SHTF School: Controle de armas? Não, obrigado

survival weapon gun control

Falar sobre armas na comunidade de sobrevivencialistas é algo super comum e lógico devido a importância desse tema, mas fora da comunidade existem discussões sobre se realmente vale a pena ter (ou usar) armas e, quando você começa a defender o seu direito de ter armas e se defender, você geralmente é visto como alguém que gosta de violência ou é uma pessoa má.

Eu lembro do momento onde eu tive minha revelação pessoal sobre armas e sobre ter armas, na verdade vou lembrar desse momento até eu morrer.

Eu estava em uma rua e no final dela, cerca de meio quilômetro de mim, haviam três caras em uniformes verde oliva que estavam batendo em outros dois caras. Então, um dos caras de verde levantou seu rifle e atirou no cara que eles estavam batendo.

Eles continuaram a chutar o outro cara, então dois de uniforme pegaram o cara espancado pelas mãos para deixá-lo parado e o outro atirou na cabeça dele.

A distância era um pouco longa, mas eu tenho quase certeza de que atiraram na cabeça dele pois eu vi ela explodindo, com pedaços voando na parede atrás, e acho que os dois caras que seguraram ele pelas mãos fizeram isso para facilitar o tiro.

Eu fiquei parado vendo aquilo até meus reflexos começarem a bombear, então eu entrei em pânico e comecei a correr. Os caras me viram e atiraram algumas vezes contra mim, mas eu continuei a correr.

Eu lembro que enquanto eu estava correndo eu olhava freneticamente ao meu redor procurando por algo que funcionasse como defesa se eles me pegassem, qualquer coisa… pedaço de pau, pedra, qualquer coisa. Todo o tipo de destroço estava ao meu redor, mas eu simplesmente continuei correndo com um pensamento ecoando na minha cabeça:

M#%!a, se eles me pegarem, a única coisa que posso fazer é puxar meu cinto das calças e tentar bater neles com ele… Po#$a!

Eu continuei correndo por cerca de dez minutos pelo meio de prédios destruídos, eu até trombei com um cara que de repente apareceu na minha frente, mas ele provavelmente estava tão assustado quanto eu.

Eu sobrevivi a aquilo. Aqueles três caras provavelmente não me seguiram, mas a adrenalina estava forte em meu sangue e eu simplesmente corri até chegar em casa e estar mais ou menos seguro. Lá, na minha casa, o único pensamento que eu ouvia de forma clara na minha cabeça era “Eu preciso de uma arma“.

Eu vi mais violência depois disso, mas aquele evento de alguma forma me mostrou que armas são boas, armas são necessárias, armas salvam vidas e tiram vidas, só depende dos que estão usando elas.

Eu tinha uma certa opinião sobre armas antes daquilo como a maioria das pessoas têm. Opiniões do tipo “armas matam pessoas”, “violência é ruim”. Pensava também que haviam caras bons com armas como a polícia e os caras ruins como os criminosos, e sabia que havia uma espécie equilíbrio nessa relação. Entre esses dois tipos haviam as pessoas que confiavam nesse controle e equilíbrio.

Sim, algumas pessoas normais também tinham armas, mas eles ainda tinham fé no equilíbrio e as armas para esses caras não eram mais que um hobby ou algum tipo de necessidade interna de se sentir mais forte tendo uma arma por perto.

Mas depois daquele evento, tudo mudou. Dali para frente as palavras como lei, polícia, criminosos, sistema e todo o resto desapareceram para mim. Depois desse evento, mesmo que pareça estúpido, eu me apaixonei por armas. Nos meses seguintes as armas eram uma das ferramentas mais importantes para minha sobrevivência. Se tornou muito natural para mim lidar com armas e tê-las perto o tempo todo. O tempo todo mesmo.

Talvez agora você possa estar pensando que durante a guerra é natural você ter uma arma, que não é nada demais e que as guerras acontecem somente onde há selvageria, que você mora em um lugar onde o sistema funciona e que existem os caras bons e caras ruins. Você pode pensar que basta obedecer ao sistema e ele irá te proteger, que você não precisa de uma arma se você confiar no sistema.

Eu concordava com isso, era assim que eu pensava antes desse evento. Talvez os dois caras que foram mortos também pensavam assim. Isso foi logo no começo, alguns dias depois a guerra atingiu nossa cidade e eu aprendi a minha lição.

A morte é feia, matar é errado, mas é uma coisa muito natural para pessoas que estão batalhando por recursos e sobrevivência. Eu acho que o problema das pessoas que são contra armas é que eles não querem aceitar o fato do que pode acontecer quando eles estiverem correndo e só tiverem um cinto para lutar contra pessoas ruins.

Quais são as suas visões sobre possuir uma arma e sobre o controle que há sobre elas?

Adaptado e traduzido do blog SHTF School.

Anúncios

33 Comentários

  • Rick Grimes

    Kkk viajou no ácido com essa história de fugir dos verdes oliva…patético
    Acorde para a realidade, vc se acha preparado para o apocalipse, qd a merda apertar a melhor forma é passar despercebido, low profile…

    • Yogue Imortal

      Realmente, não enfrentar quem é mais forte é melhor inteligente e do mesmo modo não ser notado também pode ser muito conveniente.

      Porém me parece que o autor do texto original – o Selco – que é um sobrevivente da Guerra dos Balcãs, correu não porque racíocinou estrategicamente que essa seria a atitude mais adequada, mas sim porque se assustou, ficou em pânico, desespero ou algo similar.

      Eu gosto dos textos do Selco e dessas traduções que o Júlio Lobo faz, é bom poder ter uma fraca noção da guerra essa noção menos prática e mais experienciada e sentimental.

