9 dicas para sobrevivencialistas com esposas despreparadas

Encontrei este texto em um dos blogs que sigo e acredito que ajudará aqueles que estão com dificuldades de incluir sua parceira(o) nas preparações. Apesar do texto ser focado na “esposa”, as mesmas dicas se aplicam se você for mulher e precisar convencer seu marido.

Quando o mercado americano quebrou eu meio que… entrei em pânico (para colocar de forma simples). Eu estava convencido que o colapso social, as leis marciais e o fim do mundo que eu imagina iria chegar até final do ano. Então no próximo dia enquanto eu e minha esposa estávamos no mercado eu comecei a colocar braços cheios de comida enlatada dentro do nosso carrinho.

“O que diabos você está fazendo?” ela perguntou, olhando para mim como se nós estivéssemos em um seriado de comédia. Minha mulher até entendia a importância para se preparar para furacões, mas seu interesse não passava disso.

Quando ela olhou para mim, com uma cara misturada de raiva e confusão, eu percebi rapidamente que se eu não lidasse com isso de forma calma eu causaria uma bela tensão em nosso casamento. Em vez de entrar em uma discussão no meio do mercado, eu coloquei a comida de volta nas prateleiras. Na volta para casa eu expliquei minhas preocupações.

Ela achou que eu estava exagerando (e ela realmente estava certa), mas nós conseguimos conversar de maneira tranquila.

Nos próximos meses eu fui cuidadoso para comprar coisas que eu sabia que usaríamos de qualquer maneira (“Apenas uma vantagem contra a inflação”, eu dizia). Eventualmente ela admitiu que um colapso econômico ou algum grande desastre poderia acontecer e não faz mal estarmos preparados, assim como não faz mal estarmos preparados para um possível furacão.

Hoje ela não é uma preparadora como eu, mas ela definitivamente comprou a ideia.

Como eu fiz isso? Eu enchi a paciência dela toda vez que íamos no mercado ou mandava posts sobre um possível colapso todos os dias para ela? Não, nem perto disso. O que eu fiz foi pegar conselho de outros preparadores que também estavam na mesma situação. Eu li artigos de como me comunicar melhor e pratiquei minha paciência.

Aqui vão 9 dicas que eu aprendi com a minha jornada:

1. Comece pequeno. Como eu mencionei acima, a primeira coisa que eu fiz foi comprar mais comida que nós já comíamos. Eu expliquei o conceito de comer o que você armazena e armazenar o que você come e ela não viu problemas em comprar coisas que usaríamos de qualquer maneira. Se eu tivesse entrado em pânico e comprado mil dólares em comida liofilizada ela ficaria tão brava que provavelmente nunca mais aceitaria conversar sobre preparação novamente.Você precisa usar a mesma estratégia com sua esposa. Comece com itens que são pequenos, baratos e que você vai usar hora ou outra.

2. Comunique seus pensamentos nos momentos certos. Você provavelmente tem várias razões pelas quais quer se preparar para um desastre, mas não sobrecarregue sua esposa com todas suas razões de uma vez. Em vez disso, vá com calma da mesma forma como você discutiria outros interesses: quando for apropriado. Por exemplo, se vocês estão assistindo notícias e vêem uma matéria sobre um desastre natural, você pode mencionar que você gostaria de ter um filtro de água caso a água da torneira fique contaminada. Mas você não quer falar sobre isso quando está assistindo um filme ou em um jantar romântico.

3. Coloque ênfase na segurança. Será muito mais fácil trazer sua esposa à bordo se você enfatizar a segurança. A maioria das pessoas tem um desejo inato de se sentirem seguras, então elas verão maior lógica em se preparar se você deixar claro que isso tudo se trata de segurança. Por exemplo, se você ouvir sobre um assalto domiciliar próximo de sua casa, você pode mencionar que seria interessante melhorar o sistema de alarme/defesas da sua casa.

4. Assista os seriados e filmes certos. Assistir programas apocalípticos/zumbis poderá ajudar sua esposa a entender porque é necessário se preparar. Claro que você precisa manter os aspectos reais, então foque naquilo que o filme passa de mais real. Por exemplo, sua esposa vai ficar muito mais interessada em se preparar para um terremoto do que para um apocalipse zumbi. Ainda assim, um seriado como o “The Walking Dead” poderá ajudar a desenvolver o interesse dela por sobrevivência e armas. Tudo vai depender de pessoa para pessoa.

