SHTF School: Tipos reais de sobrevivencialistas – O homem ruim.

types of real survivalists

Durante a crise eu era como um coringa, um faz-tudo. Coletor de recursos, lutador, defensor de minha família e também apenas um jovem que queria curtir a vida o quanto pudesse mesmo durante os tempos problemáticos.

Neste e nos próximos artigos eu quero falar sobre os tipos reais de diferentes sobrevivencialistas. Eu não quero julgar ninguém aqui. Se você vive uma vida normal, talvez saiba apenas um pouquinho do seu pensamento primitivo de sobrevivência, digo, o tipo de pessoa que você é quando uma crise ocorre e você tem que lutar pela sobrevivência. É importante saber que as pessoas mostram diferentes caras ou pensamentos quando a sobrevivência real ocorre.

Devo dizer também que não estamos falando de pessoas que acreditam ou não em Deus.

Nós todos vimos na TV estes preparadores que mostram suas provisões, falam sobre seus planos e ideias para quando a crise ocorrer. Eu vi uma mulher que está se preparando para algum cenário possível mostrando seu estoque de comida e falando de seus planos para a crise. Ela está armazenando um monte de coisas, muito mais do que ela e a sua família precisam pois ela acredita que haverão muitas pessoas que perderão tudo e ela planeja ajudá-los.

Eu admiro ela, é uma grande pessoa. Um ser humano que quer ajudar os outros é uma boa pessoa, ponto final. Mas quando a crise ocorrer ela vai cair. Desculpe por ser tão “negativo” mas quando as pessoas têm de decidir se elas ou a “moça legal” vão morrer, a resposta é fácil.

Quando a crise ocorre as coisas ficam de cabeça para baixo, então nada funciona como as pessoas imaginam. Todos estamos vivendo nossas vidas hoje e sabemos que pessoas ruins existem, mas estas pessoas estão mais ou menos controladas e/ou afastado da sociedade. Então nós não temos noção de quantas pessoas ruins existem ao nosso redor… você pode estar vivendo com um… você mesmo.

Quando a crise ocorreu eu fui violentamente acordado da ilusão, minha ilusão foi quebrada em pedaços quando vi o que as pessoas “normais” faziam para sobreviver. Então pessoas ruins e malvadas estarão por toda parte. 

O homem ruim

Eu conhecia um cara que antes da crise era um ninguém. Um trabalhador ordinário de uma fábrica de peças industriais. Na verdade eu nem conhecia ele direito além do cotidiano “olá” na rua ou a discussão sobre futebol na vizinhança. Ele vivia sozinho, parecia decente e tinha o típico costume de ir ao bar ou ao café com os amigos depois do trabalho. Se alguém perguntasse para mim eu o descreveria como “apenas um cara da minha vizinhança”, ou talvez, um “cara normal”.

Quando a crise ocorreu, ele surgiu como um dos líderes dos grupos locais. Ele era popular, tinha algo que fazia com que as pessoas quisessem segui-lo. O problema era que os que seguiam ele geralmente eram pessoas ruins. Ele era bastante semelhante a um psicopata.

Assassinatos, estupros, saques e todo o pacote tornou-se seu meio de vida naquele tempo. Para deixar as coisas mais claras aqui, eu preciso dizer que sempre que encontrava ele e o seu grupo na rua eu corria e me escondia, mesmo que conhecesse ele de sua “vida normal” como um cara decente.

Este cara era agora alguém muito diferente. Não era um filme, eu estava preparado para confrontar eles e lutar apenas se isto fosse a minha última opção.

Quão ruim eles eram?

Eles gostavam de pegar um cara de vez em quando e fazê-lo correr em campo aberto onde os atiradores de elite estavam ativos, se o cara sobrevivesse (raramente) aí eles mesmo atiravam nele. Se ele sobrevivesse aos disparos, aí ele poderia viver. Eles chamavam isso de “Deus vai decidir se você vive ou morre”.

Algumas pessoas têm uma espécie de carisma, ele tinha muito disso. Quando você adiciona o fato de ele ser uma má pessoa, você tem uma combinação explosiva. Ele era algo como um herói errado, um vilão, que pessoas mais fracas querem seguir. E vão obedecer aos seus comandos. Também adicione o fato de que ele vai lhe prover segurança e comida… isso conta muito também.

Eu estive uma vez no ninho deles, ou “quartel general” se quiser chamar assim. Era um lugar tirado de um conto de fadas estranho, ou algum pesadelo induzido por drogas.

No teto havia uma enorme bola de discoteca, na parede do lado um grande alvo desenhado com tinta e cheio de furos de balas. Algumas mulheres estavam caídas no sofá tremendo, bêbadas ou chapadas e olhando para mim.

Em um canto do chão havia um homem caído, não sabia se estava morto, bêbado ou só dormindo. Eu passei por ele com cuidado. Eu estava “usando” o meu estilo “não me importo” pois em situações como estas se você mostrar medo vai acabar em uma situação ruim. Por exemplo, poderiam lhe transformar em alvo apenas por diversão.

