Os 9 primeiros passos para tomar se uma crise ocorrer

A maioria das pessoas no mundo é reativa quando se trata de situações de emergência. Ter o treinamento e equipamento necessário não é o suficiente, você deve ter um plano e saber como utilizá-lo.

Obviamente, se você está diretamente envolvido em um desastre estas dicas não vão mais funcionar. Este artigo é para explicar o que você pode fazer em meio a um evento regional que aconteceu mas ainda não lhe afetou – porém em breve irá afetar.

O mundo espera até algo acontecer, só então eles decidem o que farão. Os preparadores são tipicamente diferentes, mas até eles podem cair em problemas semelhantes. Eles compram um monte de coisas, aprendem e treinam o máximo que podem. Alguns até fazem planos. O que eles falham em perceber é que geralmente os recursos para lidar com uma situação não estão sempre à disposição.

No mundo militar, especialmente das forças especiais, há uma maneira muito interessante de definir o plano de ação das missões. Eles são muito bons em cumprir seus planos, pois sabem planejar, treinam várias e várias vezes e entendem o processo de planejamento militar. Eles simulam o que poderia acontecer, desenvolvem CDA (Cursos de ação), passam pelos mais diversos exercícios para testar as variáveis e então fazem a ADA (Análise depois da ação) para redefinir os parâmetros que estavam mal organizados como equipamentos, treinamentos adicionais ou estratégias diferentes.

A ação deles pode ser reativa depois que tudo está acontecendo, mas eles são proativos o suficiente para já saber como lidar com grande parte dos possíveis problemas que aparecerem. Quanto mais você planeja, pratica o plano e ajusta ele, mais fácil será você lidar com situações de emergência.

O outro problema é que sem uma análise de curso você pode não reconhecer QUANDO você precisa entrar em ação, e você definitivamente não saberá o que as outras pessoas do seu time ou da sua família estarão fazendo. Essencialmente, todo mundo deve não apenas saber o que fazer, eles precisam entender sob quais circunstâncias eles devem precisam começar a agir.

Pois bem, vamos começar:

1. Colete informações sobre a situação

Não há como agir corretamente se você não souber o que está acontecendo à sua volta. Antes de sair desvairado colocando coisas no seu carro, entenda o que está havendo e busque o máximo de informações possíveis. Para tal, é importante lembrar que meios convencionais como internet, televisão e semelhantes provavelmente não estarão disponíveis.

Você pode falar com seus vizinhos ou tentar ligar pelo telefone fixo para outras pessoas, mas a maneira mais ideal é tendo um bom rádio VHF/UHF para que você possa acompanhar o que está acontecendo de maneira mais imediata e com maior alcance.

2. Reuna os equipamentos e pessoas de importância

O plano aqui não é pegar as coisas e pessoas e ir embora. Este é o momento onde você deve reagrupar todos os membros da sua família e/ou equipe para então se prepararem para tomar ações. Se você não pretende sair de casa, este seria o momento onde você também enche garrafas, panelas e outros itens  com água potável para garantir os seus suprimentos.

Contudo, provavelmente você não terá todos em casa quando o desastre acontecer, logo, o próximo passo é estabelecer comunicação.

3. Entre em contato com seu time/família

Esperançosamente você já tem um plano para se comunicar com seus familiares em caso de emergência e que não envolve celulares. Se não tem, já passou da hora de ter um.

Novamente, aqui não podemos confiar em celulares. Sendo realista, nem todos podem gastar para comprar equipamentos de rádio para toda a família, mas uma alternativa é recorrer aos orelhões ou telefones fixos que tendem a ser mais estáveis que as redes de celular (mas é claro, não são garantidos).

Caso você não consiga entrar em contato, uma boa forma é deixar um local pré estabelecido para colocar mensagens (em casa ou em algum ponto de fácil acesso). Você pode deixar uma nota com instruções para onde a pessoa pode seguir caso você não possa esperá-la. Apesar de não ser ideal, é melhor do que simplesmente não conseguir entrar em contato.

4. Vá para o ponto de encontro primário

Todos devem saber que se algo acontecer e colocar a região sob forte ameaça o primeiro e mais urgente passo é se deslocar até este ponto primário. Na maioria dos casos o ponto de encontro primário será na casa de alguém, mas como nada é garantido, a casa pode não estar mais ali quando você chegar.

