Quer se desconectar do sistema? Pense nestes 7 pontos antes de comprar sua propriedade!

Para muitas pessoas viver fora da rede pode parecer uma opção atraente. Quando pensamos nesta ideia a primeira coisa que pode surgir a mente de muitos é a cena de ir acampar por alguns dias… Mas posso lhe garantir que podemos ir bem mais fundo que isso.

Para vários sobrevivencialistas desconectar-se do sistema é a maior mudança de vida possível. É desenvolver um estilo de vida sustentável, ter apenas o que você precisa e produzir tudo em sua própria terra. Sim, nós sabemos que isso soa bastante utópico, contudo com técnicas e esforço suficiente é possível atingir este objetivo.

Se você é uma dessas pessoas que pensa em se desligar do sistema esse texto foi escrito para você. Hoje vamos tratar sobre sete pontos de atenção que você precisa levar em conta quando decidir que o momento de apostar no seu sonho chegou.

Nós algumas vezes subestimamos vários desafios quando pensamos em como é viver fora da rede e até mesmo esquecemos de muitos possíveis obstáculos que vamos enfrentar pois estamos acostumados com os confortos da cidade. Então, este artigo irá explicar a maioria dos desafios que você precisa ter em mente antes de finalizar sua decisão de comprar um terreno para estabelecer uma casa e um estilo de vida sustentável.

Distância da cidade mais próxima

country road

Amantes da vida independente do sistema geralmente preferem viver distantes da cidade mas ao mesmo tempo querem ter acesso às comodidades que os centros urbanos oferecem – como por exemplo hospitais e mercados. Levando este fato em consideração, existe um “ponto ideal” de distância onde você precisa procurar sua nova propriedade.
Claro que cada terreno tem suas variações e peculiaridades, mas quando pensamos nesta distância ideal geralmente ela fica entre 30 e 60 quilômetros do centro urbano mais próximo. Esta distância permite que você consiga trabalhar na cidade, fazer compras e até mesmo lidar com urgências médicas de maneira relativamente eficiente.
A matemática é simples, quanto mais distante a propriedade é da cidade, mais barata ela é. Contudo você não terá acesso a inúmeras comodidades urbanas que vão desde internet (mesmo que a rádio) até atendimento médico.
Lembre-se: De nada adianta ficar isolado e distante de tudo, especialmente em situações de emergências de saúde.

Fonte de água

creek

Existem muitos locais que podem parecer muito atraentes para se tornarem sua propriedade, mas antes de se animar não se esqueça de verificar a acessibilidade a água que ele possui.

Sim, é possível construir cisternas e outros sistemas que lhe permitem conseguir água nos terrenos mais áridos, mas, se você pode escolher, não há por que ter tamanho trabalho extra. Para criar um local verdadeiramente sustentável e rico em produção de comida você precisará de uma fonte de água segura e constante.

Tenha certeza de que o local de sua escolha possua um rio, riacho, lago ou pelo menos um lençol freático acessível. Você poderá assim cavar um poço em sua propriedade ou usará estes recursos externos para prover a água que precisa.

Caso realmente precise cavar um poço artesiano tenha em mente que isso adicionará mais custos no seu orçamento! Além disso, leve em consideração que geralmente é interessante ter dois poços diferentes, um para consumo na residência e outro para o pomar/horta caso a propriedade não tenha riacho ou lago.

Fornecimento de energia

(Image via)

Se a sua proposta é depender dos recursos que é capaz de produzir, precisará considerar o potencial para gerar energia de diferentes fontes na sua propriedade. Estas incluem tipos como energia solar, eólica e até hídrica. Para pensar em real sustentabilidade sua propriedade precisa ter acesso a um modo confiável de geração de energia.

O tipo de terreno ideal é aquele que lhe permite usar meios híbridos de geração de energia, ou seja, mesclar seu fornecimento com painéis fotovoltáicos, geradores eólicos e até mesmo turbinas hídricas.

