que era um tanto arrogante resolveu caçoar do matuto. Então perguntou-lhe: O senhor sabe matemática?
    _ Nem sei que bicho é esse “dotô”!
    – Hum… o senhor perdeu boa parte da sua vida em não saber matemática!.
    – O senhor sabe geometria?
    – Ih “dotô”, isso é bicho ou é planta?
    – É.. o senhor perdeu muito da sua vida em não saber geometria!
    – Mas o senhor pelo menos sabe ler e escrever, não é?
    – Ah “dotô” a minha cabeça nunca deu para essas coisas.
    – De fato, o senhor perdeu muita coisa em sua vida em não saber ler e escrever!
    – O capiau já estava todo chateado com a atitude do jovem quando a canoa bate em um tronco e emborca, lançando os dois na água,
    – O capiau saiu nadando em direção a margem, enquanto o engenheiro se debatia se afogando.
    – Foi quando o capiau virou-se para ele lá de longe e gritou:
    – “Doto”, “ocê” sabe nadar?
    – Me ajude por favor eu não sei e estou me afogando?
    – Ah “dotô’ então o senhor perdeu a sua vida toda, pois eu sei e muito bem até!

    • Eremita Urbano

      Rs… Obrigado Vaniel, muito boa a historinha!

  • Yoseph Makabi

    Numa situação de sobrevivência tem coisas que não vão ter a menor importância… “Comida de verdade” é isso? Arroz, feijão, carnes, saladas…? Pode ser… A natureza oferece a tua comida… sem precisar de fogo ou panela… No caos total que vem por aí… pregar botóes, passar roupas… cozinhar… hum… sei não…Fabricar armas, pelo menos arco e flecha, lança, cacete… saber usar armas… farejar comida, identificar problemas e inimigos construir abrigos… encontrar água… fazer fogo com pauzinho ou com qualquer outra coisa… É isso….MATAR, SE PRECISO FOR, MORRER NUNCA!!!
    SELVA!!!

    • Eremita Urbano

      Ok. obrigado pelo comentário, pontos de vista diferente são interessantes para gerar mais opiniões e assim o assunto fica mais rico.

  • Parabens , este eh um alerta geral porque pai tem q educar pra vida com o pe no chao, sem fantasias, se virar mesmo, minha familia tem feito isso a tempos vem dos avos educaçao militar nao difere sexo ae todo mundo aprendeu rsrrs
    Parabens Eremita

    • Eremita Urbano

      Valeu Rodrigues, obrigado pelo comentário.

  • 1° parabéns pela postagem cara! Tem muita gente por aí com impressão distorcida sobre o que realmente é sobrevivencialismo e tem um afobamento para passar a carroça na frente dos cavalos, querem se tornar sobreviventes ultra master mas ignoram o básico.

    Quando mais jovem era forçado a fazer certas coisas em casa, digo forçado pois não me foi ensinado que as tarefas eram importantes e era bom para mim aprende-las, fazer tarefas era uma forma que usavam para me castigar, porem aprendi algumas coisinhas, ao começar a trabalhar além do meu trabalho lá na loja sempre apareciam algumas coisas como pequenos concertos na loja de vários tipos, apertar a correte da moto de entrega, faxina, pintura, concertos elétricos e hidráulicos, montagens e desmontagens de coisas e até trocar botijão na casa do patrão já fui :p, Quando minha mãe viajava ficávamos sós aqui por uns dias e aí era hora de se virar, devo confessar que o rango tava mais para grude do que para banquete, pelo menos fome não passava! kkkk… Eu e a esposa moramos um tempo em outra casa só nós dois e como na época meu horário de trabalho começava após as 13:00h ficava em casa na parte da manhã e eu tinha que preparar o almoço e cuidar da casa.

    Não posso dizer que sei fazer tudo de casa e que gosto disso porem se for preciso sei me virar e improvisar.

    Depois que conheci as práticas sobrevivencialistas e que fui amadurecendo um pouco mais e aprendendo coisas me tornei um pouquinho melhor neste sentido, desenvolvi um pouco mais de criatividade e uma mera habilidade para lidar com certas situações cotidianas, claro que nada de extraordinário ou que mereça um prêmio porem sei que muitos nem isso dão conta pelo tipo de vidinha que levam.

    Fico imaginando estas pessoas, que como dizem por aqui, “NÃO SABEM BATER UM PREGO EM UMA BARRA DE SABÃO.” tendo que enfrentar uma crise onde vc tenha que se virar ao avesso para superar as dificuldades…

    • Eremita Urbano

      Valeu Léo Lima. E obrigado por seus comentários e por compartilhar sua vivência.

  • Acabei de ler o texto e olhei pra frente, olhei pra um lado, olhei pro outro lado, olhei para trás e não achei ninguém que se encaixa nessa “configuração”…(saber fazer as coisas)
    Li uma parte do texto em voz alta e quando já ia começar a discutir o assunto ouvi rapidamente, “mas pra que que eu vou fazer isso ou aquilo?” Vc faz? Bom pra vc!
    Outro disse, eu tenho quem faz pra mim e por mim! Quando for a hora, eu aprendo…agora não!!
    Que se exploda, eu quero é mais!!
    Aí me calei..

    E aí parace que, eu é que sou o “errado”, o “estranho”!!!