Você e sua família deve ter uma rota de fuga planejada para chegar até o local onde precisam ir. Se já tiverem, isso torna tudo mais fácil. Contudo coisas ruins acontecem, então espere por chegar no local e descobrir que alguém está desaparecido. Tenha certeza de que você simule este cenário antes, pois os próximos passos vão depender diretamente de quem está e quem não está contigo.

Também considere a possibilidade de seu ponto de encontro estar inutilizado. A vizinhança pode estar violenta, a floresta pode estar pegando fogo ou qualquer outra coisa do tipo. Você precisa ter um ponto de encontro secundário e até mesmo terciário, assim talvez você não seja afetado e fique com o grupo completamente desorientado.

5. Estabeleça a segurança

Em muitos cenários podemos ter a ameaça humana como fator agravante. Crises sociais e semelhantes provavelmente vão colocar as pessoas em modo de ataque e você deve estar preparado para isso. Ao chegar em seu ponto de encontro a primeira coisa a ser feita é estabelecer a segurança mínima do local.

Se você puder, prepare geograficamente o ambiente antes de tudo acontecer para que você já saiba como proteger a região da melhor forma possível. Aqui entram também os alarmes de movimentação e pontos de guarda para alguns membros ficarem vigiando.

6. Colete informações sobre a situação (Sim, de novo)

Este é o momento onde você perceberia que se estivesse sozinho você se sentiria estúpido. Você precisa ter certeza de garantir o seu abrigo, comida, água, comida, fogo etc, além de colocar pessoas para vigiar a área e detectar possíveis ameaças.

A primeira coisa para ser feita depois que o básico já foi organizado é a construção de um inventário. De forma simples, você precisa anotar o que vocês têm de equipamentos  e conhecimentos (e o que vocês não tem), quais são suas necessidades imediatas (medicamentos, água, segurança), o que pode ser coletado na área onde você está que pode ser usado (ou não pode ser usado) e o que está acontecendo na região mais ampla que pode se apresentar como problema ou solução.

7. Estabeleça comunicação com os membros perdidos

Assim que você estiver na localidade que vai permanecer por um tempo, você pode perceber que nem todos estão com você. Se você já estabeleceu um plano de comunicação via rádio com todos, você provavelmente também deve estabelecer um horário do dia e uma frequência específica para transmitir e/ou monitorar.

Se todos da equipe sabem “mais ou menos” a área em que você está, como uma cidade ou uma parte da floresta, você pode combinar previamente alguns locais para deixar mensagens como no topo de uma colina ou de um prédio diferente, etc. Claro, isso só será possível com o planejamento prévio e a mensagem deve ser codificada para não poder ser lida por possíveis ameaças.

8. Hora de encontrar quem está perdido

Se por sorte ou planejamento você conseguir falar com aqueles que haviam desaparecido, você precisa pensar em como ir pegá-los. A sua primeira e mais importante missão continua sendo manter e aumentar o time, mesmo que você deixe de lado outras missões como coletar comida e água (recursos humanos são imensamente valiosos).

Se você deixar a sua localidade para ir pegar alguém, você precisa decidir quem irá e quem vai ficar. Obviamente se você tem mais pessoas perdidas lá fora pode não ser uma boa ideia mandar todos atrás de todos, caso contrário o grupo pode se fragmentar ainda mais.

9. Decida seu próximo curso de ação

Se você conseguiu juntar todos, é hora de decidir o que fazer em seguida. Você fica onde está ou deve se mover para uma região mais seguro?

Na maioria dos casos você terá de criar pontos de encontro temporários onde pode-se garantir certa segurança, mas estes são diferentes do seu destino final.

De qualquer maneira, você tem algumas grandes decisões para fazer assim que o grupo estive reunido:

  • O que fazer se o seu grupo for abordado por outras pessoas que podem ser úteis – ou ameaças?
  • Você deve preparar todos para fazer uma longa jornada a fim de sair da área imediatamente afetada?
  • Existe alguma ameaça iminente na sua localização atual que exija que você se mude?

Continue coletando informações, melhorando sua posição, analisando seu inventário e fazendo planos. Assim você estará muito à frente de quem não pensou em nada disso. Como você pode ver, a chave para tudo isso funcionar é planejamento e prática.

Você tem um plano em vigor com a sua família ou amigos? Cada um sabe seu papel ou você tem tido dificuldades para fazer isso? Compartilhe conosco.

Texto traduzido do blog GrayWolfSurvival e complementado por Julio Lobo.

