Os piores inimigos do Sobrevivencialista

Existe uma “ética” a ser seguida pelos Sobrevivencialistas? Quando uma crise ocorre, as definições de certo e errado podem perder sentido? Alguns grupos têm posto estes questionamentos em cheque.

Vejo que muitos de nós preparadores contamos com o fato de que vivemos em um país desarmado (em sua maioria) e que nossas maiores ameaças seriam os bandidos e indivíduos desesperados por recursos, correto? Faz certo tempo que minha opinião começou a mudar. 

Durante todo este tempo que estive em contato com um número muito grande de pessoas de diversas regiões e países, comecei a notar um padrão de preparadores que têm se mostrado de forma muito sutil nas redes, os que eu chamo de “preparadores ofensivos”. Estes, como o próprio nome diz, são aqueles que se preparam para atacar os outros para conseguir seus recursos. 

Isso quer dizer que em vez de focarem em adquirir um bom estoque de comida, gerar formas eficientes de produzir recursos e construírem uma infraestrutura sustentável, estas pessoas estão plenamente focadas em adquirir armas, munições e treinamentos táticos. O argumento deles é simples: “Mais vale investir em uma boa pistola ou rifle e pegar os suprimentos de onde e quem eu quiser do que investir uma série de itens que podem ser roubados por alguém mais armado que eu”. 

Apesar de ser um absurdo pensar assim, eles estão ai e precisamos lidar com isso. Na verdade, isso faz com que todas as nossas estratégias precisem ser mudadas. Eu inclusive já vi alguns indivíduos dizendo que pesquisam e anotam onde ficam os locais que pretendem assaltar para conseguir seus recursos, incluindo nesta lista os supermercados, casas, postos de saúde e o mais complicado… Sobrevivencialistas.

Os preparadores ofensivos não estão se armando somente para roubar pessoas simples – o que por si só já é inaceitável -, estão começando a buscar pelos “baús de tesouro”, ou seja, outros preparadores. 

Aproveito para deixar mais claro caso não tenha sido: Não apoio e nem quero quero indivíduos com esse tipo de planejamento participando de nossas discussões no Blog. Não os vejo como reais Sobrevivencialistas, até entendo o ponto de vista e a lógica deles, porém no final da linha os considero como marginais e sociopatas.

O problema é que essa escória merece muita atenção de nossa parte, afinal, não estamos lidando com bandidos com um .38 enferrujado, estamos lidando com pessoas que gastaram dinheiro em armas adequadas e treinamento tático para manejá-las. Infelizmente serão inimigos formidáveis para combatermos.

Dada esta situação, deixo aqui o meu aviso para que vocês fiquem atentos em como se manifestam nas redes sociais e afins para não serem colocados nestas listas de interesse. O perigo é grande e requere uma severa reflexão de como ser enfrentado, afinal, os preparadores ofensivos são os maiores inimigos dos Sobrevivencialistas.

Pretendo continuar pesquisando sobre este grupo e compartilhando aqui mais informações, porém confesso que ainda estou garimpando dados e conhecimentos sobre esse assunto todo. Gostaria de saber a opinião de vocês. O que acham da visão deles? Quais as melhores formas de se proteger contra esta ameaça? 

Até.

Anúncios

85 Comentários

  • Sou novata neste mundo do sobrevivencialismo.
    Posso afirmar que, nosso mundo com nosso estilo de vida entrará em colapso, no máximo, em dez anos. Isso me preocupa mais do que fenômenos naturais.

    Quanto ao tema, minha opinião é que ser invisível é a melhor estratégia. Estou começando a me preparar e nem meu marido percebeu ainda, ninguém sabe que sou sobrevivencialista.
    Pretendo contar a ele somente daqui a algum tempo, pois ele é muito “boca aberta”.
    Ele adestra nossos cães pensando em segurança pontual, eu penso no futuro. Compartilho com ele a vontade de adquirir um sítio num local bem afastado, uma propriedade pequena com nascente de água. Tem que ser pequena e de difícil acesso pois é mais fácil de camuflar e guardar.
    Para minha família não contarei jamais, embora pretenda me preparar para abriga-los também.
    Meu filho está num grupo de escoteiros
    Eu estou escrevendo um manual de sobrevivência com receitas e conhecimentos práticos de plantio, construção de coisas, tratamento de água e etc.
    Uma dica: Cartas do IGC de 1978. São cartas topográficas que indicam, entre outras coisas, nascentes. Uma nascente pode desaparecer aos olhos, mas dificilmente seca, o mesmo ocorre com rios que são canalizados ou retificados. Em uma grande catástrofe e passada a crise inicial, pode ser uma maneira de obter água, que , mesmo suja, pode ser tratada. Estas cartas podem ser baixadas no site do IGC.

  • Excelente tema, imaginava que em um cenário de crise pessoas assim existiriam, mas não pessoas se preparando para tal hostilidade. Acredito que esse tipo de pessoa não seria invencível, já que como não estocaram alimentos, medicamentos, etc… se enfraquecerão com a falta de comida e ingestão de água contaminada. Afinal, grupos assim são mais propensos a desunião.
    Como estaremos preparados, claro que teremos muita chance de vencer tais ataques, ainda mais com fonte de alimentos enterrados. Como eles irão encontrar todos os suprimentos “escondidos”?!
    Continuarei sempre me preparando mais (com mais técnicas, armadilhas e armas…), eles não conhecem mais a minha propriedade do que eu e ainda conto com Deus!

  • A linha de raciocínio deles no que diz respeito a conhecimento está corretíssima, porém são mal intencionados. Esse é mais um motivo para nos prepararmos melhor. Se quisermos ser bem sucedidos devemos ter condições de agir em todo tipo de situação, seja armado ou com as mãos nuas, preparação física e emocional. Apesar de não estar praticando nada no momento, gosto de Parkour e Krav Maga, considero muito úteis. Fora as práticas de sobrevivência e conduta tática operacional que sempre que posso, sou feliz em realizar. Afinal já diziam, conhecimento é a arma mais poderosa que se pode ter.

  • Respondendo fogo com fogo…
    Se nos tivermos o mesmo pensamento que eles e junta los com os nossos de sobrevivencialismo podemos nos virar bem em um ambiente de caos onde serao necessarios conhecimentos minimos de sobrevivencia urbana e
    uma noção de como nos defender e defender nossos recursos para nao ser pegos de surpresa por eles..na minha opiniao seria mais facil a sobrevivencia em dupla muita gente gera conflito em algum momento,qualquer coisa pode da errado ou alguem do grupo surtar em uma situaçao delicada e levar o grupo intero pro inferno..eu sobreviveria sozinho ou com um em um grupo com no maximo 4 pessoas.ajuria os de mais sobreviventes que eu cruzasse..nao sei se vc tem uma materia que fale disso pq nao li tdos os posts mas ce nao tiver faz uma de como sobreviver em um hambiente hostil com um grupo pequeno com estrategia e tatica,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,2015

  • De fato os que pensam dessa forma são marginais, conforme você mesmo escreveu. E na minha opinião não podem ser chamados de sobrevivencialistas, pois esse, estuda e faz projetos de como ter recursos mesmo em época de crises.

  • Não sei, posso estar equivocada, mas derrepente poderia ser bom um tipo de filtro, para tentar evitar que essas pessoas fiquem em nosso canal só colhendo informações. E seu alerta sobre a existência de pessoas assim é muito bom.

