Falando um pouco sobre botas

Se existe um item que muitas vezes é negligenciado pelos sobrevivencialistas e todos os outros grupos que praticam atividades no mato são as botas. Sempre estamos falando de canivetes caríssimos, mochilas incríveis e muitos itens, mas poucas são as vezes que vemos pessoas falando sobre o que literalmente nos mantém em pé.

Vamos então discutir um pouco sobre esse assunto. Segue o vídeo:

___________________________________________________
Para os que preferem texto, aí vai uma versão com reduções e adições de conteúdo:

Geralmente ao pensarmos em como vamos ao mato a primeira coisa que nos vêm à cabeça são os itens que vão nos propiciar conforto, alimento e segurança… Mas estranhamente ninguém se lembra das botas. Se olharmos do ponto de vista histórico, um dos fatores mais desmotivadores para os soldados na guerra era ter bolhas nos pés. Já imaginou ter à sua mão um poderoso rifle, um batalhão todo de suporte e um pé todo estourado? De nada adianta o resto.

Pensando por essa ótica que decidi fazer este post para refletirmos sobre isso. Até que ponto o uso de uma bota compromete sua sobrevivência? Para mim, um calçado inadequado pode causar sua morte.

Não estou sendo catastrófico, mas imaginemos que você esteja no mato com um tênis urbano… o mais provável é que vai molhar seus pés, rasgar o tênis e isso se não sair escorregando em qualquer musgo que você pisar. Ou seja, à longo prazo um pé constantemente molhado é problema… e escorregando tanto assim, um tornozelo torcido é o mesmo que morte.

Dito isso, gostaria de mostrar à vocês alguns modelos de botas que tenho e porque as utilizei, salientando quais defeitos e qualidades cada modelo tem.

1º – Botas de trilha Bull Terrier

Tenho essas botas à mais ou menos três anos. São muito guerreiras, qualidade de construção ótima e o principal… custaram cerca de 85 reais. Não há como comparar a utilidade de um instrumento desses com os modelos esportivos de 500 reais que duram apenas um ano (minha opinião, é claro).

São impermeáveis até praticamente toda sua extensão, sua sola é bastante resistente e apenas depois de muito uso que se gastaram o suficiente para não poder utilizá-lo mais. Por outro lado, por ter um cano baixo você tem que sempre se atentar para não torcer o tornozelo durante suas travessias, visto que ela não cobre essa parte para protegê-lo. Outro aspecto é o fato de ela não poder cobrir a barra da calça, fazendo com que os carrapatos e outros insetos tenham livre acesso à suas pernas se você não estiver atento.

2º – Coturno do exército Brasileiro

Esse aqui é um daqueles que todo mundo tem ou conhece alguém que tem. O coturno brasileiro foi feito para atender as exigências do corpo militar, ou seja, é durável e barato (R$90 – 110), resumindo, usável. Você não vai encontrar estofados chiques por dentro ou qualquer outra tecnologia, muito pelo contrário, ele é construído de forma “bruta”. Esse aí em cima já tem uns oito anos de uso e continua no batente, apenas sua sola já está bem castigada… mas não impede seu uso ainda. Uma das grandes vantagens é seu preço e sua durabilidade, mas por outro lado seu conforto deixa a desejar inicialmente.

Uma das minhas recomendações é: Não compre um desses e vá para uma jornada logo em seguida com ele. Você tem que “lacear” ele primeiro, ou seja, utilize-o por curtos períodos primeiro para ele pegar o molde do seu pé e não lhe causar bolhas desagradáveis. Outro ponto complicado dele é o fato de não fornecer uma proteção contra água, ou seja, não é impermeável (não sei se é o meu modelo ou todos).

3º – Bota Tática Guartelá 

Esta é minha grande preferência. Essa bota está comigo a cerca de seis anos (bem castigados) e continua perfeitamente operacional. Sua sola continua praticamente intacta, estrutura sem rasgos e sem partes incomodando no interior. Apesar de ser um pouco mais cara (R$350,00) essa bota tem um conforto incrível por dentro e mesmo após seis horas de caminhada você continua se sentindo bem com ela nos pés.