  • A história do desarmamento no Brasil começou a ficar mais rígida quando Getulio Vargas, em decorrência da revolução constitucionalista de 1932 em sp, criou o regulamento R-105 no qual restringia praticamente ao revolver 38 para a população e calibre inferiores. Depois em 1965 foram colocadas mais algumas barreiras na compra de armas, porém em 1985 foi liberado o calibre 380 acp/9 mm curto para pistolas e o acesso as armas ainda existia de fato. Após o estatuto do desarmamento o acesso na teoria foi assegurado, mas na prática sabemos que eh no mínimo inviável para não dizer impossível. Inviável porque se por algum motivo (mandado de segurança q custa em média 20000 reais; ou por vc ter amizade com um delegado federal; ou por vc apresentar uma carteirinha de filiação partidária para o delegado certo, to falando essas coisas porque acontecem na prática…; ou seja pq vc pediu pra um delegado q realmente acredita q o cidadão de bem deve ter o direito de ter armas) vc conseguir a autorização para comprar uma arma para manter em sua residência vc dificilmente conseguirá renovar o registro após 3 anos e estará ocorrendo em crime. Sendo q se vc não conseguir renovar o registro vc não vai jogar sua arma no lixo. O governo transforma em potenciais criminosos todos os cidadãos de bem q se arriscam a ter uma arma, apenas com uma jogada burocrática.
    Analisando a história podemos ver que os governos de direita restringiram calibres, mas não restringiram o acesso. Restringiram com um objetivo de não ter mais revoluções separatistas (como de fato não houveram depois de 1932, a qual foi controlada com muita dificuldade). Os governos de esquerda restringiram o acesso na prática por conta que está no seu script de ascensão ao poder, faz parte do seu planejamento estratégico o povo estar desarmado, isso está escrito em livros alguns com mais de 100 anos que foram escritos. Isso tudo são fatos, estou advogando pelo nosso direito de ter real acesso as armas para nos defender. Pra mim eh inconcebível termos tantos equipamentos, suprimentos, alguns tem até bunker e não temos o real direito de termos nem um revolver para nos proteger. aí temos q ir atrás de paus e pedras, arcos e flechas. Fica aki meu desabafo.

    • Interessante. Mas será que o pilar que sustenta essa balança é que realmente nos que calados, passivos e alienados? Ou seja, o conflito entre “esquerda” e “direita” (que nomes bobos para uma designação política), não é conveniente para enfraquecer ao povo? E se nos enfraquece, a que então fortalece, em quesito relativo?

      • Com certeza nos enfraquece. O ser humano não deveria se antagonizar, deveríamos convergir para o amor ao próximo. Mas infelizmente elas existem e São reais, foram criadas e introjetadas na psiquê humana isso eh um fato. Pessoas matariam e morreriam por essas bobagens que nos afasta do nosso desenvolvimento fraterno e eu quero me precaver a esses conflitos que eh uma das minhas hipóteses de crise. E respondendo a sua pergunta sim eles nos querem mais calados, controlados e inertes do que os outros sistemas de governo, bastante estudar a história e principalmente os documentos, atas e memorandos assinados pelas organizações que os representam, enfim basta estudar.

      • Legal, fico feliz em ler uma opinião que concorda bastante comigo. Sim precisamos estudar… Vale enfatizar que o termo “calados” não se aplica apenas a fala, tem um significado mais genérico, representando a própria consciência, o silêncio da mente e a repressão dos sentimentos, o amortecimento do nosso ser e consequentemente da opinião, da crítica, da fala.

        Quanto a distância – sei que não é esse o significado que você utilizou – penso que é de certo modo necessária. Porém é importante sermos compreensivos, sendo que para isso precisamos necessáriamente conhecer o nosso interior, isto é, os primórdios do nosso ser, pois é nisso que mais nos assemelhamos. Desse modo podemos compreender a nós mesmos bem como aos outros – mais ou nem tão semelhantes

  • Ja que você contou sua historia sinto-me com liberdade para contar minha historia,eu estava em casa isso era uma meia noite,havia um cara pulando meu portão,eu fui escovar meus dentes e fui checar a janela que da de frente ao portao e estava ele pulando o portao eu entao abri a porta de casa e fui ver oque queria ele então ele disse que queria conversar comigo isso era 00:00 por ai,então disse a ele pera ai que vou abrir o portao ,fui ao meu quarto e peguei minha 32 monotiro e levei com a mao atras então ele ia entrando no patio,ele foi sacar a arma e a boito canto,eu nunca vi uma pessoa correr tanto,ele deixou até uma 38 no local nunca mais achei o cara que queria falar comigo

  • Não é proibido o porte de armas no Brasil, mas sim caro e burocrático, além de ser restrito a aquisição de munições e quantidade de armas.
    Do meu ponto de vista, o rigor na aquisição (legal) de armas não surte resultado porque a legislação é branda com os crimes contra a pessoa. Como pode um assassino não poder pegar mais de 30 anos de prisão, quando deveriam pegar perpétua?!

    • Max, infelizmente o porte é proibido sim, para o cidadão comum. Somente é permitido (com muita burocracia) a posse (na residência, local de trabalho). O porte só é permitido mesmo para policiais, juízes, membros do MP, auditores da RF. Caso eu consiga a posse, não posso retirar a arma do local para o qual foi autorizada a permanência da arma.

    • Além de que, segundo o Google, apenas 8% dos homicídios são devidamente investigados e apenas 2% solucionados. É a festa pros meliantes.

  • Prezado Julio e guerreiros!Bom dia muito quente em Angra e creio no Brasil todo! E por isso, em vista das declarações oficiais do novo MINISTRO DE MINAS E ENERGIA, que avisou que em 2015 estaremos com os reservatórios oficiais nacionais de água muito baixos e que o anos será seco, problemas a vista e sérios! Assuntos para debates sobrevivencialistas a vista, e quem sabe em situações reais de carência do líquido da vida!
    Mas vamos as armas! Sou atirador, federado e confederado e caçador por herança paterna!Penso que podemos ver as armas de tres formas básicas:

    1 – equipamento de segurança seja caseira, policial ou militar preventivo ou ofensivo.

    2 – Obra de arte de engenharia manufatureira (armas antigas e modernas sob medida) utilizadas para caça ou tiro esportivo de várias modalidades!

    3 – Equipamento necessário para um bom KIT DE SOBREVIVENCIA!