  • A melhor defesa é stealth. Se ninguem nem sabe que você ou seu acampamento existe, ninguem vai atrás dele.

    • Errado meu amigo. A melhor defesa é o ataque. É por isso que guardo minha .50 de estimação recheada de bala embaixo da minha cama e caso algum desses idiotas venha querer tirar satisfação ou me roubar eu mando bala na fuça e depois mando pro best gore.

      • Vá com calma Rambo, sempre haverá alguém mais bem armado do que você. Para mim a melhor proteção é de fato o anonimato. É bom ter uma forma de defesa, mas deixe para usar como último recurso.

    • Muito boa a resposta camarada !

  • Acho até razoável ter uma ideia de como invadir mercados, feiras, shoppings, mas não outros sobreviventes. A “pessoa jurídica” supermercado não sentiria falta, mas uma pessoa de verdade sim, e num cenário desse tipo, cada vida importa. Eu acho q pra sobreviver a esses grupos(que são piratas, ou raiders), nos temos que ter um lugar seguro afastado da cidade(tipo um sítio, uma casa no mato) ou simplesmente condições de criar um abrigo seguro em um lugar afastado, e também ter armas e táticas, mas voltadas pra defesa. Se nós, que somos sobrevivencialistas pacíficos fomos mais armados e preparados que os raiders, eles mesmos vão começar a temer e vão nos deixar em paz. Ah, outra coisa, mais vale a pessoa ser treinada em artes marciais e em bushcraft ou artesanato do que ter muitos equipamentos ou armas, pois existe uma grande possibilidade de a pessoa ser pega desprevenida ou perder o equipamento numa emergência(ex desabamento, enchente, fogo ou outros fatores.

    • Concordo contigo Raya, gostei muito disso que você disse, mas tenha em conta que passados alguns dias da deflagração da crise já não restará mais nada de comer nos supermercados.

      • Arya e Francisco , concordo Parcialmente sabe por quê?

        Esses preparadores “Ofensivos” não estão sozinhos como a matéria disse , é uma ”rede” ou um grupo .

        Um sobrevivêncialista mesmo que for Especialista em treinamento tático e ter muitas armas de fogo de Grande Calibre . Nunca sobreviveria a um grupo ofensivo de preparadores com 3 ou a mais elementos.

        A União faz a Força camaradas !

        Se quisermos sobreviver não só aos preparadores ofensivos , como outras coisas , devemos nos unir em Grupos , ter um infraestrutura , uma Base .

        Camarada Francisco , já vio os preparadores Norte Americanos?

        Eles tem toda uma organização , todo um grupamento tático , treinado .

        É isso que devemos fazer , Sozinhos somos fracos , mas unidos somos fortes.

        Estou fazendo um grupo de preparadores , se quiser me adiciona no Face: Jonhatas Reis .

        Só me falar !

  • Lobo, creio que antever os problemas nos mínimos detalhes é a grande saída. Isso aqui no grupo, notei que cada um entende um pouco ao estar se preparando para o pior. Mas devemos sempre lembrar, que não só a gente tem que estar treinado ou habituado com a tal defesa e sim, toda a família tem que estar bem preparada, inclusive os cães que devemos ter, no mínimo dois. Todos devem saber o que cada um da família deve fazer, ao saber antecipadamente do que vai ocorrer.

    Ler, sobre como o povo do Haiti se reorganizou, após o grande terremoto, será de grande aprendizagem para todos que aqui colaboram; leiam e se preparam para o pior. Vcs vão notar, que no mínimo, devemos saber para onde correr em uma situação como a do Haiti. Onde 1º, você salva a tua vida e dos mais próximos para só depois tomar as providências.

    Em outra situação para evitar as possíveis ameaças externas de grupos que venham te assaltar, o melhor é ter um esconderijo e ir para o mato mais distante da área urbana possível. (Se sobrar).

    Devemos também, lembrar, sempre dos melhores exemplos de sobreviventes. Nesse caso, do grande Povo Judeu, que (Obviamente sem cães), conseguiu se esconder embaixo da terra e sobreviver nas florestas por longos anos, durante a 2ª Grande Guerra. Logo, é bom estar ciente, que não devemos ter um ou dois tipos de ações de como sobreviver. E sim, vários. Assistam o filme: http://youtu.be/n-9eUXSzZNk

    Afinal, creio que antes de 48h do fato por ocorrer, muitos poucos, vão saber algo. Por isso digo: Nos preparamos, por exemplo, para um grande problema de enchente. E o problema que vem é outro. De nada vai adiantar todo e qualquer preparo para escapar de uma enchente. Assim, o melhor é fazer o que estamos fazendo. Trocar ideias…

  • Por isso é preciso conhecer bem sua rota, e os locais de abrigo, e acompanhar suas alterações, estabelecendo um cronograma constante de visitas aos locais, a vantagem tática que o domínio do território oferece é praticamente insuperável. Devemos sempre desconfiar de nossas próprias habilidades, procurando aumentá-las, quem pensa desta maneira predatória, normalmente conta com uma auto confiança exacerbada no armamento e no treinamento em progressão, combate e controle, e justamente essa auto confiança pode ser sua derrota, na verdade caminham na dúvida em direção ao incerto, devemos tornar a realização de seus desejos o mais difícil possível usando da melhor maneira o domínio do território, os recursos, sendo sempre muito discretos.

  • Julio esse tipo de sobreviventes se assim podemos chamá-los, pois estão mais pra terroristas, tem um ponto fraco, pois apesar de armados e preparados eles não são unidos. O que eles querem é roubar de quem for preciso o que não possibilita uma união, porem nós somos diferentes, somos unidos e pacíficos e acredito que ainda somos em maior número. O que acredito ser uma grande vantagem. A questão é como nos defendermos contra a ofensiva desse tipo de parasita, o que me parece ser mais correto em primeiro lugar é criar uma rede de comunicação mais direta entre os sobrevivencialistas de verdade como nós, para uma troca de informações mais restrita e detalhada para separar o “joio do trigo” e ficarmos unidos. Em segundo tbm devemos nos preparar para nos defender e juntos isso fica mais fácil, pois contra esses tipos não temos muita opção, ou tentamos nos defender a altura ou seremos abatidos como coelhos inofensivos. Saber se defender tbm é sobrevivencialismo e táticas de defesa, combate ou bélicas tbm podemos aprender. Vlw abraço!

    Att. Fernando (Canal Sobrevivente Urbano).
    https://www.youtube.com/channel/UCqIybq9X4xs3taXQB6nik3Q

  • Não há dúvida de que, em uma situação de grande o suficiente catástrofe regional global, ou a respeito de que não há lei, haverá grupos que querem tirar à força coisas dos outros, em os EUA está na moda juntar esses grupos que olham situações SHTF, feita de coisas preppers pela força na Argentina, sem ir muito longe, o saque dezembro 2013 passou esse tipo de coisa em que grupos criminosos se uniram para lojas rob e casas de família:

    http://www.taringa.net/posts/imagenes/17413205/Tucuman-Saqueos-en-18-imagenes.html

    http://www.taringa.net/posts/imagenes/18316951/Cordoba—El-antes-y-despues-de-los-saqueos.html

    Eu acho que a maneira de estar preparado é estar ciente dessa possibilidade e tomar medidas, estar preparado para evacuar, se necessário, e ter o conhecimento para começar tudo de novo.

