Da fazenda à geladeira: Um vídeo chocante, verdadeiro e… Revelador de muita hipocrisia.

Sei que o blog têm de manter um caráter educacional e informativo, mas em alguns momentos é importante trazer pautas para reflexão. O que eu vou escrever aqui pode não agradar alguns, mas preciso emitir um posicionamento sobre o assunto.

Para os que não sabem do que se trata, está rodando um vídeo na internet sobre o processo industrial de criação/abate/manejo de carne que têm chocado muitas pessoas que o vêem (você pode vê-lo no final da matéria). O vídeo é sim muito feio e impactante, mas a reação das pessoas me deixou profundamente incomodado e revoltado. Grande parte dos comentários em redes sociais é definido em uma palavra: HIPOCRISIA.

O indivíduo fica todo sensibilizado com o sofrimento e abuso que os animais sofrem, mas não percebe que seus hábitos estão colaborando para a continuação e intensificação das condutas que ele “tanto abominou” no vídeo! Deixe-me explicar melhor.

Depois de ver esse vídeo, a única solução que pisca na minha cabeça é a SUSTENTABILIDADE. Até onde compreendo, estes processos industriais extremos foram criados pois eram a única forma de atender à crescente demanda mundial. Sabe o que causou esta necessidade? O ser humano, oras! O dia que nós paramos de criar nossos próprios bichos pela “comodidade” que o mercado oferece, nós concordamos com o desenvolvimento desses atos demonstrados no vídeo.

Não achem que estou fazendo promoção ao veganismo ou semelhante. Eu mesmo não imagino minha vida sem um belo bife na hora do almoço.

A grande hipocrisia ocorre exatamente aqui: O cara não quer ver animais passando por isso, mas quando falamos para ele criar suas codornas, galinhas, vacas ou seja lá o que ele quiser comer ele diz as frases de sempre como “Não tenho tempo” ou “Não sei fazer” ou “Vai dar trabalho”… Ou pior ainda, “Não gosto de comer galinha caipira”.

Na minha singela opinião, se você ainda quer comprar sua carne no mercado você não tem voz ativa nesse protesto contra a crueldade. É a mesma coisa do cara que compra droga do traficante mas é contra o tráfico…Entende a lógica?

Claro que sei que nem todo mundo tem espaço para criar animais, eu entendo! Não posso condenar ninguém por comprar comida no mercado se mora em um pequeníssimo apartamento na cidade. Mas por outro lado, se aqueles que tivessem tal espaço o fizessem, nós teríamos uma demanda mais controlada e com menos necessidade de ser suprida de formas tão extremas. Hoje temos tecnologia e técnicas para cultivar plantas e criar animais em espaços menores sem queda de qualidade na vida destes, basta pesquisa e dedicação.

Pense comigo: Ao invés de confinamentos teríamos várias casas deixando seus animais viverem uma vida mais digna e confortável, alimentados com comidas naturais e quando a hora de abate viesse, esta seria feita de forma ética e humana. Isso sem contar que você saberia a exata procedência da carne e teria um produto sem hormônios ou químicas para comer.

Minha maior descoberta quando comecei nestes projetos de autossuficiência foi a seguinte: Não é tão difícil nem tão custoso quanto você pensa, basta apenas pesquisar, criar coragem e trabalhar duro.

Em resumo, a prática sustentável foi abandonada pelo “conforto” da industrialização. Resgatar os velhos hábitos de criação e cultivo são a resposta para um mundo menos desumano e mais consciente… Ao menos ao meu ver. Novamente, peço desculpas se toquei na ferida de alguns, mas algumas vezes simplesmente não consigo evitar meus comentários.

Para os que querem ver o vídeo, segue o mesmo abaixo. Aviso que ele possui CENAS FORTES e que podem impactar “com força” algumas pessoas:

Até.