Além disso, considerando que a maioria de nós pretende manter alguns confortos da vida moderna, há de ser realista e entender que a completa autossuficiência é difícil de ser alcançada e também exigirá investimentos financeiros grandes. Quanto mais jovem voce for, mais energia está acostumado a consumir diariamente.

Se o seu orçamento for restrito vale pensar em suprir parcialmente a demanda energética, gerando o suficiente para as suas atividades básicas e utilizando a rede para os “extras”.

Lembre-se: Pesquise antes. Muito. Muitas vezes os sistemas de energia que você sonha em ter em sua propriedade simplesmente não funcionam no local de escolha – como por exemplo, uma região que não possui ventos suficientes para um gerador eólico ou recebe luz solar de intensidade insuficiente.

Saneamento

 

saneamento-1

A maioria das propriedades rurais não tem acesso ao sistema de esgoto público, então é válido considerar como e onde será feita a instalação de uma fossa. Para aqueles que não estão familiarizados com este sistema, é basicamente um buraco para onde os dejetos são direcionados.

Contudo, nada é tão simples assim e é importante contratar um bom especialista. A fossa deve ter sistemas diferentes (secos e molhados) e também preencher vários critérios de tamanho, profundidade e isolamento. Um sistema mal feito pode contaminar o lençol freático depois de alguns anos e colocar a saúde de sua família inteira em risco.

Análise de solo

(Image via)

Se você realmente quer viver fora da rede, plantar deve estar nos seus planos! Produzir comida em quantidade satisfatória não é fácil, ainda mais se o terreno não for propício.

Aqui a regra é bastante simples, antes de comprar, encomende uma análise do solo! Certa vez minha família adquiriu um terreno de composição bastante arenosa e tinha de investir o triplo de esforço e recursos para coletar uma quantidade módica de alimentos.

Sim, você pode adubar e utilizar diversas técnicas, mas um bom solo facilitará sua vida tremendamente, confie em mim.

Análise de riscos da área

floodplain

Quais são as possíveis ameaças ao redor do local? O que pode colocar sua vida ou sua propriedade em risco? Aqui estamos falando de prevenção de desastres. Construir uma análise de risco da região para entender o que pode oferecer risco para você e sua família é imprescindível para garantir que seu sonho não se transforme em pesadelo.

Para realizar esta análise a forma mais fácil é consultar os desastres que atingiram a região nos últimos anos – se possível, nas últimas décadas. Houveram enchentes na área? Desmoronamentos? Secas? Acidentes industriais?

Com estas informações em mãos é muito mais fácil determinar se a propriedade não apresenta riscos diretos a sua segurança. Você pode também construir esta análise de maneira mais estruturada usando o sistema SWOT. Neste vídeo mais antigo que produzimos ensinamos como adaptar esta ferramenta para este propósito:

Caso queira o conteúdo mais atualizado e completo, você pode baixar o nosso e-book, que é gratuito e focado na análise de riscos e planejamento contra desastres.

Clique aqui para baixar

Claro que não existirá um local completamente livre de riscos, mas o objetivo desta análise é entender se eles não são grandes o suficiente para inviabilizar a compra do local. Além disso, conhecendo as possíveis ameaças você também poderá desenvolver planos de contenção caso elas ocorram.

Concluindo…

Cuidado com a empolgação. Muitas vezes ficamos iludidos pelo sonho de viver fora da rede e acabamos por tomar decisões impulsivas que podem custar muito mais caro no futuro! Pesquise, planeje, busque pelo local ideal sem pressa e avalie profundamente o que você precisará deixar para trás para realizar seu sonho.

Viver desconectado não é um hobby. É uma mudança completa no seu estilo de vida e exige muito comprometimento, trabalho e persistência para que funcione.

Espero que este artigo tenha ajudado. Apesar de ainda estar na luta para comprar a minha “propriedade dos sonhos”, já vi muitos investimentos bons e ruins acontecerem em minha família e amigos, então nada mais justo do que tentar passar alguns pontos aqui e encurtar o caminho para você, que também busca ser responsável por sua própria vida.