    ——–
    Sin duda que en una situacion de catastrofe global, o regional lo bastante grande como para que no exista la ley habra grupos que por la fuerza quieran tomar las cosas de otros, en EEUU esta de moda unirse a este tipo de grupos que buscan, en situaciones shtf, hacerse de las cosas de los preppers por la fuerza, sin ir mas lejos, en Argentina el los saqueos de diciembre de 2013 pasaron ese tipo de cosas donde grupos de delincuentes se unieron para robar comercios y casas de familia:

    http://www.taringa.net/posts/imagenes/17413205/Tucuman-Saqueos-en-18-imagenes.html

    http://www.taringa.net/posts/imagenes/18316951/Cordoba—El-antes-y-despues-de-los-saqueos.html

    Pienso que la forma de estar preparados es ser conciente de que existe esa posibilidad y tomar medidas, estar dispuesto a evacuar si es necesario, y tener el conocimiento para poder comenzar todo nuevamente.

  • só mais um cara

    Fala Julio!!!!
    Cara faz mt tempo que sigo seu blog,mas nunca comentei (sabe sempre olhando de tras das pedras )
    mas achei que deveria compartilhar algo que aconteceu comigo.
    segue em resumo
    Me preparo faz um tempo… tenho um local para fuga e tambem rota,porem um dia um primo me acompanhou ate esse local e ficou espantado e logo disse “voce é maluco” “paranióco” eu tinha previsoes para eu e minha familia p/ 5 meses, uma semana depois eu encontrei com o @#%*@# do meu primo e uns amigos dele, ai ele fez um simples comentario “ai esse é o meu primo doido que acredita no fim do mundo” todos riram mas no final veio um comentario de um deles que me fez mudar todo meu planejamento “bom mas se realmente acabar a gente tem pra onde ir…” cara eu acho que eles não erram treinados nem sei se tinham armas mas eram 5 se tivessem familia com 3 pessoas cada seriam 15 e eu sou o unico preparador da minha região (pelo menos que eu saiba) de cara ja seriam 15 (no minimo fora se contassem para amigos ou primos tios… (cara eles não sam preparadores eles não tem o conhecimento que o preparador busca… não contam pra quantos dias a comida vai dar e nunca pensaram se vão ter de deixar alguem de lado pra sobreviver (tios,primos,amigos…) eles vão querer levar todo mundo…
    resumo eu me fo## por que falei demais o melhor é não deixar niguem saber…
    PS. sei que o texto esta grande mas tenho uma pargunta algo que me incomoda muito… sobre armadilhas de perimetro…
    elas podem pegar qualquer pessoa (ate da minha familia )
    ou seja faria armadilhas pra me proteger (logico) mas não mortais,porem se eu pegar alguem estranho ?????
    não posso dar uma bronca e mandar o cara ir embora e não estou fazendo previsões para “bancar prisioneiros” porem se for alguem desarmado “uma mulher e seu filhos (crianças) por exemplo” …

    • Só mais um cara, Cara oque eu posso te dar de concelho é o seguinte, depende de que tipo de ” Fim do Mundo ” você vai ter para usar armadilhas, Eu penso em armadilhas somente para alimentação, mesmo assim procuro usar a pescaria no dia á dia, outro concelho não mostre para outras pessoas ou fale de um bunker que você tenha… Eu tenho uma fazendinha perto de um rio com uma selva bem boa… comida + ou para 6 meses… qualquer duvida só perguntar

      • Eu não tenho um bunker e nem tenho estoque de alimentos para mais de 2 meses, mas eu utilizo os conhecimentos de sobrevivencialismo no dia a dia mesmo, principalmente o conceito de ser “cinza” que é o meu favorito, no mais, eu tento ao máximo aprender a teoria de como as coisas funcionam, pois apesar de eu não ter todo o suprimento e equipamento que eu desejo, ao menos eu sei que em uma situação extrema eu terei ao menos algum conhecimento para me ajudar.

        Assim que for possível $$$, pretendo ter alguns equipamentos que acredito serem indispensáveis em caso de desastres naturais e em casos de desordem social (os perigos mais iminentes).

        Uma coisa importante também é conhecer a região em que se vive e a própria cidade/bairro, assim fica bem mais fácil de se virar em caso de necessidade urgente (principalmente as rotas de fuga), aqui ao menos eu já sei de cor e salteado :D.

    • Kelly Tavares

      oi amigo, também passei por isso, contei a um amigo que contou na roda de amigos e no inicio fizeram piada, mas logo depois disseram se realmente eu precisar sei onde buscar. Eu falei, se um dia precisar não bata na minha porta pra buscar não vai encontrar, ai ele disse vc não me ajudaria? “não, eu te ajudo agora se quiser começar a se preparar”, e não tente tirar a forca pois vai me encontrar ainda mais preparada!!

  • Que venha a vagabundagem. Estão se preparando para atacar os que tem suprimentos, mantimentos? Estão se preparando para roubar, pilhar? Isso não é nenhuma novidade, esse tipo sempre esteve presente na sociedade, sempre houve grupos treinados e especializados para isso. Novidade é grande parte ficar assustada e espantada com isso, como se fosse uma grande descoberta. Mas o fato de se assustarem é porque muitos gostam mais é de ficar se mostrando em redes sociais, contando o que tem, contando onde estão, e por aí vai.

    Pois que venham, terão uma dolorosa surpresa. Facilidade eu garanto que não irão encontrar!

  • Welthon Cunha

    Olha Júlio….
    Este é um problema real, infelizmente… porém, acredito que num cenário de crise profunda as pessoas tendem a se unir ( para o bem e para o mal, claro), pois as pequenas diferenças desaparecem e todos passam a ter um problema único e objetivo. O melhor é o sobrevivencialista buscar as pessoas da sua comunidade, amigos e familiares principalmente, organizá-las, treiná-las e tentar montar uma verdadeira comunidade… quanto maior o número, mais difícil ser atacado… porém, a segurança é um ítem fundamental da preparação, fica atrás apenas de água e comida… o sobrevivencialista sério deve pensar em adquirir armas, fazer parte de clubes de tiro, fazer recarga de munição, etc…

  • Demóstenes Jr

    Eu precisava ter lido algo assim, muito obrigado sr. Lobo!
    Descrição perfeita: sociopatas. Há pessoas perigosas e antissociais se preparando para tomar os frutos do esforço alheio e a própria vida. Possível solução: fortalecer o grupo onde se está inserido, nunca agir sozinho e marcar esses indivíduos, expô-los, o anonimato os protege. Eles devem saber que também seremos perigosos para eles como grupo se nos atacarem, mudança de cultura para preparadores e afins, é como diz aquele patch militar: WE DO BAD THINGS TO BAD PEOPLE (fazemos coisas ruins com pessoas ruins). Procuro fugir do senso comum e aprender o que está perdido para a maioria, mesmo que invadam ou nos ameacem não saberão o que fazer com o que eu deixamos para trás, sem meu conhecimento o que terão é trabalho ou acidentes, coisas que não querem.

  • desde meu tempo de exercito que tenho um disfarce de ze nin guem, o unico sargento que percebeu isso comecou me perseguir pra tentar mostrar pros outros que eu o melhor que tinha ali, os oficiais comecaram a persegui-lo e mandaram ele parar de me perseguir, ja que pra eles eu era um ze ninguem , eles diziam para o sargento que eu nao era o primeiro em nada e ele respondiam que era porque eu nao queria, e verdade ser o primeiro chama muito a atencao . eu sorria por dentro com aquela situacao e tenho a mesma postura na vida civil , mesmo tendo quase tudo , eu passo que nao tenho , por exemplo tenho bastante velas e quando falta energia no bairro vem sempre vizinho pedir e eu digo que nao tenho , coloco 2 no bolso e vou da uma volta pelo bairro e depois apareco com elas dizendo que me emprestaram .