É completamente impermeável e ainda assim seu pé não fica transpirando dentro dela. Suas junções são feitas à base de cola muito forte, pois as minhas não deram nem sinal de que vão começar a ceder (seis anos pessoal!). Seu bico é reforçado, então quando aquele pedaço de lenha cair bem onde está seu dedão você não vai sentir nada. Como pontos desfavoráveis posso citar seu preço (apesar de compensar cada centavo, é caro) e também seu peso. Após usá-la por um longo período e depois a tirar, vai sentir que está muito mais leve… diria que pesam cerca de 1,5kg… peso justificado pela qualidade robusta do material.

___________________________________________________________

Não sou um cara que liga para marcas e também não tenho dinheiro para comprar botas de trocentos reais, então dentro da minha realidade são essas as melhores opções que encontrei. Sei que existem botas supersônicas de 500$, mas ainda não vi necessidade de tê-las. Não estou agredindo quem as têm, muito pelo contrário, fico feliz que você tenha pensado em comprar um item top de linha para proteger seus pés.

Existem muitos outros modelos por aí que podem superar em preço e funcionalidade esses que demonstrei, como por exemplo as botas de construção, já citadas por diversas pessoas como uma escolha barata e incrivelmente durável. Todo mundo que já acampou ou fez jornadas sabe muito bem o quão ruim é ter uma bolha no pé atrapalhando toda sua diversão ou desempenho.

Compartilhe também suas experiências sobre o assunto nos comentários, ficarei feliz em ver outros pontos de vista!

Até.

Anúncios

51 Comentários

  • Ricardo Falcão

    Olá, eu estou testando um coturno que ganhei há um ano.. o nome é: mariano. Tem um ano que to ralando com ele todos os dias. Nem sinal que vai soltar nada. É impermeável, muito confortável e tem C.A. ! Indico, e olha que eu ganhei! Custa menos de cem reais. Mas está aprovado! Vale a pena, galera!

  • Estou procurando uma bota Boa pra trabalhos pesados, sou carpinteiro e os sapatos clássicos que eles nos fornecem estão me estragando os pés e pernas. Obrigado!

  • Um calçado para caminhar 52 km? Pode ser tenis comum? Pode me responder por e-mail?

  • Alex Oliveira

    Guartelá não indico de maneira nenhuma, caro para um produto que promete e não cumpre, desconfortável, escorrega em piso molhado, o solado que é vulcanizado ao cabedal (que deveria ser costurado e não vulcanizado) descola com o uso constante, resumindo, compra quem quer, acha bom quem não tem a menor preocupação com o bem estar de seus próprios pés, para não dizer que não recomendo, recomendo para os inimigos.

  • guartela eu indico…tem garantia,e e barato pra reforma pelo fabricante quando vencida a garantia. ja tive e recomendo e e otimo pra coluna tambem…ja no segundo coturno guartela.o primeiro que nao era tao top,durou cinco anos usando dirato,lavando sempre,pois era semi-impermeavel,agora pedi um cem por cento impermeavel. gurtela eu indico,nao e tao barato,mas vale o preço.

  • Marcus Luiz

    Uso uma Kallucci Magnum a uns 2 anos e pouco “Diariamente 365 dias do ano se passar um pano úmido parece que comprei hoje, extremamente confortável tem as mesmas características descritas da guartela atack já atravessei um riacho carregando minha esposa com agua até a altura do cano das botas nenhuma água entrou. infelizmente não acho na loja que compre mais o modelo mas acho que vou acabar indo em franca comprar mais 3 pares da mesma.

  • gostaria de saber
    o que é melhor
    bota ou coturno
    porque antigamente
    coturnos era desconforto
    mais hoje em dia chega
    a serem igualados as botas
    gostaria de sabee a opinião
    dos amigos aqui presentes

  • Olá amigo onde você comprou a bota Oakley?

