SHTF School: 10 dicas de como efetuar trocas em cenários de crise

Todos nós confiamos em nossas habilidades para quando a crise acontecer. Então todos nós esperamos que teremos habilidade para manter todas as coisas básicas para sobreviver. Nós podemos escolher aprender várias coisas como lutar, enlatar, plantar e curar pessoas… Enquanto isso, estamos também comprando equipamentos enquanto aprendemos estas coisas.

Nós escolhemos diferentes abordagens. Alguns escolhem apenas aprender o básico de cada habilidade, outros preferem escolher uma habilidade e aprendê-la a fundo.

Mas a maioria das pessoas pensam que a troca e a barganha em cenários de crise prolongado é algo garantido. A maioria das pessoas vêem cenas de trocas como essas nos filmes, então há uma espécie de cenário aceito onde um homem poderá sair com uma mochila cheia de batatas e trocar por baterias ou seja lá o que precisar.

Muitos também pensam que haverá uma espécie de local de troca, onde você poderá ir e ver o que eles oferecem por lá.

Na verdade é estranho como em muitos fóruns e blogs há muita informação boa sobre equipamento e habilidades, mas quando falamos de troca, vejo que isto é tomado como algo que é senso comum e que será fácil trocar as coisas.

Quando a crise ocorrer, todos nós vamos trocar coisas. Não importa o quão preparado você está, em algum dia você precisará obter coisas que não tem, especialmente em cenários de crise longos.

Não faz sentido pensar em troca durante crises com a mentalidade de hoje. Ela pode ser uma grande fonte de recursos e prover sua sobrevivência durante tempos difíceis, e, se você se preparar cautelosamente e agir de forma inteligente quando a crise ocorrer, poderá viver muito melhor do que os outros ao seu redor.

Claro que haverão diferenças entre as regiões no mundo, alguns itens não podem ser aplicados em todo local, mas algumas coisas são comuns em toda parte. Assim como um tiro na cabeça pode te matar, não importando que tipo de arma estamos usando.

Então existem algumas coisas para se ter em mente.

1. Crise prolongada = Não há mais lei

Quando você for parar para pensar em como ser um negociador quando a crise ocorrer, você precisa parar por um momento e aceitar o fato de que não há leis quando uma crise prolongada ocorre.

Depois de aceitar este fato, aí sim você poderá pensar em como melhorar seu papel de negociador em um mundo em colapso.
O ponto é que você tem que entender realmente o quão drasticamente as coisas mudam quando não há lei. É difícil imaginar mas tente ver a vida de um ângulo diferente… tente então pensar em negociar olhando desta forma diferenciada.

2. Olhe ao seu redor, hoje

Um pouco de bom senso de novo. Quando as pessoas lutam para sobreviver, elas vão precisar de tudo. Mas use o bom senso… não há sentido em guardar algo que pode ser encontrado facilmente ao seu redor.

3. Coisas pequenas, sempre

Não importa o que você quer negociar, sempre que for trocar faça isso apenas com coisas pequenas e pequenas porções. Por exemplo, você não deve oferecer cinco litros de álcool, ofereça meio litro, e é isso. Você tem recipientes para isso?

Porque fazer isso? Outras pessoas podem não decidir tirar sua vida pois ela não vale apenas meio litro de álcool, mas por mais, ou se acharem que você tem mais em casa, talvez valha.

Também é muito mais fácil ir a algum lugar carregando contigo cinquenta isqueiros do que dez litros de gasolina.

4. Você quer ser um grande negociador? Não

Se você tem um plano grande sobre o que fazer quando a crise ocorrer e guarda um monte de coisas interessantes você deverá manter perfil baixo. Então se quiser ser um grande negociador, isto significa que ninguém fora da sua casa poderá saber que você tem um monte de coisas para troca.

A única coisa que está entre um bando de pessoas mal intencionadas e você e seu estoque é o fato de que você não é interessante para elas. Você pode dizer que está muito bem preparado, armado e possui um grupo de amigos também armados contigo… Eu lhe digo que cedo ou tarde alguém virá com mais amigos e mais armas que você e você estará sem nada e morto.

Então, mantenha-se escondido. Você não pode ser algum “grande negociador” para as pessoas ao seu redor. Seja lá o que você quiser trocar, você terá de ter alguma estratégia para fazer isso e distribuir aquilo. Fique atento ao seu ego também, ter recursos significa poder, mas mostrar este poder irá matá-lo.

5. O “homem do meio” – Solução de ouro

Para melhores resultados em trocas por longos períodos de tempo, você deverá ser algo como “o cara do meio” no processo de trocas e não aquele que possui as coisas. Claro que isso significa que as pessoas deverão pensar que você você realmente é só o intermediário, não aquele que na verdade é dono dos produtos.

