Como encontrar um lugar para acampar?

Para que possamos treinar nossas habilidades em ambientes selvagens o primeiro passo é conseguir encontrar um local propício para isso. Depois de receber muitas perguntas de como fazer isso, decidi gravar um vídeo com algumas dicas que eu utilizo e tem me ajudado a ter acesso a ambientes diferentes para acampar.

Segue o vídeo:

São dicas simples e que se baseiam puramente no bom senso, porém fazem total diferença quando você aborda um proprietário ou caseiro de uma fazenda. Você conhece mais alguma outra forma de abordagem que facilita este primeiro contato? Se sim, compartilhe-a nos comentários abaixo para enriquecer esta postagem.

Até.

Anúncios

14 comentários

  • Boa noite JULIO.

    Gostei das suas dicas. E vc explica de forma clara, sem ser prolixo. Só gostaria de sugerir que nas proximas dicas voce inclua os cuidados com animais selvagens, a exemplo de cobras, e outros, animais, jacares ou crocodilos, aranhas, conforme o ambiente. Ha relatos nos quais orienta-se que usem alho para afastar repteis.

  • Pingback: Como escolher um bom lugar para acampar? | Escoteiro Saudável

  • Pingback: Religiao Pura - Como escolher um bom lugar para acampar?

  • Pingback: Como escolher um bom lugar para acampar? |

  • Já ouvi uma história de colegas que acordaram com a visita da polícia, pois estavam acampando em área particular e de reserva, sem permissão.

  • Deixe um contato seu com o caseiro/proprietário para que ele consiga falar com você futuramente caso deseje acampar mais vezes no local, assim a confiança é construída mais rapidamente.

  • Boas dicas Júlio. Porém, no início (antes de contar com a amizade da pessoa que dona ou do caseiro) entendo que, nos dias atuais, a opção de “molhar a mão” é a que vai surtir mais efeito. Com o tempo, talvez deixe de ser necessário.

    Mas Júlio, gostaria de propor um assunto que, embora não esteja na mídia oficial, tem sido propagado muito na internet. É o que esta acontecendo em Fukushima. Há informações de que a situação real foi mascarada e a quantidade de radiação (césio, urânio e outro elemento que me foge o nome) liberada nas águas do Oceano Pacífico é absurdamente enorme. Chegam a fazer a comparação de que a radiação liberada corresponde a 168 vezes a liberada pelas bombas de Hiroshima e Nagazaki.

    Existe um vídeo que foi censurado pelo youtube chamado intitulado em português como “Isso que aconteceu no japão esta chocando o mundo”. É um documentário jornalistico investigativo, onde os autores vão até os arredores da usina de Fukushima. É muito bem feito e fundamentado por elementos de prova, como por exemplo, o depoimento de um membro da Câmara de Representantes do Japão e de médicos japoneses que denunciam o aumento de problemas relacionado a tireoide nas crianças japonesas. Este vídeo é apenas um exemplo. Há farta matéria disponibilizada na web, em sites que podem ser considerados sérios.

    Bom, o que eu gostaria de propor a vc é um(s) vídeo(S) tratando do tema sob a perspectiva do sobrevivencialista na hipótese desta radiação chegar ao nosso País por intermédio da contaminação do Oceano Atlântico.

    Como disse, é uma proposta. Não sei se este assunto caberia dentro do estudo do sobrevivencialismo nos moldes proposto pelo site. Mas agradeço desde já pelo conhecimento compartilhado e pelo espaço.

    Grande abraço.

    • Olha Flávio, acho que sua proposta é muito valida, até porque já vai ficando a dica de não sair comendo qualquer fruto ou sair bebendo água de rios ou riachos sem ao mesmo fazer alguns simples teste, ou uma descontaminação simples por ex:!