  • Predadores,carniceiros isso sim essas pessoas são. piratas urbanos. tem meu desprezo !!!!!

  • Que maravilha! Agora já não preciso mais me preocupar com estoque de armamentos. Sei onde buscá-los! Vou continuar me preparando, melhorando e planejando para uma crise, tudo dentro da lei, enquanto elas forem aplicadas, já, durante a crise e fora da lei dos homens e seguindo a lei do mais forte, a lei do cão vou buscar algumas armas com quem as guardou e tomá-las.
    CAVEIRA!

    • Demóstenes Jr

      “Podem vir, por aqui não passam.” Marechal Malet.

  • Yoseph Makabi

    Um barco com 1.500kg de comida é uma excelente presa para todos os piratas. Fique em terra firme, marujo. Tenha um abrigo e nele construa pelo menos TRÊS rotas de fugas. Não precisa enfrentar uma guerra, vc e seu grupo não darão conta. Mas se prepare para defender, com unhas e dentes, o seu embornal. Matar, se preciso for, morrer nunca! esse é o lema. Se um grupo mais forte atacar seu abrigo, fuja, se reagrupe e retome o local. Ou então aguarde, escondido, uma oportunidade. Não se iluda, vc já é vítima.
    SELVA111

    • Yoseph, me refiro a um barco usado por pescadores artesanais com capacidade para 1.500 kg, e que chamamos de caíco ou bote.
      Não são barcos grandes e caros, podem usar pequenos motores e\ou vela. Como vivo numa região com muitos recursos hídricos com acesso ao oceano, rios, arroios, ilhas e lagoas, reparei que oferecem rotas de fuga, lugares para esconderijo e muito, muito peixe! As vias de acesso por terra até minha cidade são poucas, pois saindo do meio urbano só nos resta ir direto à Sta Vitória do Palmar ou Pelotas.
      O ataque de “piratas” ou meros bandidinhos em pequenos barcos será um risco, mas terão que chegar agrupados numa embarcação também… ou seja, haverão de se expôr se quiserem atacar.
      Tenho hábito de passear de caiaques pela costa da Lagoa dos Patos, entrar pelos canais, ir conhecendo a área. Minha aposta, num cenário de crise ainda é a mobilidade, abraços.

  • Julio, meu caro, confesso que já percebi o perigo que vc citou há um bom tempo… Apesar de ser proibido discutir política na maioria dos grupos, logo notei que a comunidade prepper nutre um fetiche pelo militarismo e que a maioria, tem fortes tendências fascistas. Foi o suficiente para perceber o perigo interno na comunidade. Minha estratégia foi adotar o perfil baixo, gray. E confesso, que acho que demorei. Circulei bastante tempo com minha identidade civil nas redes (um grande erro). Hoje o Batata postou um texto sobre ser cinza. Deixei pra ele uma pergunta, que gostaria de repetir para você: “vc não vê uma certa dificuldade em ser cinza pelo simples fato de ser também uma das figuras mais notórias em nosso meio?”. Saudações cinzas.

  • as vezes acredito que a preocupação está no sentido contrário.as pessoas devem produzir e estocar seus alimentos levando os mesmos a diminuir seu valor e deixar de ser um item valoroso,principalmente para os que vivem no campo ou interiores como queiram.isso deveria ser um costume,produzir e estocar e muita coisa iria mudar em nossas vidas.Mas para mudar essas vidas isso seria apenas uma delas a fazer..

  • No mundo em que vivemos a pessoas que tem em mente que pegar dos outros é melhor que construir por si próprio, acho isso errado e devastador, ainda mais quando se tem essa ideia em uma crise nacional ou internacional.
    Apesar de no Brasil termos muita dificuldade para ter acesso a armas perante a lei, na sobrevivencia é essencial termos poder de fogo, em minha opnião nâo se pode derrubar um agressor com um maquinario de armas e roupas balisticas com um arco-flecha, a não ser que voçe tenha habilidades taticas e muita inteligência para abater seu opressor (não que eu seja contra).
    Em minha opnião e com base em meus conhecimentos, o certo a fazer nesse tipo de situação é basicamente em 3 passos;

    1- Formar um grupo com experiencia, suprimentos e armas com pessoas que saibam manejalas para o bem; 2- Se fixar em um local seguro, secreto e com devidos suprimentos; 3- Proteger tudo o que o grupo conquistou de forma honesta.

    Tudo isso basea- se em meus conhecimentos e minha opnião, não apoio criminosos, porém armas todo cidadão de bem deve ter, desde que a use na extrema necessidade e de forma correta. Afinal temos que proteger o que conquistamos honestamente.

    • Andrews Marx

      Caro amigo sobrevivencialista,

      Acredito eu que a Lei do desarmamento só desarmou a população de bem e nos tirou qualquer chance de defesa contra qualquer opressor pois o militares, policiais e bandidos continuaram armados, diga-se que estes dois últimos não têm muita diferença, agora além de vítimas nos tornamos reféns sem a menor chance de nós defender e a única coisa que podemos fazer é fortificar nossas residências e restar para que nenhum intruso armado tente entrar.

  • obrigado Júlio por nos alertar…. eu não sabia que existia esse tipo de sobrevivencialista, eu na minha grande inocência achei que nós (sobrevivencialistas) éramos corporativistas e não ameaça de nós mesmos…. um abraço!!!

  • O assunto é muito sério e não pode ser tratado com achismos. Inimigos podem se tornar amigos e amigos em inimigos. Qualquer equívoco pode ser fatal, mesmo que a longo prazo. Qualquer plano precisa de revisão constante e sempre deve ser baseado em análise de cenários, que por sua vez depende de conhecimentos diversos. Trabalho com análise de riscos e inteligência estratégica corporativa, e sendo assim avalio quase tudo o que nos cerca o tempo todo, por isto recomendo a todos que sempre considerem a união com pessoas confiáveis e pensem de forma semelhante. Considero inviável sobreviver sozinho por muito tempo, bem como, irreal imaginar que nunca haverá algum tipo de confronto, seja em que escala for. Ser sem parecer, e continuar temendo a Deus, pois tudo isto é de passagem. Boa conduta a todos!

  • A questão é: Investir na auto-suficiência em casa ou investir em MOBILIDADE? O ideal é unir as duas estratégias.
    Creio que ter um barco – nem que seja artesanal para uns 1.500 kg de carga no mínimo – com motor de rabeta( mas à vela também)e equipado com redes de pesca. Mobilidade independente de estradas, meio de conseguir alimentos e abrigo num lugar só.

  • Andrews Marx

    Ai vem a questão do desarmamento, a quem essa controversa lei desarmou realmente? os bandidos? os militares? os policiais? os bombeiros militares? ou apenas nos cidadães de bem que deixamos de nos proteger e passamos a ser reféns de qualquer um que ande armado, hoje em dia não esta bem claro quem é o mocinho ou o bandido e a população a merce de qualquer grupo sem ter como se defender e o governo está conivente com tudo isso pois faz parte de um esquema bem maior de roubo e corrupção.

