Sobrevivência Urbana – Sobre as crises pessoais

Por eremita urbano

“Em uma situação de sobrevivência ou crise grave, limite as suas necessidades ou tarefas para um período curto de tempo. Isso é importante pra você manter a sua integridade psicológica, emocional e até sua capacidade de planejamento para um futuro breve… Em momentos de absoluto desespero, viva um dia, um momento de cada vez!”nunca-desista-6191

Muitos se preparam para grandes catástrofes, mas as crises mais corriqueiras são as crises pessoais, afinal, elas podem vir sem aviso e desestruturam tanto quanto grandes eventos. Devemos nos atentar a elas, são as mais frequentes e podem acontecer em qualquer lugar. Acompanhem a seguinte história abaixo:

Era uma vez um homem chamado João. Ele vivia bem tranqüilo e feliz com sua família, esposa e uma filha pequena. A esposa então chega pra ele e diz que quer se separar e assim é feito, ela sai de casa levando a filha.

Para conseguir o divórcio de forma consensual e evitar um litígio, ele faz um acordo muito ruim pra ele. Ficou com todas as dívidas (prestações e financiamentos), pagará a pensão e ficará sem nenhum dos móveis da casa. Sobrou para ele uma mesa com quatro cadeiras, um computador antigo, um colchão com um travesseiro, um lençol, um cobertor, as roupas pessoais em uma mala – onde estão também documentos – e sua mochila(BOB), que ainda estava sendo montada e faltando muitos itens….E era tudo que ele tinha no momento.

Só o divórcio por si já é muito ruim, mas acreditam que piorou? Ao lado disso tudo, poucos dias depois ele recebe a visita de um oficial de justiça e descobre que um “grande amigo” que ele tinha sido fiador há alguns meses pelo aluguel de um imóvel “sumiu no mundo” e ele teve que assumir mais uma dívida alta pra não perder sua casa.

Pois é… Sem poupança e subtraindo as dívidas do salário que ele recebe no atual emprego sobram exatamente 200 reais. Esse valor ainda serve para pagar em torno de R$100,00 de energia, a água ele deixou cortar pois tem poço (cisterna) então usa a água dela. Com apenas cem reais de sobra ainda tem que sobreviver o mês inteiro. Será assim por um ano…

Na cidade onde ele mora existe um “restaurante cidadão”, onde se paga 1,00 para almoçar. Como o local funciona de segunda a sexta, ele consegue almoçar bem gastando 22,00 por mês e assim sobram 78 reais. Com menos R$13 do celular pré-pago sobram R$65,00 com os quais compra o básico: Arroz, feijão, farinha, macarrão, sal, óleo e itens básicos de higiene… As verduras, alguns legumes e temperos como salsa, cebolinha, manjericão, limão e entre outros ele tem no quintal, então no jantar dá para comer algo simples, porém sem luxo (mas sem fome).

A noite e finais de semana cozinha num fogareiro de uma boca que acoplou a um botijão comum de 13 kg que ainda conseguiu comprar. As panelas são um conjunto de acampamento que tem na mochila, o feijão, cozinha numa garrafa térmica.

A situação é ruim para o João, amigo leitor, mas ele nunca foi de ficar se lamentando e sentindo pena de si mesmo. Uma coisa que aprendeu sobre crises é que não adianta se desesperar, muito menos chorar. O que você tem que fazer é aceitar os fatos como eles realmente são, sem minimizar a situação ou criar falsas esperanças. Esse também é o segredo da sobrevivência em qualquer ambiente… O que o ajuda a seguir é a moral a vontade de vencer e de se reerguer.

Essa longa introdução foi para traçar o cenário. A seguir veremos os próximos passos do João na luta pela sobrevivência e mostrar algumas coisas que as vezes não enxergamos, como a possibilidade de fazer trocas na cidade como forma de obter recursos, entre outras dicas.

O principal em toda crise é responder a pergunta: O que posso fazer para resolver? A dica principal é… Conhecimento é tudo!

ALIMENTAÇÃO

Tanto para o sobrevivente da mata quanto para o sobrevivente urbano, é muito importante tentar comer da melhor forma possível, afinal, você precisa de força para vencer as adversidades. Na cidade é possível comer bem com muito pouco dinheiro.

Atualmente ele almoça em um restaurante popular financiado em parte pelo governo, o chamado de “restaurante cidadão” onde se paga apenas 1,00 pelo prato, como já havia dito mais acima. O cardápio é variado todos os dias e a base consiste em arroz, feijão, salada, complemento, alguma carne e sobremesa – que as vezes é um doce e outras vezes uma fruta como maçã, banana ou laranja -, ao final ainda tem um cafezinho na saída. Assim, com apenas R$22 mensais, ele consegue almoçar bem. O jantar ele faz em casa.

