Situação de crise: O cachorro vai ou fica?

Muitas pessoas estão debatendo se é bom ter um cachorro durante uma situação de sobrevivência. Para a maioria dos donos de cães esta resposta é bem simples de responder. Eles são parte da família, então eles vão conosco. Mas você está pensando em como adicionar seu cachorro aos seus planos de sobrevivência? Se sim, então você precisa definitivamente pensar com calma antes de tomar qualquer decisão. 

Existem muitos cachorros que são deixados presos durante um cenário de crise. Eu vi pessoas deixarem seus cachorros amarrados e abandonados quando ficaram assustados e não tinham preparações para seus animais. Durante o furacão Frederic em 1979 eu tinha um vizinho que amarrou seu cachorro na frente da minha casa e fugiu para outro estado sem dizer uma palavra para mim. Resgates estão sempre em alta durante os tempos de crise, existem muitos animais abandonados e em busca de uma casa para morar.

O melhor amigo sobrevivente do homem

Cães são conhecidos como o melhor amigo do homem durante eras e inclusive mereceram este título. A humanidade começou esta relação especial quando domesticou lobos cinzentos aproximadamente  em 30.000 a.C na Ásia. Alguns pesquisadores acreditam que o homem dividia suas caças com grupos de lobos, o que levou ao processo de domesticação.

Então, esta é provavelmente uma boa razão para acreditar que estas pessoas antigas sabiam o valor que os cachorros tem na sobrevivência. Ponto importante: Devemos lembrar que o homem primitivo estava em estado de sobrevivência durante todos os dias de sua vida, eles dependiam destes animais para proteção, caçadas, couro e muito mais.

Assim como os cães eram um ótimo recurso para o povo primitivo, também se tornaram um recurso de ajuda nos eventos de sobrevivência atuais. Eu não estou aqui defendendo que todos deveriam ter um “cachorro sobrevivencialista”, afinal tudo tem seus prós e contras.

Uma outra grande verdade é que algumas pessoas não devem ter cães. Cachorros são uma enorme responsabilidade para se carregar! Agora que eles não estão mais na selva, eles precisam de nós para prover suas necessidades. Para manter os cachorros saudáveis você precisa prover abrigo, água e comida. Além disso também deve pensar nas contas do veterinário, nas vacinas e nos hotéis quando você tem de viajar e deixar o cachorro com alguém.

Vantagens de ter um cachorro

  • Segurança e proteção se eles estão treinados corretamente e se são de uma raça adequada;
  • Oferecem companhia e afeto, o que ajuda muito na manutenção da moral;
  • Um cachorro pode ser usado para rastrear outros animais;
  • Raças maiores podem carregar pequenas cargas;
  • Dormir próximo ao cachorro durante a noite pode manter manter sua temperatura corporal.

Desvantagens de ter um cachorro

  • Eles podem entregar sua posição se não forem treinados;
  • São mais uma boca para alimentar e cuidar;
  • Eles podem diminuir sua velocidade de viagem;
  • Eles podem precisar de medicações, vacinas e vermífugos;
  • Eles não possuem proteção nas patas, então terrenos muito agressivos podem machucá-los;
  • Eles podem ocupar espaço valioso no seu veículo;
  • Você poderá ter de tomar uma decisão difícil caso a situação de crise se torne extrema.

Tempo de decisão

Ter um cachorro é uma decisão muito grande para qualquer um. Se você ainda não possui cachorros e está no processo de escolher, pese todos os fatores! Muitas pessoas entram de cabeça por pura animação, não conseguem cuidar do animal e acabam descartando os animais em abrigos ou até mesmo na rua.

Outros colocam muita expectativa em seus cães. Eu lembro de comprar um Labrador e pensar em todos os patos que ele iria pegar para mim durante as caçadas. ERRADO! Esse cachorro não tinha interesse nem em pegar gravetos… Não importava o quanto eu tentasse, ele não queria caçar.

Ano passado eu e minha esposa resgatamos um Labrador misturado com Boykin Spaniel de um ano de idade e depois de se adaptar em casa ela naturalmente se tornou uma caçadora ávida! Não tire da sua lista os cachorros de raça misturada. Nossa experiência tem mostrado que eles são bem melhores pois tem melhor saúde, custam menos, podem ser encontrados em abrigos e não são roubados como os cachorros de raça.

Não estou dizendo para que você não compre um cachorro de raça, mas se escolher comprar, tenha certeza de que é de um canil com boa reputação. Existem muitos canis que trabalham quase como fábricas, produzindo filhotes sem se preocupar com a genética, saúde ou comportamento dos animais.