Então se você está preparado para trocar e tem várias coisas diferentes para isso, você não pode sair oferecendo coisas suas, você tem de ser o cara que “obtém coisas”.

Se você tem mil isqueiros para trocar, a crise acontece amanhã e você percebe que eles estão valendo bastante em trocas, a melhor solução é ser alguém que conhece um cara que tem isqueiros para trocar. Então quando estiver andando com alguns isqueiros no bolso e trocá-los, eles não são “seus”.

Você estará agindo como o cara que possui a informação onde algo pode ser achado para trocas, você pode “ir lá” e pegar estas coisas.

6. Regras de segurança básicas

De novo e de novo, você não poderá ser interessante. Utilize o bom senso de novo quando pensamos em segurança durante as negociações:

  • Nunca troque dentro ou na frente de sua casa;
  • Quando trocar com pessoas desconhecidas, sempre veja se não há ninguém lhe seguindo até sua casa;
  • Não importa o quão bom negócio você pode fazer, nunca troque muitas vezes com uma pessoa em um curto período de tempo (Por exemplo, não troque dez litros de combustível três vezes na semana com a mesma pessoa, ou na mesma rua);
  • Trocar com pessoas que você conhece aumenta os riscos pois pessoas que lhe conhecem sabem onde podem ir se concluírem que você tem boas coisas em casa. Por outro lado, trocar com pessoas não conhecidas também é arriscado pois não saberá com quem está lidando;

Eu nunca fui um grande negociador que trocou várias coisas. Só fazia trocas com pessoas próximas de minha vizinhança que confiasse 100%, o que normalmente não acontecia. Se eu precisasse trocar algo maior e mais interessante eu tomava os riscos e ia em outras partes da cidade para negociar com pessoas que não sabem onde eu vivia.

7. Preços, valores das coisas

Isso pode ser bastante específico, em cada região as coisas terão um valor mais alto ou mais baixo. Você pode pensar que a comida terá o maior valor, mas há diferença em o que será sempre procurado e o que terá o MAIOR valor. Então sim, provavelmente você sempre poderá trocar comida por algo usável, mas será melhor ideia ter algumas coisas valiosas que você pode trocar por comida.

  • Fontes de luz e energia: Lâmpadas, baterias, velas, parafina, barras de neon, pederneiras, carregadores solares, lanternas, combustível…;
  • Sempre tenha coisas que as pessoas de sua região usam todos os dias em eventos sociais.

Você pode pensar que quando uma crise ocorre os hábitos das pessoas serão apagados e tudo o que estiver conectado a elas será relacionado a simples necessidades de sobrevivência, como comida e água. Sim, para um bom número de pessoas foi assim, mas a razão era porque eles não tinham nada destes “confortos sociais” armazenados ou não tinham itens suficientes para trocar e conseguir eles. Se eles pudessem, eles teriam estes itens de conforto.

O que quero dizer é que em meu caso, as pessoas aqui tomam muito café, cerca de três a quatro vezes ao dia e a maioria das pessoas fumam cigarros. Beber café é quase como um ritual onde amigos ou família se sentam para ter um momento especial.

Quando a crise ocorreu as pessoas ficaram em situações difíceis e alguns hábitos e rituais da vida normal ganharam uma importância muito maior. Digo, quando todo o resto desaba ao seu redor, ter um momento especial com a sua família bebendo café é algo muito mais valorizado.

Como resultado,  o café era muito valioso… digo MUITO valioso. Até alguns substitutos ruins de café eram importantes e valiosos. O mesmo acontecia com cigarros… Então dependendo de onde você vive, procure por estas coisas e as armazene. Pode ser café, cigarros, chá, cerveja…

Tenha alguma espécie de sistema no seu estoque para saber quais coisas você usará e quais trocará. Por exemplo, você armazena comida para você e sua família apenas, mas armazena também um grande número de baterias para você e para troca também.

8. Caridade

Não existem uma regra de ouro sobre o processo de troca, além daquelas medidas de segurança que eu já mencionei, mas existem algumas outras coisas para se ter em mente.

Caridade em temos bons é legal, caridade em tempos de crise é errado e perigoso. Meu conselho é NUNCA fazer caridade em época de crise. Isso significa que é loucura dar coisas de graça se os outros estão lutando para sobreviver. O que acha que eles pensarão?

“Este cara tem muito então vamos pegar o que pudermos, mesmo que seja à base da força. “Você pode dar coisas para as pessoas, mas não pode parecer como caridade.

Você precisa pegar algo se for dar algo. Se você fizer caridade e a notícia se espalhar, você já era. Eu vi isso acontecendo várias vezes. As pessoas foram atrás do “cara bonzinho” para pedir que eles também lhe dessem algo e isto acabou terminando de forma bastante ruim algumas vezes.

