Defesa pessoal: O erro que pode te matar

Seja em uma briga de bar, assalto ou qualquer outro cenário onde um agressor pretende te machucar, sempre haverá a possibilidade de você cometer uma grande falha no momento de se defender – E não, você não precisa ser especialista em nenhum tipo de luta para evitá-la.

Talvez você esteja se perguntando qual erro é esse, e lhe digo: Ele está estampado em grande parte dos vídeos de brigas e reações à assaltos que vemos na internet. Não estamos falando aqui de técnicas de defesa ou treinamento específico, mas de algo muito mais primário, a hesitação.

A hesitação nada mais é do que o momento onde você está processando as informações do que está acontecendo e fica em dúvida entre duas ou mais atitudes possíveis. Para facilitar o entendimento vamos à um exemplo:

Um bêbado está lhe xingando e se aproxima com postura agressiva, pronto para te agredir. Você nunca havia se deparado com uma cena como essa e entra em um dilema de escolhas:
a. Vou enfrentar ele?
b. Vou pedir ajuda?
c. Vou sair correndo?

Durante este processo de pensar nas alternativas e escolher qual delas é viável, você já está levando o primeiro soco ou chute. Quando nos deparamos com uma situação nova a tendência é realizarmos uma análise do que está acontecendo – nos deixando completamente vulneráveis ao agressor, que já tomou sua decisão de atacar.

Em uma situação de defesa pessoal, a velocidade de reação é o que lhe garante a vitória.

Se caso você não se importar com cenas de brigas, recomendo que faça uma análise do vídeo abaixo. Também peço que perceba que em muitas lutas (especialmente nas duas primeiras) o agressor está se impondo para cima do outro indivíduo quando é pego de surpresa por uma reação inesperada e rápida, neutralizando a situação.

Repito, quem não quiser ver, basta não clicar no vídeo.

Talvez agora sua grande pergunta seja:

“Julio, nunca me envolvi em brigas nem presenciei situações como essas, como posso evitar esse período de hesitação e me retirar do cenário de risco ou enfrentar o agressor de maneira efetiva?”

Vamos lá.

Atenção situacional constante

Se você realizar uma análise do seu ambiente de maneira constante, seu processo de pensar nas alternativas será encurtado. Utilizando o exemplo que dei acima, se você já tiver consciência das possíveis rotas de fuga ou até mesmo itens à sua volta que podem servir para defesa antes do bêbado ter aparecido, você está na frente.

Sempre que entrar em um local busque por três grandes pontos:

  • Rotas de fuga: Por onde posso sair se caso alguma coisa acontecer neste local?
  • Proteção: Onde posso buscar por abrigo ou proteção? Existe alguma porta, mesa ou qualquer ponto do local onde estou que pode me proteger em caso de emergência?
  • Recursos: Em caso extremo, existe algo que posso usar ao meu redor para atacar o agressor ou até mesmo facilitar minha fuga?

Tendo estes três pontos marcados em sua cabeça onde quer que você esteja já lhe proporcionará uma vantagem de reação muito grande e que a maioria das pessoas não tem.

Mas devo dizer: Quando você começar a praticar isso sentirá que é um trabalho cansativo ou até mesmo complexo, contudo depois de certa prática esta análise acaba se tornando um hábito e você realizará ela sem nem mesmo perceber.

Saiba o que fazer, se precisar fazer

Sim, eu disse no começo do texto que você não precisa ser um especialista em lutas, mas isso não quer dizer que você não precise ter ao menos uma noção básica de como reagir de maneira efetiva se precisar.

Fazer pelo menos dois ou três meses de uma luta voltada para defesa pessoal – como o Krav Magá – lhe dará uma noção muito mais clara das possibilidades de contra ataque.

Existem muitos mitos e técnicas falhas que aprendemos de maneira inconsciente em filmes e seriados em geral. Instruir-se com um professor especialista lhe mostrará as maneiras mais corretas e não-fantasiosas de reagir à uma agressão física.

Mas lembre-se:

Reagir e iniciar um confronto deverá ser sua última alternativa! Considere todas as outras opções primeiro. A melhor forma de ganhar uma luta é não entrando nela.

Elimine a ansiedade

Claro, não é simples assim. Para eliminar sua ansiedade a melhor forma é com a repetição em treinos simulados (como nas escolas de luta). Ao simular várias e várias vezes o mesmo cenário você “automatiza” a sua resposta comportamental e ganha mais tempo para tomar a reação adequada.

Perceba que na maioria dos vídeos da compilação mostrada acima quem está sendo ameaçado mantém postura calma, ereta e focada – antes de efetuar o golpe surpresa.

A ansiedade é algo muito importante para nos manter alertas, porém tê-la em excesso pode por tudo a perder.

Conclusão

Este texto tem como função apenas abrir seus olhos para este erro comportamental que pode custar sua vida. Infelizmente eu não posso lhe ensinar de maneira prática o que fazer, isso só se aprende na prática e com treino constante e bem supervisionado.

Mas lembre-se, a hesitação pode te matar. Saiba o que fazer, como fazer e quando fazer. Se eu ainda não lhe convenci, confira o texto que traduzi do Selco (sobrevivente da guerra de 90 na Sérvia) onde ele conta um caso real onde a hesitação cobrou um alto preço.

Esteja preparado.