SHTF School: O essencial para entender a sobrevivência é entender a morte e o morrer

Death and Survival

Quando eu era jovem e estava sob influência de filmes e livros sobre lutas, guerras e morte, de alguma forma eu adotei a visão de que a morte e o morrer é algo inevitável e geralmente é nobre e limpa, pois sempre tem algum tipo de causa ou razão.

Infelizmente eu percebi cedo demais que a realidade era bem diferente e não existe nada limpo nisso.

As pessoas gostam de pensar que a morte no combate é algo como o que vêem nos filmes pois isso faz sentido, dá uma espécie de conforto. Eu já vi a morte várias vezes, no combate e em camas de pessoas quando trabalhando em emergências médicas e posso contar e uma mão quando ela acontece de forma limpa e “nobre”.

O companheiro do seu lado que recebe algumas balas no estômago irá gritar muito, cheirar mal e você vai se perceber pensando “Ele não está morto ainda? Eu não aguento isso..” e ao mesmo tempo pensará “graças a Deus que é ele, não eu, caído, gritando e morrendo…” mas com certeza você se sentirá culpado por pensar assim mais tarde.

Pessoas morrendo vão chamar suas mães, filhos, esposas… Eles vão segurar em você com muita força, como se a morte quisesse arrastar eles e você pudesse salvá-los. Algumas vezes vão olhar “através” de você, como se já estivessem vendo algo que não é deste mundo…

Algumas vezes você também verá culpa em seus olhos pois eles se tornaram conscientes que estão morrendo e querem trocar de lugar com você. “Por que este cara tem que ficar e eu tenho que morrer? Quão injusto e cruel é isso, não pode ser real”.

Quando uma crise acontecer esteja preparado para ver as pessoas morrerem ao seu redor, e isso provavelmente parecerá bem diferente do que você tem imaginado em sua mente agora. Também esteja preparado para ver aquelas mortes que vão lhe mudar em muitos níveis, vão lhe afetar. Eu vi pessoas que mudaram para pior, outras, para melhor.

Mas vai lhe mudar.

Como eu disse, eu já vi muitas mortes e a maioria destas foram violentas. Tudo isso me torna mais cético, mas toda vez que me pego sendo cético eu lembro de minha frase “generalizar as coisas não é bom” e então eu lembro de um homem, um bom amigo que morreu cinco anos atrás.

Ele morreu no hospital, câncer de garganta. Foi feio e muito doloroso. A pior parte é que foi um processo muito vagaroso. Ele estava “derretendo” na frente de meus olhos durante semanas e no final só havia pele, ossos e seus olhos.

Eu lembrei daqueles olhos nos dias de guerra e caos. Ele era um homem forte, um leão, e as pessoas tinham a imagem dele como poderoso e ousado. Ele era uma inspiração para muitos continuarem lutando, e eles estavam certos. Ele era perigoso e não tinha medo. Mas o que eles não sabiam é que ele escondeu e salvou um monte de pessoas de grupos inimigos. Ele não fez isso por dinheiro, ouro ou outra coisa.

Ele os salvou da morte e das prisões privadas, levando todos para segurança. Naquele tempo ele poderia facilmente ter perdido sua vida por fazer isso. A única condição que ele colocava era que as pessoas deveriam ficar caladas sobre quem as ajudou. E a grande maioria fez isso. Depois de tudo acabar ainda haviam rumores, mas ninguém os levou a sério.

De qualquer maneira, as coisas mudaram, ele perdeu seu poder depois da guerra e mais tarde sua saúde também. Ele chegou a um tempo onde ele poderia usar o fato de que salvou pessoas para ganhar dinheiro, poder ou algo semelhante, mas ele não fez isso. Eu o conheci antes da guerra, depois da guerra e também o ajudei a transportar algumas pessoas para uma zona segura.

Ele não usou nada disso. Ele era muito pobre quando descobriram seu câncer, e ele morreu pobre. Apenas algumas pessoas estavam com ele quando ele morreu, incluindo a mim.

E eu penso que esta é uma das raras ocasiões onde eu vi um homem consciente de que estava morrendo e ainda assim mantendo a calma, em paz. Ele sempre acreditou em Deus, Jesus Cristo, então acho que isso trouxe paz para ele eu acho, mas eu gosto de pensar que o que lhe deu paz foi o fato de ser um bom homem.Ele salvou aquelas pessoas pois ele era assim, um homem bom. Ele também sabia o que esperar da morte.

Nós, sobreviventes daquele tempo, vimos coisas demais para viver sob algum tipo de ilusão.

Como eu disse, a minha fé nas pessoas não é forte, mas sempre quando eu a perco quase que por completo eu lembro dele e penso que mesmo nos piores tempos possíveis você ainda pode encontrar boas pessoas, mesmo nos lugares mais estranhos. Não significa que nós devemos confiar em pessoas, nós não podemos. Mas na multidão de ovelhas ingênuas existem algumas exceções. Olhe bem para como as pessoas lidam com situações de estresse ao seu redor. Perceba aqueles que acreditam que o que Hollywood conta é a realidade e evite-os.

A realidade da morte com certeza vai mudar essas pessoas, e não sabemos se será para melhor ou pior. A realidade e a nossa ideia de vida e morte são geralmente bem diferentes e isso pode resultar em um choque quando você se depara com o lado ruim da morte. O choque paralisa e causa cicatrizes na alma.

Eu sei que esta mensagem será perdida para as muitas pessoas que gostam de abrir uma revista sobre armas e comprar brinquedos novos em vez de aprender sobre o lado ruim da vida. Tornar-se confortável com a morte e o quão feia, fedorenta, suja e não nobre ela é vai ser um aspecto essencial para sobrevivencialistas fazerem decisões e ações corretas quando elas forem precisas.

Quais são seus pensamentos sobre a morte e o morrer? Alguma experiência pessoal que o ajudou a se fortalecer contra o medo? Compartilhe conosco nos comentários.

Traduzido e adaptado do blog SHTF School.