Até.

 

 

 

Anúncios

33 comentários

  • paulo andrade

    Amigos, o artigo tá ótimo, mas vou acrescentar algumas ideias e informações pra enriquecer (espero) o debate. A técnica de esgoto com fossa não é o que existe de mais moderno: existe um sistema de tanques, cilíndricos e de concreto, desenvolvidos pela Embrapa, salvo engano, em que os dejetos passam por biodegradação (aí a parte de sabão de pia de cozinha e banheiro não pode misturar, precisa tratamento à parte). Tem vídeo no globo rural. Quanto à construção, o ideal é usar as técnicas de permacultura (fácil de achar na internet, vejam em http://www.permacultura.org.br ou o trabalho do pessoal do ipoema, ou do tiba rose, no rio). Aliás, do tibá, tem o “manual do engenheiro descalço”, que dá pra achar na internet e até fazer download, onde o Prof. Van Legen ensina técnicas rudimentares (mas pra lá de eficientes) de construção, usando a terra e outros materiais do próprio local.

    Quanto ao espaço para plantação, não precisa ser muito grande. Tem uma família de agricultores nos EUA (4 pessoas adultas), perto de NY, que come e vende o excedente (e se sustenta com o produto da venda) de horta prá lá de adensada, em menos de 10.000m2. Aqui em São Paulo a terra é cara e escassa (e mal usada, como é o caso do país todo, infelizmente), as soluções tem que ser bem compactas.

    A construção de horta e pomar circular, em consórcio com criação de patos e galinhas, tendo no centro um pequeno tanquinho com peixes, é ideia genial dum nordestino, Willy Pessoa. Chama-se MANDALLA. E a versão vertical, em miniatura, de sarrafos e com garrafas PET (cerca de 200) ocupa 2m x 2m, equivalendo a um canteiro de 40m, linear. (revista Globo Rural) http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/0,6993,EEC1691367-4528,00.html

    abraço a todos!

    paulo américo, de são paulo

    • Boas dicas, Paulo! Realmente, 1 hectare é um bom espaço se bem aproveitado, mas não sei como anda a legislação ambiental agora, se é preciso deixar uma área intocada em cada propriedade. Sei que em margens de rios, lagos e lagoas além do laudêmio tem a faixa de 30 m de mata intocada obrigado a mantê-la.
      No manejo da propriedade, também acho interesse além dos cultivos, ter um galinheiro e uumas poucas caixas de abelhas (não entendo de nada de apicultura, mas conheço gene que tem e me parece um recurso bom também).
      E caberia um debate, até mesmo para quem não quer sair do convívio urbano, o cultivo de insetos para alimentação: a aceitação e praticidade dessa técnica de produção. abraços

      • paulo andrade

        A apicultura é atividade fantástica mas pra sobreviver dela vc tem que ter mais de 100 caixas (espaço mínimo uns 2.000m2, só que tem que ter pasto pra elas e água). Já tivemos, eu e meu irmão, 21 colmeias, tirando uns 50kg/ano de cada uma. a 20 reais o quilo, pecuária interessantíssima. Outra coisa que não vejo os sobrevivencialistas falarem, é o plantio de brotos. O quilo de moyashi – broto de feijão – é R$ 15, dá pra “plantar” uma meia dúzia de cargas, colheita em uma semana, em torno de um quilo e meio de cada vez.

