5 Soldados reais que fariam o Rambo parecer uma menininha

Encontrei este texto muito interessante na internet e mesmo que não seja diretamente ligado à prática sobrevivencialista, demonstra como o ser humano pode ser incrível em situações de combate. A linguagem é um pouco mais descontraída, espero que vocês se divirtam assim como eu me diverti.

Nós todos entendemos que os filmes de ação são super exagerados. Afinal, realmente um cara poderia acabar com um galpão cheio de caras maus?

Na verdade, sim. Acontece que os livros de história estão cheios de histórias de soldados fazendo coisas tão insanas que eles preferem não colocar em filme pois iria parecer mentira. Como estes cinco abaixo:

______________________________________________________________________________________________________

#5.
Simo Hayha

Quem ele era?

Simo Hayha tinha uma vida bastante tediosa na Finlândia. Ele serviu seu ano obrigatório no exército e se tornou fazendeiro. Mas quando a união Soviética invadiu sua terra natal em 1939, ele decidiu que queria ajudar seu país.

Já que a maioria da luta aconteceu na floresta, ele achou que a melhor maneira de parar a invasão seria pegar seu rifle enferrujado, algumas latas de comida e se esconder em uma árvore o dia todo atirando em russos. Sob dois metros de neve e 20 à 40 graus abaixo de zero.

Você consegue enxergar Haya? Nem os russos conseguiam.

Claro que quando os Russos ouviram que dúzias de seus homens estavam caindo e tudo por causa de um cara com um rifle, eles ficaram se borrando de medo. Ele ficou conhecido como “A morte branca” devido à sua roupa de camuflagem branca. Eles chegaram a montar missões apenas para matar esse único cara.

Eles começaram mandando uma força tarefa para encontrar Haya e matá-lo. Ele deu um fim em todos.

Então eles tentaram montar um time de contra – snipers (basicamente atiradores que matam atiradores) e os mandaram para eliminar Hayha. Ele matou todos estes, também.

Ao decorrer de 100 dias, Hayha matou 542 pessoas com seu rifle. Ele derrubou outros 150 com a sua metralhadora, subindo seu número de mortes confirmadas para 705.

Já que todos que eles tinham estavam ou mortos demais, ou com muito medo para chegar perto dele, os Russos simplesmente começaram a bombardear toda área que eles achavam que ele estivesse. Supostamente, eles acertaram a localidade uma vez e Hayha foi atingido por uma nuvem de fragmentos que cortou seu casaco todo mas não o machucou, pois ele é a maldita Morte Branca, diabos.

Finalmente em seis de março, 1940, algum bastardo sortudo acertou Hayha na cabeça com uma bala explosiva. Então alguns outros soldados encontraram ele e o trouxeram de volta para a base, ele “tinha metade da cabeça faltando”. A morte branca finalmente tinha sido parada…

… por uma semana. Apesar de ter sido acometido por um caso maldito de síndrome de tiro-na-cara, ele ainda estava bastante vivo e recuperou consciência no dia 13 de março, exatamente no dia que a guerra acabou.

O melhor que Hollywood pôde criar com história semelhante:

Bob Lee Swagger (Mark Wahlberg) de Atirador:

No filme Atirador, Mark Wahlberg atua como um ex atirador recluso e aposentado, tentando escapar dos fantasmas de seu passado. Bob Lee é chamado pelo FBI que quer saber se (hipoteticamente) alguém tentasse matar, digamos, o presidente, como ele (hipoteticamente) faria isso? Eles falam que ele é o “melhor que existe” pois com os treinamentos de tiros de longa distância, Bob matou 70 homens no deserto com uma dessas:

Por que não se compara:

Além do fato óbvio que Haya matou quase dez vezes mais homens depois de um treinamento militar básico, ele fez isso sob quarenta graus negativos e no meio da floresta. E ele fez tudo isso com um desses:

____________________________________________________________________________________________
#4.
Yogendra Singh Yadav

Quem era ele?