Se você ver suas crianças morrendo de fome e este cara que tem comida não quer lhe dar um pouco, o que você faz? Exatamente.

9. Golpes

Você deve sempre esperar golpes, as pessoas vão fazer um monte de coisas erradas para conseguir coisas. Comida para bebês é um exemplo do meu tempo, eles tiravam metade da comida, colocavam um enchimento e cobriam para parecer que o pote estava cheio).

Eu sei como fazer um quilo de café com apenas 20% de café e 80% de outras coisas e realmente parecerá e cheirará como café… 90% das pessoas não notarão diferença, o problema é que a mistura “ferra” a pressão sanguínea pra valer. Este é apenas um exemplo.

Então o bom senso na troca é pegar produtos enlatados ou selados. Se um homem lhe dá meio saco de leite em pó em troca de algo, você terá apenas a palavra dele que ele não misturou aquilo com outra coisa para que o saco ficasse mais pesado.

Plantas secas misturadas com tabaco e vendidas como tabaco, diferentes sementes moídas com pequenas quantidades de café e vendidas como café…

10. Escolha o momento certo para trocar

O valor das coisas foram variando durante a guerra, dependendo de quanto de cada recurso havia em uma área, quais eram os rumores e boatos nas ruas, preços no mercado negro ou até mesmo a situação da segurança. No primeiro mês um pacote de baterias valia talvez cinco quilos de farinha, mas no terceiro mês valia quinze quilos de farinha.

Ou outro bom exemplo eram as velas, que valiam mais nos primeiros meses do que depois disso. As pessoas acabaram achando substitutos para manter a luz em casa como lamparinas à óleo, e perceberam também que ter luz em cada quarto é um luxo desnecessário.

Fique bastante atento aos rumores nas ruas. Digo, não saia e troque coisas preciosas por algumas máscaras de gás só porquê alguém te disse que elas seriam muito úteis.

Os rumores nas ruas vão trabalhar por você, mas também contra você e haverão momentos onde pessoas ou grupos de pessoas vão produzir notícias para ganhar algo ou vender algo.

Isto é o aconselhamento básico sobre trocas em cenários de crise prolongados.

Como você se prepara para trocar em cenários de crise?

Fonte: SHTF School

Anúncios

15 Comentários

  • Não entrarei no mérito da questão quanto ao primeiro comentário a respeito do assunto que essa matéria se refere.
    Aproveito o fato de ser sincero em dizer que de certa forma acho um tanto improvável ficarmos em uma situação tão ruim a ponto de precisarmos fazer uso de tais habilidades
    Como bem disso eu acho improvável porém não impossível, costumo seguir esta pagina por achar ar matérias interessantes, não sou sobre vivencialista, alias bem o contrário já que moro em um apartamento sem nenhum tipo de recurso estocado ou nenhum tipo de autossuficiência de qualquer tipo que seja.
    Meu interesse é mais pelas lembranças que certos assuntos me trazem.
    Meu avô era do tipo mateiro além de ter extrema habilidade em lidar com metal e madeira, meu pais tem a mesma habilidade, já eu infelizmente por questões de espaço e interesse não herdei tais habilidades.
    Quanto a questões de situações de caos e como a habilidade pode ajudar e muito me lembro de um fato que aconteceu quando eu ainda era novo, tinha na época uns 16 anos.
    Moro em são paulo e me lembro que em uma certa época tivemos problemas com o abastecimento de gás de cozinha.
    Ficamos quase 2 meses sem, a solução do meu pai foi fazer um pequeno forno de lenha usando uma pia velha e uma grade velha também, isso nos possibilitou continuar a cozinhar sem muitos problemas.
    Não me levem a mal, particularmente acho algumas coisas um tanto quanto exageradas, eu aprendi que não existe ninguém preparado para nada até que a situação ocorra, no máximo existe o menos preparado e o menos preparado ainda, mas entendo a escolha de vocês e a respeito.

    “Familiarize-se com todos os ofícios, conheça o caminho de todas as profissões.” -musashi miyamoto-

    • O primeiro comentário na verdade me referia ao ultimo comentárioantes do meu na verdade.

  • Pingback: Estamos realmente preparados? Uma conversa sobre negociação |

  • Esse seu pensamento obtuso e oligofrênico é apenas mais um sintoma de uma crise moral sem precedentes. O seu instinto de sobrevivência à espreita de todas as legitimidades parece ser um gozo recôndito para que as moribundas leis que regem qualquer preceito de civilização sejam extirpadas de vez. Se existem possibilidades de algum colapso, isso se deve, em grande parte, a pensamentos patológicos como, infelizmente, parece ser o teu.