  • Somente para contribuir, gostaria de relatar minha experiência com a bota Nômade (hoje Vento), modelo Finisterre. O uso com ela foi intenso, porém com baixa frequência. Usei ela por uns 4 anos aproximadamente. Calcei ela não mais que 30 vezes. Ontem ela abriu o bico, não aguentou o repuxo. Soltou quase metade do solado direito. Isso que já tinha perdido a impermeabilidade à água faz tempo. Me decepcionei, esperava mais dessa bota. Faltou uma costura prendendo a sola. Se fosse numa condição extrema, longe de casa, teria ficado à pé, pois andar com o solado solto não dá. No quesito conforto ela é nota 10, mas na durabilidade ela deixou a desejar. Além disso, O courino que cobre a parte superior do cano pouco depois que comprei descascou, dando um aspecto feio para a bota. Vou mandar ela para a fábrica para recolocar a sola, mas a confiança nela já não é mais a mesma.

  • Concordo plenamente, pois se seu equipamento soma dez mil reais e seu coturno é o de cem reais, me desculpe mas voçe não é um sobrevivencialista, se quer sobreviver tem que ter os pés em boas condições.
    Porém não dispresso botas baratas pois conheço as de cem e as de mil reais, e muitas vezes é a de cem que vale mil.
    Porém se voçe quer ium produto de primeira linha pense no Coturno Feline Armed Dry, tenho faz 1 ano e uso para paintball e atividades taticas de alto desempenho , ele ainda está em perfeito estado, porém eu uso e limpo, cuido muito bem.
    Produtos de alto padrão requerem o mesmo nível de manutenção

    ***NÃO ESTOU FAZENDO PROPAGANDA E MUITO MENOS BAIXANDO O NIVEL DE SEU PRODUTO, APENAS RECOMENDANDO MEU COTURNO***

  • uso coturno Dekalson , sinceramente acho , muito bom , nunca tive problemas ,além do preço que é muito interessante , pois é barato .

  • Robertocarloslendini

    Ja uzei varios tipos de botas cano longo coturno ,cano curto a verdade e que quando vc precisa atravesar um curso de agua aquela bota cara e impermeavel vai entrar agua ,por esperiencia aprendi que o melhor e uzar a bota apropriada para cada tipo de funcao ex: se for caminhar por longo periodo o melhor e caminhar com uma bota meio cano sola macia e ja alaciada vai evitar bolhas e sao confortaveis por longos periodo esperiencia propria .

  • Hugo Garrido

    Fala aí pessoa!
    Sei que este post é antigo, mas talvez seja útil pra alguém, assim como foi pra mim.
    Tenho 3 botas nômade (atual Vento) a Titã (super confortável, mas deixou de ser impermeável em pouco tempo), X-Pro II (muito confortável, mas tb já não resiste à água) e uma Comando da linha militar (confortável é a única impermeável até hoje) gosto muito delas, mas atualmente após ver o vídeo do batata sobre a bota de EPI dele procurei a marca e encontrei o modelo mais novo:http://www.vichi.com.br/Nobuk/4048_VCEN_2400_LV.php, adquiri e é muito confortável fiquei impressionado, dizem que se bem presa não entra água, vou para um camping selvagem em julho e vou testá-la, depois conto como foi, mas em relação à conforto superou a bota Comando da Nômade/Vento, paguei na bota Vichi cerca menos de R$130,00.

  • vitor hugo raposo

    Bom dia amigo gostei muito do post. Eu possuo uma guartela atack II porem meu solado não é o vibram ainda não troquei meu solado sabendo que tenho a garantia…o meu solado original é muito ruim em 01 ano de uso ele já acabou…alguma dica pra entrar em contato com o fornecedor? Este solado vibram é o melhor que nos temos por aqui! Abraço e obrigado…

  • Olá amigo poderia me informar que modelo que é aquela sua bota BULL TERRIER ??

    • Olá Welington,

      Cara, eu fiz o vídeo já faz um certo tempo e não tenho mais a bota, então não consigo lembrar o modelo dela.

      Abração.

  • raphaelheadbanger

    Eu sou adepto do coturno, discordando em partes do MRRG.