    • Então apicultura só para consumo próprio, pois n almejo uma grande propriedade nem próxima ao pasto, mas com fundos para uma lagoa. E pelo jeito, o manejo é meio complicado. abraço

  • Dica: quando forem escolher um lugar, prestem atenção se não há grandes plantações como soja e milho ao redor, pois com certeza o veneno utilizado nestas lavouras vai até sua propriedade, prejudicando suas plantações ou até envenenando seus animais.
    Na minha casa, apesar de ser área urbana, tenho um galinheiro e uma horta, sou autossuficiente no quesito alface, e produzindo tomates,, maracujás e couves em determinadas épocas.
    Outra dica é: vá para o interior enquanto for jovem, até 30 e poucos anos, depois o peso da idade vai te impedir de fazer determinadas coisas que exigem mais esforço. Nada impede que vá com mais idade, mas aí já deve pegar uma estrutura pronta e próxima a cidade.
    Eu tenho 33 e o sonho do interior está bem distante no momento, vou investir no espaço que possuo por aqui mesmo, por enquanto, começando pela ampliação da horta.
    Muitas pessoas tem grandes terrenos na cidade e não sabem aproveita-lo, vítimas da síndrome do jardim vitoriano, com seus imensos gramados improdutivos e que dão um trabalho danado.

    • Sua dica foi excelente! Moro no RS a uns 40 km da Lagora Mirim, reconhecido como uma das maiores reservas de água doce do Brasil. Cruzando essa lagoa (uns 30 km) se chega ao Uruguai (boa opção em caso de evasão) e a mesma abastece uma grande reserva ecológica(Taim), o que garante opção de caça em caso de emergência alimentar. Porém, a Lagoa Mirim se tornou um balneário movimentado na temporada e fica rodeada de arrozais. Aviões agrícolas são comuns despejando agrotóxicos na área!

    • Ah, me esqueci da outra parte do comentário!
      Qto a ir antes do 30 anos discordo… não por ser impossível, mas pq apartir de certa idade estamos mais decididos do que queremos e, sobretudo, mais sólidos financeiramente. Isso permite adquirir uma propriedade e alguns implementos como micro-trator, roçadeira, motosserra e outras ferramentas. Até pq, mesmo com o vigor da juventude, poucos se arriscariam a cultivar na base da enxada (embora já tenha encarado ela mt no passado hehehe).
      Aliás, conheço gente de 80 anos tocando até gado! Entendo que a tendência é a perda de energia em virtude da idade (e doenças pertinentes), mas certa maturidade e condições materiais tb são importantes nessa hora. Tenho 45 anos e embora tenha emprego público, procurei formas alternativas de recursos. Assim, poderei até abrir mão desse emprego caso compre uma propriedade.

      • Pois então amigo Max, eu gostaria muito de abrir mão da minha profissão e viver por exemplo, de uma criação de galinhas caipiras que me desse uma renda suficiente. É algo que eu e minha esposa ainda sonhamos, ela como efetiva em cargo público poderia continuar trabalhando para garantir uma renda extra. Então teria que ser uma propriedade próxima a cidade. O fator complicador é que aqui no DF estas propriedades que ficam próximas a cidade são bem caras.

        A região onde o senhor mora deve ser encantadora, pretendo um dia conhecer. Eu morava no interior do Paraná, região onde tem soja e milho para todo lado e consequentemente uso de veneno constante.

        Recomendo assistir também “Em Busca do Homem Selvagem” programa da BBC em que famílias largam a vida na cidade e vão viver em locais isolados. Alguns episódios são bem inspiradores.

        Quanto a idade, é como você bem citou, tendo uma boa estrutura já montada, com implementos modernos não é necessário muito esforço físico e é bem possível ter uma velhice com excelente qualidade de vida no interior.

        Vai aí uma pergunta: Alguma vez já pesquisou o preço de propriedades no lado uruguaio?

    • Boa noite! Não assisti o “Em Busca do Homem Selvagem”, mas vou procurar. Assistia “Fugindo do Caos” e “Homens da Montanha”. Deveria haver programas similares brasileiros, gravados nas diferentes regiões do país! Taí uma ideia para alguma produtora! hhehehe
      Moro uns 230 km do Uruguai e fui poucas vezes lá (para comprar queijos e doece de leite, alguns eletrodomésticos tb). Nunca me interessei em saber o valor de uma propriedade por lá, até pq morar no Uruguai n me agrada (me adaptar a outra legislação, língua e cultura). abraços.