Parecer arrogante ou corajoso também não era boa ideia.

O “todo poderoso” estava sentado em um assento de ônibus tirado de algum lugar, tinha um chapéu na sua cabeça e usava uma espécie de terno. Se isso fosse um filme que eu estivesse assistindo, iria rir muito. Mas não era um filme e eu não ri nada.

Meu amigo que me trouxe lá me apresentou a ele e disse que eu precisava de rações de emergência. Este amigo funcionava como algo que me protegia ou coisa semelhante, mas logo eu percebi que como todos que apareciam por lá, estávamos dependendo da boa vontade do “líder”.

A primeira questão dele para mim foi “você vai ao show dela?”. Eu fiquei confuso, então ele mostrou um poster na parede anunciando um concerto que aconteceu um ano atrás em um mundo diferente. Eu não sabia o que dizer. Ele disse “eu posso conseguir ingressos para você” e eu disse “ok, obrigado”.

Ninguém sorri, um cara atrás dele estava desmontando uma metralhadora e lubrificando ela. De qualquer maneira, nós terminamos a negociação e eu fui para casa. Quando estava saindo ele disse “não se esqueça dos ingressos” com um sorriso enorme na cara.

Eu achei que ele fosse louco, mas ele não era nem um pouco. Ele simplesmente estava tendo uma ótima vida desde que a crise aconteceu e se divertia aterrorizando as pessoas para que elas sentissem seu poder. Ele vivia seu sonho onde tudo era permitido e não haveria punição da sociedade, apenas de algum cara mais forte e mais aloprado que ele.

Não há mais nada tão profundo e filosófico no comportamento e pensamento daquele cara. Ele era apenas um cara normal que se tornou ruim por que se apaixonou pelo poder e estava em um mundo sem regras onde poderia brincar. Ele viveu no lado ruim e rápido da vida. Ele gostava daquela situação de crise, mas não foi ela que criou ele… este lado dele estava lá o tempo todo, apenas esperou pela crise para sair e brincar.

Depois de algum tempo ele acabou esfaqueado até a morte e depois queimado. Eu também conhecia o cara que fez isso a ele e este conseguia ser ainda pior.

Este cara não estava sozinho. Quando a crise começou um bando de doentes e estranhos apareceram. O ponto é que você nunca sabe qual o tipo de pessoa que está vivendo ao seu redor ou até mesmo com você. Para piorar, como eu disse, este cara era alguém “normal” antes de tudo acontecer.

Além destes caras normais que se transformaram em malvados, existe todo um exército de criminosos e vadios esperando para uma crise acontecer para que eles possam ser algo como pequenos ditadores. Você pode ter certeza de que eles estão perfeitamente preparados para isso. Eles já vivem em suas próprias versões de crise, com regras próprias. Quando a crise geral acontecer eles estarão prontos, então vão surgir perfeitamente organizados e prontos para tomar o controle, sem se esconder e… serem muito cruéis.

Eu fiquei surpreso, era como “porquê de repente apareceram tantos homens ruins?”… A resposta é na verdade simples: Pessoas ruins estão à nossa volta, alguns estão cientes do fato que são maus (como criminosos, membros de gangues, etc) e outros vão ver a crise como a chance de realizar seus desejos secretos e submeter outros ao seu poder.

Então não tenha dúvidas de que quando a crise ocorrer você vai encontrar homens maus com certa frequência. Como você espera que as gangues locais da sua região ou homens maus vão ficar quando a crise ocorrer?

Traduzido do site: SHTF School

Anúncios

8 Comentários

  • Victor Moreira

    De que país é o cara que escreveu esses textos, e de que época ou crise são esses eventos?

  • Tem um filme muito bom que trata desse assunto: como as pessoas mudam e agem diante de uma crise. Se não me engano o nome do filme é “Efeito Dominó”. Vale a pena assistir.

    • O filme é o “Bank Job”, com Jason Statham?

  • Ops !!! … Acabei de comprar uma corda – 14/03/13 – (Corda Industrie 11 mm x 50 mt color) que não tem essa fita !!! … Ela é toda de “nylon”, tem uma capa e mais 15 finas cordas internas !!! … Será que fiz besteira ??? … Comprei aqui http://www.casadomontanhista.com.br/

  • Nós não vemos o mundo como ele realmente é, vemos de acordo com nossas lentes, nossos paradigmas.

  • Pra quem curte games, fica frase de sabedoria do jogo Skyrim:

    “The best techniques are passed on by the survivors.” — Gaiden Shinji,

  • Cara, o blog do Selco dá uma perspectiva nova e totalmente oposta da maioria dos blog de preppers que já vi. Melhor leitura dos últimos tempos e imperdível pra quem sabe inglês. Mudei muitos conceitos depois de ler todo.

  • Ah a verdade… nua, crua, e simples.
    É engraçado como as pessoas insistem em fugir da verdade.
    Conheço três porquinhos, um quer se preparar para dar comida e suprimentos para todos os que pedirem…
    outro pretende deitar e morrer …
    e o outro atira melhor que eu….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s