Conclusão

Como conclusão, pense muito. Se você já tem um cachorro então você definitivamente precisa incluir ele nas preparações. Um cachorro bem cuidado precisará de comida de alta qualidade e estar em dia com todas suas vacinas e medicações. Você precisará de tigelas para água e comida, coleiras e placas de identificação.

Existem até proteções para as patas do cão caso você precise andar em terreno como ruínas com cacos de vidro ou neve, veja só:

A escolha é sua, só pense muito para não ter de abandonar um companheiro fiel dos seus filhos em meio à uma inundação simplesmente por falta de estratégia.

Qual raça você acha mais interessante para um “cão sobrevivencialista”? E me diga, o cachorro vai ou fica?

Texto traduzido e adaptado do SHTF Blog.

Anúncios

34 Comentários

  • https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/12105924_1224949460855255_8053995185849914881_n.jpg?oh=b7c5a0a8bf523575a5f258b1d2e54ad5&oe=584EAC3F

    https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13686740_1423751530975046_6530875340710837197_n.jpg?oh=6992d99757489ab7b377621a24afd8ad&oe=58410646

  • Gosto muito de cães, mas se for pra criá-los prefiro que seja no meio rural onde há muito espaço, o animal não se estressa e não tem vizinhança pra ser incomodada com os latidos. Minha experiência com esses animais tem mostrado que ter um na cidade exige muito mais cuidados, pra se ter uma ideia meu último cachorro morreu atropelado…

  • o POST trata de cão enquanto instrumento de sobrevivência !!!! Em minha análise, SIM, o cachorro pode ser um instrumento de sobrevivência, mas com algumas considerações, senão o exército e a polícia não os usaria. Cães SRD são baratos e resistentes, mas você não pode prever o temperamento do animal quanto adulto,você pode estar adotando um excelente caçador ou cão de guarda ou um autêntico lambe ladrão (aquele que lambe a mão do ladrão e fica olhando para você). Cães de raça têm temperamento, genética definida por gerações de criadores, mas são caros e suscetíveis a doênças ( a maioria já geneticamente definidas). Treinamento em todo caso é essencial em cães de sobrevivencia, assim como adaptá-los a alimentação. Um cão de sobrevivência deve ser capaz de comer qualquer coisa e ser condicionado a isto desde filhote, para que numa situação real você não tenha tantos problemas de alimentá-lo. Ele deve comer ração, carne crua, frutas, restos de alimentos, etc. Quando eu fiquei numa aldeia dos índios xavante, em Mato Grosso, ví que eles não alimentam seus cães, a não ser quando vão caçar o que torno os animais verdadeiros lobos…. ví um cão comer uma piranha que foi jogada fora da agua inteira, sem problema…. Agora um cão que passou a vida inteira só comendo ração, se der um osso de frango para ele, capaz de morrer engasgado, pelo simples fato do seu organismo não ter sido condicionado para isto. Já em relação ao tamanho acredito que o melhor, usando a pratica de caçadores, são cães de porte médio, cães grandes são mais lentos e comem mais e os pequenos são inúteis em caçadas ( os meus Lhasa Apso no mato não conseguem nem andar no meio do capim alto). Para guarda o principal objetivo é que o cão avise você de um invasor e o retarde para que você fuja ou reaja, não é inteligente e prudente achar que o cão sozinho vai neutralizar uma ameaça. Como dizem aqui na minha região: cachorro grande é para homem covarde, o cachorro de homem corajoso deve é avisar para o dono pegar a arma e ver o que está acontecendo !!!!!

    • Marco Rigon

      Perfeito!!!

  • Eu tive cães de raça – Labradores; agora tenho uma mestiça, sem raça definida. Não vou ficar aqui falando das vantagens e/ou desvantagens de se ter ou não um cão e levá-lo ou não numa situação de crise, pois muitos já o fizeram e as razões para cada escolha estão bem embasadas.

    Mas um aspecto deixou de ser mencionado e eu gostaria que pensassem sobre ele. Numa situação em que seja necessário deixar a sua casa, apartamento, cidade, enfim – em caso de saída ou fuga, se não for levado junto, os “donos”, “tutores”ou seja lá o título que tenham, devem considerar apenas e tão somente a situação daquele que ficará para trás, se colocar no lugar dele e imaginar a lógica dele – como se sentirá aquele que muitos dizem se tratar de “um membro da família”? Ainda que ele consiga prever os acontecimentos, simplesmente não consegue entender porquê todo mundo vai embora e só ele não. Já está cientificamente provado que os animais sentem as mesmas emoções primárias que sentimos nós, os “humanos”, o que inclui o medo e a tristeza.

