Falando um pouco sobre botas

Se existe um item que muitas vezes é negligenciado pelos sobrevivencialistas e todos os outros grupos que praticam atividades no mato são as botas. Sempre estamos falando de canivetes caríssimos, mochilas incríveis e muitos itens, mas poucas são as vezes que vemos pessoas falando sobre o que literalmente nos mantém em pé.

Vamos então discutir um pouco sobre esse assunto. Segue o vídeo:

___________________________________________________
Para os que preferem texto, aí vai uma versão com reduções e adições de conteúdo:

Geralmente ao pensarmos em como vamos ao mato a primeira coisa que nos vêm à cabeça são os itens que vão nos propiciar conforto, alimento e segurança… Mas estranhamente ninguém se lembra das botas. Se olharmos do ponto de vista histórico, um dos fatores mais desmotivadores para os soldados na guerra era ter bolhas nos pés. Já imaginou ter à sua mão um poderoso rifle, um batalhão todo de suporte e um pé todo estourado? De nada adianta o resto.

Pensando por essa ótica que decidi fazer este post para refletirmos sobre isso. Até que ponto o uso de uma bota compromete sua sobrevivência? Para mim, um calçado inadequado pode causar sua morte.

Não estou sendo catastrófico, mas imaginemos que você esteja no mato com um tênis urbano… o mais provável é que vai molhar seus pés, rasgar o tênis e isso se não sair escorregando em qualquer musgo que você pisar. Ou seja, à longo prazo um pé constantemente molhado é problema… e escorregando tanto assim, um tornozelo torcido é o mesmo que morte.

Dito isso, gostaria de mostrar à vocês alguns modelos de botas que tenho e porque as utilizei, salientando quais defeitos e qualidades cada modelo tem.

1º – Botas de trilha Bull Terrier

Tenho essas botas à mais ou menos três anos. São muito guerreiras, qualidade de construção ótima e o principal… custaram cerca de 85 reais. Não há como comparar a utilidade de um instrumento desses com os modelos esportivos de 500 reais que duram apenas um ano (minha opinião, é claro).

São impermeáveis até praticamente toda sua extensão, sua sola é bastante resistente e apenas depois de muito uso que se gastaram o suficiente para não poder utilizá-lo mais. Por outro lado, por ter um cano baixo você tem que sempre se atentar para não torcer o tornozelo durante suas travessias, visto que ela não cobre essa parte para protegê-lo. Outro aspecto é o fato de ela não poder cobrir a barra da calça, fazendo com que os carrapatos e outros insetos tenham livre acesso à suas pernas se você não estiver atento.

2º – Coturno do exército Brasileiro

Esse aqui é um daqueles que todo mundo tem ou conhece alguém que tem. O coturno brasileiro foi feito para atender as exigências do corpo militar, ou seja, é durável e barato (R$90 – 110), resumindo, usável. Você não vai encontrar estofados chiques por dentro ou qualquer outra tecnologia, muito pelo contrário, ele é construído de forma “bruta”. Esse aí em cima já tem uns oito anos de uso e continua no batente, apenas sua sola já está bem castigada… mas não impede seu uso ainda. Uma das grandes vantagens é seu preço e sua durabilidade, mas por outro lado seu conforto deixa a desejar inicialmente.

Uma das minhas recomendações é: Não compre um desses e vá para uma jornada logo em seguida com ele. Você tem que “lacear” ele primeiro, ou seja, utilize-o por curtos períodos primeiro para ele pegar o molde do seu pé e não lhe causar bolhas desagradáveis. Outro ponto complicado dele é o fato de não fornecer uma proteção contra água, ou seja, não é impermeável (não sei se é o meu modelo ou todos).

3º – Bota Tática Guartelá 

Esta é minha grande preferência. Essa bota está comigo a cerca de seis anos (bem castigados) e continua perfeitamente operacional. Sua sola continua praticamente intacta, estrutura sem rasgos e sem partes incomodando no interior. Apesar de ser um pouco mais cara (R$350,00) essa bota tem um conforto incrível por dentro e mesmo após seis horas de caminhada você continua se sentindo bem com ela nos pés.

É completamente impermeável e ainda assim seu pé não fica transpirando dentro dela. Suas junções são feitas à base de cola muito forte, pois as minhas não deram nem sinal de que vão começar a ceder (seis anos pessoal!). Seu bico é reforçado, então quando aquele pedaço de lenha cair bem onde está seu dedão você não vai sentir nada. Como pontos desfavoráveis posso citar seu preço (apesar de compensar cada centavo, é caro) e também seu peso. Após usá-la por um longo período e depois a tirar, vai sentir que está muito mais leve… diria que pesam cerca de 1,5kg… peso justificado pela qualidade robusta do material.

___________________________________________________________

Não sou um cara que liga para marcas e também não tenho dinheiro para comprar botas de trocentos reais, então dentro da minha realidade são essas as melhores opções que encontrei. Sei que existem botas supersônicas de 500$, mas ainda não vi necessidade de tê-las. Não estou agredindo quem as têm, muito pelo contrário, fico feliz que você tenha pensado em comprar um item top de linha para proteger seus pés.

Existem muitos outros modelos por aí que podem superar em preço e funcionalidade esses que demonstrei, como por exemplo as botas de construção, já citadas por diversas pessoas como uma escolha barata e incrivelmente durável. Todo mundo que já acampou ou fez jornadas sabe muito bem o quão ruim é ter uma bolha no pé atrapalhando toda sua diversão ou desempenho.

Compartilhe também suas experiências sobre o assunto nos comentários, ficarei feliz em ver outros pontos de vista!

Até.