  • Acho que concordo com praticamente tudo o que foi dito aqui até agora. Realmente, esse assunto é decisivo para o nosso sucesso. Entendo que a melhor preparação é aquela que for a mais completa possível, mas não sei ainda muito bem o que é isso, por que ainda não completei a minha preparação e acho difícil que um dia consiga completar.

    Sempre falta alguma coisa e é essa a nossa fraqueza, mas também é essa a fraqueza do “come merda” que vai te ou me atacar. Eles também tem fraquezas e falham, e são essas fraquezas que farão a diferença quando os seus ânimos se confrontarem.

    A estratégia de ataque pode ser dissuadida com algumas artimanhas, na seguinte ordem – me desculpem qualquer incoerência, erro ou incongruência:

    conhecimento de si próprio;
    conhecimento da natureza;
    conhecimento do seu território;
    conhecimento dos seus amigos;
    conhecimento dos seus colegas;
    conhecimento do território fronteiriço;
    conhecimento dos seus potenciais inimigos;
    conhecimento dos seus inimigos
    aparente inexistência;
    aparente insignificância;
    aparente relação esforço-lucro pouco atrativa;
    camuflagem;
    contra-rastreamento;
    espionagem e ataque nos momentos vulneráveis;
    armadilhas;
    barreiras;
    contra-ataque indireto despolarizado sorrateiro e ardiloso;
    defensiva direta
    defensiva indireta
    contra-ataque (prudente) ao QG inimigo
    espionagem e ataque nos momentos vulneráveis;

    É mais ou menos isso, pois na guerra não a honra, a honra está dentro de cada um, e todos os meios são válidos para defendê-la contra malfeitores inescrupulosos.

  • Bom é claro que esse é um assunto que realmente precisa se ter conhecimento mais detalhado, a prevenção sem duvida e nossa maior arma, primeiro e mais importante é ter suas preparações de modo que se possível, somente vc saiba dos detalhes, ter preparações de um porte e qualidade boas é para se precaver e não se gabar, quanto menos pessoas souberem melhor, outros meios de se precaver na minha opinião é tentar manter seus itens em local seguro e mais camuflado com o ambiente possível, uma boa alternativa é se ter fases que impeçam ou retarde a ação do possível saqueador tendo assim mais tempo para se tomar uma decisão mais sensata, também acho interessante se ter equipamentos de proteção em locais estratégicos, se acaso vc for mantido sem possibilidade de se ter em mãos qualquer coisa que possibilite sua proteção ( faca,arma,ou outos) vc possa em um devido momento ter a chance de ter um itens desses no alcanca das mãos.

  • Matheus Damo

    Galera, caso aconteça uma crise grande eu prefiro fugir para selva ou matagal, as milicias iram dominar as cidades, eu iria para alguma selva com montanhas perto de rio e uma selva bem densa e um solo com boa proporção de argila em volta de 60%, caso aconteça, não me arisco ficar em cidade o risco de um governo maluco ou bandidos dominar é grande, vale lembrar também sou Agrônomo tenho algo bem planejado e preparado e volta de 30%, eu moro no estado de Mato Grosso a fuga para selva aqui é muito bom!

  • Me lembrei de um bom filme que mostra um pouco sobre a realidade de ser atacado em seu próprio lar, se alguém tiver interesse em assistir o filme se chama “Uma noite de crime”, filme altamente recomendado para quem pretende ter sua própria casa como Bunker.

    *tem o filme “Uma noite de Crime 2” mais ainda não assisti, mas segundo vi na sinopse fala sobre ser atacado nas ruas, então deve ser interessante também.

    E se alguém quiser saber como ficariam as cidades em caso de perda total de controle por parte do governo, é só ver as grandes favelas (fotos, vídeos, depoimentos, etc) aqui do Brasil, traficantes fazem as leis e as executam sem contar com as milícias que apavoram junto com o tráfico os poucos cidadãos de bem que lá existem.

  • Rock Shooter

    Uma coisa que eu costumo citar eu meus comentários são as palavras ensinadas pelo Selco:
    “Seja cinza” (seja discreto)

    O Prepper que expõem ao público as coisas que possui em sua casa, está desenhando um alvo nas próprias costas… devemos discutir sobre sobrevivencialismo e preparação, mas devemos evitar revelar nossa real identidade e endereço.

  • Olá pessoal,
    Andei pensando a respeito dessas ameaças e ainda não cheguei em uma conclusão definitiva de como eu agiria, provavelmente de forma diversificada, porque todo castelo já foi invadido e por mais que temos armas boas em casa não são tão boas quanto armas que muitos bandidos e instituições possuem como fuzis automáticos. Pq as armas das instituições num cenário de crise serão roubadas por seus próprios membros ou por pessoas normais desesperadas para se protegerem. Ou seja, se nos fortificarmos em casa somos poucos pra nos defender desses grupos de pessoas que pensam em roubar outros sobrevivencilistas, seremos alvo deles. Porque pessoas que pensam assim se associam com facilidade para fazer o mal e pessoas de bem tem muita desconfiança antes de se associar com outrem. Outra questão eh que quando entramos em combate, por mais que ganhemos nós sempre perdemos algo ou nos ferimos, ou alguém que está com você se fere, ou parte de suas coisas estragam, inúmeros danos podem ser sofridos.
    Sun Tzu diz que a melhor batalha eh aquela que eh evitada e eu compartilho dessa premissa. Locais mais escondidos e camuflados, não ostentar equipamentos, ficar disfarçado na multidão eu acho a postura mais conveniente. O importante eh passar mais despercebido possível. Além de se preparar com conhecimentos úteis. eu to buscando agir nessa linha de raciocínio.

  • No texto ta bem claro….são marginais bem preparados e se preparando….o que nos resta além de pensar numa estrutura sustentável e alto-suficiente, é em estar preparado para proteger o que se construiu e, guardar p/ si seus projetos e estruturas pessoais, planos etc das redes sociais.
    Sou e defendo que, um sobrevivencialista tem que focar na auto-suficiência, pois dessa filosofia irá tirar seus recursos.

    Abç

  • Sandro M. Domanski

    Em caso de permanência na própria casa, pode-se preparar muitos tipos de armadilhas, letais ou não, de tal forma que o indivíduo não consiga ter acesso ao interior da residência ou, se tiver, que não seja de forma sorrateira, nos pegando desprevenidos. Equipamento de arqueiria, bestas e arcos ou até mesmo atiradeiras podem vir a ser uma opção de defesa imediata, letal ou não, mas o principal é o fato de que o proprietário do imóvel tem algo que o invasor não tem, que é o conhecimento do local mesmo em períodos de total escuridão. Treinar familiares que moram na casa como reagir em caso de tentativa de invasão é algo também interessante mas o mais importante, talvês (na minha opinião), é vencer o pudor de fazer de tudo para deter o invasor, mesmo que isso lhe cause a morte pois é melhor um invasor morto que um de seus familiares, ou todos, e da pior form apossível, por violência e abusos.
    Em caso de um refúgio em matas, a coisa fica muito mais difícil pois ficamos mais expostos.