Caso não exista esse tipo de restaurante na sua cidade e você também estiver com pouco dinheiro, aí é cozinhar você mesmo seu almoço e jantar. Uma pessoa consome mais ou menos os seguintes recursos descritos abaixo em um período de trinta dias:

  • 5 kg de arroz – R$9,90
  • 2 kg de feijão – R$5,80
  • 4 pacotes de macarrão – R$4,80
  • 1 litro de óleo – R$2,60
  • 1 kg de farinha de mandioca – R$3,50
  • 1 kg de sal – R$1,20
  • 2 sabonetes – R$2,20
  • 1 pasta dental – R$2,50
  • 1 pacote de sabão em pedra (para lavar roupas e panelas) – R$4,40
  • 1 kg de sabão em pó – R$4,30
  • 1 Desodorante – R$9,80
  • 1 aparelho de barbear – R$2,50
  • 1 rolo de papel higiênico – R$2,00

Esses valores são da cidade dele no final do ano de 2013. Aqui percebe-se que com menos de R$60,00 você consegue alimentação e higiene básica para uma pessoa durante 1 mês. Lembrando que as verduras e legumes ele tem no quintal algumas coisas como: couve, rúcula, cenouras, rabanetes, cebolinha, salsa, limão para temperar a salada, entre outras… É uma boa ideia manter uma hortinha em casa, seja para economizar ou servir para momentos de crise.

ESCAMBO

Não se desespere, numa crise o desespero turva a visão e as oportunidades para o sobrevivente urbano estão geralmente “na cara”, tais quais estão muitos recursos na mata, para o bom mateiro.

Nessa semana ele estava pensando… Como eu posso melhorar as coisas por aqui? O que eu sei fazer? O que posso oferecer para alguém em troca de algo? E a oportunidade de melhorar um pouco veio de uma troca, o famoso escambo… E o mais legal é que o escambo não tem que necessariamente ocorrer mediante itens físicos, trabalho também pode ser moeda de troca.

Passando no início da semana em frente a um “pregão” (lugar que vende móveis usados) ele viu alguns computadores no chão e perguntou ao dono se ele estava vendendo. Ele disse que apenas um, os outros seis haviam parado de funcionar. João então pensou: “Opa! Eu sei arrumar computadores, pode ser coisa simples, quem sabe não consiga arrumar”.

Disse que poderia tentar arrumar os computadores sem compromisso e cobraria R$50,00 por cada um que colocasse para funcionar. O negociante achou caro, disse que não compensava. João falou que não precisava me pagar em dinheiro, que como eu estava sem móveis ele podia me pagar com mercadorias que estivessem por lá “freadas”…

Resumindo, conseguiu colocar quatro computadores para funcionar em uma madrugada (tudo coisa simples pra ele – tirar poeira, limpar as memórias para tirar a oxidação e um deles fazer formatação) e em troca ficou com um fogão de quatro bocas, velhinho mas funcionando, uma mesa para o computador cor de rosa(…Mas está valendo) e um sofá velho. O cara buscou os computadores e trouxe os produtos… Já estava melhor do que estava na semana passada e sem gastar dinheiro.

Outra coisa que se pode fazer é trocar coisas da horta. A couve por exemplo é muito fácil de lidar, depois de plantar as primeiras com as mudas você pode ir conseguindo vários outros pés! Você aproveita o excedente trocando de vez enquanto por banana ou laranja em um pequeno mercadinho perto de sua casa.

Outro exemplo: Existe uma senhora já idosa, que mora a algumas ruas da casa de João. Ela estava com o seu quintal tomado pelo mato e em um dia que ela estava do lado de fora ele educadamente perguntou se ela não gostaria seu quintal fosse limpo. Explicou-lhe parte da situação, disse que não tinha mais uma enxada mas que ela poderia comprar uma – que custa uns R$40,00 com cabo – e então limparia o lote pela ferramenta.

Ela disse pra ele passar no final da outra semana… E é isso! Do computador para enxada, da enxada pro computador. O sobrevivente urbano só não pode ficar com “frescura” escolhendo serviços, sobreviver envolve fazer o que for preciso.

Está sem dinheiro envolto em uma crise pessoal? Faça trocas, troque serviço por “coisas”, trabalhe final de semana em pizzarias, capine um lote! Não precisa fazer nada errado pra viver, as oportunidades estão geralmente bem na sua frente tudo que você precisa é calma para pensar.

Eu sou um cara revoltado com ladrões e elementos correlatos por isso… Em um universo de crise apenas pessoal não é necessário você fazer nada de errado pra sobreviver! Dá para trabalhar com honra e sobreviver sem dar prejuízo pra ninguém.

HIGIENE E APRESENTAÇÃO PESSOAL

Os humanos julgam sim pela aparência e se a crise for apenas pessoal, saiba que para você conseguir fazer trocas ou solicitar ajuda uma boa apresentação pessoal e um sorriso vão ajudar bastante. Por mais “lascado” que você esteja saiba que cara de derrotado não vai lhe ajudar… Mas como ficar bem apresentado e sem grana?