    Portanto conjugo os dois últimos pois não vejo sobrevivencia sem falar em defesa caseira e sem poder ter que caçar a longa distancia em situaçlão extrema e sou esportista do tiro!
    Não há democracia com proibição para tudo e hoje tudo é feito para proibir o cidadão de ter sua arma seja para defensa seja para ser atirador esportista, pois caçador esportista salvo o problema do Javali invasor e do Rio Grande do Sul onde se pode caçar no resto do BRASIL é crime inafiançável!
    Mas acredito também que deva existir um REAL CONTROLE de calibres e potencias de fogo!Mas para TODOS!!Pois hoje só existe para o cidadão de bem e com isso chegamos ao absurdo de os traficantes terem mais potencia de fogo e estoque de munição que a polícia! No RJ por exemplo o ´policial civil tem a sua disposição dado pelo estado para subir na favela em missão 10 cartuchos de pistola ou de revolver 38!

    No nosso caso, levando em conta o KIT de sobre vivencia, recomendo armas de cartucho de calibre 20 de preferencia de canos paralelos, não encurtados, pois se trata de arma de peso leve, recuo administrável pelo leigo e que tem poder de parada razoável em caso de defesa e em caso de caça abate, com chumbo grosso e bem acertado qualquer porco!

    Este calibre é utilizado e obrigatório pela DAC em aeronaves de voo costumaz sobre região amazonica e os USA também o recomendam para tal situação e para o Alaska também, mas lá é como mínimo!

    Eu o utilizei em tiro ao voo em codornas (tiro difícil com calibre 12!!) e com destreza abate bem!
    E utilizei em caça pequena (paca) e em curta distancia, funciona bem também e não estraga muito (a 12 dependendo da distancia, arrasa e ai come o que?)

    Muito grato pela atenção e estas semanas observamos o avanço terrorista sobre os blue chips europeus (França e Bélgica) dos radicais islamicos!Isto nada mais é do que a continuação da antigas cruzadas!
    Mas em minha ótica, olhando do ponto de vista político e policial, pois sou religiosamente laico, só tenho a dizer o seguinte: Ale comandos franceses e belgas! Missão cumprida!

    Abraçso

  • Matheus Damo

    Sou totalmente a favor do brasileiro responsável armado, meu amigo bandido bom é bandido morto

  • Sou sim a favor de se ter ao menos uma arma de fogo desde que ela esteja munida de responsabilidade, hoje se quer podemos confiar na policia, ontem mesmo vi em um jornal policiais que alguns meses atrás atiraram e mataram uma jovem de vinte anos por que acharam o veiculo suspeito resolveram alveja-lo e mandar parar depois, contudo não se pode confiar em quem se deveria, então temos que ser responsáveis por nós mesmos e nossa família, pois os bandidos e mau intencionados estão por todo lado.

  • Eu particularmente sou a favor do uso responsável de armas de fogo, o estado é incapaz de zelar por todos e também não confio no estado, pena que no Brasil é MUITO difícil um civil ter sua arma legalmente, porte então, praticamente impossível, até gostaria que algum colega desse dicas da melhor forma de se conseguir posse e porte de maneira menos difícil e onerosa, tenho me informado como filiar a clubes de tiro por exemplo

  • Eu sempre levanto o mesmo argumento quando a discussão é essa: Os bandidos sempre vão ter armas. A policia brasileira não age de forma preventiva, eles não tem um bom sistema que faça com que os crimes nem se quer aconteçam. Na pratica o que acontece é que as pessoas morrem pra depois a policia fazer alguma coisa.

    Ter uma arma é uma ação preventiva. Assim como a maioria dos países hoje têm bombas atômicas. Eles não usam, mas se não tivessem estariam em clara desvantagem.

  • Sei que o tema político está em alta mas vou me restringir ao tema do tópico: Armas de fogo.
    .
    Primeiro acho interessante lembrar a diferença entre porte e posse de arma.
    A posse de arma é você ter uma arma em sua residência.
    Já o porte de arma é você manter essa arma junto onde estiver (fora da residência).
    .
    Acho que TODOS deveriam ter o direito de possuir (posse) arma, desde que atenda alguns critérios simples como inexistência de antecedentes criminais, possuir condições psicológicas e conhecimentos mínimos de como manusear uma arma.
    Já o porte de armas deve ser restrito e controlado.
    .
    Aliás é mais ou menos isso que temos com a Estatuto do Desarmamento hoje, exceto que para posse é exigido “declarar a efetiva necessidade” (Art 4º – Lei 10.826).
    Só me oponho a essa efetiva necessidade, assim todos poderiam ter sua arma.

    • Concordo!

  • Sandro M. Domanski

    Uma observação.
    Quando falei de José Dirceu, me referí a ele por ser da mesma quadr… ops, turma que o José Genoíno.

  • Sandro M. Domanski

    Amigo Francisco.
    O que o Sr Yosep Makabi escreveu é a mais pura verdade. Esse fato foi documentado nos jornais de época. Depois veio a anistia para presos, exilados e foragidos políticos, e ai o Sr. José Dirceu apareceu com a maior cara lavada dizendo que vivia em Cruseiro D’Oeste, no Paraná e tinha outro nome e até uma familia que lhe serviram de disfarse.
    Veja a história desde quando ela foi escrita (pelo governo militar) e agora (pelo governo do PT) e faça as acariações com o que ambos os lados dizem e verá quem está mentindo. Procure pelos fatos e jornais da época e veja o depoimento da mãe e pai do rapaz que foi imolado.
    Agora, depois de tanto tempo, veja quem são os que estão no poder e me diga como chegaram a ele (pobres, mas financiados por governos estrangeiros) e como estão agora (bilionários e pagando a dívida com os governos estrangeiros – Cuba – com o nosso imposto suado). Pergunto a você, qual dos presidentes militares morreu bilionário? Qual deles aumentou as suas posses enquanto estava no poder? Que posição ocupávamos antes no respeito de paises mais avançados e que opinião tem hoje a nosso respeito? Que liberdade tínhamos antes e o que temos agora?
    Antes mesmo que faça as suas próprias pesquisas, posso assegurar que sou estudioso da história recente do nosso pais e afirmo que não deve refutar a opinião de ninguem sem antes ter a certeza de estar defendendo as pessoas certas, portanto, pesquise sobre isso e reflita melhor.
    Quanto a ser sobrevivencialista, concordo com você pois se continuarmos nesse rítmo, seremos todos foragidos do estado ou escravos dele (o que de certa forma já somos).

