SHTF School: Tomada de decisões em cenários de crise

Nós sempre esquecemos que quando uma crise acontecer muitas coisas serão diferentes.

Falamos sobre falta de comida, água limpa, café ou simplesmente falta de higiene. Nós também dizemos que as pessoas vão morrer por causa da grande quantidade de violência. Baseando-se na minha experiência tudo isso está certo, mas nós sempre esquecemos um simples fato: a pressão.

Um cara da minha rua trabalhava como técnico de computadores antes da crise. Foram aqueles anos onde os computadores começaram a ser adotados pelas grandes empresas. Ele era algo como “famoso” na área, então tinha uma boa vida, uma casa bonita, carro, família e todo o resto.

Quando a crise começou ele, assim como muitos outros, simplesmente ficou perdido. Enquanto o caos estava se espalhando pela cidade ele ficou olhando pela janela como as pessoas esporadicamente corriam pelas ruas para evitar tiros e bombardeios.

Ele monitorou quando as linhas de telefone caíram, assim como a eletricidade e a água. Mais tarde ele estava tentando “pegar” notícias na rádio que ele usava antes para ouvir futebol e outros esportes. O seu filho mais tarde nos disse que eles comeram um monte de geléia vencida simplesmente porque já tinham comido todo o resto.

Então um dia ele foi forçado a sair. Ele atrasou este momento o quanto ele pode, mas quando você vê sua criança e esposa ficarem famintos é muito difícil não fazer nada. Você vê aqueles perto de você ficarem cada vez em pior estado.

Eles o encontraram cerca de 300 metros de sua casa, alguns caras falaram que ele trabalhava para o governo e que estava tentando restaurar a paz.

Então disseram para que ele mostrasse onde ficava sua casa e depois atiraram nele. Quando entraram em sua casa o primeiro cara deixou seu filho inconsciente com uma pancada com a coronha do rifle. Depois, procuraram por ouro. Depois, brincaram com sua esposa. De qualquer maneira, mataram ela também, só a criança sobreviveu. Eu conversei com a criança e nós não falamos muitos detalhes, é raro ver pessoas falarem de detalhes daquele tempo. Muitas memórias ruins.

A história dele não foi a única naquele tempo. Talvez agora você possa pensar que ele morreu pois era estúpido, ou não estava preparado, ou não tinha uma arma… etc. Tudo isso está correto.

Eu prefiro pensar que ele morreu porque fez decisões quando estava sob pressão, pressão gigantesca…. E foram decisões erradas.

Ele esperou muito tempo para escolher o momento certo para sair e procurar por coisas úteis como comida, armas ou simplesmente se conectar com outras pessoas. Então um dia a situação acabou achando ele e o forçou a tomar uma decisão e agir sob pressão. Como eu disse, ele não foi o único homem a morrer dessa forma, muitos outros seguiram caminhos muito semelhantes.

O ponto é que a maioria dos sobrevivencialistas esquecem que em uma situação de sobrevivência nós também temos de tomar decisões sob pressão. Você pode ser um ótimo atirador, mas está pronto para ver seus entes queridos sofrendo e fazer decisões de vida ou morte? É mais difícil do que a maioria das pessoas pensam.

A lição aqui é que não podemos ser arrogantes por sermos preparadores ou sobrevivencialistas. Pensar que só por isso escapará primeiro… Você não vai se mostrar como mais corajoso e impressionar toda a vizinhança levando a primeira saraivada de tiros. Você também não pode ser extremamente cauteloso e ficar escondido até ficar sem provisões e sem escolhas a não ser sair lá fora.

Nós podemos nos preparar. O que lhe dá vantagem mental neste tipo de situação é o seguinte:

  • Você entende como o mundo mudou e que você tem que esquecer das regras antigas;
  • Você não deixa suas emoções dizerem o que deve fazer. Você planeja e não se coloca em situações que possuem apenas uma saída;
  • Você espera o pior, esqueceu os filmes de ação da TV e sabe que conseguirá usar somente as habilidades que está praticando hoje e realmente as domina.

Eu vi outros caras cometerem erros quando estavam sob pressão. Eu vi muitos serem baleados durante uma troca porque queriam de maneira muito excessiva as coisas do outro cara, como comida. A sua família estava em casa esperando por isso tão desesperadamente que ele simplesmente esqueceu o senso comum. Isso é o que faz as pessoas desesperadas fracas (e também perigosas, pois suas ações são controladas por emoções caóticas).

Os caras perceberam que ele estava desesperado, seguiram ele, fizeram uma emboscada, atiraram nele e pegaram as coisas de volta. Eles não mataram ele, ele sobreviveu com sequelas. O ponto aqui é que ele estava sob pressão para fazer o trabalho da forma mais rápida possível, então ele esqueceu o senso comum. Não seja esse cara.