    Acredito que não precise ser o coturno DO EB. Existem outras marcas que fazem coturnos bons e baratos. Estou usando um Dekalson (fabricação gaúcha) a dois anos e ele continua firme. O bom é que eles personalizam (dá pra escolher cor, comprimento do cano, passadores “furinho” ou de metal, etc).
    Tem também os modelos da Atalaia, que possuem uma variedade enorme de solados, tanto de borracha quanto de poliuretano, modelos extra-leves e com grip pra diferentes terrenos.
    Ambas as marcas saem por menos de 100 reais no Mercado Livre.

    Usando a calça por cima do coturno, ele parece um sapato comum. Aguenta qualquer terreno e protege boa parte da panturrilha. Podem ser feitas diferentes amarrações nos cadarços, para mais aperto ou para ter o “quick release”, onde com um puxão você tira o coturno (em caso de ficar com o pé preso).

    O cano comprido firma o tornozelo, e dá pra usar a calça pra dentro, a fim de evitar que bichos e sujeira entrem. Outra vantagem é poder carregar facas e ferramentas dentro do cano.

    O ideal é surrar um pouco ele antes, usando todos os dias até ele pegar o formato do pé. Uma vez que ele esteja laceado, você poderá caminhar muito sem machucar os pés.

    É importante carregar meias extras, para ter meias sempre secas e evitar o “pé de trincheira”.

    Alguns coturnos são feitos para serem vedados, impermeáveis (até a língua, pelo menos). Outros são feitos para escoamento de água: esses possuem duas válvulas metálicas para que a água saia de dentro, caso você tenha que passar por um rio, por exemplo. Assim a água sai de dentro e você não fica caminhando com aquele peso extra (água) no pé.
    Mas o mais breve possível, parar, secar o coturno o quanto possível e botar meias secas.

    Pra finalizar, já ouvi muitos comentários de que o coturno do EB é muito mais duro e secão do que os modelos que compramos por aí, justamente por que precisam ter o custo baixo.

    Espero ter ajudado em alguma coisa.

    Abraço.

  • E as botas Vento X-pró, Armed,Titã, ect. São botas caras, mas acho impossível falar de conforto e não citar-las! Tenho também uma MILIPOL Comando, muito maneira na cor desert e muito confiável, além é claro de impermeável! O que vocês acham?

    • Olá Ramon,

      Infelizmente não conheço algumas das que você citou e outras não tinha à mãos para poder mostrar em vídeo. Provavelmente no futuro farei um remake dele comentando os modelos mais modernos e adicionais.

      Abração!

  • pessoal tenho um coturno da marca mariano é muitissimo boa porem tem um problema no fim do dia quando tiro dos pes minhas meias estao molhadas nao sei se é normal mas as minhas são assim

    • Mas você usa eles como militar ou no dia dia como civil?

  • Rafael Abreu

    Pessoal pra quem quiser comprar botas e outras coisas resistentes e boas entre nesse site aki falconarmas.com ou pesquise no google loja falcon armas

  • Pessoas, boa noite.
    Sou novo nesse site, encontrei por acaso.

    Falando em botas, tenho uma CAT, que uso no trabalho, na rua, no passeio.

    Como é que cuida do couro amarelo dela?
    Que tipo de resina que eu devo usar para preservar a camurça dela?

    É isso que quero aprender com vocês.

    Pela atenção, obrigado

    XERIFFE
    UHE Batalha

  • Eu uso um coturno no EB, tenho ele a uns 8 anos e está muito bom. Existem dois modelos, o leve com zíper, não impermeável, e o com cadarço (o meu) que resiste bem com água até o tornozelo. Acho ele bem confortável, pois tá bem amaciado e foi bem barato no quartel, coisa de 40 reais.

  • thiago dantas

    Cara seu vídeo falando sobre os tipos e dicas de botas ficou muito bom, parabéns. Mas gostaria de saber um jeito testado e comprovado de como amaciar, pois tenho uma bota e o couro dele é grosso e não sei como amaciar. Valeu e fica a fica para um vídeo.

