Deslocamento tático em cenário de crise

Quando falamos de crises o tema das fugas, deslocamentos e evacuações são sempre recorrentes. Hoje vou usar os princípios do deslocamento tático para a nossa realidade.

Lembre-se que antes de iniciar uma jornada você tem de estar previamente preparado com a bagagem pronta, equipamentos configurados e em caso de veículo este deve estar abastecido e sempre em condições de viagem. Somente após estes elementos estarem prontos nós podemos continuar a pensar sobre o tema.

Existem quatro critérios a serem avaliados antes de iniciarmos um deslocamento:

Para onde vou: Você tem de saber exatamente qual o seu destino (se é um refúgio oferecido pelo Estado, seu próprio abrigo, etc). Sair do seu local sem saber para onde está indo só lhe trará mais problemas.

Por onde vou: Isto quer dizer qual trajeto você optará seguir. Saiba que o caminho deve ser o mais seguro e não o mais curto, afinal, sabemos o que aconteceu com a chapeuzinho vermelho quando ela decidiu pegar um atalho. Use rotas conhecidas, não aceite opinião de estranhos e só desvie do seu trajeto previamente planejado em caso de extrema necessidade, porém avalie os riscos antes. É melhor voltar e tentar outro dia do que se arriscar e não chegar.

Obtenhas informações prévias de como estão as estradas principais e as secundárias, sendo importante conhecer as estradas vicinais que dão acesso a localidades vizinhas. Esteja sempre alerta a modificações no trajeto, arvores tombadas, veículos quebrados, pontes destruídas.

Quando vou: Escolha o momento mais adequado para iniciar o deslocamento, prefira menor movimento, evite tempo chuvoso, viajar contra o sol ou com sol a pique. Esta pode ser a diferença entre ficar preso em um engarrafamento ao meio dia ou ficar preso no meio de uma enchente… ou no meio de um bando de zumbis (não pude perder a piada).

Como vou: Escolha a forma mais adequada de se mover em função dos pontos de apoio que você preparou previamente e tenha conhecimento de sua estrutura física para definir a distância e a quantidade de material que será transportado. Neste caso deve-se avaliar se vai a pé ou terá algum veículo, lembrando de deixá-lo sempre abastecido e em condições de viagem.

Lembre que a distância mínima de segurança de alguma ameaça é de quinze metros, então caminhe por onde você possa ter visão ampla de pelo menos 30 metros e de forma não ostensiva, ao menos que precise ser visto.

“Ah Diego um sniper te atinge a 500 metros” – Sim, mas quantos atiradores você conhece? Em caso de crise você realmente acha que encontrará um franco atirador esperando qualquer um para atirar e revelar sua posição? Acredito que não. Vamos falar de coisas mais palpáveis.

Procure se deslocar de um ponto de cobertura para outro, aproveitando o terreno, árvores e matas. Quando passar por áreas abertas mantenha a silhueta baixa, evitando “zig zag” e de forma rápida. Caso seja um grupo evite fazer deslocamentos separados, assim você chama a atenção de agressores e divide um grupo que unido pode ser mais forte.

Quando falamos sobre essa área é fácil escrever um texto enorme, mas hoje vamos parar por aqui e deixar que vocês emitam suas opiniões nos comentários. Qual a importância de se deslocar com eficiência?