Eu estou sempre encarando decisões críticas no meu trabalho diário na área de emergências médicas, e você? Já teve de tomar decisões difíceis estando sob pressão? Como se saiu?

Traduzido e adaptado do blog SHTF School por Julio Lobo

Anúncios

12 Comentários

  • Matéria interessante sobre o assunto :
    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/04/1620540-destruicao-e-falta-de-luz-fazem-vitimas-temerem-saques-em-xanxere-sc.shtml

  • Olá,guerreiro!
    Excelente texto!
    Me responde ae uma coisa,O que você aconselha fazer uma pessoa que se preocupa em estocar alimentos e fazer planejamento de fuga,mesmo estudando,trabalhando e todo o resto de uma vida comum e social,e as pessoas te taxarem de maluco ou paranóico?!
    Será que isso é comum entre os sobrevivencialistas ou são poucos os casos?!
    Adoro os seus vídeos e textos!
    Abração!

  • fagner duarte castro

    Eu cresci em uma vila muito violenta, onde alguns jovens membros de gangues viviam se matando todos os finais de semana era uma ” cidade de Deus” fui ver um carro de policia de verdade quando eu já era pré adolescente; antes eu só tinha visto pela televisão.
    Eu cresci em uma terra de ninguém, jovens que conhecia de vista, morriam pelas formas mais banais, ou por simplesmente estarem passando no lugar errado, na hora errada.
    Minha mãe ensinou a mim, e aos meus irmãos sobre “vivencialismo urbano” com conselhos valioso.

  • Julio tu é o cara

  • Já tomei decisões arriscadas sob pressão, mesmo assim apesar do despejo de adrenalina fui frio e acredito ter tomado as melhores decisões para o momento, no entanto os riscos eram especificamente destinados a minha pessoa, não desejo esse senário para ter que tomar decisões, devemos analisar friamente (sei que não é fácil quanto parece mais é necessário) as possibilidades e saídas para a situação ainda mais quando se tratar de vidas de outras pessoas ou familiares, não se exponha, procure analisar a situação a distancia, se não tiver certeza do que fazer não tome decisões por impulso, acredite as situações podem ficar piores.

    • Olá Amigo,

      Exatamente. Acho que a “coisa fica feia” quando nossas decisões afetarão diretamente familiares e entes queridos, aí realmente precisamos tomar cuidado com cada passo dado. Agradeço seu ponto de vista.

      Abraços.

  • Valdir Batista

    Mais um ótimo artigo. O que vemos é que muitos preparadores não são tomadores de decisões e vice-versa. Continue esse maravilhoso trabalho de alerta Julio. Parabéns !!!

    • Olá Valdir!

      Agradeço o apoio e concordo plenamente com seu ponto de vista. Muitos acabam por ficar tão extasiados com técnicas e equipamentos que acabam por não cultivar em si o mais importante, a forma de pensamento sobrevivencialista.

      Abraço.

  • por incrivel que pareça eu vejo os prevenidos aqui do grupo cometendo os mesmo erros ai de cima , justamente por terem feito a parte de prevenção que para eles e , guarda mantimentos e algums equipamentos , e curti a vida , afinal o basico da prevenção ele ja fez, ja um paranoico difilcilmente vai cair nessa, afinal ele sabe que o pior pode acontecer a qualquer momento e nao ve problema de sacrificar um pouco da curtição da vida , ele sabe que toda tragedia avisa com muitas variaveis , o prevenido ver uma ou duas no maximo.

    • Olá Januario,

      Entendo seu ponto, mas devemos também compreender que o termo “paranóico” já é negativo pois implica em alguém que deixou de viver uma vida saudável e vive baseando-se em preocupações e sofrimentos antecipados. Acho que precisamos ser prevenidos, ou seja, termos nossas preparações e principalmente o senso crítico para avaliar quais os riscos das atividades em que estamos entrando. Como eu mesmo disse, eu realmente curto minha vida da maneira mais saudável e intensa possível, porém sempre realizo uma análise de riscos em cima de tudo que faço.

      Abraços!

  • Ótimo texto, planejar as coisas é muito fácil, é tudo tão previsível, ai o improvável acontece, você se preparou só pra situação a ou b, ou as duas, e uma coisa X acontece… É aqui que vale o que você sabe e suas decisões, um exemplo sobre isso, quem acompanha the walking dead, na segunda temporada, Rick Grimes, sofre com isso, e se aconselha com Hershel, sobre tomar as decisões enquanto se identifica como líder, antes ele era apenas um policial em busca da sua família…e quando ele a encontra, de repente todo mundo aposta suas cartas nele…

    • Fala Saulo!

      Exatamente cara, temos de ter várias alternativas mas principalmente, Bons planos! A maioria dos planos que as pessoas me relatam não foram analisados a fundo e geralmente possuem problemas que não só levarão o mesmo à falha como também poderão colocar as pessoas em risco.

      Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s