Yogendra Singh Yadav foi um soldado da cavalaria durante o conflito com Paquistão em 1999. A missão da tropa dele era escalar a “Colina do Tigre” (na verdade uma montanha do capeta), e neutralizar três casamatas no topo. Infelizmente, isto significava subir um paredão de gelo enorme. Como eles não queriam subir todos ao mesmo tempo com picaretas de gelo, eles decidiram mandar apenas um cara lá  pra cima para que ele colocasse cordas de fixação para que todos os outros pudessem subir de forma mais fácil. Yadav, sendo doido, se voluntariou.

Quando estava na metade do caminho no penhasco, os inimigos se estabeleceram em uma montanha adjacente e abriram fogo, atirando em todos com RPG’s e depois dando rajadas de rifle em todo o penhasco. Metade de seu esquadrão foi morto, incluindo o comandante… os que estavam vivos foram esparramados e desorganizados. Yadav, mesmo tendo levado três tiros, continuou subindo.

Quando ele chegou ao topo, uma das casamatas abriu fogo sob ele com metralhadoras. Yadav correu na direção da chuva de balas, jogou uma granada pela janela e matou todos dentro. Neste ponto, a segunda casamata tinha visão de tiro livre e abriu fogo, então ele correu até eles, tomando tiros enquanto o fazia, e matou quatro homens pesadamente armados dentro da casamata com somente suas mãos.

Enquanto isso, o restante de seu esquadrão estava parado no topo do penhasco olhando para ele e dizendo “Cara, que caraalh..!” E eles então foram e derrubaram a terceira casamata sem muita dificuldade.

Por sua coragem e bolas de ferro, ele ganhou a medalha Param Vir Chakra, a maior condecoração militar indiana. Diferente da Medalha de Honra, a Param Vir Chakra só é dada para “os atos mais raros dos raros que sobressaem o dever da coragem e que na vida normal é considerado impossível ser feito”. Exato, você tem de quebrar as leis da realidade apenas para se candidatar.

E nós imaginando que esta medalha parece dois testículos.

Ela só foi dada 21 vezes, e dois terços das pessoas que a ganharam morreram no processo. Inicialmente relataram que Yadav tinha morrido também, mas descobriram depois que subestimaram o nível de macheza dele. Ou eles simplesmente assumiram que nenhum ser humano real poderia sobreviver a uma perna quebrada, um braço em pedaços e 15 buracos de tiro de uma vez.

O melhor que Hollywood pôde criar com história semelhante:

John McClane (Bruce Wilis) de Duro de matar:

Por que não se compara:

McClane tinha um ótimo currículo de macheza, subindo por fossos de elevadores e matando terroristas apenas com suas mãos, assim como Yadav. Exceto que Yadav tomou mais balas em dez minutos do que McClane tomou em todos os filmes da série sem nem diminuir o ritmo. E mais, ele só tinha malditos 19 anos! Tente imaginar um Bruce Willis adolescente gritando “yippee ki-yay, filhos da mãe!”

Pois é.

________________________________________________________________________________________________

#3.
Jack Churchill

Quem era ele?

Um comandante aliado na Segunda Guerra Mundial e grande fã de surfe, Capitão Jack Malcolm Thorpe Fleming Churchill, também conhecido como “Jack Doido”. Este era basicamente o louco mais filha da mãe de toda a maldita guerra.

Ele se voluntariou para ser das forças especiais, sem saber exatamente o que isso era… mas sabendo que parecia perigoso e logo, divertido. Ele é melhor conhecido por dizer que “qualquer oficial que vai para a ação sem sua espada está vestido impropriamente” e, em seguida disso, por carregar a espada na batalha. Na segunda guerra mundial.

E era não uma daquelas espadas mariquinhas de cerimônias que os Marines têm. Não, Jack carregava uma claymore gigantesca. E ele usava ela, também. Ele têm o crédito de capturar um total de 42 membros de artilharia alemã no meio da noite, usando apenas sua espada.

Churchill e seu time foram designados para capturar uma fortificação alemã criativamente chamada de “Ponto 622”. Churchill pegou a liderança na frente do grupo no meio do escuro e passando por arame farpado e minas, desativando granadas enquanto passava. Mesmo que sua unidade fizesse o melhor para acompanhá-lo, todos os seis companheiros dele se perderam por coisas bobas como morrer. Destes seis, metade foram feridos  e  então um balaço de morteiro terminou o serviço em todos, exceto em Jack Churchill.

