Review: Taurus Raging Bull Modelo 444 – .44 Magnum

Há muito tempo que estou ensaiando em como começar a falar sobre um assunto bastante delicado aqui no Brasil, as armas. Fato é que não há como falar de sobrevivencialismo sem falar destes equipamentos tão necessários para defesa e obtenção de alimentos… Logo, nada mais justo do que começar com estilo. Lhes apresento o revólver Taurus Raging Bull .44 Magnum.

31571

Este canhão de mão foi desenvolvido basicamente para servir de equipamento secundário em caça de animais de grande porte como búfalos e ursos, visto seu grande poder de parada. No Brasil ele é admirado por colecionadores e usado para competições de tiro.

Para enfatizar o óbvio, o equipamento mostrado é legalizado e o local onde foi disparado é um clube de tiro. Sem muitas delongas, segue o vídeo que fala por si só:

Eu tive a experiência de manuseá-la relativamente por pouco tempo, mas pude compreender seu poder de fogo. Após disparos consecutivos você começa a sentir certo incômodo nos músculos do braço e um colega atirador afirma que após quarenta disparos seu braço costuma ficar bastante dolorido.

Enfim, espero que tenham gostado dessa “estréia” sobre a temática de armas aqui no blog, que apesar de breve e bastante enxuta, é um começo para a discussão deste tema tão amplo e de importância enorme para nós.

O que achou do Taurus Raging Bull 444? Acha que ele tem serventia para um sobrevivencialista?

 

Anúncios

27 Comentários

  • Nelson Cesar da silva

    É um sonho der um desse guanto custa uma máquina dessa

  • Martosantos

    Show a muito sonho em ter um desse sou atirador e tenh duas armas

  • O assunto é muito pertinente sobre o tema que estamos buscando atender. Mas em se tratado desse calibre e de um país que busca desarmar a população a todo custo, não seria muito viável adquirir uma arma dessas. Sou atirador, tenho várias armas (Legalizadas) e um obstaculo que encontro sempre é a munição. Esse calibre é considerado restrito de acordo com o exército, e sua adquisição já é um parto, e para priorar, para conseguir munição só através de repasse ou compra direta com o fabricante, o que dificulta sua estocagem. Gosto de calibre grandes, e estou numa encruzilhada, se adquiro uma arma calibre 45 ou se me contento com outra pistola em .380 mesmo, justamente por causa das munições que fica difícil de estocar. Na minha opinião quem não vai utilizar a arma como lazer e ir para um clube de tiro, deveria ir de 38 com munição +P+ que tem um bom resultado e a munição é mais fácil de arrumar. Já havia feito um comentário, mas esse é para complementar o assunto.

  • Esse Clube de Tiro realmente fica em Paranavaí – PR? sou aqui da cidade e nunca ouvi falar em nenhum clube de tiro por aqui..

    • Olá Gabriel,

      Procure pelo Tiro de Guerra.

      Abraços.

  • vi esse vídeo e lembrei desse post.

    S&W 500 faz a .44 parecer uma .22

    • Com uma munição do tamanho de um dedo… se é pra carregar uma .50, simplifique as coisas e compre logo um canhão, rss.

  • A arma impressiona… como toda Magnum 44, é algo, digamos… exuberante. Talvez você pudesse fazer um review sobre algo mais prático, digamos, mais usual. Não que a Raging Bull não seja interessante, mas no Brasil, a menos que você decida explodir a cabeça de um búfalo ou por uma parede ao chão, me parece que não teria muita utilidade prática.
    Já é uma grande sacanagem o preço da Taurus no Brasil, especialmente se comparado ao preço de mercado, mesmo os produtos nacionais são vendidos à terça parte do preço nos EUA. Não que eu seja perito em armas, mas a minha melhor arma é caseira e de pressão, e já supera um bocado uma 9mm (me refiro à potência, não qualidade)… E francamente, mesmo em potência reduzida não me imagino usando aquela geringonça fora do estande, não precisa ser muito experiente pra entender que uma pessoa de porte médio perde a precisão de mira dessa coisa em 18tiros talvez.
    Estava pensando em adquirir uma arma de fogo, só não faço isso devido à papelada, mas mesmo que fosse fazer… Talvez algo mais usável (Ao menos que dê pra chegar perto sem prestar contas até ao papa, rss).

  • Ótimo review Julio, essa arma realmente causa “impacto”, seja no disparo ou pelo visual. Mas acho que numa situação de sobrevivencialismo, ficaria com o velho 38 mesmo.
    Falando em reviews de armas, teremos um vídeo daquela shotgun mostrada de relance enquanto você municiava o 444?

