SHTF School: Violência como ferramenta de sobrevivência

Quando alguém diz “sobrevivencialista” ou “preparador” a maioria das pessoas imaginam um cara com um monte de armas. Muitas pessoas nos vêem como caras que têm “dedo nervoso”.

Até certo ponto isso é verdade e eu acredito fortemente que preparadores e sobrevivencialistas precisam estar armados e educados tecnicamente muito bem. Mas usar violência é algo completamente diferente, tomar a decisão correta de quando usar violência e com que intensidade é muito difícil. Frequentemente o uso de uma arma pode significar a sua morte também, então escolha com cuidado.

Para estar pronto para usar violência com rapidez e eficiência você precisará de muitos requisitos como treinamento, escolha correta de equipamento, vontade de usá-lo e necessidade de usá-lo. Eu vi muitas situações onde pessoas foram mortas simplesmente pois escolheram usar violência em uma situação onde ela não era a única alternativa ou não era a melhor opção. A situação poderia ser resolvida por outros meios, não com armas e violência.

Se falamos de sobrevivência e existe um risco de você perder sua vida e você escolher a violência, abra sua cabeça antes e esteja pronto para procurar por outras soluções. Pode parecer uma coisa de “fracos”, mas o ponto é : Tenha a sua arma pronta, mas repasse todas outras alternativas para solucionar o problema antes.

Considere o que você e o outro lado pode ganhar ou perder

Quando os conflitos entre pessoas era uma coisa diária na crise em que vivi, se eu escolhesse solucionar tudo com violência eu não estaria aqui para escrever sobre isso. É uma simples questão de números e chances. Lembre-se que você não é o Rambo e isso não é um filme.

É uma simples barganha, o que você pode ganhar e o que pode perder. O outro lado também pensará isso.

Eu lembrei mais de uma vez quando eu “convenci” caras a ficarem longe da minha porta “mostrando” quantos iriam morrer se escolhessem me atacar. O primeiro impulso era atirar, claro, mas é mais barato tentar com palavras. Claro que algumas vezes isso não funcionou e são para essas situações que as armas servem.

Esteja preparado e pronto, mas não tenha o dedo nervoso

A arma não é nada sem uma mão para operá-la. Aprenda a usar a sua arma nas condições mais próximas da realidade. Não é apenas praticar tiro ao alvo, há também o tremendo estresse e situações bagunçadas.

Esqueça das cenas quando dois caras bonzinhos atiram com rifles de assalto em caras ruins e ficam conversando sobre o que terão para almoçar com grandes sorrisos na cara. É um filme. Na vida real é uma confuso, alto, muitas vezes uma bagunça… E o mais importante é que os caras bons também podem morrer.

O que há de errado com o mundo hoje em dia?

Claramente algo está errado com tudo hoje em dia, não importa onde você more.  Se você é um preparador, definitivamente está atento ao fato e também sabe que provavelmente ficará pior.

O que você pode fazer? Você pode estar preparado, armado, com estoques de água, comida, munição e todo o resto.

Mas…você também pode fazer mais. Você pode falar com as pessoas sobre o que está errado. Você pode tentar resolver alguns problemas, talvez você consiga colocar algum senso em um membro de sua família ou bom amigo.

“Por que nós somos comandados por idiotas, por que o crime têm aumentado, por que há mais desemprego em todo lugar”… Qualquer fato desses servirá.

Eu não estou dizendo aqui para sair e dizer para as pessoas que você é um preparador. Estou dizendo para sair e falar com outras pessoas para quem sabe, conseguir algumas mudanças. Tentar levantar alguma atenção para o fato de que algo está errado e tirá-los da “bolha”.

Revolução armada

Eu sei que muitos de vocês não confiam no governo. Eu também não confio. Uma recente pesquisa nos EUA mostrou que 29% das pessoas pensam sobre uma revolução armada e que acham que esta é necessária.

Eu também acredito como preparador e sobrevivencialista que em toda situação, conhecer mais opções é melhor. Por isso eu recomendo que vocês leiam “Da ditadura à democracia“. É um livro gratuito de Gene Sharp (que foi nomeado para o prêmio Nobel da paz) que mostra passo por passo como abafar o governo e começar uma revolução não violenta.

Serviu como orientador para muitas revoluções não violentas nos anos recentes.

É sobre se educar e conhecer mais, para mais tarde ter mais opções.  Neste livro existe muito sobre como criar um movimento, algo que pode ser útil até mesmo na comunidade local. Você não precisa concordar com todo o livro, eu não concordo, mas conhecê-lo lhe dá mais opções.

Mais flexibilidade para pensar é o que te faz mais forte e aumenta as chances de sobrevivência de seus entes queridos e as sua.

Violência, sim ou não?

Violência não é a solução. É o último recurso. Não me entenda mal, eu vi e cometi muita violência.  Mas é a sobrevivência. Isso muda alguma coisa? Bom, eu estou vivo e pronto para causar mais violência. Como as coisas vêm aparecendo ultimamente, provavelmente precisarei dela no futuro.

Eu estou dizendo que talvez exista uma forma de quebrar o ciclo da violência nos educando para olhar e reconhecer o que está acontecendo a nossa volta. Nós vivemos em um mundo que é bombardeado pela mídia como se a violência fosse um meio normal da vida, mas se você parar por um momento e pensar sobre isso, verá que violência não pode ser algo normal.

No final, enfatizo para não me entenderem como pacifista, eu estou perfeitamente pronto para explodir a cabeça de algum membro de gangue ou viciado que quiser atacar minha casa e minha família, em crise ou sem crise.

Eu só tento checar se existem outras soluções para mover aquele viciado ou criminoso para longe antes que eles cheguem em minha casa.

E você, o que acha do uso da violência?

Traduzido do blog SHTF School.