Anúncios

17 Comentários

  • era para a minha familia ser assim , unida e com planos , porem se eu for falar pra eles , caso alguma coisa aconteça , vamos nos encontrar em tal lugar , eles riem da minha cara como se eu fosse um louco , mas eu ja estou ciente , que vou ter muitos problemas em relação a minha familia . Alem de me preparar , tenho que preparar 5 pessoas tb , mas é isso , Otimo texto Julio

    Abraços

    • Fala Alexandre,

      É um processo que deve ser conduzido com calma. Comece sozinho e aos poucos vá implementando algumas ideias de maneira bastante sutil, com o tempo talvez a situação mude.

      Abraços,
      Julio.

  • Luciano neres

    Ola galera estamos todos jutos …..fica dificil falar do assuto com as pessoas pois ac#am loucura……mas vi uma postage do Julio q falava de levar as pessoas discretamete a esse estilo d vida em casa estou quase la…..ja começei com o sqma da crise a ta cola#do ….. Vamo em fremte q da certo……..sei q ja tem gemte percebemdo a realidade q esta a porta!!!! Valeu.

  • Republicou isso em Fernando "Eagle" de Sousae comentado:
    Você sabe realmente o que fazer em caso de crise?

    • Creio que dependa muito da situação, da crise. Crise pode ser muita coisa, né?

      Então vai depender muito da situação. O primeiro passo creio que seja sempre estar por dentro do que está acontecendo. E então planejar o que fazer em seguida (ou fugir, se a situação for sua casa desabando, por exemplo). Enfim, não tem uma sentença exata. Depende de muitos fatores. Em determinada situação como a citada, você teria que evacuar rapidamente, mas em outra talvez a melhor coisa é se trancar em casa… Enfim, depende.

  • Welthon Cunha

    Parabéns pelo post Júlio… O fator mais crítico, em minha análise, é a questão da informação… Sabemos que a mídia é controlada, e mesmo que canais de televisão e rádio estejam funcionando não é prudente acreditar que eles vão estar falando a verdade… O Estado pode deliberadamente ocultar informações para evitar o pânico !!! Coleta de informações boca-a-boca ? Pior ainda… as pessoas tendem a distorcer as coisas, e muita gente vai estar opinando sobre assuntos que desconhece totalmente ou até ‘intencionalmente’ espalhando boatos… Sou radioamador, faixa PX (cidadão) e digo que não se pode confiar muito nas informações também… é um boca-a-boca mais elaborado….O melhor é coletar tudo e filtrar, procurando separar as mentiras e excessos, ou seja, o sobrevivencialista deve ter capacidade de ANÁLISE CRÍTICA !!! Outra alternativa é tentar manter radioescuta de satélites do governo… aí, sim !!! kkkkk

    • Amigo, me desculpe a ignorância, mas não sei absolutamente nada dessas coisas de rádio VHF/UHF, estou começando a estudar agora. Mas, como funcionaria essa questão de escuta de satélites do governo? É realmente possível? Dá pra fazer isso com o rádio citado acima?
      Obrigado.

      • Welthon Cunha

        KKkkkk… foi uma brincadeira, com o equipamento que temos acesso enquanto civis isto não é possível… as informações dos satélites governamentais e militares são criptografadas….o rádio PX, faixa cidadão, é a porta de entrada para o universo do radioamadorismo… os equipamentos são baratos e basta pagar uma licença, bem baratinha, na ANATEL e pronto !!!! Vhf e Uhf exigem fazer uma prova e os equipamentos são mais caros também… Ok ?

      • Antigas postagens de minha autoria neste espaço, sobre radiocomunicação. Uma coisa que ajuda muito é um pequeno rádio faixa do cidadão (PX) no veículo. A instalação é simples e vai custar (com o rádio) menos de R$ 500,00. Para quem for do Paraná recomendo fazer o serviço na Casa do PX, em Umuarama. É bastante útil, e praticamente cada caminhão tem um, e estarão via de regra operando no canal 5 AM. E em condições de propagação ideal pode ter um alcance enorme, por conta de reflexão na ionosfera. Mesmo com apenas 5 watts de saída e operando da região de Londrina com a pequena antena “móvel” já consegui contatos com Argentina, Caribe, Porto Rico, Minhas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul. Claro que quanto maior a distância via de regra será menor a qualidade. Mas a capacidade de recepção é muito maior que a de transmissão, e você recebe muito bem de vários lugares, inclusive dos poderosos operadores americanos, transmitindo com até 5.000 watts. Muito útil para obtenção de informações. Espero ter ajudado.