      • O nome do programa poderia ser: Fora do Sistema, heheh Abraços.

  • jose adriano santos

    oi julio eu moro no sul de minas gerais. e moro no sul de minas gerais. A cidade em que moro possue 12 mil habitantes e meu tem uma chacara. perto da cidade. pelo jeito acho que minha unica vantagem ate agora que eu tenho seria o abrigo secundario.E estou me esforçando para adquirir a habilidade de nós e amarras. pois estou tendo dificuldades de achar material sobre esse assunto.voce nao sabe algum site que possa me dizer onde eu encontre cursos e palestras voltadas ao sobrevivencialismo.

  • Tema empolgante! Tenho planos de morar assim e viver da terra, porém como não sou muito ousado, optei por certas “garantias”. Tenho um imóvel comercial dividido em 2 salas que estou reformando e as re-alugarei. Com esse aluguel espero alugar um sítio (já vi um que não me agradou) e ainda sobrar uns trocados para minha subsistência inicialmente. Não descarto comprar uma propriedade barata. Obs.: já fui agricultor.
    Minha maior dificuldade é que quero uma propriedade com fundos para algum recurso hídrico como mar, rio ou lagoa. Assim tenho a opção de transporte por barco e acesso à pesca.
    Energia: muitas propriedades rurais tem energia elétrica, mas não à água potável. Mas ter um gerador à gasolina para emergências é bom.
    Distância: ficar próximo à cidade traz benefícios como acesso aos hospitais e comércios, bem como colocar nossa produção rural no mercado, mas o grande inconveniente é o maior risco de sofrermos roubos! Aqui no RS, abigeatos são uma praga!
    Análise de riscos: como procuro propriedades próximas à “àgua”, tem risco de enchentes. Roubos também preocupam em qualquer lugar.
    * Hoje, com imagens de satélite podemos avaliar bem uma propriedade rural, principalmente a vizinhança e meios de acesso (para o dono e possíveis invasores\ladrões).

    • Oi, Max! Com certeza adquirir um solo onde água esteja visível e presente de forma abundante, sempre é um requisito importante ao adquirir um solo. Mas sua perspectiva do “recurso hídrico” foi bem sobrevivencialista auhauhauh Muito bom pensar na estratégia de alcance do seu ‘plano B”! Se vc gosta deste assunto tanto quanto eu, e querendo inclusive tirar algumas dúvidas, pode me acessar no modo provado! Inté!

      • Olá, Moni! Minha ‘obsessão” por estar próximo à lagoa (dos Patos) ou algum rio é pq são “estradas naturais” que até 100 anos atrás eram as principais ou úncas opções de transporte em grande escala da humanidade. Um barco artesanal de uns 5 m aqui da minha região carrega tranquilo meia tonelada, podendo ser impulsionado a motor(rabeta) ou vela, possibilitando o PLANO B hehehe.
        A Lagoa dos Patos possibilita a pesca de tainha, cascuda, peixe-rei, linguado, borriquete e camarão, além de peixes de água-doce quando chove muito por aqui.
        Mas o que conta muito é o gosto pessoal em pescar e navegar.

      • Fantástico, Max! Muito boa estratégia. Aqui no RJ não temos muitas áreas assim, pois tem muitas montanhas, o que transforma os rios em corredeiras perigosas ou trechos curtos de calmaria, mas que são ou muito rasos ou muito pedregulhosos. Aqui os rios tb não ligam nada a ugar algum, pois há mais de 200 anos as estradas de ferro fizeram o crescimentos das cidades e estas são bemmm longe dos rios, por motivos óbvios. Inté!

      • Pois é, Moni! O ideal é nos adaptarmos ao nosso ambiente, conhecer suas possibilidades e dificuldades. Como minha região em um raio de 70 km é solo plano, lagoas e rios (ligando cidades e várias comunidades), além do oceano, fica impossível desprezar esse meio de locomoção e fonte de alimentação.
        Já tenho caiaques de pesca, motor para barco…só falta o barco! abraços.