  • 1 – Quase ninguém, tipo 0,000001%, terá sua BoB, etc.
    2 – “estas pessoas estão plenamente focadas em adquirir armas, munições e treinamentos táticos…”, ou seja, todo policial, militar, segurança, etc… Esses serão os verdadeiros inimigos. Ou alguém duvida que policiais, em meio a uma anarquia generalizada (não digo tipo um Katrina, mas uma coisa bem pior), mas com armas e amigos igualmente armados, tendo necessidades (ou pior, vendo sua família em necessidades) vão exitar em tomar o que é dos outros? Faz tempo que acredito que esse grupo é O verdadeiro perigo frente uma crise generalizada. Isso sem contar que crises generalizadas, ao longo da história, muitas vezes foram causadas por forças internas. Se hoje, em tempos de “ordem” já vemos diariamente notícias sobre milícias e outros crimes absurdos cometidos por bandidos fardados…
    3 – Não me preocupo com outros preparadores (agressivos). No meu território, esse tipo de gente só vai significar mais equipamentos e comida (se é que me entende kkkk). Também, eu preferiria assaltar uma loja de camping (na minha cidade tem várias) do que ir atrás de ti (no seu território) kkkk.

    Abraço

    • De toda forma, se exibir nunca é bom. Mas compartilhar informações, inclusive equipamentos para adquirir, etc, é sempre bom.

      Falando nisso, faz tempo q estou p escrever p agradecer ao pessoal desse blog. Muito obrigado! O blog é ótimo. Parabéns pelo resultado e pelo esforço Julio & cia; aprendo muito aqui.

    • Welthon Cunha

      concordo… nosso maior perigo são os membros de forças policiais e forças armadas, pois com o caos eles estão muito melhor armados que o ‘besta’ do cidadão comum que paga impostos e vive feito ovelha…

  • muito bm julio esse tipo tem de ser levado em conta , otimo alerta

  • pra mim era para os sobrevivencialistas se unirem pra que todos se conheçam ,e quando tiver um cenário de crise possam se ajudar .
    vlw Julio.

  • Artur Gomes

    Acho extremamente pertinente esse assunto. Alias, o argumento de não expor as coisas nas redes sociais ja é uma realidade. Se encararmos de uma maneira realista o aspecto fundamental da sobrevivencia (ou seja, não nos focarmos apenas num colapso social, econômico ou um ataque zumbi, como tem muito gringo que espera…), perceberemos que já nos dias de hj enfrentamos essa realidade no pais. Eu mesmo participo de um grupo escoteiro e fico muito apreensivo quando divulgamos nossos acampamentos. É o mesmo que postar fotos durante uma viagem. Vc esta dizendo pra galera que não esta presente em sua casa e que o caminho esta livre. Termos esse tipo de preparador no quintal é muito preocupante, uma vez que muitos de nos nos focamos em estocar e multiplicar. Pra mim, minha estratégia ainda se mantem: Conhecimento. Aprender a coletar, cultivar e sobreviver ainda me parece a melhor estratégia. Bom, valeu o post. Serve pra repensarmos nossas posturas! Grande abraço!

  • Olá
    Eu sempre fui apaixonado por sobrevivência, natureza, caça e pesca. Desde pequeno cresci nesse meio, mesmo porque meu avô era armeiro, caçador e mestre em carpintaria que me proporcionou aprender muito com ele, desde construir uma armadilha para caça que ia de tatus a viados (cervos), até mesmo fabricar uma espingarda caseira. Minha paixão aumentou ainda mais depois que fui militar no exército, na procura por conhecimento cheguei aos vídeos do Giuliano Toniolo e do Batata…. virei fã dos caras na hora.
    Mas durante todo esse tempo que sigo vocês, buscando por técnicas e mais aprendizado sempre me perguntei sobre isso….. Mais e as pessoas sem provisões?
    Na verdade me preocupava mais com pessoas de forças militares, polícia e tals …. São pessoas com mais facilidade a armas de vários calibres, treinamento tático, técnicas operacionais e no caso de um pandemônio mais liberdade nas movimentações principalmente urbana. No inferno não existe lei, não existe anjo e nem quem lute por justiça e bondade, no pandemônio de uma crise cada um vai matar e fazer aquilo que mais lhes convém para ficar vivo.
    No cenário de pandemônio vocês achavam mesmo que um policial, soldado ou qualquer outro individuo com conhecimento tático não iria procurar por nós…..os malucos do apocalipse, como já ouvi falarem…kkk
    O nosso problema é que somos pessoas de bem, somos preocupados com o bem-estar de nossas famílias, o futuros de nosso filhos e com a nossa própria vida mesmo. Mas tenham em mente que depois dos saques a supermercados, farmácias e similares seremos os próximos, se não os primeiros. Bandidos estudam para invadirem cofres de banco e nisso se incluem Bunkers, fortificações e fortalezas….. Os caras sem estudo já invadem um presidio cheio de policiais com treinamento tático e operacional, imagina um sobrevivencialista sem caráter e sociopata que se preparou a vida toda somente para conseguir viver com pouca comida e recursos.
    Até final do ano que vem terei meu sitio e com a benção de Deus meu Bunker mega reforçado… faculdade de engenharia valendo a pena.

    Grande abraço a todos

  • Marcos Lopes

    Bom texto, um exemplo disso, foi quando teve uma enchente em SP, atingiu alguns bairros. teve gente que queimou um ônibus, e 200 metros adiante, saquearam um caminhão de biscoitos que ia abastecer um supermercado. O motorista foi rendido por um cara armado, alem de levar o que ele tinha, fizeram o saque. O que me deixou mais pasmo, (isso foi televisionado ao vivo) que pessoas que passavam por ali, que n participaram do saque, iam até a traseira do caminhão e pegavam um caixa de biscoitos. Chega uma moça, se aproxima do caminhão, fica de braços abertos esperando a vez dela, recebe a caixa, e ela sai tranquilamente pela rua, se afastando da confusão. E tudo isso por causa de uma enchente em alguns bairros, agora imagina num SHFT de verdade? como na vez que teve uma onde de saques numa cidade da argentina eu acho. invadiram a loja do cara, n lembro se era farmacia ou mercado. com o cara lá dentro.
    o cara viu entre saqueadores pessoas que frequentavam a loja dele, ai acabou o SHFT. tudo voltou ao normal. ele via as mesmas pessoas que saquearam entrando lá comprando, como se nada tivesse acontecido…

  • Acredito que esse grupo seja uma grande preocupação para a maioria, vemos muitos grupos semelhantes em atuação no Brasil, as famosas milícias. Em um momento de situação extrema eu confesso que não teria como lutar, pois atualmente não disponho de armas de fogo e teria muito o que arriscar num confronto direto, minha família por exemplo, no meu caso fugir e preparar uma outra estratégia seria mais viável. Também penso em fugir pro mato, mas ainda tenho muito o que aprender para sobreviver em tal ambiente. Alguma forma de treinamento militar é um tanto difícil para mim, tenho meus motivos. Em fim gostaria de poder melhor me preparar, não só para essa, mas também para muitas outras ameaças. Mais uma vez parabéns Júlio por compartilhar seus conhecimentos e ajudar a muitos como eu, dando um norte para uma melhor preparação.

  • Não sou nenhum especialista no assunto mas tenho interesse sobre, no meu ponto de vista, em um caso de caos mesmo esses treinados sociopatas não sabem o que tem dentro de cada residência, o quanto mais puder dificultar a entrada do mesmo melhor…e até conter o mesmo dentro da mesma.

  • Nossa acho esse assunto muito pertinente, é uma realidade até cruel pois temos amigos q compactuam desse pensamento. Na maioria das vezes bem treinados e com suporte. O q nunca me passou é q quando compartilhamos nossos equipamentos e preparações nas redes sociais, podemos estar sendo monitorados por esses preparadores ofensivos q ñ medirão esforços pra obterem o q quiserem.