  • Que arma ignorante! Apesar de impressionante, eu não colocaria meus limitados recursos nela. Preciso de uma pistola mais leve, que possibilite neutralizar múltiplos alvos mais rapidamente. Embora muita gente saiba os passos e dificuldades para compra e registro de armas de fogo, acho que um vídeo com dicas de quem já passou pelo processo pode ajudar pessoas como eu. Por exemplo, como funciona os testes psicológicos? é necessário pertencer a um clube de tiro, ou ter aulas com um instrutor licenciado basta? No teste de habilidade, você utilizará o mesmo armamento que pretende comprar, ou apenas o mesmo calibre? Enfim, são perguntas que eu me faço…

    • Olá Eduardo,

      É uma ótima sugestão de vídeo. Posso verificar como fazer algo do gênero sim, creio que vai ajudar bastante o pessoal. Obrigado pela ideia.

      Abraços.

  • Nos meus tempos de Exército, discutíamos bastante entre o 7,62 e o 5,56…
    Muitos argumentos debatidos lá são válidos aqui, mas basicamente era:

    calibres maiores = maior stop power X calibres menores = maior praticidade

    …pelo mesmo peso do Fz 7,62 municiado e com dois carregadores plenos, consegue-se levar o dobro de munições com um Fz 5,56. Porém, o stop power do 7,62 é muito maior do que o do 5,56.

    Em um cenário de crise, um 44 desses pode ser muito difícil de se utilizar, mas o impacto visual de ver alguém com um “canhão de mão” deixaria os inimigos, no mínimo, receosos…

    Além do mais, armas são apenas instrumentos, o que diferencia é as utiliza

    • Olá Ismael,

      Concordo plenamente contigo. Eu sou amante do calibre .22 pois além de ser barato e de fácil acessibilidade, é possível carregar literalmente centenas de balas em um pequeno bolso da mochila.

      Abraços!

    • Dizem também que o 556 é taticamente mais interessante, pois enquanto o 762 mata o cara na hora, o 556 o neutraliza e coloca outros companheiros do agressor fora de combate, pois teriam que socorre-lo.

  • É uma questão de estratégia, se voce for atacado por dois atiradores, vc pode estar com uma mini gun que possivelmente será baleado, não e o calibre que faz a diferença, sim o preparo mental. Entendo o motivo, mas não compraria a arma.

  • Show de video, show de revólver.. Júlio, você é CAC ?

    • Olá Leonardo,

      Não sou não. A arma não me pertence, pertence a um colega atirador. Quem sabe um dia terei uma dessas aqui comigo também…rs.

      Abraços.

  • Seria a minha escolha para defesa e sobrevivência!!!Mas como uma arma backup!!!Muito linda…!!!

    • Backup??? E qual seria a principal??

      • Uma arma mais portátil…Ou o velho e bom .38 enfim…opção é o que não falta!!!

  • Eu penso nisso, e tenho algumas armas e pretendo adquirir mais, mas como a burrocracia do Brasil é muito grande, vai demorar um pouco. Mas voltando para o assunto, tenho três armas, sendo uma Glock G25, um PT 59S e uma espingarda CBC calibre 12 (Todas legalizadas, sou CAC), e de todas, a Glock foi a que escolhi para defesa, devido a grande confiabilidade e por ser muito simples de operar. Não adquirir revolveres, pois sua baixa cadência de tiro e sua pouca precisão em um segundo disparo são fatores que me impede de reagir com força em um caso de injusta agressão. Os calibre que tenho com exceção da 12 não são páreos para o calibrão que é uma 44, mas pretendo resolver isso com a aquisição de uma Imbel 45 GC, que em caso de necessitar de mais poder de fogo ele resolve.

  • jose luiz bercillo

    gosto e armas de fogo, tenho registradas, acho válido embora para o nosso País seja demais pelo tipo de caça que possuímos,

  • Ótima arma..pena ser um calibre restrito no Brasil….

  • Oi, Julio.

    Olha, como curiosidade, ou backup gun para caçadores ou guia de caça de caça pesada na América do Norte acho uma arma válida. Mas esse calibre .444 Casull é só mais um “calibrão” a disputar o título de “mais poderoso”. Quando a Taurus estava desenvolvendo essa arma implorava a funcionários com tempo livre para dispararem essa coisa em testes, e poucos conseguiam passar de 5 tiros.

    Para situações de sobrevivência, e em especial defesa, se você tiver que enquadrar dois alvos simultâneamente vai ter problemas. Devido ao enorme recuo, o tempo para adquirir a segunda visada vai ser longo demais. Sem contar a absoluta impossibilidade de você conseguir mais munição em uma situação SHTF.

    Ainda assim, gostaria de ter uma, e estou me roendo de inveja por você ter atirado com ela e eu não…hehehehe

    Abraços invejosos…..

    • Bom dia existem os mais diversos calibres para os mais diversos gostos, sobre o 454 CASUL e não 444 casul é uma excelente arma, não acredito que na pratica o que não morrer com um tiro de 44mag vá morrer com um tiro de 454 casul, mas se o assunto é ser IGNORANTE da uma olhada no calibre para revolver 500 win mag.

      • Fui traído pelo .444 do título…verdade….é ,454

  • isso ai senhor julio lobo
    todo obra de arte começa com uma pincelada: estudada, cauculada
    estamos anciosos para ver essa obra prima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s