Post do Leitor: Smartphone como ferramenta de sobrevivência

Atualmente quase todas as pessoas dispõem de um smartphone. O item, que é uma evolução dos aparelhos celulares convencionais, limitados a ligações, mensagens e outras funções simples, vem conquistando cada vez mais espaço no mercado e a preferência de uma grande diversidade de usuários.

Com vários modelos, especificações, hardwares e sistemas operacionais, esses aparelhos dispões de uma grande versatilidade e um poderoso poder de processamento, equipando o portador com um verdadeiro e robusto computador de bolso. Geralmente utilizamos os smartphones em diversas operações rotineiras como, por exemplo, tirar fotos, acessar redes sociais, jogar, ler, assistir vídeos e outras incontáveis aplicações. O que pouca gente percebe é que esses aparelhos podem ser grandes aliados dos sobrevivencialistas, tanto em situações rotineiras como em cenários de desastre e/ou instabilidade política.

Sendo assim, o objetivo desse artigo é discutir e apresentar conceitos da utilização dos smartphones como ferramenta primorosa para a sobrevivência, tendo em vista que situações críticas podem ocorrer em qualquer momento e em qualquer lugar e você certamente estará portando seu aparelho.

Conceitos Iniciais

O mercado apresenta uma grande diversidade de aparelhos. Fabricantes do mundo todo competem pela supremacia e liderança do seguimento, desenvolvendo aparelhos robustos e cada vez mais potentes. Câmeras de alta resolução, processadores quad-core, memória Ram… Estes são só alguns dos vários termos que são levados em consideração na hora da compra do smartphone. Mas o que um sobrevivencialista realmente precisa em seu smartphone? O que ele deve levar em consideração na hora da compra? Primordialmente, os seguintes itens:

  • A resistência física do aparelho: você não vai querer estar com um celular chinês de péssima qualidade em uma situação crítica. Aparelhos frágeis ou que apresentem pouca resistência provavelmente apresentarão defeito no primeiro impacto, fazendo toda sua preparação falhar. Atualmente várias empresas fabricam aparelhos voltados a atividades outdoor que são resistentes a poeira, pancadas de diversas intensidades e a prova d’água;
  • Duração da bateria: Obviamente em uma situação crítica a recarga do aparelho ficará comprometida. Nesses casos, quanto maior a duração da bateria, mais você poderá usar seu aparelho. Na hora da compra procure por aparelhos equipados com baterias de longa duração;
  • Quantidade e qualidade de sensores: Esse quesito é praticamente ignorado na hora de escolher um novo aparelho. Em uma situação emergencial, quanto maior o número de informações que você dispuser, melhor. E essas informações podem ser obtidas através do sensoriamento do smartphone. O Android, por exemplo, fornece suporte a uma série de sensores, dentre eles: acelerômetro, sensores de orientação, gravidade, giroscópio, luz, pressão e temperatura, localização, altitude, presença de campos magnéticos, contagem de passos… Estes são exemplos de dados que podem ser obtidos facilmente em qualquer smartphone atual. Além disso, não adianta ter um estação meteorológica no celular se os sensores não forem de qualidade. Dados equivocados podem facilmente comprometer sua segurança e um exemplo bem nítido disso é a navegação por GPS. Um modulo GPS impreciso no seu aparelho pode te prover informações errôneas e acabar te levando a um destino completamente diferente do que você esperava, podendo, inclusive, fazer com que você se perca;
  • Qualidade geral do aparelho: Qualidade nem sempre significa optar por uma marca de renome. Mas vale lembrar que marcas conceituadas, com grande presença no mercado nacional/internacional geralmente entregam produtos com uma qualidade acima da média, porém, essa questão depende do seu poder aquisitivo.