5. Use lições de vida reais, de pessoas reais. Você conhece alguém que passou por alguma situação difícil em termos econômicos ou até de sobrevivência? Se sim, é uma boa oportunidade para demonstrar para sua esposa o quanto ele poderia ter ficado melhor se tivesse alguma preparação prévia. Isso geralmente é mais efetivo do que apenas assistir as notícias ou filmes – é mais real. Se você não conhece ninguém, procure conhecer. Exemplos reais vão causar reflexões na sua esposa.

6. Evite teorias conspiratórias. Nunca, nunca mesmo, use teorias conspiratórias para convencer sua esposa a se preparar. Se a conspiração é verdadeira ou não, não vem ao caso. Falar sobre esse tipo de coisa com sua esposa vai lhe deixar parecendo paranóico. E se você parece paranóico, todo o resto relacionado a preparação se torna “coisa de paranóico” também.

7. Evite discussões. Isso pode ser difícil se sua esposa for completamente contra preparações. Um debate razoável é tranquilo, mas dizer “Você não sabe o que está falando e eu sei!” não é. Se a conversa começa a ir pelo lado errado, mude o tópico e fale sobre isso em outro momento.

8. Procure por conselhos da sua esposa. Esta é uma dica que parece estranha, mas o ponto aqui é envolver sua esposa. Por exemplo, se vocês estão construindo uma mochila de fuga, você poderia apresentar os itens para ela e perguntar o que poderia ser adicionado ou removido. Quanto mais sua esposa se sentir envolvida, mais ela vai desenvolver interesse.

9. Dê tempo ao tempo. Acima de tudo, seja paciente. Se você tem a ideia de que precisa deixar sua esposa interessada agora mesmo, é melhor mudar sua mente. Jogar suas visões aos montes para sua esposa não é apenas desrespeitoso com também inútil. Você nunca forçará alguém a se tornar um preparador, isso acontece de maneira natural. Use todas as dicas acima, mas dê tempo ao tempo, pressionar pode ser um tiro pela culatra.

Mas é claro, você não precisa colocar sua esposa à bordo se não quiser. Mas fato é que, seus esforços de preparação serão muito mais efetivos se a sua esposa estiver envolvida. Vocês aprenderão juntos, se ajudarão e ficarão mais preparados. Sua esposa dificilmente estará tão “empolgada” quanto você, mas ao menos você pode conscientiza-la da importância da prática, o que já causará uma grande diferença.

Traduzido e adaptado do blog Urban Survival Site.

Anúncios

29 comentários

  • Poxa vida gente… Sou MULHER, tenho filhos e ninguém precisou comprar mochila rosa pra mim, sou atiradora esportiva… Com alguns troféus, mas o grande tabu, são os homens quem criam, as mulheres NÃO são frágeis, não são fracas, não são bobas! Meu instrutor, (hoje nosso amigo) quando me deu o curso, disse q seria muito difícil pra mim, em um ano ganhei uma competição (carabina 38) alvos metalicos de 30 a 45cm a 120 metros, mira aberta! Surpreendido e ganhei meu lugar, outras vieram depois de mim!
    Vcs homens se consideram todos iguais, incapazes de se abrir a novas idéias ou q precisem ser tratados de forma diferenciada, como um utensílio quebrado, q se apertar demais quebra? Em família suas chances de sobreviver aumentam, nunca se preparem sozinho… Seres humanos são expostos a novas idéias todos os dias… E uma mente q se abre a uma nova idéia, nunca regride ao seu estado original!!! Boa sorte a todos vcs!!!

    • Escrever no celular, definitivamente é o pior que se pode fazer. O meu texto anterior foi escrito às pressas, peço encarecidamente que desconsiderem a falta de concordância, em inúmeros pontos do texto… mas, num contexto geral, a ideia está clara. Fiquei enraivecida quando vi o primeiro comentário de um colega, que diz:

      Não é fácil…..mas a minha hoje já está feliz com a BOB dela….cor de rosa, claro…

      Os homens ( não a maioria, vejam bem, tenho três filhos homens e um esposo que me apoia em todos os momentos), tendem a ver a mulher como sexo frágil, esse conceito precisa ganhar um novo panorama, é bem verdade que a vida de uma mulher pode ser caótica ao extremo, como eu estava no dia em que escrevi esse comentário, muitas atividades com as quais deixamos nossos próprios interesses em segundo plano pelo bem daqueles que nós amamos, o que pode ser facilmente confundido com fraqueza ou submissão querem um exemplo? apenas um bastará: a Mãe da maioria de vocês, mesmo que, talvez nem percebessem… estavam sempre zelando pelo seu conforto, crescimento, nutrição, informação, formação escolar/acadêmica, descanso, saúde, etc. enquanto cuidam da casa, dos maridos e das próprias vidas profissionais ou não, porque esse ultimo é facultativo, diante de tantas “obrigações”. Ainda tentam cuidar de si mesmas e fazer algo que gostem de fazer… acredito que conseguem sobreviver a uma crise com toda certeza!

      Então levando nessa linha de raciocínio, as esposas estão aptas a abrirem suas mentes a mais esse desafio? eu tenho plena certeza que sim, uma mulher guerreira, assim como um homem guerreiro, sabe se virar com o que tem! e sempre terá o que precisa, outros não têm esse espirito de luta, essas pessoas estão por ai, não estão se preocupando com os sinais desse colapso financeiro que se aproxima… Em uma crise, seja ela qual for, o sexo com o qual você nasceu, não deverá importar. Somos todos únicos, com habilidades que desconhecemos, até ser o momento em que aprendemos a utilizá-las.

      E não deixem suas filhas e esposas pra traz… rsrs existe um aparato feminino, a unica coisa que realmente terá de diferente na mochila delas (vem na cor que elas quiserem, nem precisa ser rosa, acreditam?), se chama COLETOR FEMININO, vocês encontram na internet ou em algumas farmácias e não precisarão mais de absorventes, ok? fica a dica! custa de R$30 a R$150, não notei grande diferença, só o preço! grande abraço e boa sorte pra vocês e suas parceiras…

      • A mulher pode ser o que ela quiser, porém qual a porcentagem de mulheres que escolhem o caminho que vc escolheu?
        O caminho a ser seguido depende única e exclusivamente da própria pessoa.

  • Excelente texto, como sempre muito bem ponderado, acho que o problema de tentar convencer alguém sobre as vantagens de se preparar, é o risco de parecer paranóica, felizmente consegui inserir o assunto de forma natural em casa graças a crise economica, indaguei que seria bom ter uma pequena horta para economizar nas compras(já implementei a horta)
    Indaguei que seria sensato ter reservas de água potável no caso de falta de abastecimente, algo corriqueiro(hoje tempos sempre um garrafão de água mineral extra) e mais um pequeno tonel de água para atividades diárias, convenci de que era sensato termos sempre em casa lanternas, velas, isqueiros e alcool guardados para o caso de apagão, algo muito comum, aos poucos estamos nos preparando e o melhor, sem parecer uma paranóica, o próximo ítem será uma arma, assunto que já estou tratando com cuidado, mas posto que a pouco tempo sofremos uma tentativa de assalto, será acatada, afinal, infelizmente no Brasil não faltam motivos para se preparar!

    • Se obter a arma não revele a ninguém que a tem.

  • Parabéns, Julio! Excelente trabalho. Tenho acompanhado seu trabalho faz algum tempo, mas é a primeira vez que comento algo. Sobre o tema do texto, minha esposa já abraçou a idéia. Esses dias ela até me “cobrou” a compra de um equipamento que eu havia comentado anteriormente. Agora meu desafio tem sido os demais membros da familia, um pouco resistentes e incrédulos com a possibilidade de ameaças, porém aos poucos tenho conseguido falar sobre a importância de estar preparado, usando justamente as calamidades e desastres naturais com exemplo.

  • No final, se nada der certo e ela continuar a ser uma idiota, deixe ela e veja se você consegue se emancebar com a Lilly.

  • Sou mulher e achei bacana as dicas. Acho que o marido deve deixar o veículo e a mochila por último. Apenas tente convencer a esposa que está tentando proteger a família, com calma, tudo dará certo! Uma ótima idéia é perguntar a esposa quais os itens essenciais para ela, como absorvente, shampoo… é uma tentativa para incluir a esposa na preparação! Boa sorte!

    • O problema maior é que os ítens essenciais para uma mulher não cabem numa mochila normal… tem que ser uma mochila bem grande!!!