  • Parabéns, Julio Lobo. A questão é estar sempre um passo à frente, mesmo que escondido num subterrâneo. Se vis pacem, para bellum!

  • carlossilvapb

    O que vocês acham que vai acontecer com a polícia e forças armadas momentos após uma SHTF? E as quadrilhas de bandidos? Todos esses grupos, assim que perceberem que a situação mudou e que, para a sua sobrevivência, terão que roubar, saquear e matar, eles farão isso. Eles atacarão indiscriminadamente e de forma sistemática, em parte atrás de recursos, em parte para exercer o domínio sobre uma determinada região. Os preparadores ofensivos serão um grupo a mais, que saberá exatamente o que buscar. E quem der bandeira, vai ser alvo. Imagino também que a maioria das ameaças se concentrará na área urbana e, a princípio, as áreas mais afastadas das cidades serão mais seguras. Mas, tendo em vista o assombroso aumento de roubos a propriedades rurais nos últimos anos, acho que locais rurais serão só um pouco menos inseguros.
    Acredito que a discrição tem que ser levada muito à sério. Tanto agora, como na fase pós-SHTF. Não chame a atenção, não ostente. Tente manter-se o mais escondido possível. Se você tiver a sorte de ter um refúgio, fique nele..E preste atenção a tudo o que o cerca. Não baixe a guarda.
    Isso seria o que eu faria…

    • É a estratégia que acho mais interessante, ser invisível.
      Se for tentar ajudar alguém a se preparar que seja por uma palavra que leve a pessoa a pensar no assunto.
      Se for para mostrar que você é um sobrevivencialista, então passe tempo estudando a pessoa para quem você vai falar: veja sobre o que ela fala para descobrir pelo que se interessa, veja se ela se aproveita de pessoas quando tem a chance, afinal quem faz coisas ruins em oportunidades pequenas o que não fará nas grandes? Pois ela pode chegar a desistir de sua humanidade.
      Conheça os outros, mas não seja totalmente conhecido por ninguém, se você for um enigma é mais difícil que alguém queira tentar algo “esperto” com você.
      Se tiver que mostrar o que você tem mostre também que pode estar atento a predadores, porque quem confia em suas habilidades (como fazem os animais, que não se adaptam e mudam suas estratégias de caça para fazer que as presas fiquem confusas), PODE cair no orgulho (e imagino que o orgulho desses predadores ofensivos será seu ponto fraco, já que imaginam que aprender a combater é mais importante que aprender a sobreviver) de achar que suas habilidades serão suficientes para resolver qualquer situação. A marca do sobrevivencialista é a adaptação e a habilidade (esta sim é importante) de aprender e mudar para melhor.

  • Isso não me espanta pois é uma realidade nos dias normais. Marginais se armam até os dentes para tomar pela força o que o cidadão de bem ralou para adquirir.

    Se tratando de seres humanos já era de se esperar isso, no meio sobrevivencialista, gente adotando esta estratégia 1° por não terem escrúpulos e verem os demais a sua volta como meros degraus, 2° por acharem que esta é a maneira mais cômoda e fácil.

    • Fala Léo!

      Pois é, infelizmente é uma realidade que temos de aceitar e enfrentar.

      Abraços.

  • rodrigo antonio

    um boa forma seria a contra -informacao divulgando falso lugares de preparacao e depois esbosca-los ai o cacador vira caca.

    • Olá Rodrigo,

      É uma estratégia complicada, mas ao mesmo tempo compreensível. Eu particularmente prefiro manter distância, afinal, estamos falando de pessoas que conhecem estratégias militares e poder de fogo muito maior que o meu (no meu caso, é claro).

      Abraço.

  • Realmente esse tipo de indivíduo é um adversário formidável que não deixara de agir se tiver uma chance, e o pior, é que tem conhecimentos e meios e total falta de escrúpulos para fazer tudo da pior maneira possível.
    Um bom meio para entender como seria viver em um mundo caótico e como as pessoas reagiriam nesse mundo é assistir ao seriado The Walking Dead (principalmente a essa 5º temporada).

    Eu sou totalmente contra a exposição irresponsável na internet (redes sociais principalmente) e também não gosto de “watts app” da vida, primeiro por que tira atenção demais das pessoas, esquecem tudo que está a volta para focar em uma telinha, seja onde for, e o pior são telinhas caras, que qualquer marginal que ver, se tiver chance vai tentar roubar de você isso se não te machucar ou até matar (já vi casos de gente que morreu por que tinha tênis Nike)….segundo, exposição social é dar de bandeja para possíveis bandidos informações sobre o que você tem e como você vive….sobre sua família, trabalho, etc…

    De modo geral, o nosso país, sem nenhum tipo de “caos” (entenda-se, epidemias, desastres naturais, etc) já é um dos mais violentos, se não o mais violento do mundo, cerca de 60.000 mortos por ano, em todo tipo de violência possível….

    Sobrevivencialismo é 24 horas por dia, 7 dias na semana, 365/6 dias no ano, isso inclui, ser discreto e saber selecionar os “conhecidos” *, digo conhecidos, pois, amizade verdadeira hoje em dia é uma das coisas mais raras, se não a mais rara nas interações sociais.

    *isso pode incluir alguns membros da família também 😛

    • Olá Alex,

      É exatamente este o ponto, focar mais na prevenção, onde temos capacidade de controlar a ameaça. Eu infelizmente tenho de lidar sempre com planos de contingência por me expor aqui pelo blog, mas sempre acreditei que vale o risco se estou ajudando outras pessoas.

      Nosso país está em guerra silenciosa, os números de homicídios são maiores que as “guerras declaradas” aí pelo mundo. Estando em guerra, devemos agir de acordo com o cenário e manter a postura o mais alerta possível, como você mesmo disse, sendo sobrevivencialista 24/7.

      Abraço.

  • a questão é que eles não são preparadores e nem sobrevivencialistas são pessoas que por um motivo ou outro não conseguiram ingressar nas forças policiais ou militares e como alguns sobrevivencialistas preparam um certo militarismo essas pessoas se atraem por isso como se fosse um modo de eles se sentirem policiais ou militares das forças armadas,,, porem nem sempre isso é uma coisa legal porque quanto mais militarizado o cara tenta ser mais idiotizado ele é, penso que em uma situação de crise verdadeira as primeiras pessoas a sofrerem seriam os que aparentassem essa pegada militar pois ou poderiam ser confundidos com agentes do governo ou invasores

    • Fala amigo,

      Realmente é complicado. Existem vários motivos para as pessoas se corromperem, infelizmente. Fato é que quanto mais militar você parecer, maior alvo você coloca em sua testa em caso de crise.

      Abraços.

  • Magnus Cascelli

    Vou dar um exemplo, recentemente descobrimos que bandidos estavam usando a rede Strava e pra descobrir onde os bikers treinavam e assalta-los. Como? Usando o app e se passando por bikers.
    Quem garante que nos grupos nao ha pessoas assim infiltradas? O texto fala de sobrevivencialistas sutis, e sutis temos muitos, aqui na minha cidade mesmo tem.
    Temos que ter muito cuidado com o que divulgamos na internet, e tambem com quais sobrevivencialistas nos relacionamos pessoalmente, as vezes aquele que voce considera parceiro ja pensa em te matar pra te roubar, é dificil saber mas geralmente essas pessoas dao algum sinal da sua personalidade e intençoes.
    Entao ficar atento aos detalhes de comportamento da pessoa quando voce esta pessoalmente com ela pode ajudar muito
    Nao devemos nos afastar mas ficar mais esperto e ter mais sigilo é a melhor defesa.