    A esmagadora maioria das pessoas vai embora, largando o animal PRESO, trancado numa gaiola, jaula, canil ou mesmo dentro do imóvel fechado, ou acorrentado do lado de fora, e achando que o estão protegendo. Uma crueldade nem sempre percebida, num país de população majoritariamente ignorante. Ainda que a pessoa tenha intenção de voltar para resgatar o animal de “estimação”, ou tenha deixado água e alimento “suficiente” para o período de ausência, qual seria esse período? Numa situação de contingência ou emergência, seja de que natureza for, é muito difícil prever se e quando o retorno será possível. E se a água, ou a comida, ou ambas acabarem antes? E se a corrente ficar toda enrolada em alguma coisa que ficou despercebida, deixando a água, a comida e, às vezes, até a casinha fora do alcance?

    Moro em Teresópolis, RJ. Não fui atingida na catástrofe que ocorreu aqui em janeiro de 2011. Mas conheço pessoas que perderam suas casas, suas famílias, enfim, tudo. A quantidade de animais que teve de ser sacrificada porque passaram tempo demais presos na lama ou mergulhados na água, como os cavalos que ficaram presos nas baias em Petrópolis foi muito grande. Em maior número os cães, principalmente, que não conseguiram escapar da fúria das águas ou morreram soterrados porque seus donos os deixaram presos. Os serviços de resgate em nosso país, pelo menos, até aquele momento, eram praticamente inexistentes e, no caso dos animais, geralmente levados a efeito por leigos bem intencionados, mas nem sempre bem preparados e geralmente mal compreendidos.

    Na minha modesta opinião, numa situação assim, eu jamais abandonaria meus animais, ainda que isso me custasse a vida. Por outro lado, se tivesse que deixá-los, eu os deixaria EM LIBERDADE. Pelo menos eles teriam uma chance preciosa de sobreviver, de sair com vida dessa situação, ainda que eu, talvez, jamais pudesse voltar a vê-los novamente. Se eu tenho o direito à vida, eles também o têm e, se eu posso lutar pela minha sobrevivência, eles mais ainda pela deles e eu não posso privá-los de uma coisa, nem de outra. Afinal, o mesmo Deus que me deu vida (se alguém aqui acredita em Deus), é o mesmo que criou – antes – todas as outras criaturas vivas.

    Fiquem em paz.

    Walkyria

    • Boas e bem escritas colocações, Walkyria, parabéns!

    • Olá Walkyria,

      Fiquei muito feliz em ver uma reflexão tão profunda, concordo com sua forma de pensar e sigo a regra mais simples possível:
      “Uma pessoa que não é boa com animais não será boa com humanos”.

      Abraços.

    • Parceiro meu não fica pra trás! Se ele da a vida dele por mim eu devo no mínimo arriscar a minha por ele.
      Animais não foram criados com o objetivo de nos servir, cada individuo tem o seu propósito independente da espécie.
      Infelizmente a maioria de nós perdeu a humanidade e nos julgamos superiores, quando na verdade somos predadores da nossa própria espécie. Resumindo, o homo sapiens ainda não ultrapassou o macaco. Matamos seres inocentes contribuindo com as industrias quando consumimos coisas desnecessárias ao invés de preservar a vida deles e a nossa.

  • Yoseph Makabi

    Leve o cachorro… se não servir pra nada, faça como os coreanos…Asse o bicho num espeto…. kkkkkkk

  • Juro que pensei nisso hoje.
    Fui olhar o blog e achei esta matéria rs

    Como futuro Veterinário acho que você deve cuidar do seu animal até o ultimo minuto.
    Exceto algumas situações bem graves…

    Por curiosidade : Existem unidades de salvamento em situações de tragédia.
    Veterinários especializados para tais situações.