  • Olá!!
    Mais uma vez eu digo… O barato sai caro!!!
    Tenho botas guartelá a mais de 9 anos!!! Estou na minha terceira, ando de moto diariamente, já subi o pico da Bandeira, já fui onde tem neve, já fui pra fazenda em Goiás onde o barro não é refresco na época de chuva!!! É lama pra encardir!!
    Não troco por nenhuma outra!!
    Já vi marcas famosas como Oakley que são duas vezes mais caras abrirem o bico… Tem outra marca americana, a Swat, que também não aguentou o repique das montanhas!
    Sim, é mais cara, mas também mais profissional, mais resistente, melhor….e com garantia pra vida toda..!! Pensem nisso!
    Tem gente que paga caro por produto importado achando que está levando qualidade….isso já foi assim!
    Quer andar com coisa barata..??? Compra um kichute!!! Se ainda achar..!! rsrs

    Comanf

  • Diz um site bom para comprar essas botas, mas que não estejam em um preço absurdo, pois ate agora só achei com preços acima de 200 reais

    • Olá Ana,

      Se você está em busca de botas como a Guartelá, provavelmente não irá achar abaixo deste preço. Pense a longo prazo, pois você irá pagar caro mas terá um calçado para longos anos.

      Abraços.

    • Olá, Ana. Se acima de R$ 200,00 você considerar absurdo, estará com sério problema. Um par de botas realmente interessantes sairá por cerca de R$ 400,00; um pouco mais, um pouco menos. Acrescento que botas tem de ser experimentadas “in loco”. Nunca compre sem isso. Virtualmente, nem pensar! Tem de por no pé, andar, subir rampa, descer, pular, girar, torcer, testar a sola (que não pode dobrar), verificar a quantidade de passadores (todos metálicos e não apenas furos ou de tecido), a altura do cano, a dureza da biqueira e muito mais. Impermeabilidade até o calcanhar, logicamente! Procure estudar a bota que sugeri em comentários anteriores e busque algo semelhante. Detalhe importantíssimo: Vá com meias grossas. O número certo será um ou dois acima do que você pensa que é o “certo”.

    • Abaixo desse valor existem os calçados de segurança, particularmente não utilizo nenhum outro: impermeáveis, solado grosso, leves, confortáveis, biqueira de aço, e a lista segue…
      Costumo utilizar os calçados da Vichi, linha Nobuck com cano alto, custa pouco mais de R$100

  • Philipe Martins

    acredito que as melhores botas para o mercado brasileiro atualmente são:
    Nomade e Snake.

    A Snake tem a desvantagem de “descascar” propriamente digo o solado. acaba muito rápido se utilizado em asfalto/indoor.

    Pelo que vi a Nomade corrigiu este erro da Snake para concorrer no mercado.

  • Bom dia, srs.
    Parabéns pelos trabalhos enviados.
    MRRG, não conheço o desempenho da Timberland Plymouth Trail GTX 44… Você diria que ela aguentaria o trampo de trabalho também (trabalho eventual de voluntário em construção, madeira, pintura, etc…)?
    Grato. David

    • Olá, David.
      Eu nunca as coloquei nessas situações que você sugere. Para essas, onde a bota pode manchar com tinta ou verniz, há que pensar. É uma bota de mais de R$ 400,00. Eu usaria, já que minhas duas são meus únicos calçados. Não tenho outros. Uso sempre e no dia a dia. Consultório, inclusive. Uma de cor preta (verde) e outra marrom. Alterno diariamente. Já as coloquei em terreno pedregoso, vegetação pesada e lama e continuam “novas”. Não descolou sola nem um pouco. Têm os riscos compatíveis. Mas não sou do tipo Bear Grylls. Sei quanto custaram e cuido. Secam tão rapidamente que parece mágica. Impressiona-me, até hoje.
      São melhores do que essas que o Julio mostrou. Incomparavelmente melhor do que uma que o Batata mostrou, há tempos. Comprei e estou contente. Mais, se possível, por saber que é muito difícil de encontrá-las no Brasil. Garantia “life time”. “Of course”!

      • Imcomparavelmente melhores… Sempre escapa um errinho.

  • Voce fez esse video antes ou depois de eu perguntar para voce sobre boot na sexta feira?

    • Cara, não lembro nem da pergunta pra ser sincero….rs. O que você havia perguntado?

