SHTF School: A primeira lição de sobrevivência – Fique longe de problemas

Procurar por recursos ou itens úteis durante a guerra significava ter de me colocar em situações e cenários muito estranhos. Eu conhecia muitos caras que arriscavam suas vidas apenas para chegar a lugares destruídos que podiam ter alguns itens que significavam muito para eles pessoalmente, mesmo que fossem inúteis para o cenário que estava acontecendo ao nosso redor naquele tempo.

Este artigo vêm do blog SHTF SCHOOL, onde o autor, Selco, é sobrevivente das guerras balcânicas. Ele teve de lutar por sua vida ficando um ano e meio preso em sua cidade onde aconteciam atrocidades e quase não haviam recursos.

Mas as pessoas geralmente agem como estúpidas, e, se você estiver em um cenário de sobrevivência você tem grandes chances de perder sua vida se agir como um tolo.

Um amigo meu perdeu seu olho pois ele foi até a casa dele para procurar algumas fitas cassete de suas bandas favoritas. Obviamente não havia eletricidade naquele tempo, então ele não ia poder fazer nada com elas.

De qualquer maneira, uma armadilha explodiu e ele saiu vivo, porém perdeu um de seus olhos.

Quando você tem jovens ou pessoas inexperientes em geral lutando ao seu redor você acaba tendo a perfeita combinação para alguns agirem de forma estúpida. Existe algum componente nestas situações perigosas que faz você querer agir como um tolo e fazer coisas estúpidas, pode acontecer com qualquer um e aconteceu comigo também.

O bom e velho conselho “fique longe de problemas” é uma das melhores lições de sobrevivência que alguém pode aprender.

Sempre que eu lia nos fóruns de sobrevivência sobre gangues e como durante as crises as pessoas deveriam se organizar e eliminar estes criminosos eu lembro o quão jovem e entusiástico eu era sobre isso também, mas por sorte o entusiasmo foi embora rapidamente e eu sobrevivi.

O problema aqui é ficar preso nos conceitos antigos e não aceitar mudanças. Um dia você tem lei e ordem e pode dizer para os outros quando você vê algo errado, no dia seguinte não há ninguém para quem você ligar e você talvez sinta que deve entrar na situação para manter as coisas do jeito certo.

Você talvez possa descobrir de maneira covarde que o homem quer lutar quando coisas ruins acontecem, mas na realidade na maioria das situações você não pode fazer nada sem uma organização gigantesca que ajude você e diminua o seu risco de vida.

Um parente meu estava fora do país quando a guerra começou, ele estava trabalhando para uma companhia elétrica no Oriente Médio. O contrato era bom, ele tinha um salário mensal equivalente a seis meses do salário daqui. Depois das primeiras notícias sobre a guerra ele voltou ao país para entrar no exército e lutar. Bloqueios e batalhas já tinham começado e essa viagem dele de volta para  a cidade envolveu muito tempo e dificuldades.

Ele tinha 26 anos naquela época e me disse que quando entrou no país por uma pequena cidade onde ele encontrou alguns outros caras que queriam lutar também ele percebeu que não era como nos livros ou cinemas pela primeira vez.

Uma unidade militar os recebeu e perguntou quem eram e o que queriam, e eles disseram que queriam se alistar. Ele disse que esperou algum tipo de questionário sobre as experiências que tinham ou algo do tipo, mas em vez disso o comandante da unidade perguntou: “Você quer algumas mulheres?”

Eles olharam para ele como idiotas, então ele explicou: “Nós temos algumas mulheres inimigas em uma prisão perto daqui, então vá lá se você quiser”

Esse meu parente foi criado pela sua avó, era uma boa pessoa, não xingava ou bebia e me disse que ficou em tamanho choque que não conseguiu abrir sua boca para dizer “Não cara!”.

Ele me disse que mais tarde descobriu que lutar inclui fazer uma série de coisas para vencer a luta e se manter vivo. Ele passou por um monte de batalhas, ganhou reputação como um cara durão e um dia ele foi pego em uma emboscada onde foi um dos poucos a conseguir fugir.

Uma metralhadora destruiu suas pernas e barriga. Ele foi removido do país para ser reabilitado, as pernas ainda estão lá mas apenas para “estética”. Ele está preso na cadeira de rodas para sempre, sem filhos ou mulher.

Hoje ele vive em um pequeno apartamento que parece uma fábrica abandonada, o elevador não funciona direito e ninguém se importa com ele. Ninguém visita ele, ele não é um herói… Ele lutou por uma guerra “errada e não necessária” como dizem a maioria das pessoas.

De vez em quando eu visito ele e todas as vezes concluo duas coisas:

Primeiro o quão sortudo eu sou em comparação a ele mesmo com os meus traumas e dificuldades e segundo que todas as vezes que eu ia embora e o deixava em sua miséria e amargura eu ficava esperando ver no jornal algo como “velho cadeirante veterano entra em surto e atira em pessoas andando na rua da janela de seu apartamento”.

Eu perguntei para ele uma vez por que ele tinha voltado para o país no começo da guerra enquanto todos outros fugiam. Eu esperava ouvir algo patriótico ou semelhante, mas ele disse “Cara, naquele tempo isso era algo tão excitante e novo!”.

Então apenas lembre-se da primeira e mais importante lição de sobrevivência: Fique longe dos problemas. É muito fácil esquecermos o quão brutal a vida pode se tornar.

Eu espero que eu nunca tenha de usar novamente tudo o que eu treino ou nenhuma lição que compartilho aqui com você.

Você tem algum exemplo de quando foi difícil se manter fora de problemas e quais foram as consequências disso?

Traduzido e adaptado do blog SHTF School.