ESTOQUE DE MEDICAMENTOS

Existem muitas pessoas que recomendam a criação de um estoque de medicações e inclusive existem kits para emergência sendo vendidos com medicamentos inclusos. Vamos pensar um pouco sobre isso nesse artigo!

É indicado fazer um estoque de medicações para épocas de crise? A resposta mais correta para essa questão seria: Não. Calma, não feche a aba ainda, eu disse que apenas não é indicado, porém se mesmo assim quiser fazer o armazenamento a escolha é sua. Entretanto existe motivos bem claros para isso e eles serão explicados logo abaixo.

PRAZO DE VALIDADE

Isso é fato, medicações tem data de vencimento, então não adianta criar um estoque de remédios a longo prazo porque com o tempo eles irão perder seu princípio ativo e poderão não funcionar de forma adequada. Todavia acredita-se que mesmo após pouco tempo do prazo de validade o princípio ativo ainda será eficiente. Apesar de não ser recomendado, pois não se sabe por quanto tempo isso será válido.

AUTOMEDICAÇÃO

Não é aconselhável se automedicar, cada remédio tem a sua finalidade própria e ela deve seguir a recomendação medica. O uso inadequado de medicamentos pode acabar prejudicando quando na verdade deveria ter um resultado benéfico no seu organismo.

ARMAZENAMENTO ADEQUADO

Isso varia para cada medicamento. Alguns precisam estar em um ambiente mais frio, de temperatura controlada, outros não podem ser expostos a luz e existe até medições na qual para o armazenamento de forma correta é necessário a purificação do ar. Demandando assim muitos recursos para tal.

CENÁRIOS EXTREMOS

Agora você leitor deve estar se perguntando se o correto é mesmo ficar a mercê e realmente não estocar nada. Se em um caso extremo não existem algumas medicações que são realmente imprescindíveis ter consigo?

Diferente da resposta inicial desse artigo, sim, você deve ter alguns. Irei dar algumas sugestões, mas sem especificar qual medicamento. Lembre-se: Deve-se tomar, especialmente em casos extremos, apenas os medicamentos que já se é acostumado.

  • Antisséptico: Sofrer cortes é muito comum em cenários de crises, o que faz esse medicamento ser essencial, especialmente se tiver integrantes da família já doentes ou idosos no qual a imunidade é mais baixa e infecções podem surgir. Existem maneiras de improvisar o uso desse medicamento, como lavar com água e sabão, utilizar alguma solução como álcool, porém nenhuma dessas outras formas substitui a utilização do antisséptico de maneira eficaz.
  • Antitérmico: A partir de 40,0°C existe o risco de o cérebro entrar em colapso e ocasionar uma crise convulsiva. Da mesma forma que a recomendação anterior, é possível por exemplo colocar a pessoa embaixo do chuveiro com água gelada para diminuir a temperatura, entretanto o efeito é momentâneo.
  • Antialérgico: Por motivos muito simples, há diversas formas, tanto em líquido quanto em comprimidos. Há bastante disponibilidade desse tipo de medicamento, afinal é muito fácil de ser encontrado em qualquer farmácia e o preço é baixo.
  • Antibiótico de largo espectro: Justamente por não ser próprio para os sintomas sentidos, pode ser que não funcione com eficiência, mas pode ao menos aliviar a situação.

CONCLUSÃO

O assunto é bem delicado, medicamentos devem ser usados com muito critério. Os pontos citados aqui são de muita importância, o perigo da automedicação e o respeito aos prazos de validade.  

Escrito com contribuição de Christian Sgarbi.