    • Fala Magnus,

      Curioso você dizer sobre esse exemplo, tivemos o mesmo problema aqui em Campo Grande – MS, até pior, na verdade. Os caras além de se passarem por ciclistas pagavam o plano premium e adicionavam várias pessoas, pois sendo assinante premium você pode saber quando seus “amigos” estão pedalando.

      Agradeço a complementação de conteúdo, realmente temos de tomar cada passo com muita cautela para não entregarmos ouro na mão de outros que nem conhecemos direito.

      Abraço!

  • fabiano oxust

    Mesmo que consigam meu endereço saberei a hora certa de fugir pois sou sobrevivencialista,ja me criticaram por falar q meu bol fica pelomenos 100km floresta dentro foi exatamente pensando nisso que coloco a selva como uma das primeiras se nao for a primeira opçao de fuga em um shtf muito longo ou sem volta.

    • Fala Fabiano,

      Legal, muito bacana. O ponto crítico do seu plano é exatamente o translado, ou seja, como percorrer estes 100km em segurança, fica a dica de que seria legal desenvolver uma série de meios de transporte e rotas alternativas.

      Abraços.

  • Quais as melhores formas de se proteger contra esta ameaça?

    Pior forma: continuar achando que o mundo é cor de rosa, que o bandido é burro, que armas são coisas ruins e que matar um agressor pra proteger sua família é errado.

    Melhor forma: Se preparar, como? Primeiro se informar, estudar a sério o mundo que te cerca. Se preparar psicologicamente. Expandir seus limites. Como? Refletindo sobre os estudos mencionados anteriormente e buscando os cursos mencionados no texto, um exemplo seria buscar fazer o curso de vigilante, cursos de primeiros socorros, procurar a cruz vermelha local, enfim, acumular conhecimento útil e necessário. Conhecer o mínimo sobre cutelaria, armas de fogo, bug out bag, edc, artes marciais. E se preparar para adquirir arma de fogo.

    Basicamente, quem lê e estuda absolutamente todo o conteúdo deste blog aqui já tem um norte de como se defender desta e de outras ameaças que possam surgir.
    De acordo com sua faixa etária, busque grupos escoteiros, servir exército ou cursos disponíveis. Não faça ficar parado sendo uma ovelha.

    • Conhecimento nunca é demais, e para mim é a principal vantagem em um mundo caótico, pois, com conhecimento útil, certamente irão pensar duas vezes antes de te descartar por qualquer motivo fútil.

      *Exemplo: quem sabe caçar, tem conhecimentos de saúde em geral, plantação de alimentos, etc…

    • Fala Paulo,

      Primeiramente agradeço pela sua complementação de conteúdo, é exatamente isso. Quanto mais conhecimento técnico, mais capacidade temos de reagir não só a esta ameaça, mas todas que podem se apresentar em um cenário de crise. Agradeço também o reconhecimento de ver o blog como fonte útil de informação!

      Abraços.

    • Excelente comentário. Depois que descobri esse site através do youtube, o meu modo de pensar e agir tem mudado muito. A informação é a chave para um bom preparo. As matérias e os comentários tem me ajudado muito, pois tem pouco tempo que descobri o sobrevivencialismo e ainda tenho muito para aprender. Concordo com o seu posicionamento em relação a matéria. Abraço

  • André Lobo

    Acho que alguns de nós, conforme lia o texto, ficaram pensando no combate. Como combater alguém com armas melhores, ou mais treinado? O negócio é estar melhor prepsrado e ser mais esperto. Não sei vocês, mas minha rota de fuga vai para áreas rurais. Nnão consigo deixar de lembrar dos vietcongs, sei que posso fazer inúmeras armadilhas por todo o perímetro, ou ficar em constante vigia. O problema é, armadilhas podem pegar qualquer um.

    • Fala André,

      Não poderia concordar mais com a sua estratégia, acho que realmente é a saída mais correta. Meu pai sempre me diz que “Enquanto eu corro, ele tem um filho vivo”. Evitar o combate é a melhor forma de vencê-lo.

      Abraços.

  • Impressionante como o humano consegue ser tão baixo. Em vez da criatura de preparar, de fato, para conseguir o seu, o maldito prefere pegar à força do próximo. O mais baixo ainda, é que o indivíduo faz questão de gastar um bom dinheiro e tempo nisso.
    O pior, é que gente desse tipo provavelmente conseguirá um grande grupo e muito forte.
    Júlio, forte abraço! 🙂

    • Fala amigo!

      De fato, temos a péssima tendência de procurar a saída mais fácil e alguns conseguem até ignorar os limites de respeito a outros seres humanos. Só o fato de “retirarmos a camuflagem” dos planos deles já é um grande avanço. Estar ciente da ameaça é o primeiro passo para superá-la.

      Abraços.

  • Gennaro Fattori

    Bom, creio que o melhor jeito de se defender, é se preparar da mesma forma que eles se prepararam, ou seja, adquirir armamentos e treinamento tático, porém não com a finalidade atacar e sim de se defender.

    • Olá Gennaro,

      É uma alternativa, o difícil é ter recursos ($$) para conseguir investir em armamento e ainda assim manter as outras áreas – alimentação, infraestrutura – em andamento.

      Abraços.

      • Marcos Figueredo

        Júlio, tudo tem o seu momento, UMA COISA DE CADA VEZ, isso é “IMPORTANTE”, repito, UMA COISA DE CADA VEZ, é tudo uma questão de sequencia, alimentação, infraestrutura, etc. Uma pessoa capacitada a usar uma arma pode passar esse conhecimento para outras do grupo, a mesma coisa para: enfermagem: mecânica: táticas de combate, direção ofensiva e defensiva, etc, o que não pode acontecer é de ninguém do grupo ter o minimo conhecimento sobre essas áreas.
        Armas de cano curto e longo são caras sim e infelizmente para a nossa realidade ficarão em algum lugar dentro das nossas prioridades, mesmo que sejam as últimas. Sobreviver em crises NÃO é essa maravilha de só ter que se preocupar com alimentos infraestruturas, rotas de fuga, equipamentos, etc, Isso é “BRINCADEIRA DE CRIANÇA”.
        Tenha em mente que VAI TER SIM que lidar com esses grupos PREDADORES, e se quiser viver e garantir a vida dos seus terá que LUTAR em pé de IGUALDADE com eles SIM. Se pensava que isso era BRINCADEIRA, pense outra vez.
        Grande abraço.
        ESTEJA PREPARADO (esse lema nunca foi BRINCADEIRA)

  • Eu já tinha pensado que esse tipo de individuo existisse, mas nao pensava que estavam tao proximos de mim…caso SHTF esses serao inimigos formidaveis de se combater, porem vejo uma vantagem em uma pessoa assim tentar vir ate mim…como nao tenho armas de fogo, ainda, se ate la eu ainda nao tive-las, elas virao ate mim 😀

    • Fala Michael!

      De fato é uma realidade assustadora. Ainda assim, o primeiro passo é saber da existência da ameaça, agora é pensarmos em conjunto para bolar uma estratégia eficaz para evitar o problema.

      Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s