Obtendo Informações: Princípios Básicos

Sempre tendo em mente um cenário hipotético, em uma situação de emergência a capacidade de receber um fluxo contínuo de informações pode fazer grande diferença.

Seja em um evento limitado, como uma falha no sistema elétrico de sua cidade, que lhe obrigue a permanecer alguns dias sem energia elétrica, seja em um evento de grandes proporções, que implique na necessidade de afastamento das cidades ou um volta ao campo, eventualmente, em especial no início dos fatos, muitas meios de comunicação continuarão a operar, sejam emissoras comerciais ou cidadãos, ou ainda os órgãos de emergência.

Iremos tratar então de duas formas de comunicação: unidirecionais e bidirecionais. Nesta primeira parte trataremos da comunicação unidirecional. Como unidirecionais teremos em mente sua capacidade em manter acesso a um fluxo de informações tal que lhe permita ter relativa consciência situacional, o que lhe permitirá tomar decisões mais embasadas. Claro, imaginamos TV, internet… Mas e se tudo falhar? Parece improvável? Nem tanto.

Em especial no Brasil dependemos das grandes unidade transformadoras das usinas hidrelétricas e demais unidades que convertem a energia gerada nas usinas para uma padrão que utilizamos. Essas grandes unidades transformadoras podem levar até um ano para serem produzidas. Ou mais. Imagine uma situação que importe no colapso deste sistema (clique aqui para ler um texto em inglês sobre o tema).

Sob este aspecto, imediatamente temos que pensar em um veículo capaz de obter informações com alcance global, de baixo custo e com grande disseminação. Esse meio primordial é o rádio. Seja em FM, AM ou SW (Ondas Curtas), um pequeno rádio portátil pode propiciar um bom fluxo de informações. Por pior que seja a situação, é de se esperar que algumas estações permaneçam no ar, no Brasil ou no exterior. Com isso, o rádio revela-se um item fundamental do equipamento de sobrevivência. De fato, uma postagem anterior aqui do blog apontava esse equipamento como importante.

É ideal que o equipamento seja dotado de capacidade de receber em todas as bandas, FM/AM/SW, pois a possibilidade de captar uma estação de rádio operando será consideravelmente maior.

Neste ponto, teremos um pequeno problema. Se os serviços básicos estiverem mantidos, em especial o fornecimento de energia, basta você ligar seu aparelho de rádio à rede elétrica e obter informações. Se a situação porém implicar na interrupção do fornecimento de energia, um pequeno estoque de pilhas pode garantir semanas de informações.

Um caixa de pilhas AA com 60 unidades, que ocupa pouco volume, custa no mercado em torno de R$ 20,00. Muito pouco, não? Por quanto tempo um rádio pequeno operaria, usado com moderação? Acredite, por muito tempo.

Mas e se situação for permanente? E se for necessário que você permaneça afastado das cidades, sem acesso a outras fontes de energia? Neste caso, entra em ação uma fantástica invenção: O rádio à manivela, com sistema de dínamo.

Exemplo de um pequeno e barato equipamento dotado de manivela (dínamo) e equipado com lanterna, que adquiri no comércio local. Custo: R$ 70,00. AM/FM

Estes equipamentos foram inicialmente desenvolvidos em grande escala para campanhas educativas de saúde em regiões remotas da África. Hoje, existe uma vasta gama de produtos, incluindo rádios combinados com lanternas, com capacidade de captarem a rede de emergências climáticas dos EUA, com recarregadores de celulares ou pilhas e mesmo com capacidade de recarregar com o uso de energia solar.

Basta uma rápida busca na internet para que se encontrem vários modelos, no Brasil ou no exterior, neste caso buscando-se por “crank radio”. Em geral, um minuto de acionamento da manivela garante um bom tempo de uso do rádio. Acabando-se a carga, basta acionar a manivela novamente.

Na internet, no comércio, em lojas especializadas ou mesmo no comércio popular podem ser encontrados vários modelos, em preços variados, deste de R$ 70,00 até os modelos mais simples. É uma aquisição de baixo custo, mas que pode fazer grande diferença em uma situação de emergência, em especial por também fornecerem, na maioria dos modelos, iluminação e fonte alternativa de energia.

Minha próxima aquisição será o Kaito Pro 600, que opera em AM/FM/LW/SW, por alimentação via rede elétrica, pilhas comuns, baterias recarregáveis, solar e manivela, e ainda é capaz de recarregar baterias. Custa por volta de US$ 70,00 no exterior. Mais impostos e fretes, não vai sair muito barato, mas é muito completo.

Kaito Pro 600

Existem equipamentos de custo mais elevado, como scanners de frequência capazes de captar transmissões em várias faixas de frequências, sejam radioamadores, rádios comerciais, TV, mas são equipamentos significativamente mais caros e raros são encontrados com fontes alternativas de energia. Muitos captam as frequências de serviço da polícia / bombeiros. Lembro que embora seja interessante em uma hipotética emergência captar tais frequências, interferir nesses serviços é crime.

Por quanto tempo os serviços telefônicos, elétricos e de água ficarão desabilitados? A extensão da propagação de determinada doença? Conflitos, agravam-se ou caminham para o fim? Obter informações pode facilitar o correto planejamento de suas ações.

Na próxima postagem falarei sobre a comunicação bidirecional, como manter a comunicação entre seu próprio grupo e com outras pessoas.