    Abraços

  • Vinicius Lima

    melhor acredito que seja o SRD mesmo.
    Mas raças rústicas feito o Poiter Inglês, Jack Russel, Dobermman, pastor de Malinois. Podem se adaptar bem a uma vida de poucos recursos.
    Eu possuo um Rottweiler dependedo da situação ele vai na caçamba da caminhonete ou a pé, agora se a fuga for de moto ele fica…

    Moro em apartamento e meus pais moram em casa no interior a 400km de distancia(o Rott fica na casa dos meus pais) lá apesar de ser Sertão é o ambiente perfeito para sobreviver. Tem cisterna, calha para coletar água da chuva, meu pai montou um galinheiro improvisado no canil do cachorro. , tem um jardim que pode servir de horta, como meu pai cria pássaros e cai muito alpiste junta muita rolinha (tem espingarda de ar comprimido) fome lá a gente não passa. Detalhe muro alto com concertina e um Rott de guarda

  • Alexandre corvo

    ótimo post.
    uma dica que eu dou é: ao invés de comprar um cão, adotem um que esteja se aposentando em empresas de segurança, quarteis do exercito, policia, bombeiros e etç, pois ele já sera treinado e obedecera comandos.
    aqui em casa temos uma pastora alemã que se aposentou na força aérea (CINDACTA II), e sinceramente falando, foi a melhor coisa que já fiz, não come muito, não da trabalho, não faz mto barulho e sujeira..
    e pretendo sim, inclui-la em minha preparações, inclusive estou no momento fazendo um tipo de “casaco-colete” para que ela mesma possa levar sua própria “B.O.B.

  • pende da raça
    na minha opinião a raça adequada e o pastor alemão se treinado, o cachorro vai desenvolver um papel muito inportante
    motivos: segurança,companhia e ajuda
    o lado ruim: o lado ruim seria carregar tigelas,raçao,vacinas,remedios tirando o fato de ser necessario tem um veiculo para transportar o animal,preparaçoes e sua familia

  • Murilo Almeida

    Eu tenho atualmente 05 cães (03 Rottwailler, 01 Bulldog e 01 SDR) mas ja cheguei a ter 09 cães… Vamos então enumerar os “problemas”:

    – Necessidade de ter mais espaço no carro (B.O.V.) durante a fuga;
    – Necessidade de ter ração armazenada no refugio (B.O.L.);
    – Necessidade de ter um KIT de primeiros socorros para os cães;
    – Necessidade de ter controle (bom adestramento) sobre os cães;
    – Necessidade de ter um manejo para excrementos (cagam muito) dos cães;

    Bem, se você está disposto a encarar todos estes “problemas”, você terá certamente as vantagens de ter uma companhia fiel (o psicológico melhora muito) ate um meio de proteção…

    Então, meu comportamento seria, pensando em situações especificas:

    – Desastres Naturais com tempo de fuga – levaria todos ao B.O.L.;
    – Desastres Naturais sem tempo de fuga – levaria no máximo 01 cão (Rottwailer) ao B.O.L.;
    – Revolta Social – levaria até 03 cães (02 Rottwailer e 01 Buldog) ao B.O.L.;

    Bem, antes que alguém taque pedras, vou explicar uma coisa, creio no conceito que “VOCÊ É RESPONSÁVEL PELOS SEUS”, então, deixaria os cães abastecidos de agua e ração (sempre tenho 02 sacos de 25kg fechados de reserva), ou seja, “NÃO OS ABANDONARIA AO SABOR DA SORTE”

    [ ]s

  • carlossilvapb

    No refúgio, temos 7 cachorros. São um sistema de alarme formidável. Qualquer coisa fora do normal, eles fazem a maior algazarra. Sem falar que, se alguém tentar invadir a propriedade, vai ter que lidar com eles. Sem falar que são diversão garantida para as crianças da família.
    Eles mais que compensam todos os recursos e esforço!

  • Maria Dondoca

    Eu tenho um Yorkshire que não sai do meu colo e nenhum SHTF vai tirar de jeito nenhum!!!!

  • só mais uma coisa que eu esqueci é que eles sabem quando vai acontecer um desastre natural como terremotos, furacões etc, ontem mesmo minha cachorra (akira, bem legal o nome não é ?) previu um temporal que deu na minha cidade, (se bem que eu não quis ouvir ela e tive que levantar 5 horas da noite para tirar meus vasos que tinha deixado expostos ao vento) eu acho que eles tem uma ótima intuição também a melhor coisa quando você está indeciso entre dois caminhos(sem um objetivo) deixar ele escolher o caminho pois pode ser o mais seguro

  • Se o cão não for adestrado ele vai servir mais para alarme e talvez de guarda, mesmo assim é possível treinar seu cão mesmo ele tendo uma idade avançada, como foi dito ele também pode atrapalhar quando você quer ser furtivo, um conselho é caminhar com o seu cão( do jeito correto para ele não achar que está no comando) e cada vez aumentar o trajeto assim ele vai conseguir acompanhar você nas caminhadas em um cenário de crise.

