Como me tornei um Sobrevivencialista/ Preparador?

Por Eremita Urbano.

1150256_1381418548752139_1798527059_n

Olá! Bom dia, boa tarde ou boa noite!

É com muita surpresa que recebi o convite do Julio Lobo para me tornar um dos autores aqui do sobrevivencialismo.com, me senti muito honrado com a oportunidade de poder contribuir com minhas considerações sobre o assunto.

Gosto muito da afirmação: “Mudar de opinião é prerrogativa de quem pensa!”, sendo assim, de forma alguma me considero o dono da razão, escrevo com o intuito maior de que você leitor, pense, pondere dê opiniões, assim eu e você aprendemos mais.

Penso que a discussão de um tema é o que o faz evoluir, vários pontos de vista somados fazem um assunto ficar mais rico, então tudo que eu escreverei não é de forma alguma para ser considerado o certo ou para fechar um assunto, mas para gerar a soma de ideias, afinal se você está lendo esse blog é porque você diferente da maioria das pessoas é alguém que como eu gosta de aprender, então estamos juntos! 🙂

Quando me perguntam se sou sobrevivencialista ou preparador, eu sempre respondo que sou um misto dos dois, cada termo tem as suas particularidades, então ora uso um, ora uso o outro, porque procuro vivenciar os dois, já que creio fortemente que se complementam.

Esta postagem servirá de introdução para outras mais que virão e creio que responder o porquê me tornei um sobrevivencialista/preparador, seria interessante.

Passei grande parte da minha infância numa pequena chácara de meus avós. Lá comecei a aprender a importância de ter conhecimento sobre o meio em que vivemos, que magia é produzir a própria comida e que sanguessugas não saem tentando puxá-las com os dedos.

Cresci e sempre fui muito “perguntador”, o “E se…” sempre me moveu.

E se…

…um dia faltar energia por vários dias?

…eu ficar desempregado por muito tempo?

…faltar água na cidade por semanas?

…eu ficar perdido em algum local isolado?

…acabar o gás e não tiver como comprar, como cozinhar?

…acabar a energia comigo na rua a noite, longe de casa na escuridão total?

O “E Se…” me levou a conhecer e aprender muitas coisas, mesmo antes de eu conhecer a palavra “Sobrevivencialimo” ou “Preparação”.

Lembro-me bem, a algum tempo, buscando informações sobre como conservar alimentos, cheguei nos vídeos e no blog do Julio e consequentemente achei outros editores. Nossa! Naquele momento descobri que eu não era “um cara doido, que gostava de estar pronto para o inesperado”, nada disso! Existiam outros que também se preparavam, estudavam e que produziam inclusive conteúdo de qualidade sobre o assunto.

Foi aí que descobri os “nomes dos bois”.

Aprendi que aquelas coisas que eu carregava todos os dias se chamavam EDC, que a mochila que tinha com algum material para emergência se chamava BOB e que pessoas que como eu, que gostavam de estar prontos e saber o que fazer em emergências eram chamados de SOBREVIVENCIALISTAS ou PREPARADORES, dependendo do foco principal.

Vendo os vídeos do canal e lendo os conteúdos, eu tinha então descoberto a minha tribo. 🙂

O que pode-se perceber nesse breve relato é que sempre fui um sobrevivencialista – apenas não sabia disso – e creio que existem muitos outros que não sabem que são, e este foi o principal motivo de eu querer produzir algum material, quero ajudar a espalhar a sabedoria sobrevivencialista fazendo que outros possam encontrar a tribo e quem sabe até “converter” alguns, afinal quanto mais pessoas preparadas, melhor.

O que sei (ou penso que sei), quero compartilhar, afinal estou na terra só de passagem, aliás… Todos nós estamos e a única coisa que levamos são as coisas boas que fizemos pelos outros e os bons sentimentos que despertamos.

Compartilho o que aprendi com o “E se…” porque quando uma crise grave chega, o homem faz coisas horríveis na luta pela sobrevivência. Isso ocorre porque a maioria das pessoas não está preparada nem com o básico como uma despensa com alimentos e outros itens de emergência, por exemplo. Assim o despreparado em algum momento vai querer tomar de quem tem, para si ou para os seus.

Acredito fortemente que a prática e o estudo do sobrevivencialismo e temas correlatos é uma ferramenta capaz de “manter o homem, humano” em cenários de crise, nos proporciona conhecimento sobre a forma de agir diante das adversidades e aperfeiçoa o homem, fazendo-o evoluir verdadeiramente.

Aprenda e seja útil a você mesmo, a sua família e a sociedade, evolua, sobreviva!

Eremita Urbano(@fortedoeremita) é Cientista da Computação, pós-graduando em Gestão da Tecnologia da Informação e Técnico em Administração Empresarial. Atuou mais de 10 anos como instrutor de computação e rotinas administrativas. Aficionado em aprender, acredita que o estudo do sobrevivencialismo e assuntos correlatos, pode nós aperfeiçoar e nos tornar humanos melhores.