    • Jornais e revistas não nos dizem a verdade sobre os acontecimentos políticos e eles só divulgam o que lhes interessa seja verdade ou mentira. Por exemplo: O que os jornais dizem sobre o ET de varginha?

      Por exemplo: O que eles fazem pela Baía de Guanabara, santuário da vida terrestre?! O que eles falam do desmatamento?! Dos agrotóxicos?! Do degelo do Ártico?! Etc! Só irão dizer quando não houver mais alternativa e então farão como que: “sem querer querendo”. Digo que indubitavelmente já sabiam dos atos e das consequências e que estas foram exatamente propositais. Menos de 20% do território deste país resta de árvores, como se espera que chova, se a chuva provém da umidade dos 10 à 20 minutos anteriores a precipitação, e uma árvore evapora aproximadamente 3 à 4 ou 5 vezes mais que o correspondente a mesma área vista de cima em oceano?

      Temo porque pelo futuro que vamos a ignorância e o medo pelo tal “lado obscuro da força” nos farão cada dia mais fracos interiormente e dependentes da tecnologia, ou seja: alheios a vida natural e inconscientes do saber verdadeiro, nos mantendo meros repetidores de fajutices inúteis, que apenas nos fazem zumbis esperando o dia da morte.

      Mais uma indagação: Por que não se fala nada de quiromancia? É facilmente comprovada… Por que a ciência não explica isso? Comunismo é uma merda, capitalismo é outra merda… Por que a merda da televisão não ensina algo de verdadeiramente nos fortaleça, algo eminentemente valioso com o autoconhecimento?

      Os famosos cientistas… as grandes corporações midiáticas… as religiões… vão sempre que possível ridicularizar aquilo que te liberta, aquilo que deveras te fortalece; e se ainda sim divulgam é para adestrar um sentimento depreciativo em nós.

      Comunismo… comunismo é ruim pois é um modo de imperialismo e no imperialismo eu e meus parentes não seremos livres. Capitalismo…. capitalismo também é ruim, pois também é um modo do imperialismo e eu e meu parentes também não somos livres.

      Como você poderá facilmente se indagar o problema não é uma questão de ideologias, mas uma simples questão matemática: Como poderiam governar a 7 bilhões ou a 200 milhões ou a sei lá quantos sejam, com respeito e consideração se se quer nos conhecem… Se quer conhecem a metade! Para eles sejam quem forem somos gado, um gado as vezes mais experto… mas ainda sim gado.

  • Sou da opinião que armas são sim necessárias porem é preciso ter equilíbrio psicológico e bom senso para afastar aquela falsa sensação de poder que uma arma de fogo provoca, é preciso ser o tipo de pessoa que procura resolver a situação por outros meios deixando a arma para último caso em uma situação onde todas as demais possibilidades já tenham falhado e não se tenha outra alternativa.

    Não menos importante, possuir as habilidades para correto manuseio da arma sobre diversas condições e situações. Vejo muita gente falando sobre ter e portar uma arma mas nem sabe como é que se usa uma…

  • Armas são necessarias nos tempos de hoje , porque esta tudo muito violento e não confio no estado que so pensa em si !

  • Várias vezes o avô de minha esposa me contou histórias do tempo dele, sobre tragédias evitadas por causa de armas, detalhe é que em nenhum dos casos ninguém efetuou um disparo sequer.
    Como ele mesmo disse naquele tempo muita gente andava armada portanto os que se evolviam em “picuinhas” sabiam que do mesmo modo que poderiam matar também tinham a possibilidade de morrer e como ninguém quer morrer pensavam 2 vezes antes de puxar o gatilho e tentavam resolver a parada na conversa. Claro que nem tudo era assim houveram mortes naquele tempo, mortes que provavelmente teriam sido evitadas primeiramente com o uso do bom senso e subsequentemente com o emprego coreto e eficiente de uma arma de fogo

    Vcs acham que se não houvessem armas não haveriam mortes?! Isto é um baita equívoco pois se existe a vontade e a disposição de matar qualquer coisa pode se torna uma arma, um pedaço de madeira, uma pedra, uma ferramenta de trabalho, as próprias mãos. Como alguém uma vez disse: “Se tirarem as armas dos homens eles inventarão novas maneiras de se matarem!” As armas não devem ser apontadas como as únicas culpadas!

    O avô de minha esposa me disse uma simples frase sobre a questão: “Armas nas mão de marginais e pessoas mal intencionadas é veneno, armas nas mãos de cidadãos de bem é remédio!!! Frase esta que tem sentido e é impregnada por uma realidade negada pelos alienados. Hoje o que mais vemos são marginais fortemente armados enquanto os agentes policiais além de tremendamente mal preparados operam com armamentos inferiores aos dos criminosos, uma tremenda desvantagem.

    Em muitas situações uma arma de fogo bem empregada pode funcionar como um salva-vidas, como instrumento de pacificação uma ferramenta de inibição de ações criminosas. Precisamos amadurecer este ponto de vista e deixar de lado esta visão distorcida que os ditos pacifistas.
    Afinal quem defende os pacifistas???

  • As estatísticas mostram que restrições á venda de armas para civis não reduzem a criminalidade. as leis ou proibições acabam valendo apenas para os cidadãos honestos, ou seja, as vítimas.

  • Yoseph Makabi

    Armas pra que te quero? Há muito tempo atrás, no Araguaia, um garoto de 18 anos guiou uma patrulha do EB na mata em busca de um determinado local. Após a missão ele voltou ao rancho onde morava com os pais. Eles eram todos da roça e só possuiam uma velha espingarda como arma, que era usada só para caçar. Os outros caras chegaram de repente e os pegaram de surpresa. O garoto foi pendurado na viga mestra do ranchinho e torturado na frente dos pais. No final o carrasco o sangrou na jugular. O garoto sangrou até morrer enquanto seus pais, amarrados, assistiam. Isso foi um JUSTIÇAMENTO porque o rapaz havia “colaborado” com o EB. Eles nem tiveram tempo de usar a velha espingarda. Eles não sabiam que tinham inimigos. Se soubessem teriam se precavido. O cara que comandou essa barbárie chama-se JOSÉ GENOÍNO, já foi deputado federal e esteve preso na Papuda por corrupção. É considerado um herói nacional hoje. Tempos escuros estão chegando. Preparem-se. O tranco vai ser forte. ARMAS PARA TODOS e FOGO NELES!
    SEMPRE PRONTO!
    SELVA!