  • Murilo Almeida

    Bem legal o tema abordado e vídeo bastante explicativo… Tenho alguma experiência neste sentido, pois já vivi os dois lados da coisa… Bem, vou relatar alguns episódios pra esquentar os comentários… Mas antes vou falar de uma dica que acho a mais importante de todas: quem NUNCA acampou, procure um camping organizado (ou estruturado) pois vai minimizar as preocupações com segurança, com o material pra ser levado e consequentemente a quantidade peso e as questões de higiene… Experiências ruins, mesmo as menores que forem, tendem a afastar as pessoas de atividades ao ar livre… Então, aconselho para quem NUNCA acampou a seguirem o seguinte passo a passo: camping organizado, camping em propriedades pequenas (sítios onde o caseiro possa lhe dar algum suporte de ajuda em uma emergência), camping em fazendas como a citada pelo Julio e, por fim, camping selvagem na mata…

    • Murilo Almeida

      Para os iniciantes no campismo, deem uma olhadinha no site do MaCamp ( http://www.macamp.com.br ) pois será de grande valia…

      • Murilo Almeida

        O primeiro “causo” foi em 1999, durante o período do Carnaval, época de chuva por aqui, resolvi acampar numa cidade que era sede, nos dias de hoje, de um importante Festival de Música, mas que naquela época era somente o 2º ano que acontecia o evento. Fugindo da agitação do Carnaval, eu e cinco colegas (6 casais), cada um em seu carro, saímos da capital em busca de aventura nesta cidade serrana do Estado. Primeiro erro foi a falta de planejamento, pois, embora já conhecesse a região, não sabia efetivamente onde iríamos acampar, pois não existia camping organizado por lá, mas como estávamos todos de carro, na pior das hipóteses dormiríamos nos carros. O segundo erro foi a escolha do horário da viagem, apressados, saímos da Capital a noite, por volta das 20h da sexta-feira, para ainda percorrer um 110km, chegando ao destino por volta das 23h, ou seja, tarde da noite sem saber onde ficaríamos, e, pior, se achássemos algum lugar, iríamos montar a barraca na total escuridão (quem já passou por essa experiência sabe o quanto é “chato”). Minha ideia inicial era procurar por uma área conhecida como “campo de pouso” (apesar do nome, não pousa nada por lá), porem nenhum dos carros conseguia subir a ladeira enlameada que dava acesso. Acabamos achando um campo de futebol para servir de camping naquela noite, e como era carnaval, tínhamos a certeza de que ninguém iria usá-lo. Conseguimos entrar com os carros no local e montamos o acampamento bem a tempo de começar o toró. No outro dia, após uma noite de forte chuva, acordamos com quatro (dos seis) carros atolados na lama (mais um erro para contabilizar) e por isso resolvemos não sair dali para outro lugar. Outro um erro por inexperiência de um colega, que nao conhecia o equipamento, uma das barracas foi montada errada e encharcou com a forte chuva. Ao final deste dia já havia mais de 100 barracas espalhadas por todo campo de futebol, por pessoas que não queriam a “folia carnavalesca”. Resistimos bravamente usando como ponto de apoio um sítio próximo (3km) e a alimentação ficou por conta dos restaurantes da região. Ficamos acampados por lá até a manhã de segunda-feira de carnaval, pois o ambiente estava começando a ficar “pesado” e meio sem controle. Os carros foram desatolados por um jipeiro que também acampava por lá, porem com muito mais estrutura. Fiquei sabendo que na mesma noite que fui embora, o “camping de futebol” foi alvo da policia e muitos foram “postos para correr”… No ano seguinte, o campo de futebol apareceu todo murado, porem já haviam algumas opções de camping organizados. A aventura foi divertida (principalmente hoje ao lembrar de tantos erros) e, apesar de tudo, o “não carnaval” foi espetacular com um show de Toninho Horta e André Cristóvam…

      • yogueimortal

        Gostei do Alerta. A preparação é sempre decisiva para o sucesso, principalmente quando se é novato.

      • E o site também é bem legal. Obrigado!

  • Henrique de Lima

    Aquilo no canto da prateleira é um clipe de munições? Legal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s