      • só o kit make up ja enche uma mochila de camping

  • Venho conversando com minha mulher há algum tempo sobre o assunto, e mostro na prática do dia a dia a importância em estar preparado. Há alguns meses teve aquela paralisação dos caminhoneiros no país e aqui no sul foi bem forte, falei pra ela que logo iria faltar comida nos mercados se a paralisação continuasse, porque os estoques de alimentos nos mercados não são muito grandes.
    Ela ficou preocupada, ainda mais com filho pequeno, assim como o Titochiari falou eu fiz com ela, sobre a importância de termos suprimentos para nosso filho, funcionou e pude comprar mantimentos extras naquela ocasião.
    Outro exemplo que mostrei para ela foi que aqui no sul por causa de salário não tinha polícia na rua, e a bandidagem estava completamente solta, como se tivessem licença para matar e tudo mais, infelizmente é assim que as coisas andam neste país. Aproveitei a ocasião para falar de segurança e a importância de ter uma arma, “isto claro no meu entendimento de preparador”.
    Acredito que possamos sutilmente ir incorporando o conceito de preparador para nossa esposa, filhos e até mesmo pessoas que gostaríamos que estivessem preparadas.

  • Muito bom o texto hein Júlio!

    Eu mesmo já empreguei todas essas dicas e aos poucos já estão surtindo efeito. Levei esses dias minha mina em um bar aqui de sampa que da pra alugar uns arcos e flecha, e cara, a mina ficou empolgada. na época de a ideia de comprar um arco, hoje já estamos praticando com uma balestra!
    o próximo passo é pagar um curso de tiro para ela para botar em pauta a ideia de comprar uma arma.

    infelizmente, muitas vezes, principalmente no início ela não aceita muito bem a ideia preparação e tal. Então do dia comecei a gostar de acampar, só assim pude investir mais em preparação sem parecer paranoico.

    Boa sorte Galera!

    Abz

  • Eu gostaria que meu marido levasse isso mais a sério, tento convencê-lo mas sem sucesso. Seria mais fácil com o apoio delel

    • Tempos extremos exigem medidas extremas.
      É impressionante como as pessoas simplesmente ignoram que nosso índice de morticínio é superior ao de zonas de guerra.
      Todos os dias somos sabotados pelo governo e nada fazemos.

  • ****marido!
    Família inteira na verdade, é complicado e juntando o fato de eu ser mulher,já foi decretado que sou doida pq quero aos poucos viver de uma maneira autonoma,guardando água e comida e etc para qualquer tipo de situação de privação. O melhor para se fazer na minha opinião é ficar em silêncio e pensar por todos e deixar que o instinto deles aflore quando for a situação crítica…

    • igor silveira

      Com todo respeito mas discordo de vc Luiza, ficar em silencio é como fechar a sua casa só depois que ela for roubada, entende?
      Acontece coisas que acabam com quem se prepara, imagina com quem não está se preparando. Acredito que ninguém vai virar um Julio Lobo da vida sem ter praticado e se preparado muito.

      • Sim,concordo, mas se pelo menos um da família for bem preparado já ajuda mt os que não são.entre ter que fazer as coisas na moita,e ter que ir devagar quase parando,prefiro ficar na minha e tentar dar um suporte caso eles precisem. Mas claro que com a compreensão e ajuda de todos seria muito melhor. Mas passar por louça apocalíptica e paranóica é dose…

  • Eu tenho trabalhado isto na minha mulher, ela acha que armazenar alimentos é coisa de maluco, mas vou comprando aos poucos 1 ou 2 latas toda vez que vamos no mercado, uma dica válida é a questão de filmes e séries, outro dia estávamos vendo um filme “O Nevoeiro” e surge uma situação de perigo em uma cidade do interior, e depois de um tempo as pessoas começam a agir feito animais devido ao stress e as paranoias, dai eu falei: “Esta vendo como é importante estar preparando e ter uma arma?” Neste dia ela concordou comigo sobre armas, algo que ela nunca tinha feito antes.

    • Bacana Jorge. Com minha esposa, a questão da arma é a mais difícil. Mas tive uma idéia que tem servido. Muitas cidades possuem clubes de tiro. No meu aniversário, pedi de presente que ela fizesse um curso junto comigo. No começo ficou estranhando, mas a data comemorativa me deu vantagem e chegando lá ela começou a desmistificar a coisa da Arma… Valeu a pena.. Ela ainda é contra ter arma em casa, mas já acredita que eh possível ter segurança com elas.

