Sobrevivencialismo e cidadania

Com essa onda de protestos irrompendo no Brasil, este é um tema que não deve ser ignorado. Como um sobrevivencialista se posiciona em relação a todo esse movimento?

Eu acho que a resposta é óbvia… ele está à frente dele. Ser um sobrevivencialista é muito mais do que fechar-se em casa e ficar cuidando dos seus estoques e equipamentos, é muito mais do que ficar postando frases revoltadas nas redes virtuais e com certeza é muito mais do que torcer para o país entrar em colapso e você se tornar o “rei do mundo”.

Ser sobrevivencialista é ser um indivíduo com pensamento crítico e politicante, é estar antenado com tudo o que acontece e fazer o possível para construir um mundo em que você e seus filhos sintam orgulho de viver…. Quem se esconde na toca (no bunker) é rato, não homem. Claro, se o risco é iminente e sua segurança (e de seus entes queridos) não pode mais ser garantida, recue para seu abrigo e espere a tempestade passar… mas depois, volte para a chuva.

O pior que podemos nos tornar é como aqueles típicos sobrevivencialistas americanos que se importam tanto com seu mundinho interno de preparações que esquecem que se o mundo em volta despencar, inevitavelmente ele cairá junto em algum momento.

Em relação aos protestos em andamento, há bastante discussão sobre possíveis partidos/organizações e afins que estejam por trás de tudo isso para lucrarem de alguma forma, condenando todos que estão nas passeatas como meros instrumentos de manipulação.

Antes de decidir seu posicionamento dentro disso tudo, pense e avalie. Seja um bom observador e analise os vários lados da história, decidindo então o que você acha que vale o esforço de luta. Segue meu vídeo rápido falando sobre o tema:

Cada qual faz o que quer de sua vida, mas saiba que ser sobrevivencialista é ser líder e defensor de direitos.  Espero que tenha me posicionado de forma clara. E vocês, o que acham?