    • Não sei se essa estória ai é verdadeira, aliás, nem eu nem você sabemos, talvez você saiba que ela é uma mentira, mas se acha que ela é verdade deveria considerar outras possibilidades.

      Não sou comunista, democrata, republicano nem socialista, acho que o único “lista” que me interessa ser é sobrevivencialista. Com certeza, não se deve confiar nos famigerados petistas e com certeza eles seriam bem capazes de fazer isso ou pior, mas raciocine melhor: se pode confiar nos tucanos, os tucanos não seriam tão dispostos a isso como os outros atores do “teatro político para o povo”? Digo mais: pode-se integralmente confiar em alguém?

      Genoíno não é herói nacional…

      Não gosto de ofender as pessoas gratuitamente, mas seja compreensivo comigo se a verdade te ofendeu. Vá fazer uns desafios matemáticos, medite, se alimente bem, leia e assista menos bobagens beba suco de maracujá, vai ajudar a limpar a sua mente. O seu comentário evidenciou a debilidade do seu raciocínio, valorize a delicadeza que há dentro de você, perceba o quão rude e ignorante foi o seu comentário.

      • O PSDB não é neo-liberal (essa escola econômica nem existe!!), não é liberal e muito menos de direita! É social -democracia (centro esquerda)!
        No Brazil, tudo q é direita é ligado a coisas ruins, pq a esquerda brasileira, é forte demais! E bem à esquerda! O PSDB, é de centro esquerda!
        São questões politicas somente… Mas a história mostra, q partidos sempre a esquerda, em qualquer espectro, são desarmamentistas! PQ?
        Pq um povo sem armas, não pode questionar o Estado!
        E os partidos de esquerda gostam de estado forte! O poder!
        Pq eles iriam deixar o povo ter armas e questionar o Estado?
        Seria loucura! Se eu fosse governo e quisesse ter o poder pleno… desarmava todo mundo! Simples!
        Pensem como sobrevivencialistas q somos: Quero manter o poder de viver somente!

      • Yoseph Makabi

        Pode ser. Mas ao contrário do que vc pensa EU ESTAVA LÁ!!! E fui testemunha de outras atrocidades. Mas só falei porque o assunto é a necessidade de se defender de agressores, fardados ou não, conforme o artigo relata. Sobrevivencialismo é isso mesmo: MATAR OU MORRER. Não é fazer passeio de balsa flutuando em águas tranquilas ou piquenique em fazendas de gado leiteiro. Mas vamos que vamos, tomando suco de maracujá ou de açaí. O importante é estar preparado e saber usar a arma no momento certo contra o alvo certo. E tucano é a véia. Eu sou do MATO, do MATO GROSSO! KKKKKK
        SEMPRE PRONTO!
        SELVA!!!

      • Legal, sério mesmo! fico feliz em poder discutir isso com vocês, afim de que aprimoraremos as nossas considerações. Confesso que aprendi algumas coisas com o que escreveram.

        É sério? Você esteve lá? Lamento, deve ter sido horrível… Mas apesar da sua alegação, ressalvo de que na política e isso inclui as guerras, não existem lado bom e lado mau – na verdade sequer existem lados – o que diremos de bons e maus; o que ocorre com o poder nesse grau de proporções é que existem apenas números e interesses e ambas as facções não se importam nem um pouco com o bem estar real de seu povo e a honra.

        Eu não nego que os comunistas sejam péssimos, o que estou tentando demonstrar é que qualquer outro que governe, também nunca será confiável e nunca visará o seu bem ou o bem coletivo. E se não forem tão maus quanto os comunistas, não os serão apenas devido as circunstâncias da época, da situação em questão, e não pelo seu ímpeto pelo bem estar humano ou planetário. Por isso repudio o tão comum ódio aos comunistas, pois é incongruente. Perceba que os fatos que vocês alegam são meros fatos vivenciados ou argumentos de autoridade, já o que eu digo é que nenhuma dessas facções é confiável, e que fatos históricos tão pouco o são, pois podem muito bem, com os recursos de que dispõem, ser alterados, como certamente muitas e muitas vezes foram – conforme aquilo que disse Murphy.

        Quanto a este acontecimento ser verídico ou não, sinto, mas não posso confiar – não digo que seja verdade ou mentira – mas sim que não há como eu saber, nem ninguém aqui, além de você que esteve lá; só mesmo se eu conseguir ser um vidente muito poderoso. Na política e isso inclui a guerra, a mentira é uma artinha normal, á muitos e muitos milênios que já é usada, e quando se trata de interesses mundiais como é o caso do país em que estamos, verdadeiro fatos podem muito bem ser criados, adulterados, silenciados, confundidos etc. De modo que o melhor que se pode aprender dos políticos e da política é que não se pode confiar em totalmente nada que seja relacionado com eles.

        Explico que me exaltei porque fiquei um tanto perturbado com a sua declaração, pois tenho uma séria aversão a mentalização que estão proclamando de uma polarização político-militar, pois isso significa a armação de um teatro de guerra (teatro propriamente dito) uma encenação para mobilizar os ânimos de ambos os militantes, que na verdade funciona pela elaboração uma justificativa ilusória para o conflito que se prepara…

        Peço sinceras desculpas pela minha indelicadeza, agora me parece que fui eu quem fui rude. Embora permaneça discordando que os comunistas sejam piores do que qualquer outro grupo político, são apenas a oligarquia, bem como os capitalistas. Se não houver ameaças pra que precisaríamos do tão debatido Estado? Se não houver ameça o Estado vai inventar uma.

      • Abram o jogo, camaradas!
        ESCRITO POR CARLOS JOSÉ PEDROSA | 26 FEVEREIRO 2010
        ARTIGOS – MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO

        A líder do grupo, terrorista que tinha os codinomes Estela, Luiza, Patrícia e Wanda, era chamada de “Joana D’Arc da subversão”. Foi a mesma terrorista que, juntamente com sua colega de quarto, conseguiu penetrar em um quartel e roubar armas e munição, levando tudo para a pensão em que moravam. Hoje seria muito bem chamada de Joana D’Arc da corrupção.