Itens indispensáveis ao smartphones dos sobrevivencialistas

Depois de entendermos os requisitos básicos de um smartphone preparado para situações críticas, vamos prosseguir com alguns itens que são indispensáveis para a sua preparação digital. Vale ressaltar que o intuído desse artigo é argumentar sobre alguns critérios relativos a utilização do smartphone como ferramenta de sobrevivência, por isso não me apegarei a marca de produtos ou aplicativos específicos. Vamos lá?

  • Livros: Com a crescente capacidade de armazenamento dos smartphones, levar livros em PDF (ou outros formatos) se torna uma opção bastante prática e cômoda. Podemos carregar um grande acervo de livros na palma da mão e consultá-los sempre que necessário. A escolha dos livros fica a seu critério, mas sugiro que disponhas de guias de sobrevivência, primeiros socorros, mapas da sua região, guia de nós, temas relacionados com a vegetação e relevo da sua localidade, guia de plantas medicinais e etc. Os guias de sobrevivência militares são uma ótima opção, pois são bastante completos e bem explanados;
  • Bateria extra: É obvio que em algum ponto, mesmo com o gerenciamento do uso da bateria (assunto abordado mais a frente) sua bateria vai acabar, e, dependendo da circunstância, pode te deixar em maus lençóis. Por isso é importante estar preparado e carregar uma bateria extra quando possível (nunca se sabe quando uma crise pode acontecer). Existem também baterias externas portáteis desenvolvidas com o intuito de carregar pequenos aparelhos como smartphones, tabletes e GPS. Elas são recarregáveis, tem uma grande capacidade energética e garantem um ou duas recargas completas para seu aparelho;
  • Carregador solar: Mais importante do que uma bateria extra é poder carregar seu aparelho com uma fonte de energia presente gratuitamente em todos os lugares, o sol. Se você não estiver no meio de uma erupção vulcânica ou em um inverno nuclear, o sol poderá recarregar seu smartphone sempre que você precisar. Carregadores desse tipo podem ser encontrados facilmente na internet e devem fazer parte do seu kit de preparação;
  • Itens de proteção: Se você não pode comprar uma aparelho ultra resistente e optou por um smartphone convencional, vale a pena investir em proteção extra. Capas, de todos os formatos e matérias, além de películas das mais diversas, são encontradas facilmente no mercado.

Aplicativos

Os smartphones são iniciados com programas básicos ao funcionamento, porém possuem uma capacidade de personalização quase infinita. Os aplicativos são programas desenvolvidos para uma determinada plataforma (o sistema operacional do smartphone), que executam e manipulam dados afim de alcançar um objetivo final. O WhatsApp, por exemplo, é um aplicativo comunicador instantâneo que possibilita a troca de mensagens, fotos, vídeos e outros arquivos através da rede móvel do aparelho. O que os preparadores/sobrevivencialistas quase sempre ignoram é que existem diversos aplicativos relacionados a sobrevivência, tanto urbana como no mato, direta e indiretamente. Segue uma relação de alguns aplicativos.

