Conheça o novo “sarcófago” que encobrirá Chernobyl

Sabe qual o principal problema de desastres nucleares? Eles simplesmente não somem. Depois de trinta anos, a radiação decorrente do desastre em Chernobyl continua sendo uma ameaça real e cada vez maior, visto que seu sarcófago está deteriorado e vazando material contaminado. 
O desastre de Chernobyl aconteceu dia 26 de abril de 1986, quando o reator 4 da usina de energia nuclear explodiu. Para evitar desastres de proporções gigantescas, equipes de trabalhadores doaram suas vidas para construir um grande “sarcófago” em volta do reator destruído, a fim de conter o material radioativo que estava sendo expelido.

chernobyl-broken-reactor-648
Destruição causada pela explosão do Reator 4 na usina Chernobyl

Quando digo que eles doaram suas vidas devo enfatizar que essa foi sem dúvida uma das ações mais heroicas que a humanidade já viu. Essas pessoas trabalharam em condições de morte garantida, apagando o incêndio, jogando concreto e construindo estruturas de metal próximo à um reator nuclear em pleno colapso. O motivo? Evitar que o reator explodisse novamente com uma força de quase 5 megatons – o que contaminaria a Europa inteira e a deixaria inabitável. 

Aqui cabe a resposta que Anatoli Zakharov, bombeiro que atuou nos primeiros momentos do desastre, deu em seu relatório:

“Nós sabíamos da radiação! Se nós tivéssemos seguido o regulamento nós não chegaríamos nem perto do reator. Mas era a nossa obrigação moral – nosso dever. Nós éramos como kamikazes.”

Anatoli morreu três semanas depois por conta da exposição a níveis altíssimos de radiação.

O sarcófago foi construído em 8 meses e é uma estrutura gigante de metal e concreto, com o nome oficial de “Obyekt Ukrytiye”, que significa abrigo ou cobertura. É estimado que dentro desse sarcófago haja mais de 200 toneladas de Corium radioativo, 30 toneladas de terra contaminada e 16 toneladas de urânio e plutônio.

O grande problema é que esta estrutura foi construída como um recurso de emergência, quando simplesmente não havia tempo para elaborar um projeto consistente. Por ter sido construído em cima das estruturas já fragilizadas da usina, o sarcófago nunca foi sólido e já era esperado que em cerca de 20 anos ele teria que ser reparado.

Contudo, aí veio o problema: Em 1996 foi considerado impossível reparar o sarcófago devido aos níveis de radiação altíssimos acima de 10.000 Röntgens por hora. Apenas como referência, o normal em uma cidade é em torno de 20-50 microröntgens por hora e uma dose considerada letal é de 500 Röntgens durante 5 horas.

Em 12 de fereveiro de 2013 uma sessão do telhado da usina ao lado do sarcófago acabou colapsando. Após análise de especialistas, estava claro que o complexo todo estava com alto risco de desabar, o que poderia expor todo o material radioativo ao ambiente mais uma vez.

roof-collapse.jpg
Sessão do telhado que desabou devido à deterioração da estrutura

Devido à situação inevitável, o governo Ucraniano decidiu abrir espaço para que diversos países apresentassem seus projetos de um novo sistema de contenção. Esse novo sistema deveria atingir os seguintes objetivos:

  • Transformar a região do reator 4 ambientalmente segura (conter os materiais radioativos no local para evitar contaminação de outras áreas);
  • Reduzir a corrosão e ação do tempo no sarcófago existente;
  • Diminuir as consequências de um colapso potencial do sarcófago existente, especialmente em termos de conter a poeira radioativa que seria produzida em tal colapso;
  • Permitir a desconstrução de estruturas instáveis do sarcófago com equipamentos remotamente operados;
  • Manter a contenção do material radioativo por, pelo menos, mais 100 anos.

Muitos países propuseram soluções, porém entre os 19 candidatos avaliados, o projeto britânico da empresa “Mammoet” (Mamute) foi selecionado. O projeto é bastante interessante pois, tem como proposta ser uma estrutura em formato de arco e será construída próximo a Chernobyl, para, só depois, ser deslizada para seu local final por meio de trilhos.

chernobyl_arch_464
As vantagens desse projeto são:

  1. Construir toda a estrutura longe da usina diminuirá as doses de radiação que os funcionários receberão;
  2. O arco entra de maneira bastante justa na estrutura do reator, permitindo uma melhor contenção;
  3. Um arco é estruturalmente mais forte do que um formato quadrado.

Essa estrutura de proporções gigantes terá uma altura de 92,5 metros e um arco com tamanho total de 245 metros – a estátua da liberdade caberia dentro de seu interior. Seu comprimento será de 150 metros e pesará mais de 2.024 toneladas quando estiver completa. Neste vídeo você pode ver todo o planejamento da construção da obra:

A obra foi iniciada em 2003 com objetivo de ser finalizada até 2005, porém seu prazo foi prorrogado várias vezes devido à complexidade do projeto e a data atual de possível finalização é 2017. Confira neste vídeo o estado atual da obra (filmado em dezembro de 2015):

Depois disso, o problema será resolvido?

Infelizmente não. Como dissemos no começo deste texto, radiação é uma coisa que simplesmente não some. Esse novo sarcófago será capaz de conter o material contaminado durante, pelo menos, mais 100 anos, mas novas ações terão de ser feitas depois disso visto que os materiais presentes no reator 4 continuarão perigosamente contaminados por estimados 20 mil anos.

Um simples erro humano causou um desastre que perdurará por um tempo incalculável. Centenas (possivelmente milhares) de vidas foram afetadas por esse acontecimento, e com certeza em um futuro não muito distante teremos de lidar novamente com a misteriosa e mortal Chernobyl.

Para conhecer mais sobre essa história e ver o estado atual da cidade de Prypiat – que fica em volta de Chernobyl e hoje está completamente abandonada – recomendamos este documentário:

No mais, estejam preparados.

Até.