      • Hwidger Lourenço

        Faltaram os links:

        https://sobrevivencialismo.com/2011/11/28/obtendo-informacoes-principios-basicos/

        https://sobrevivencialismo.com/2011/12/04/obtendo-informacoes-introducao-aos-transmissores/

  • carlossilvapb

    Planejamento! Essa é a chave. Mas é bom levarmos em conta que, em cenários de caos, mesmo os melhores planos podem ir por água abaixo. Mais uma vez, digo que viver longe das cidades, em locais mais isolados pode ser mais eficaz do que a maioria dos planos para contingências nas cidades..

  • Estou começando no sobreviencialismo, mas quanto a sua pergunta final, quanto ao planejamento, estou coletando informações sobre a minha localidade num raio de 15km a partir da minha casa. Baixei o Google Earth e, ao menos vendo por cima áreas que já conheço, podem tornar-se excelentes pontos de encontro ou refúgios. Recomendo muito esse programa para análise topográfica da área. Descobri dois rios aqui perto e um pequeno lago só assim! Vou verificá-los para ver se estão limpos ou não em breve. Enfim, é muito, mas muito bom mesmo ter um mapa atualizado, em papel. Infelizmente só achei mapa em papel político e rodoviário do Estado do RJ para comprar de 2011. Se alguém souber algum site confiável que venda mapas estaduais atualizados em papel, me avise aqui, por favor! Vou partir da premissa que no caso de uma crise ou até uma PEM mesmo, a esmagadora maioria dos aparelhos celulares e internet estarão inoperantes. Meus meios de obter informações serão exclusivamente um rádio VHF/UHF e no boca-a-boca mesmo. Quanto a minha família, claro, acham que eu sou retardado em em estudar sobrevivencialismo e estou vendo filmes demais. Justamente por isso, a questão de reunirmos numa crise em que todos estivermos separados e longe uns dos outros é quase impossível. Só um adendo: eu realmente não entendo o que tem de tão estranho e absurdo em estar preparado para uma crise. Olha… te contar, hein… que dificuldade!
    Obrigado por mais um excelente post, Julio! Abração!

    • É, rapaz. Estou na mesma situação que você. Coloquei o vídeo em que o batata conta uma situação difícil em que se encontrou, quando uma crise lhe aconteceu e o mesmo teve que fazer de tudo pra trazer comida pra casa (esposa grávida) e etc… afim de convencer minha mãe de que o sobrevivencialismo é não só uma preparação pra “fim do mundo”, mas pra quaisquer crise (como desemprego) e afins. Mas volta e meia ela fala ” você tem que viver o hoje, e não se preocupar com o futuro… senão você não vive, com medo do que pode acontecer blablabla”… complicado. Mas eu vou começar pela sustentabilidade, fazendo uma horta vertical, e em paralelo vou vendo pra ir juntando água e estocando alimentos de longa duração… e assim, pouco a pouco vou implementando as diretrizes 😦 é o jeito.

      • Em outras palavras, falar de rotas de fuga com meus pais no momento é um insulto rsrs

      • Exatamente, Rodrigo. Também assisti esse vídeo do Batata e as pessoas não se dão conta o quão isso é possível de acontecer. Preparar-se deveria ser uma das prioridades das pessoas para passarmos por crises menos desconfortavelmente, como ocorreu com o Batata. Olha, infelizmente muitas pessoas só aprenderão quando a dificuldade e dor baterem à porta. Como o Daivid comentou ali em baixo, quando você tirar sua família do sufoco por causa de suas preparações, eles se envergonharão e passarão a lhe dar a razão.
        Continue suas preparações para que, num dia de crise, você e sua família não passe sufoco (ou tanto). O problema é que é muita informação para assimilar de uma única vez. O Julio até fez um post sobre isso super interessante. Já terminei meu EDC e agora, vou juntar uma grana para comprar comida de longa duração, como você bem citou e fazer boas reservas d’água.
        Com calma vamos chegando lá!
        Abraço!

    • é isso ai nao desanima pq c acontecer uma crise vc vai estar preparado e provavelmente salvara a vida de parentes q hj te chamao de louko ai eles vao ficar envergonhados de ter pensado isso de vc!

      • A qual spost você se refere, Pantera?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s