  • Como sempre um excelente texto, meus parabéns pelo trabalho.
    Bom, falando sobre minha experiência pessoal, digo que é muito bom ter um cachorro, tenho um macho sem raça definida(qualquer coisa+pastor alemão), ele possui porte médio, pesa cerca de 30 kg, pelagem preta, presas afiadas, e devo confessar assustador até para os meus familiares, na verdade, eu sou a única que o Taz obedece, e apesar dos custos dele serem consideráveis, a presença dele compensa, por 3 vezes já tentaram arrebentar o cadeado do portão e em todas as vezes ele atacou o invasor, em uma delas o indivíduo quase perdeu 2 dedos da mão, sangue por toda garagem, o cachorro é conhecido e temido na vizinhança, já recebeu até ameaça de morte…enfim, se pudesse dar um conselho, eu diria tenha um cão, de preferência cão de porte médio/grande, mas lógico, a pessoa tem de gostar de animais, ter paciência e dinheiro pra manter, porque o que não falta é gente que pega bicho por modismo e depois abandona

  • eduardo manzotti

    eu tenho um shom shom com labrador com treinamemto basico em defesa mais a meses atrais eu tava fazendo trilha com ele e derepente um tatu galinha saiu da morada e o cachorro correu atrais e quando fui ver tava com o tatu na boca

  • Tenho boiadeiro australiano ótimo para guarda caça e eh muito resistente mesmo sob o sol do Mato Grosso , parabéns pelo post

  • Bom, quanto a cães… Um amigo meu a muito tempo atrás quando morava no interior da Bahia tinha parte de sua alimentação composta pela caça de animais, e adivinha quem era o seu braço direito nas caçadas? Sim, um vira-lata, o cão era simplesmente fantástico no quesito lealdade e inteligência. Mas em uma real situação de crise eu não sei o que dizer…

  • Jose Mauricio Rodrigues

    Dentro de um contexto de crise, um animal de estimação como um caschorro , aquece no frio e serve de pisicólogo em casos de depreção, eu nunca abandonarei o meu.

  • Em tempo: o artigo fez referência a fuga de um furacão e hoje as manchetes falam do maior furação Patrícia da história da humanidade, que atingirá o México com ventos próximos dos 400 km\h. Acredito que a única opção seja a evasão da população! Na estratégia sobrevivencialista, o que fazer para não ficar “perdido na multidão”?

  • Não vou nem comentar. Tenho um salsicha misturado e… 5 gatos!

  • Mais um bom post. Tenho alguma experiência com adestramento e adoro cães, com certeza passaria horas falando sobre o assunto. Pela minha experiência sei do potencial destes animais, em qualquer cenário vejo mais prós do que contras, em incluir seu cão em sua preparação. Quando li que um dos co trás seria a possibilidade de ele entregar sua posição, imediatamente pensei que, se ele latir é porque tem alguém se aproximando, aí o que seria um contra viraria um pró. Quanto a raça para uma situação de crise eu preferiria um de porte médio com bom potencial físico (questão de gosto, sou apaixonado pelo pit bull, já tive um que eu levava para orfanatos fazer apresentações), mas todas as raças, se bem trabalhadas, podem ser bem utilizados.
    Um grande abraço

  • Akita, é um cão de guarda/caça pelo que eu li em sites especializados, já foi usado em rinhas e é muito robusto. Um cão fiel (quem nunca ouviu falar de “sempre ao seu lado”) e não fica latindo pra qualquer coisa, aqui em casa se passa um cachorro na rua ele fica alerta, mas raramente late. É um cachorro grande e o que tem de bonito também têm de assustador, pous lembra também um lobo. Uma vez enquanto o portão estava aberto passou um cachorro na frente de casa e ele não atacou, só foi correndo pra frente da casa e ficou lá, o que prova que não é um cão briguento e não sai avançando em todo mundo. É muito silencioso e se ele late é melhor ir dar uma olhada. Com certeza ele vai, acho que eu morreria de fome se tivesse que comê-lo para sobreviver ou abandoná-lo. Um grande problema seria o fato de o meu ser branco, então seria impossível andar por aí a pé sem ser notado.

    • natan amaral

      Passa barro ou carvão nele que camufla, tinta oleo, parece brincadeira mas é serio

  • Talvez esse seja um dos fatores por que minha casa nunca sofreu qualquer tentativa de invasão, Sophie, faz um bom trabalho.