  • freitas junior

    Excelente o seu texto!
    Talvez o melhor que eu já li nesses últimos tempos que tenho pesquisado sustentabilidade e sobrevivencialismo.
    Parabéns!
    Respondendo a pergunta do Leandro Souza, vi certa vez, um estudo de um agrônomo da CATI, que seriam necessário 2 ou 3 ha (20.000 a 30.000 m²) para obter 100% da terra para uma família de 5 pessoas. (inclusive alguma renda em dinheiro, mas com a tecnologia de hoje, já podemos reduzir esse valor em pelo menos 30%)
    Na verdade, existe a questão de economia de escala, por exemplo, para suprir todas as frutas necessárias para uma pessoa, durante o período de um ano, seriam necessário cerca de 0,5 ha; e com um pouco mais do que isso, é possível suprir até 10 pessoas, porque precisamos de frutas todos os meses, e cada fruta vai produzir em um período definido.
    Além disso lembre-se que para manter os processos de polinização não devemos ter uma única árvore de cada fruta, o ideal é que sejam no mínimo três, para a manutenção da polinização e portanto da produção.
    Esse é um sonho que eu tenho desde há muitos anos, já estou perto dos 60 anos, mas continuo buscando-o com mais energia a cada dia.
    Mudei-me de uma grande cidade para uma pequena, que também é serrana, como é o caso do Garcia, e espero logo estar na minha propriedade rural, hoje, moro numa casa com um terreno de 450 metros, o que já dá para fazer alguma coisa.
    Abraços e parabéns!

  • Ótimas colocações!

  • carlossilvapb

    Senti falta de um tema que é bastante importante hoje em dia: A área é segura, no que diz respeito à presença de ladrões e assaltantes? Na nossa realidade corrente, mesmo as áreas rurais começam a ficar muito perigosas em determinados locais. Outro aspecto que deveria ser abordado é o tamanho da cidade mais próxima. Talvez seja melhor achar um meio termo: Ficar relativamente perto de uma cidade de médio porte; Uma cidade pequena pode não ter a totalidade de serviços que podem vir a ser necessários, como os de saúde. E em relação à uma grande cidade, 30 ou mesmo 50 km são uma distância pequena demais.

    Mas, tá muito massa o artigo!

    • Oi, Carlos! Essa questão de segurança é mesmo complexa. Mas para nossa sorte, em julho deste ano foi aprovada a licença para Porte Rural de Armas! E isso é muito bom. Aliás, mais um motivo para nós sobrevivencialistas querermos ir pra ‘roça’ kkkk Sobre a questão da proximidade de uma cidade com serviços mais complexos, aí vai de que tipo de coisas nós mesmos achamos ser importantes e toda pesquisa de entorno é sempre muito importante, para não nos arrependermos depois. Desejando trocar ideias, obter mais orientações ou saber sobre outros ‘quesitos rurais’, pode falar comigo em modo privado. Inté!

  • Nycolas Robert

    Olá galera, tenho 23 anos e já estou pensando seriamente em optar por viver desta maneira, já estou pensando em fazer uma poupança para arcar com os investimento necessários para essa vida, já tenho uma certa sorte em ter parentes por parte da minha mãe, em ter terras uma parte rural, que a economia se baseia em Cacal, “não somos ricos”, enfim já tenho em mente por onde vou me estabelecer futuramente, mas como tudo ainda não tenho 3% de experiência em viver desta maneira… mas si alguem que tiver afim de deixar pontos importantes nesta jornada são bem vindos, Obrigado!

    • Oi, Nycolas! Boa ideia de economizar para adquirir um solo. Sempre muito menos escorchante do que fazer financiamento: ao fim de 10 anos pagando vc teria comprado 2 terrenos (de um modo geral). Uma outra solução é ser meeiro, um contrato de parceria entre o dono de um solo que não esteja produzindo com uma pessoa interessada em trabalhar esse solo, onde a produção geralmente é dividida igualmente (por isso o nome meeiro = ao meio). Neste caso os termos do contrato tem que ser bem estudados, para não dar dor de cabeça depois.
      Se vc quiser saber mais sobre esses detalhes, pode falar comigo em modo privado. Inté!