  • igor silveira

    muito bom post, esse final de semana pude perceber na prática um dos tópicos. Estava olhando o filme Olga com minha esposa e ela ficou horrorizada com o contexto do filme, aproveitei o gancho e tivemos uma ótima conversa sobre a importância da segurança e de um BOL.
    Muito obrigado pelo conhecimento que vcs transmitem.

  • Fato, mulher é zica nessas areas, estou tentando devagar para não impactar, as dicas são excelentes Julio, o cara passou umas ideias joia de como abordar a patroa … Vou por em pratica e ver se acalmo a fera.
    Um dica que acho importante, e que pelo menos me ajudou é (pra quem tem filhos) colocar eles no assunto, tipo se caso acontecer isso ou aquilo, pelo menos eles tem que ter um segurança, alimento e etc, apelar para o amor materno funciona, pelo menos comigo esta funcionando

    • Na sua linha, eu sempre tento colocar para minha filha a importância de se proteger. O que fazer caso escute tiros, em caso de vendaval….peço para ela encontrar lugares protegidos e se proteger. E é uma brincadeira lega, ela adora. Evidente, sempre focando o lúdico…..sem paranoias. Ela sabe reconhecer uma arma e sabe que JAMAIS deve pegar uma que encontre no chão ou em outro lugar, mesmo que eu peça. Certa vez deixei uma espingarda de pressão atrás da casa e fui dar uma volta com ela. Na volta, “encontramos” a arma de pressão e eu pedi que ela a pegasse. Ela imediatamente disse “Não, papai, tenho que chamar um adulto. Então ela sabe que deve imediatamente chamar um adulto caso encontre uma. Sabe reconhecer um policial e que pode pedir ajuda. Sabe o endereço e telefone de casa. Sabe que não deve ir com estranhos, e que deve gritar se alguém tentar levar. Tem um livrinho legal (não lembro o nome) que dá essas dicas. É bem útil.

      • Otimo essa sua ideia (ou do livro) de instruir sua filha, vou copiar, o meu tem 3 anos e achei fantastica a ideia, irei começar a treina-lo.
        Acredito que abordando (não de forma neurótica como você disse) é possivel aos poucos ir adaptando a familia e chegar a tal ponto onde caso venha a ocorrer o caos eles já saibam exatamente o que fazer pois nem sempre os machos Alfa estarão por perto para auxiliar

      • Compartilha depois o nome desse livro. Acho interessante pra mostrar aos “não iniciados”, sobretudo começando pelas crianças.

      • Olá, salvo engano o nome do livro é “O Livro das Emergências – O Que Toda Criança Esperta Precisa Saber Sobre Segurança”. É bem didático, da Aline Angeli. Outra coisa que minha filha aprecia são atividades ao ar livre. Ela tem uma “micro-bob” com pequenas lanternas, doces, lentes de “detetive”…saímos escavando “fósseis”, cozinhamos em fogueira….na idade certa pretendo apresentá-la ao escotismo.

  • Já tentei praticamente todas estas alternativa, não só com esposa, mas parentes mais próximos, amigos e conhecidos, porem não surtiram o esperado efeito ainda, mas continuemos na labuta!!!

    Creio que por aqui o pessoal só vai se dar conta quando estiverem completamente atolados de merda até a boca… Aqui o povo tem uma cultura muito forte de achar que acontece com os outros mas nunca vaia acontecer com ele, que Deus está 24h por dia e 365 dias por ano de prontidão para livra-los do mal e por tanto não precisam se preocupar, acham que porque pagam impostos e contas os políticos e as prestadoras de serviço tem o dever sagrado de zelar por eles…

  • Eu comecei a “iniciar” minha namorada no assunto dando presentes relacionados ao tema, como uma lanterna da FourSevens azul bebê, spray de pimenta cor de rosa e mais recentemente, uma lanterna de cabeça. Aos poucos vou mostrando a utilidade de estar preparado e que as “tralhas” que eu compro servem pra nossa segurança e proteção 🙂

  • Não é fácil…..mas a minha hoje já está feliz com a BOB dela….cor de rosa, claro…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s