        A esquerda brasileira é mais cínica que esquerda. Cometeu crimes absurdos, matou inocentes, esquartejou, dilacerou corpos e parece que não se lembra de nada. Acusa os militares de terem cometido crimes de tortura, mas não fala nas torturas praticadas pelos terroristas. Chama os militares de criminosos, mas não fala nos criminosos da esquerda. É muito fácil negar os crimes cometidos ou querer lançar lama no adversário. É um cinismo digno das esquerdas querer atribuir a si próprios a láurea de heróis. Porém, podemos refrescar a memória desses bandidos e lembrar parte desses crimes hediondos, que os terroristas urbanos e da selva insistem em “esquecer”.

        Foram muitos os crimes cometidos pela esquerda “em nome da democracia”. Inúmeras vítimas, militares e civis, pontilharam com sangue o caminho desses bandidos. Muitos eram integrantes das Forças Armadas ou das forças policiais; outros eram civis, funcionários de bancos ou de outras empresas, vitimados nos atos terroristas. Outros, ainda, estavam nos lugares errados, nas horas erradas, e foram vitimados pelas camarilhas da esquerda. Nada tinham a ver com aquela luta desmiolada, mas foram vítimas assim mesmo. Vamos relembrar algumas vítimas daqueles assassinos, e como suas mortes ocorreram, para comparar o que esses vagabundos dizem com o que de fato ocorreu.
        Em 25 de julho de 1966, no Aeroporto dos Guararapes, no Recife, terroristas empreenderam um atentado contra o Gal. Arthur da Costa e Silva. A explosão de uma bomba matou o jornalista Edson Régis de Carvalho e o Almirante Nelson Gomes Fernandes. Além das duas vítimas fatais, ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva, que, além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda, e Sebastião Tomaz de Aquino, o Paraíba, guarda civil que teve a perna direita amputada. “Um dos executores do atentado, revelado pelas pesquisas e entrevistas de Gorender, foi Raimundo Gonçalves de Figueiredo, codinome CHICO, que viria a ser morto pela Polícia Civil, em abril de 1971, já como integrante da VAR-PALMARES”.

        Em 26 de junho de 1968, o soldado Mário Kozel Filho estava de sentinela no Quartel General do II Exército, em São Paulo. Às 04:30 horas da madrugada, ele estava vigilante em sua guarita. Naquele momento, um tiro foi disparado por uma sentinela contra uma camioneta que, desgovernada, tentava penetrar no Quartel. Seu motorista saltara dela em movimento, após acelerá-la e direcioná-la para o portão do QG. O soldado Rufino, também sentinela, dispara 6 tiros contra o mesmo veículo que, finalmente, bate na parede externa do quartel. Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro, para ver se há alguém no seu interior. Há uma carga com 50 quilos de dinamite que, segundos depois, explode e espalha destruição e morte num raio de 300 metros. Seu corpo foi dilacerado. Os soldados João Fernandes, Luiz Roberto Julião e Edson Roberto Rufino ficaram muito feridos. Foi mais um ato terrorista da organização chefiada por Carlos Lamarca, a VPR. Participaram daquele crime hediondo os terroristas Diógenes José de Carvalho Oliveira (o Diógenes do PT), Waldir Carlos Sarapu, Wilson Egídio Fava, Onofre Pinto, Edmundo Coleen Leite, José Araújo Nóbrega, Oswaldo Antônio dos Santos, Dulce de Souza Maia, Renata Ferraz Guerra Andrade e José Ronaldo Tavares de Lima e Silva.

        Em Mongaguá, litoral paulista, foi traçado o plano da “Grande Ação”, que ocorreu em 18 de julho de 1969, com o assalto e roubo do cofre na casa de um conhecido político da época, em Santa Teresa, bairro do Rio de Janeiro. O roubo rendeu 2,5 milhões de dólares,que os terroristas souberam aproveitar muito bem. O cofre foi aberto em Porto Alegre, a maçarico, pelo metalúrgico Delci. A disputa pelo butim dolarizado foi ferrenha! A líder do grupo, terrorista que tinha os codinomes Estela, Luiza, Patrícia e Wanda, era chamada de “Joana D’Arc da subversão”. Foi a mesma terrorista que, juntamente com sua colega de quarto, conseguiu penetrar em um quartel e roubar armas e munição, levando tudo para a pensão em que moravam. Hoje seria muito bem chamada de Joana D’Arc da corrupção.

        No dia 10 de maio de 1970 foi assassinado o Tenente Alberto Mendes Júnior, da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O relato dos crimes cometidos pela esquerda refere-se a esse crime. “Naquela ocasião, Carlos Lamarca, Yoshitame Fugimore e Diógenes Sobrosa de Souza afastaram-se e formaram um tribunal revolucionário que resolveu assassinar o Tenente Mendes, pois o mesmo, pela necessidade de vigiá-lo, retardava a fuga. Os outros dois, Ariston Oliveira Lucena e Gilberto Faria Lima, ficaram vigiando o prisioneiro. Poucos minutos depois, os três terroristas retornaram, e, acercando-se por traz do oficial, Yoshitame Fugimore desfechou-lhe violentos golpes na cabeça, com a coronha de um fuzil. Caído e com a base do crânio partida, o Tenente Mendes gemia e se contorcia em dores. Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe outros golpes na cabeça, esfacelando-a. Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Tenente Mendes foi enterrado”. A esquerda não fala nesse crime, certamente tido como ato heróico.

        Em 4 de abril de 1971 foi assassinado o Major do Exército José Júlio Toja Martinez, que, com sua equipe estava vigiando uma casa ocupada por terroristas. “Por volta das 23 horas desse dia, chegou, num táxi, um casal, estacionando-o nas proximidades da casa vigiada. A mulher ostentava uma volumosa barriga que indicava estar em adiantado estado de gravidez. O fato sensibilizou Martinez, que, impelido por seu sentimento de solidariedade, agiu impulsivamente visando preservar a “senhora” de possíveis riscos. Julgando que o casal nada tinha a ver com a subversão, Martinez iniciou a travessia da rua, a fim de solicitar-lhe que se afastasse daquela área. Ato contínuo, de sua “barriga”, formada por uma cesta para pão com uma abertura para saque da arma ali escondida, a mulher retirou um revólver, matando-o instantaneamente, sem qualquer chance de reação. O capitão Parreira, de sua equipe, ao sair em sua defesa, foi gravemente ferido por um tiro desferido pelo terrorista. Nesse momento, os demais agentes desencadearam cerrado tiroteio, que causou a morte do casal, identificados como sendo os terroristas do MR-8 Mário de Souza Prata e sua amante Marilena Villas-Bôas Pinto, ambos de alta periculosidade e responsáveis por uma extensa lista de atos terroristas.