    • Caro Márcio, até entendo o seu esforço em tentar mostrar a sua inteligência e capciosidade ligeiramente camufladas em meio às suas palavras, sob o argumento que daqui a pouco você chamará de “ponto de vista”, singelamente. Entretanto, só não entendi porque a tentativa do uso de palavras tão “polidas”, para expressá-lo. Você realmente acha doentio pensar assim? O que o indivíduo “perde” por pensar assim? Para você, ele já virou até um autista – em função da sua forma de pensar. O que faz de você um homem (ou menino com um pequeno dicionário na mão) apto para diagnosticá-lo como doente pura e simplesmente pelo fato de o tal estar expondo uma maneira segura de se praticar o escambo, SENDO QUE, caso não cheguemos a um ponto crítico como ele cita, acaba tendo uma natureza útil do mesmo jeito? O que se perde compreendendo melhor como se fazer este processo, ou então o que uma pessoa realmente perde por pensar da forma que o autor? Você não consegue perceber a necessidade do assunto e só por isso, pela sua incapacidade de compreender o tema, já julga o indivíduo como incapacitado mental? rsrs…o que é “capacidade” para você Márcio? (Se é que este é realmente o seu nome!). Capacidade é olhar para um tema destes e interpretá-lo como doentio? Com base no que Márcio? (Se é que este é realmente o seu nome!). Para finalizar o meu comentário muito mais simples que o seu “inteligentíssimo” comentário, penso que a minha pergunta não deveria ser direcionada ao autor, no sentido de procurar entender o que ele perde por pensar assim, mas sim à você: o que você “ganha” pensando assim? Aguardo o seu inexorável retorno!

  • Texto muito bem elaborado. Em um cenário de crise onde o estado for impotente ou inexistente, valerá a lei do mais forte ou melhor armado, sendo que é nescessario ter coragem para partir para o tudo ou nada. Tirar uma vida não é fácil.

  • Muito bom o texto, abre bem a cabeça e da boas dicas!!!

  • Preocupante.
    Lendo o blogue ou o fórum sempre aprendo algo, principalmente sobre mim mesmo separando as coisas que concordo das coisas que discordo. E o mais manero é termos essa liberda e esse espaço para compartilhar visões.
    Todos concordamos com uma escala diferente de situações que vão da mais simples e cotidiana até o topo que seria O Fim da Várzea Como Conhecemos; experimentada centenas de vezes no passado distante pelo fim de tribos e civilizações, passando pela dissolução de grandes civilizações e imperios como babilonios, egipcios, persas, e em alguns desses casos serviram de base para a nossa civilização como Grécia e Roma.
    Onde quero chegar? Aqui mesmo onde estamos. Pois não acredito que uma crise não pode ser desculpa para alguem virar um FDP, como o item 8 sugere. Excelentes exemplos vieram do Japão e do EU nas ultimas catastrofes, onde independente do estado os individuos mantiveram um minimo de ordem sem perder os valores humanos de respeito e de solidariedade. E acredito que o sobrevivencialismo seja também a sobrevivencia dessa civilização, por isso nos preparamos e investimos nisso.
    Peço desculpas se me alonguei .

    • Nos EUA com o Katrina a onde de saques foi terrível…
      Mas não vamos muito longe, no interior do estado de MS numa cidadezinha chamada Aquidauana houve um período de inundações (o rio transbordou), e as regiões alagadas foram alvo de saques.

      • Se cada um pensar só no seu e agir como FDP e aproveitar da ausencia do estado é exatamente isso que acontece.
        Esse video é um desabafo de um cara sobre uma situação semelhante.

        abs

      • Max, concordo em absoluto com vc!
        Isso é mais um motivo pra vc tomar cuidado com a “caridade” no BR, infelizmente é uma nação de FDP!
        Acho que este site faz um grande serviço dividindo informação.
        O cara abriu mão do anonimato para ajudar muita gente a se preparar…

      • Esse vídeo do ‘vergonha de ser brasileiro’ diz que o preço não aumentou nem 1 centavo. Isso do aumento da gasolina chama-se ‘price gouging” e é proibido nos EUA. Por isso ele não viu. No entanto, é totalmente necessário, pois o preço elevado, durante uma crise, tem várias funções.

  • Muito bom…

  • preparador e sobrevivencialista

    Eu tenho muito receio em realizar trocas…
    Texto excelente!

  • Leonardo Lima

    Cara, um excelente texto com informações tão valiosas quanto a nossa própria vida!!!
    Ter condições de estabelecer algum tipo de comércio e ter um estoque de mercadorias para trocar pode ser a chave para que o sobrevivente possa adquirir os recursos que lhe faltarem.
    vou pensar mais sobre isso!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s