    Sobre o Peso, o cachorro pode carregar 10% do seu peso.

    Quem tiver interesse em ver pode visitar meu blog, que pensa preparação com cães.

    http://survival-dog.blogspot.com.br/2014/05/cao-e-mochila-de-escape-bob.html

    • Igor Silveira

      Muito legal o material do seu blog Saulo, acaba de ganhar mais um leitor.

  • igor silveira

    Muito bom post Julio.
    Moro em um bairro violento tem muitos usuários de drogas que roubam casa durante o dia, quando saímos pra trabalhar, minha casa tem cerca de arame farpado grades nas janelas e tal. Mas graças a meu cão, apesar de não ser treinado por um profissional, meu vizinho não teve a casa roubada. E foi mais de uma vez que meu cão evitou essa situação, pelo simples fato de ao avistar um estranho ele começar a latir chamando a atenção dos vizinhos.
    Um cão pode sim entregar sua posição ou ser uma boca a mais pra alimentar, entretanto mesmo quando dorme sua audição ainda é um radar diferente de nós humanos. No meu humilde pensar sobrevivencialista é mais fácil eu deixar para traz meus vizinhos que nem uma cerca fazem, do que meu companheiro que não hesitaria em lutar por mim.
    Abraço e obrigado.

    • Bom, eu tenho um cão e é um integrante da família.
      Eu concordo que o cão deve ser obediente, e comandos básicos devem ser ensinados.

      O meu cachorro é um vira-lata pesa em media 52 quilos, e é uma mistura de 3 raças. O pai é um Pastor Alemão puro,a mãe é uma mistura de Border Collie Labrador. E como sempre digo, por ser um vira-lata, eu dei muita sorte de ter um cão dotado de talento. É muito inteligente.

      Um adestrador diria que um dos primeiros comandos a ensinar ao seu cão é o “fica”… porem não cabe a mim, cada um que cria seu cão que o treine com uma finalidade especifica.

      Comandos que eu ensinei(e é muito fácil).
      Vem = Tranquilamente ele vem até mim.
      Pega = aponto o dedo e ele esta preparado para e defender até a morte.
      Não = Esta palavra dita em tom firme o faz parar, e ele abandona qualquer coisa que estiver fazendo, inclusive barulho(se ele estiver latindo).
      Bull = “Bull” é o nome do meu cão, e quando pronunciado com a voz firme, o coloca em alerta, e ele vai dedurar quem estiver por perto, caso eu não tenha visto.(este penúltimo parece bobagem, más pra mim não é. Como eu acostumei meu dog a socializar com todos a minha volta sem exceção, ele ficou muito “amigo” dos demais, e é possível que ele não venha a latir caso avista-se um conhecido, se eu desconfiar e ele não me avisar, eu peço a ele, e ele me aponta onde esta)
      Patrulha = Vai até os fundos de casa e da uma olhada no patio e logo volta.

      Bom, com minha experiencia(isso significa que diz respeito ao que eu fiz, nada mais. Cada um cada um) posso dizer, não é difícil adestrar um cão, porem leva tempo.

      E meu dog é super disciplinado nesta parte, tenho total domínio sobre ele, a nossa conexão é tão intensa que já apartei uma briga dele apenas com uma palavra(não), O segurei sem coleira, e sem corrente, ele não me mordeu, ele confia em mim(pode acontecer sim de morder no calor da hora).

      Tenho um vídeo no YT que fiz dele, as fazes do crescimento.

      Vídeo: “Com vocês… O viralatas Bull”.

      • Murilo Almeida

        Comandos básicos de adestramento de cães:
        – Senta;
        – Fica;
        – Não;
        – Alerta;
        – Junto;
        – Deita;

        Comandos avançados de adestramento de cães:
        – Pega;
        – Ataque (Não larga);
        – Solta;

        Algumas pessoas advogam que os comandos devem ser ensinados em outro idioma (inglês por exemplo) para evitar interpretações erradas do cão em situação de estresse…

        []s

        PS: Lembre-se que você é responsabilizado (civil e criminalmente) pelas ações do seu cão, portanto, cuidado…

    • Concordo com vc Igor, é muito mais fácil deixar um vizinho que será um encosto, que deixar seu melhor amigo que dará a vida por vc!
      O cachorro tem o olfato e a audição muito alerta, no caso de alguém começar a se aproximar o cachorro já irá levantar as orelhas…
      Jamais deixar quem nunca te deixa só!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s