        O Araguaia foi palco de muitos crimes hediondos praticados por esses bandidos travestidos de guerrilheiros. Para que vocês não digam que estou mentindo, vou reproduzir trechos do discurso do Coronel Lício Maciel, testemunha, como participante, da luta contra os terroristas do Araguaia. O Coronel Lício Maciel, em sessão solene na Câmara dos Deputados, para homenagear os soldados mortos no Araguaia, descreveu muitas ações. Como aquela que resultou na prisão do guerrilheiro Pedro Albuquerque, em Fortaleza, quando tentava obter documentos. De lá foram para o Araguaia, como descreveu o próprio Coronel Lício Maciel:

        Chegamos ao Rio Araguaia, pegamos uma canoa grande, com motor de popa, fomos até ao local de Pará da Lama. Pedro deve lembrar muito dele: era uma picada ao longo da floresta no sentido do Xingu. Andamos o dia inteiro. Chegamos ao anoitecer na casa do último morador, com o Pedro sendo levado por nós, livre. Não estava algemado, amarrado ou coisa assim. Ele foi acompanhando a nossa equipe. Há várias testemunhas desse episódio aqui presentes, as quais não vou citar, que fizeram parte da minha equipe. Chegamos à casa de Antônio Pereira, pernoitamos no campo, nos telheiros e, no dia seguinte, às 4h, prosseguimos em direção ao local onde Pedro Albuquerque indicou.

        A operação no Araguaia, àquela altura, era de reconhecimento. Com base em informações obtidas de Pedro Albuquerque, a equipe do Cel. Lício tratou de desbravar o terreno para confirmar a presença de guerrilheiros na área. É o Coronel Lício quem descreve a evolução da operação.

        Chegamos à casa de Antônio Pereira, pernoitamos no campo, nos telheiros e, no dia seguinte, às 4h, prosseguimos em direção ao local onde Pedro Albuquerque indicou. Ao chegarmos lá, avistamos 3 homens, isto é, 3 elementos, sendo uma mulher, descansando para almoço, presumo. Aproximamo-nos do local só para conversar com eles, para saber o que eles estavam fazendo lá. Eram 3 e, no nosso grupo, havia 6, então, não tinha problema. Eles fugiram. Chegamos ao local e fiquei inteiramente abismado com o estoque de comida, de material cirúrgico, até oficina de rádio tinha, 60 mochilas de lona, costuradas no local em máquina industrial grande, que tive o prazer de jogar no meio do açude. Tocamos fogo em tudo e voltei sem fazer prisioneiro. Ora, em qualquer situação, teríamos atirado naqueles homens. Estávamos a 80 metros, um tiro de fuzil os atingiria facilmente. Eles estavam sentados. Mas o nosso objetivo não era matar, não era trucidar. O nosso objetivo era saber o que eles estavam fazendo lá. De acordo com Pedro Albuquerque, eram guerrilheiros. Estavam na área indicada por Pedro Albuquerque, que viu toda a operação.

        Nós continuamos na missão. Como os três elementos fugitivos avisaram para o resto do grupo do Destacamento C, mais ao Sul, em frente a São Geraldo do Araguaia, que estávamos indo para lá, ao chegar lá nós os vimos fugindo com muita carga, até violão levavam. Eles estavam se retirando do Destacamento C, do Antônio da Dina e do Pedro Albuquerque. Pedro Albuquerque nos levou até o Destacamento C, onde havia estado. Ele fugiu porque os bandidos exigiram que ele fizesse um aborto em sua mulher, que estava grávida. Eles não se conformaram com a ordem, principalmente porque outra guerrilheira grávida tinha sido mandada para São Paulo para ter o filho nas mordomias daquela cidade. Ela era casada com o filho do chefe militar da guerrilha, Maurício Grabois.

        O Cel. Lício, continuando sua narrativa, acrescentou que “não sei, não posso me lembrar, se foi o Cid ou se foi o Cabo Marra que pegou o Genoino. Esse elemento era o Geraldo, posteriormente identificado como Genoino. Ele foi recolhido ao xadrez, posteriormente enviado a Brasília. Em seguida, três, quatro dias, veio o veredicto da identificação: o guerrilheiro Geraldo é o José Genoíno Neto. O grupo do Genoíno prendeu um filho do Antônio Pereira, aquele senhor humilde, que morava nos confins da picada de Pará da Lama, a 100 Km de São Geraldo. O filho dele era um garoto de 17 anos, que eu não queria levar como guia, porque, ao olhar para ele, me lembrei do meu filho, que tinha a mesma idade. Então eu disse ao João: Não quero levar o seu filho. Eu sabia das implicações ou já desconfiava. O pobre coitado do rapaz nos seguiu durante uma manhã, das 5h até o meio-dia, quando encontramos os três nos aguardando para almoçar. Pois bem. Depois que nos retiramos, os companheiros do José Genoíno pegaram o rapaz e o esquartejaram. Genoíno, aquele rapaz foi esquartejado, toda Xambioá sabe disso, todos os moradores de Xambioá sabem da vida do pobre coitado do Antonio Pereira, pai do João Pereira, e vocês nunca tiveram a coragem de pedir pelo menos uma desculpa por terem esquartejado o rapaz. Cortaram primeiro uma orelha, na frente da família, no pátio da casa do Antonio Pereira. Cortaram a segunda orelha, o rapaz urrava de dor, e a mãe desmaiou. Eles continuaram, cortaram os dedos, as mãos e no final deram a facada que matou João Pereira. Eles fizeram isso porque o rapaz nos acompanhou durante 6 horas, a fim de servir de exemplo aos outros moradores para não terem contato com o pessoal do Exército, das Forças Armadas”. Aquele crime foi um ato de verdadeira tortura antes da morte da vítima. Ninguém da esquerda quer falar nisso.