  • Ferramentas: Estar preparado é possuir um bom conjunto de ferramentas e saber utilizá-las em situações de estresse. Para smartphones, um bom conjunto de ferramentas pode ser sintetizado em: aplicativos capazes de calcular comprimento, ângulo, inclinação distância, altura, largura, área e etc. Existem diversas opções pagas e gratuitas, a configuração depende da sua preparação (para que você está se preparando?);
  • Bolha de nível e/ou medidores de inclinação: Creio que todos já viram ou ouviram falar da bolha de nível. Nada mais é do que uma ferramenta (geralmente utilizada na construção civil) usada para medir a inclinação de um determinado objeto. Júlio Lobo, por exemplo, precisou de um desses aplicativos em seu aparelho para mediar a inclinação dos canos na construção de sua horta hidropônica. O fato é que esses aplicativos são extremamente úteis na construção de abrigos, instalações e etc;
  • Conversor de unidades geral: Um aplicativo como esse é capaz de converter vários tipos de unidades. Além disso, uma tábua de medida é extremamente útil na hora de converter rapidamente uma unidade em outra sem a necessidade de realizar nenhum cálculo;
  • Bússola: Creio que todas as pessoas que estão lendo esse artigo sabem da importância da bussola na sobrevivência, seja ela onde for. Sendo assim, por que não carregar uma versão digital do acessório no smartphone? As bussolas “digitais” apresentam uma grande confiabilidade e precisão, assim como as de verdade, o que torna aplicativos desse tipo essenciais para nós. É claro que uma bússola digital não substitui uma bússola convencional;
  • Lanterna: Não precisa nem argumentar a importância desse item. É obvio que a luz produzida por seu celular não vai se comparar a produzida por uma lanterna LED de alta potência, mas luz nunca é demais, principalmente em situações de emergência;
  • Gerenciadores de bateria: Não adianta ter tantos aplicativos instalados, uma ou mais baterias sobressalentes e um carregador solar se você não possuir uma gerenciador energético eficaz. Diversos aplicativos foram desenvolvidos especificamente para a otimização das baterias, fechando aplicativos em inatividade e desligando recursos fora de uso. Com isso você consegue extender, e muito, a carga da bateria;
  • Pedômetro: Os pedômetros são aplicativos capazes de contar a quantidade de passos do indivíduo e calcular, com certa precisão, a distância caminhada por ele. Em uma situação emergencial provavelmente você terá de se locomover e um aplicativo como esse pode te auxiliar a gerenciar com mais precisão suas caminhadas além de auxiliar na navegação geográfica;
  • Calculadora: A maioria dos dispositivos vem com essa ferramenta pré-instalada, porém, em versões simples. Possuir uma boa calculadora poderá te auxiliar na resolução de contas mais complexas e facilitar muito a sua vida;
  • Navegador GPS: Já discutimos a importância da navegação por GPS na locomoção. Além de depender de um bom sensor, um bom aplicativo pode facilitar, e muito, a sua navegação guiada por satélite. Vale ressaltar que o GPS é suscetível a falhas mesmo em cenários cotidianos. Existem vários relatos, civis e militares, de situações onde o sistema de posicionamento geográfico falhou e colocou os envolvidos em perigo. Mesmo que você disponha de um aparelho extremamente confiável, vale aprender a se virar sem ele;
  • Mapas: O mesmo aplicado ao GPS pode se aplicar aos aplicativos sintetizadores de mapas. O Google Maps é referência no seguimento de mapas para smartphones, porém essa ferramenta necessita de conexão com internet. Em uma situação emergencial nem sempre é possível acessar a rede, portanto é importante baixar os mapas da sua região para acessá-los off-line, ou seja, sem acesso à internet. Você pode baixar o mapas facilmente, basta pesquisar como fazer na internet;
  • Apitos para cachorros: Vários aplicativos podem produzir som na frequência específica audível aos cachorros. Caso você queira ser encontrado por cães de busca, essa é a melhor opção;
  • Guia de nós e amarras: Em algumas situações, um nó mal feito pode representar perigo à sua integridade física. Existe uma grande variedades de nós e amarras empregados em ocasiões diferentes, tornando a memorização um pouco complicada. Para isso é importante ter um guia para consulta e revisão;
  • Localização de estabelecimentos: Aplicativos para a localização de estabelecimentos comerciais como supermercados e restaurantes são muito comuns atualmente, pois quem mora em uma grande cidade precisa dessas informações. Para que encontrar um supermercado em uma situação de crise? Simplesmente para encontrar uma fonte de recursos (alimentos, enlatados, ferramentas, água, etc.). Informação nunca é demais.

Como citamos anteriormente, as possibilidades de configuração do seu aparelho é praticamente infinita, existem diversos aplicativos para diversas funções, pagos e gratuitos. Você como sobrevivencialista/preparador deve ser capaz de analisar as suas necessidades e desenvolver uma configuração que seja funcional e prática para seu caso. O fato é que atualmente temos uma ferramenta extremamente útil em mãos e devemos integrá-la.

Autor: Thiago Nunes