Quando os alemães o encontraram, ele estava tocando “Vocês não voltarão de novo?” em sua gaita de fole. Ah, nós não falamos isso? Ele carregava ela perto de sua espada.

Depois de ser mandado a um campo de concentração, ele ficou entediado e saiu. Ele apenas saiu caminhando. Eles o pegaram e o mandaram para outro campo. Então ele saiu de novo. Depois de andar quase 400km com apenas uma lata enferrujada de alho, ele foi encontrado pelos Americanos e devolvido aos Britânicos, onde ele exigiu que fosse mandado de volta para o campo, porém para sua decepção, a guerra tinha acabado quando ele estava a caminho do Japão. Como ele disse mais tarde para seus amigos, “Se não fossem os malditos Yankes, nós poderíamos manter a guerra rolando por mais uns dez anos!”

O melhor que Hollywood pôde criar com história semelhante:

Colonel Bill Kilgore (Robert DuVall) de  Apocalipse Agora, filme que tem a fama da frase  “Eu amo o cheiro de Napalm pela manhã”.

Por que não se compara:

Bom, a verdade seja dita, eles são a mesma pessoa. Eles dois estavam em casa no campo de guerra, tinham a mesma filosofia de guerra e ambos pareciam serem imunes a morteiros, fogo e balas. Churchill é basicamente uma versão mais louca, escocesa, de Kilgore. Com uma gigantesca espada. Como se Kilgore fosse representado pelo cara do filme  “Coração valente” usando metanfetamina.

____________________________________________________________________________________________________

#2.
Alvin York

Quem era ele?

Nascido em uma família de fazendeiros caipiras do Tennessee, Alvin York passou boa parte de sua juventude ficando bêbado em bares e entrando em lutas absurdas em festas. Quando seu amigo foi morto em uma destas brigas, ele parou com o Licor e se tornou um pacifista. Quando ele recebeu sua convocação para a guerra em 1917, York escreveu que não queria ir, mas não teve jeito. Eles enviaram a bunda dele para o campo de treinamento.

Depois de um ano, ele era um dos 17 homens designados para rastejar por trás de uma casamata fortificada de metralhadoras que cuidava uma ferrovia alemã. Enquanto eles se aproximavam os atiradores viram eles e abriram fogo, despedaçando nove homens rapidamente.

O que tinha sobrado da tropa de York.

Os poucos sobreviventes não tinham bolas de ferro e correram, deixando York parado ali e tomando tiro de TRINTA E DUAS metralhadoras pesadas. Como ele disse em seu diário:

“Eu não tinha tempo de me esquivar sob uma árvore ou mergulhar em um arbusto, eu nem mesmo tinha tempo de me ajoelhar ou abaixar. Eu não tinha tempo para fazer nada além de ver os atiradores alemães  e dar a eles o melhor que eu tinha. Toda vez que eu via um Alemão, eu o derrubava. Primeiro eu estava atirando na posição deitada, do mesmo jeito que nós atirávamos em palitos de fósforos nas montanhas do Tennessee; e era a mesma distância. Mas os alvos eram maiores. Eu simplesmente não conseguia errar a cabeça ou corpo de algum alemão a essa distância. E eu não errei.”

Depois que ele matou os primeiro 20 homens, um tenente alemão pegou cinco caras juntos para flanqueá-lo e matá-lo pelos lados. York puxou sua Colt .45 (que só tinha oito balas) e matou todos eles com ela, uma prática que ele tinha por “atirar em perus selvagens em casa”.

Neste momento o tenente Paul Jurgen Vollmer gritou por cima da barulheira se York era inglês. Veja, na Segunda Guerra Mundial, ninguém levava os americanos a sério e todos pensavam neles como os novatos. Vollmer achou que este doido/incrível/macho soldado tinha de ser alguma espécie de super homem inglês que estava mostrado aos americanos mariquinhas como a coisa era feita. Quando York gritou que era Americano, Vollmer respondeu “Meu Deus! Se você não atirar mais eu faço meus homens se renderem”.