  • Leonardo Dias

    Tenho uma Nômade Tryton que uso diariamente, até hoje não usei um tênis que fosse tão confortável quanto essa bota..respirável e mantém a película impermeável até hoje, o solado começou a descolar em um dos lados, mas nada grave..tenho ela a pouco mais de um ano e estou satisfeito..na época em que comprei, as botas da Guartelá também me chamaram a atenção.. pode ser minha próxima compra!

  • Muito bom o blog, acompanho sempre vcs.
    Tenho aqui comigo uma bota Guartelá a 8 anos, e aconselho principalmente por causa da ressola, pois já mandei a minha e voltou como nova com ilhós , cadarço e palmilha novas, e é bem resistente e confortavel.
    continuem assim sempre passando novas informações, para nós que já estava acostumado com nossos velhos e bons equipamentos.

    abrçs…TFA

    DRenzi

  • Numa loja de EPI adquiri o que chamam de tênis de segurança, utilizado por carteiros, leituristas, etc. O local que frequento tem uma trilha leve e algumas pedras então me pareceu adequado para meu propósito. Olha pessoal, vocês não tem noção da confortabilidade e resistência do bicho. Tô utilizando quase que direto. Se a esposa não brigar comigo coloco até para passear. E outra: já fazem uns 4 anos e tá novinho.
    Recomendo esta visita: LOJA de EPI – tem outras tranqueiras também muito interessantes.

  • Recomendo a todos assistirem este vídeo.

    Calma! Não se apavorem. Vão aos 13min e 57 s. Fala sobre calçados. Resume brilhantemente o que penso.

  • Estive refletindo sobre este assunto e percebi que faltou algo fundamental no seu texto, Julio. Meias. Tão ou mais importantes do que as botas. Um casamento indissolúvel. Fica, aqui, a missão juliana de produzir um texto convincente sobre meias.

    • Olá MRRG! Não sei se você viu o vídeo, mas lá falei no finalzinho que logo farei uma discussão sobre as meias também! A propósito, missão juliana é ótimo…rsrsrs.

      Abraços.

    • Opa, também fiquei interessada em saber mais sobre meias. Vai nessa Julio… missão juliana ativada.
      Gostei do post!

  • Bem lembrado! É muito importante cuidar dos pés e ter um bom calçado que vá proteger essa parte do seu corpo pois em uma situação de sobrevivência pés feridos são morte certa.
    Adquiri recentemente um coturno militar, desses do E.B., só o utilizei 2 vezes e nestas 2 vezes o calcei pro um longo período de tempo, mas não caminhei muito com ele…
    Até agora estou satisfeito com o calçado e não tenho nada à reclamar do mesmo.
    Uma dica prá galera, quando forem comprar os seus calçados tenham bastante atenção, confiram o calçado para ver se o produto não apresenta defeito de fabricação. Cuide bem do seu calçado para aumentar o tempo de vida útil do mesmo!

    • Olá Léo!

      A o coturno do EB é realmente muito bom, se é feito para usar na Guerra é porquê foi extensivamente testado em campo! É uma alternativa durável e barata… que aguentará bons anos!

      Abração.