  • Barba: Se você fizer a barba apenas no sentido para baixo ela não vai ficar perfeita, mas a lâmina vai durar mais e não vai irritar tanto a pele  depois de muito tempo de uso;
  • Bicarbonato de sódio: Este item tem um série de utilidades! Entre elas serve como desodorante e custa apenas 0,70 centavos 100 gramas;
  • Corte de cabelo: É importante manter seu cabelo cortado na cidade. Se você em algum momento ficar sem dinheiro ou tiver que economizar, geralmente em alguns momentos do ano como dia 01 de maio (dia do trabalhador) e algumas outras datas, acontecessem ações com alguns serviços comunitários e inclusive corte de cabelo grátis. Claro que não dá pra cortar o cabelo apenas 1 vez por ano, o ideal da maioria é um corte a cada 1 ou 2 meses… Então como fazer? A dica é localizar as escolas de cabeleireiro de sua cidade, a maioria delas elegem 1 dia da semana para seus alunos cortarem cabelos dos “cobaias”. Pode ser que não fique perfeito, mas é melhor que ficar com o cabelo muito grande e mal cuidado.
  • Lavar roupas: Sem máquina de lavar roupas? Deixe sua roupa de molho em água e sabão no dia anterior ao que você vai lava-las… Vai ficar bem mais fácil de limpar!
  • Passar roupas: Sem ferro de passar roupas? Com exceção das “roupas sociais”, para não amarrotar muito você tem que sacudir bastante antes de estender no varal. Não deixe secar demais e ao recolher já dobre as roupas.

DICAS DIVERSAS

O feijão é muito importante na alimentação, mas… Não tendo geladeira, nem panela de pressão e ainda racionando o gás, como fazer então? Ficar sem comer feijão? Claro que não!

A noite coloque meio copo americano de feijão de molho em 2 copos e meio de água. De manhã, um pouco antes de sair para o trabalho, troque essa água pela mesma quantidade dela quente. Ferva o feijão com a água por 5 minutos e coloque dentro da garrafa térmica. Cinco horas depois ele estará cozido, bastando apenas temperar!

Se você que faz trabalho na rua precisar de água potável, não precisa comprar garrafas de água mineral. Procure shoppings, grandes supermercados, rodoviárias e você pode encher seu cantil nos bebedouros sem problemas! Porém em um shopping por exemplo, se você tiver parecendo um mendigo talvez os seguranças possam querer lhe incomodar, então mais uma vez se atente as dicas de higiene e apresentação pessoal.

Nos grandes mercados você pode conseguir lambiscos de guloseimas, refrigerantes, sucos, bolachas e em algumas épocas até mesmo degustar vinhos, ou seja, mesmo sem grana, se quiser, você pode se dar ao luxo de pequenos prazeres.

Essa é pra quem gosta…”Pontos de café”. Se você gosta de café, mapeie os locais que liberam um cafezinho grátis, existem vários… Mercados, bancos entre outros locais que deixam um cafezinho à disposição dos clientes. Alguns bancos tem até uma maquina de café expresso liberada para clientes. Fica a dica… Mapeie os pontos de café da sua cidade se você gosta. :o)

Espero que esta postagem sirva para mostrar que todos estamos sujeitos a crises pessoais. Elas vem algumas vezes de onde menos se espera, lhe desestruturam… Mas o principal item de sobrevivência é a sua cabeça. Pare, analise a situação com calma. O desespero turva os sentidos, então mesmo cansado siga de cabeça erguida e você vai sobreviver a qualquer crise que surgir! O melhor item de sobrevivência que existe é a sua mente!

Durante períodos de extremo desespero viva um dia de cada vez. Você já parou pra pensar exatamente no que isso significa? Já aplicou alguma vez na sua vida? Não estou dizendo pra você viver sem planejamento, o que estou dizendo é que podem surgir alguns momentos que você passará por momentos graves e que não conseguirá imaginar como superar e até mesmo como sobreviver a esses momentos.

Você pode então pensar agora? Como vai ser daqui um mês? Como vai ser daqui seis meses? Nos momentos de desespero a pergunta tem que mudar para:
– Como eu vou passar o resto do meu DIA, ou no máximo, como será meu dia seguinte?

Em uma situação de sobrevivência, ou crise grave, limite as suas necessidades ou tarefas para um período curto de tempo de 24 horas. Você não precisa imaginar como vai viver o resto da sua vida naquela situação, você precisa imaginar como você vai passar o seu dia HOJE. Você não precisa pensar como você vai pagar as suas contas daqui a três meses, você vai imaginar e agir para pagar o que tem que pagar HOJE. Isso é importante para você manter a sua integridade psicológica, emocional e até sua capacidade de planejamento num futuro breve. Em momentos de absoluto desespero, viva um dia, um momento de cada vez!