    • Eremita Urbano

      Valeu por compartilhar a experiência Comanf… Pois é… Infelizmente existem pessoas assim… A galera do DEPOIS eu faço, do SE precisar eu aprendo depois… Esses… caso aconteça algo que os tire da zona de conforto, são os que enfrentaram as maiores dificuldades, são os que vão sentir mais “dor”… e infelizmente alguns só aprendem pela “dor”! Tentamos muitas vezes mostrar e ensinar, mas em alguns casos, é melhor deixar pra lá mesmo! Pessoas são muito complicadas e muitas vezes não compensa gastar energia tentando mudá-las, melhor focar as forças em nos mesmos e deixar cada um com seu caminho… por mais que doa, as vezes alguns… até mesmo alguns dos nossos queridos, vão ficar pelo caminho ao enfrentar dificuldades em alguma crise, mas faz parte e temos que entender. Valeu!

      • Muitas vezes nos tornamos alvos dessas pessoas, que não sabem fazer nada, mas na hora H virão atrás de nós, as vezes nem querendo aprender, mas tomar tudo de nós.

  • Excelente post , se por exemplo , uma pessoa se perde em uma selva e tem a incrivel sorte de achar uma cabana , pouco vai adiantar , se ela não souber manusear um fogão , forno , ou até um simples fogão a lenha . Eu por exemplo sou o unico da minha casa que ainda não possui emprego e consigo realizar todas as tarefas , desde varrer até preparar o alimento , graças a minha mãe Terezinha .
    Abraços galera !!!
    Parabéns pelo post !

    • Eremita Urbano

      Valeu, obrigado pelo comentário Italo.

  • Fabrício Jucá

    Saudações, amigos. Ao ler o artigo me lembrei do texto “Sobre ovelhas, lobos e cães pastores”, onde o autor afirma que uma minoria está preparada para uma situação de crise, o restante vai entrar em desespero e se matar. Acreditem, na hora do caos as pessoas não sabem e nem procuram saber o que está ocorrendo, não sabem fazer uma simples avaliação da situação, pelo simples fato de nunca terem imaginado que poderiam algum dia em suas vidas estarem passando por um “pesadelo”.
    Acredito que a primeira coisa a ser preparada para se tornar um sobrevivencialista é o espirito. E isso ficou bem claro em seu texto, eremita. Parabéns. Obrigado por nos auxiliar.

    • Eremita Urbano

      Ok, valeu Fabrício, obrigado pelo comentário.

  • Curti o texto, aplicando-o diretamente na vida que muitos adolescentes enfrentam hoje em dia. O básico, como o próprio nome diz, é o básico e tudo que é básico é essencial.

    Parabéns Eremita Urbano!.

    • Eremita Urbano

      Valeu, obrigado Fernando.

  • Tiago Bushman

    Isto mesmo, e complementando:
    O formato independente de alguns poucos verdadeiros homens, que graças ao bom Deus, tive a honra de receber, é apenas possível pela mão dos pais, que são os mentores da integridade psicossocial de seus filhos.
    Sou muito crítico e me permito falar o seguinte: pouquíssimos são os pais entre 25 e 35 anos de idade que se dão ao trabalho de conduzir seus filhos à independência social, pois eles mesmos já vieram contaminados de uma época em que a escravidão passiva da globalização os tornou amantes do menor esforço na sua existência.
    O grau de indiferença total nas características de autoconfiança, disciplina, iniciativa, determinação, criatividade, resolução de problemas e tudo mais que fazem do homem um ser auto-suficiente foram arremessados no ventilador, dando espaço para servo dependentes do conforto diário que, se rompido, SERÁ A ARMA MAIS LETAL DO CAOS SOCIAL.
    Nem vou citar tudo o que as crianças entre 3 e 18 anos vem recebendo de informações para se tornarem pessoas de verdade. Basta ver que hoje tem crianças de 20 anos que nem sabem lavar a cueca!
    Se você é pai e tem um filho(menino) mostre a ele, na medida que a idade avança, que os bajulados, mimados e protegidos irresponsavelmente serão dependentes daqueles que hoje são os que usam de seu tempo para aprender a se virar: lavam e passam a roupa, limpam o que sujam, fazem sua comida quando necessário, tem o mínimo de higiene, criam soluções práticas para problemas, etc.
    Este fim de semana fiquei louco da vida quando vi o meu inútil sedentário vizinho dar um triciclo motorizado pro filho de 3 anos….pqp *&#%?{¨#…..o moleque NUNCA vai querer aprender a pedalar!!!…e o mané do pai dele, que não é bôbo, sabe disso , afinal porque é que ele vai perder uns goles de cerveja ensinado o filho a pedalar???
    Proteja o que é seu companheiro sobrevivencialista!

    Abração pros guerreiros!

    • Eremita Urbano

      Perfeito Tiago, obrigado pelo comentário!

  • Ótimo texto! Sou professor e trabalho com jovens, crianças e ate adultos, de classes diferentes e acredite, a maioria não sabe lavar suas proprias roupas intimas quando toma banho. Vivem com a premissa de nunca vão precisar fazer “o basico”. Ótimo post! Parabéns!

    • Eremita Urbano

      Valeu, obrigado pelo comentário Pery.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s