      • O coturno somente é bom para as Forças Armadas; para o soldado, não. Explico. Ele é feito para durar e custar o mínimo possível. Os pés que se adaptem. Isso vem de uma concepção de que soldado é descartável; da cabeça de oficiais ensinados a mandar os outros para morrer e voltarem a dormir bem. Guerra é assim. Desumana. Se tivesse de escolher, preferiria um mocassim. Este calçado foi concebido por cultura conhecidamente humanizante.
        Se puderem lembrar, os carros eram construídos do mesmo modo. Até a década de 70, se ocorresse uma batida, o carro mal amassava, mas o motorista ficava moído. Atualmente, como na Fórmula 1, os carros se esfarelam facilmente e o motorista sai andando.
        As botas modernas vêm desse tipo de pensamento. O que interessa é preservar os pés. Usam películas que permitem manter o pé seco. Utilizam materiais resistentes e duráveis, mas que respeitam os tecidos do pé. E não exigem resistência equivalente do usuário.
        De que me adiantava usar um coturno, se o pé ficava cheio de calos e passava um frio danado? Se fosse a campo e molhasse na sexta-feira à noite, chegava no quartel no domingo com o dito ainda molhado. Os pés, então, nem conto. E não havia meia que resolvesse. Catástrofe. Não deixou saudades, garanto.
        Se precisasse comprar uma bota nova e barata, pensaria numa sugerida pelo tal “Batata”, em vídeo antigo. Até tentei achar uma, para testar, mas, acreditem se quiserem, na minha cidade, Curitiba, não tem a que eu queria. Falei até com a fábrica e nada. Nem o número provável meu (45 ou 46) pude provar. O representante não tinha. Teria de encomendar, desde que eu pagasse antecipadamente. Como assim? Nem provei, ainda.
        Ficarei com minhas Timberland Plymouth Trail GTX 44. Provavelmente, 45 ficarei mais adequado, mas não achei nem rezando. Tenho dois pares e são meus calçados oficiais e diários. Inclusive no consultório. Paguei R$ 420,00 na primeira, dividindo em dez vezes. O segundo par, dois anos mais novo, R$ 380,00, em doze. Garantia “life time”. Exemplifico: Um paciente meu, incentivado por mim, comprou um par Timberland Chochorua Trail GTX. Usou quase diariamente por dois anos. A sola descolou um pouco nas laterais, sem comprometer a vedação. Foi à loja em que comprou e saiu com um novo, sem custos ou perguntas. Seis meses depois, novos descolamentos. Saiu da loja com outro par novo, sem custos ou perguntas. Seis meses e voltou à loja. Irritado, mudou de marca (Caterpillar). Pagou apenas a diferença. Dois meses depois, tomou uma chuva no lombo. Arrependeu-se amargamente. Foi hilário ele descrevendo como sentia as gotas entrando pelos passadores dos cadarços. Não voltou mais a usar a malfadada. Eu nada falo. Mas rio, intimamente.

  • Trabalhei vários anos em uma empresa de energia elétrica e usava um calçado ocupacional, com isolamento elétrico, capaz de aguentar um tranco de 20.000 V. O solado é 1 polegada de borracha flexível, com uma biqueira de couro rígido. Também usei esse calçado em trilhas pesadas, como a estrada pra Castelhanos em Ilhabela, e ele voltou intacto. Diferente de vários tênis que usei uma vez e foram pro lixo. Não vou dizer a marca porque não é das melhores, alguns produtos vem com defeito, mas é possível encontrar uma infindade de modelos na Av. Tiradentes (SP), perto do quartel da PM. Você encontra um calçado ocupacional excelente por uns R$ 70, mas tem modelos de R$35. Em lojas de EPI tem coisas inacreditáveis em preço e qualidade.

    • Essas botas parecem ser bem boas mesmo! Elas são impermeáveis também? São confortáveis para se usar por longos períodos de caminhada? Nunca coloquei uma no pé…rs.

      Abraços.

      • Eu usava no dia a dia também, era o único calçado “normal” que não encharcava quando andava de moto em dias de garôa (pilotar moto é um belo teste de resistência pra botas e calçados). O solado grosso também não deixava entrar água quando pisava em poças. São calçados feitos pra chão de fábrica e construção civil, não são aquela coisa aeroespacial cheia de estilo dos calçados de marca, mas tem uma vantagem: o produto e a matéria-prima seguem padrões técnicos bem definidos. Eu não lembro de ter visto dados de resistência elétrica, conforto ou resistência do solado em botas de marca, mas na caixa do calçado de segurança você encontra as normas (ABNT 14834, 14836, 14837 e várias outras).

  • Bota Timberland Plymouth Trail GTX aqui. Excelente!

    • ALCEMAR FERREIR AJUNIOR

      Comprei uma Bota/coturno Dekalson. Em um mês, sem ir a campo e somente no uso diário o couro (?) furou. Sem qualquer uso continuo ou em condições extremas. O que o Srs veem escrito acima muitas vezes é apenas propaganda, Não comprem esse coturno. É barato, mas é porcaria.

      ALCEMAR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s