        Algo parecido só encontrei quando trucidaram o Tenente Alberto Mendes Júnior. O tenente se apresentou voluntariamente para substituir dois companheiros que estavam feridos. A turma do Lamarca pegou o rapaz, trucidou, castrou e o obrigou a engolir os órgãos genitais. Então, ao Tenente Alberto Mendes Júnior foi feito isso, mas o crime contra o João Pereira foi muito mais grave, muito mais horrendo. E eles sabem disso. Peçam desculpas para o Antonio Pereira, se ele estiver vivo. Tenham a coragem de reconhecer que toda Xambioá sabe disso.

        Genoíno preso e identificado, a guerrilha prosseguiu. Depois de matar o João Pereira, eles mataram o Cabo Odílio Cruz Rosa depois do Rosa, eles mataram dois Sargentos depois dos dois Sargentos, eles atiraram no Tenente Álvaro, que deve contar a história. Na minha versão, o Álvaro deu voz de prisão para o bandido eles atiraram. O outro que estava do lado ou atrás atirou nas costas do Álvaro, arrancando-lhe a omoplata.

        Os mortos da guerrilha não podem, com Justiça, serem apontados como vítimas. Quando optaram pela luta armada, sabiam dos riscos envolvidos na ação. Sabiam que as forças de segurança iriam combatê-los. Sabiam que poderiam morrer em ação. Sabiam que seria uma ação ilegal e altamente perigosa. Hoje as famílias dos terroristas mortos recebem indenização, como se eles tivessem sido vítimas de um crime cometido pelo Estado, mas os que foram assassinados pelos terroristas nada recebem. Por esse raciocínio, também os traficantes, assaltantes e seqüestradores poderiam pedir indenização. Nenhum de vocês é melhor que eles. Vocês também não assaltaram e mataram como eles fazem? As monstruosidades cometidas por vocês, como o assassinato do Tenente Alberto Mendes Júnior, do Soldado Mário Kozel Filho, e do mateiro João Pereira, foram muito mais graves que a morte de qualquer “guerrilheiro”. Os guerrilheiros não foram assassinados, morreram em combate, o que foi absolutamente natural e já era esperado, inclusive por vocês. Quem se mete em uma guerra de guerrilha é pra morrer mesmo!

        Na versão de vocês, a luta foi ato de heroísmo. Pura mentira! Assaltar uma casa e roubar um cofre com US$ 2,5 milhões, pondo o dinheiro no bolso, não é ato de heroísmo: é roubo descarado! Quem rouba armas e munição de um quartel não é heroína: é ladra mesmo! Mutilar uma vítima, orelha por orelha, dedo por dedo, mão por mão, é um crime hediondo. Ponham isso na cabeça! Assaltar bancos e outras empresas, matando os vigilantes e gerentes, não é ato digno de um homem íntegro: é ato digno de vagabundos aproveitadores, como vocês.

        Querer implantar aqui uma ditadura nos moldes da então União Soviética não é ato de idealistas: é ato de traição ao Brasil. Hoje vocês posam de “heróis da resistência”, como se pretendessem resistir a alguma força contrária aos interesses do Brasil, como os franceses resistiram ao nazismo e os poloneses resistiram ao ataque soviético. Outra grande mentira! Tenham vergonha na cara e digam a verdade! Vocês não queriam implantar nenhuma democracia no Brasil. Em nenhum documento das organizações de esquerda, inclusive dos partidos, havia alguma referência à palavra democracia. Vocês pretendiam implantar a ditadura do proletariado. Como têm o descaramento de falar em democracia? Por acaso a União Soviética era uma democracia? Os países do leste europeu eram democracias? Cuba é uma democracia? A China é uma democracia? Chega de cinismo! Chega de posar como heróis! Chega de simulações democratas! Digam a verdade sobre o que vocês pretendiam e ainda pretendem fazer no Brasil. Digam que depois da vitória (se ocorresse ou se ocorrer) viria ou virá o paredão, como ocorreu na União Soviética, no leste europeu, na China e em Cuba. Sejam homens ao menos uma vez na vida! Abram o jogo, camaradas!

  • Além do mais o estatuto contribuiu para jogar a sociedade armada, na ilegalidade, já que o simples fato de você ter algum tipo de munição pode ir preso….

  • Controle de armas, não tem haver com armas e sim com controle de massa.
    Nosso país é totalmente instável e violento, tendo em vista que em 10 anos de desarmamento os índices aumentaram.
    Embora possa existir pessoas boas e más, policiais bons outros nem tanto, eu não confio no estado, por que ele não faz o papel dele enquanto orgão de segurança publica, muito pelo contrario, só tomam medidas que espalham caos, medo e insegurança publica.
    Sempre vai haver um capacho do lado do estado, que paga seu salário pra abrir fogo contra pessoas e dizer, “só estava cumprindo ordens” mesmo que essas ordens inflijam direitos a liberdade.
    Então, sou a favor de armas para todos, e tomara que um dia esse país mude as leis de armas.
    Por que é totalmente absurdo, pensar que se você, na sua propriedade de direito caso seja denunciado que ouve disparo de arma de fogo, você será enquadrado como um criminoso qualquer…

    • Jeferson Souza

      Amigo, descordo!
      O índice aumentaram, pois os bandidos sabem que o cidadão de bem, está desarmado.
      O fato não é tão simples, nos países, que aparentemente as armas são livres, existem penas duras, de morte inclusive.
      Eles dizem Você pode ter sua arma, mas saiba, que se fizer mau uso, vai s ter oque mereces.
      Um vagabundo, vida torta, vida louca, não ta nem ai pra lei do desarmamento, quem mata e rouba, achas que vai estar preocupado se for pego com um 38? kkk
      Resumindo, no Brasil, não temos pena de morte por falta de credibilidade e de estrutura, e por isso, todo se sentem impunes,
      Veja se tem traficante na Indonésia, pena de morta, tem dois brasileiros burros, que se arriscaram, e eu, você e todos os Brasileiros estamos, pagando o Itamarati, para tentar safar o rabão deles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s