  • Excelente artigo Júlio.
    Ainda estou completamente sem capacidade nenhuma de pensar nisso, mas já irei guardar os ensinamentos para o futuro!

  • Muito bom!!!

  • Muito bom o artigo, uma dúvida: existe tamanho mínimo de propriedades? Grande abraço

    • ChrisgKrieser

      olha, uma vez pra conseguir a escritura tinha que ter no mínimo 2ha. mas se for menor que isso pode-se fazer um contrato com o antigo proprietário, que tem valor como se fosse uma escritura.

      • freitas junior

        Depende do módulo rural do seu município. Esses valores podem ser encontrados no site do INCRA e variam de acordo com a utilização da terra em cada região.

    • Oi, Leandro, tudo beleza? Se com “tamanho mínimo” vc fala de aquisição legal de terreno, não existe exigência para dimensões mínimas em situação de compra ou de venda. Ao adquirir um terreno vc o fará dentro dos trâmites legais, e adquirirá um solo em qq tamanho, desde que este lhe interesse ou o valor caiba no seu bolso. Os terrenos peri urbanos vão desde 450m² a 1500m². Os solos em área rural são bem maiores, embora custem menos. Agora, se vc quis dizer “tamanho mínimo” pensando em área suficiente para plantar e alimentar vc e sua família, devo dizer que muitos fatores entram nesta equação, principalmente seus objetivos qto à trabalho, volume e diversidade de produção. Mas já te digo que no quesito alimentar, até uma horta de janela ou em varanda, já te dará uma noção de como o solo é abundante e o qto de trabalho e retorno em alimentos uma peq área lhe dará. Para quem quiser ajuda ou saber mais sobre esses detalhes, pode falar comigo em modo privado. Inté!

  • Prezado Julio e leitores, onde moro interior do RJ, Pois bem meu refugio esta exatos 59kms, da cidade a qual resido sendo que no refugio sao 26kms de serra a uma altitude de 1200m e temp. De media na madrugada no verao de 10g. Mas e um lugar com Energia eletrica, e gerador combustao. agua a vontade, mto sol, durante o verao sao 4 chuvas ao dia, estou na serra da mantiqueira e serra do mar, com uma fauna e flora exuberante, agora estou preparando a criaçao de animais de pequeno porte para consumo. Mas precisei montar uma estrutura de sobrevivente em relaçao alimentos pois e cansativo ter que ir a cidade. Ja ja estou mudando de vez. E futuramente convidar os colegar para fazer um movimento na mata.

    • Muito bom, Garcia! Parabéns! Pequenos passos levam a gente longe! Eu atuo em área rural há 4 anos, e estudei diversas técnicas “fora do sistema” que dão algumas alternativas muito legais para gente não ficar muito apertado no início da produção alimentar e ainda produzir em tamanha abundância que dá para vender ou produzir produtos diversos com o excesso de produtividade. Uma boa “retirada financeira” que pode ser feita logo após os 3 meses iniciais! Mil vezes melhor do que qq aplicação!
      Para quem quiser saber mais sobre esses detalhes, pode falar comigo em modo privado. Inté!

      • Oi Moni, quero mais detalhes sobre essas técnicas que vc estudou. Estou planejando em breve mudar pro interior e já praticando bastante a horta de casa que ampliei ano passado. Grato, Vitor.

      • Oi, Vitor! Meu perfil (profile) é público e nele vc pode acessar os meus contatos e minhas redes, basta clicar na minha foto. Inté!

  • Perfeito o texto!

    Abordou pontos importantes para quem pretende comprar uma propriedade fora da cidade. Realmente é um passo que deve ser bem pensado e calculado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s