Dez minutos depois, 133 homens sairam andando na direção dos restos do batalhão de York. O tenente Woods, superior de York, pensou que era um contra ataque alemão até que ele viu York, que o cumprimentou e disse “Soldado York reportando com prisioneiros, senhor”. Quando o oficial abismado perguntou quantos, York disse “Sinceramente, tenente, eu não sei”.

O melhor que Hollywood pôde criar com história semelhante:

John Rambo de Rambo.

Por que não se compara:

Claro, Rambo consegue aguentar uma grande quantidade de soldados Vietnamitas guardando um campo de prisioneiros e assassina todos. Mas isso era cerca de 10 anos depois da guerra acabar. E eles não estavam esperando algum cara correndo para o campo, moendo todo mundo.

York mostrou sua macheza no meio da guerra, enquanto estava em menor numero e bem pior armado do que o Rambo estava. E York era o que se considerava pacifista.

________________________________________________________________________________________________

#1.
Audie Murphy

Quem era ele?

Quando Audie Murphy se inscreveu para os Marines em 1942, na idade de 16 anos, ele tinha 1,65m e pesava 49kg. Eles riram da cara dele. Então ele se inscreveu para a força aérea, e eles também riram dele. Então ele se inscreveu para o exército e eles acharam que poderiam usar um ou outro coitado para absorver o fogo inimigo, então deixaram ele entrar. Ele não era muito bom nisso e eles até tentaram transferi-lo para a cozinha depois de ele ter desmaiado na metade do treino básico. Ele insistiu que queria lutar, então o mandaram para Maesltrom.

Durante a invasão da Itália ele foi promovido para Soldado devido a sua incrível habilidade de tiro. Ao mesmo tempo ele contraiu Malaria e teve de ficar doente durante quase toda a guerra. Tente se lembrar disso.

Ele foi enviado para o sul da França em 1944. Ele encontrou uma equipe de alemães que fingiu que estava se rendendo e então atiraram no seu melhor amigo. Murphy perdeu a cabeça, matou todo mundo dentro da casamata e usou o armamento deles para matar qualquer alemão em 300 metros de raio, incluindo mais duas casamatas de metralhadoras e um bando de atiradores de elite. Eles deram para ele a medalha de Serviço distinto, e o tornaram comandante do pelotão enquanto todos se desculpavam por terem o chamado de “baixinho”.

Cerca de um ano depois, sua compania recebeu o trabalho de defender Colmar Pocket, uma região crítica na França, mesmo que eles apenas tivessem 19 caras (de um total original de 128) e alguns veículos M-10 anti tanque.

Os alemães apareceram com uma caralha@*& de armas e meia dúzia de tanques. Já que os reforços não estavam vindo por um tempo, Murphy e seus homens se esconderam atrás das trincheiras e mandaram os M-10 fazerem a limpeza. Eles foram transformados em destroços.

Então, este guri de 1,65m com malaria correu até um dos desabilitados M-10, subiu atrás da metralhadora .50 e começou a matar tudo que entrava na mira. Entenda que o M-10 estava pegando fogo e tinha um tanque cheio de gasolina… era basicamente uma bomba.

Ele realmente era um cara pequeno.

Ele continuou por quase uma hora até que não tinha mais balas, então voltou para seus homens abismados enquanto o M-10 explodia no fundo, no estilo Mad Max. Eles deram a ele literalmente todas as medalhas que podiam (33 no total, mesmo que ele tinha algumas duas vezes, mais cinco da França e uma da Bélgica), incluindo a Medalha de Honra.

Depois da guerra ele caiu em estresse pós traumático e receitaram a ele antidepressivos. Quando ele ficou viciado na droga, em vez de entrar em algum programa de reabilitação como qualquer pessoa normal, ele estufou o peito e se trancou no quarto de um hotel por uma semana e superou o vício. Ele escreveu uma auto biografia com o título de Até o inferno e de volta, e depois se tornou ator.

O melhor que Hollywood pôde criar com história semelhante:

Audie Murphy (Audie Murphy) de Até o inferno e de volta:

Ele realmente era baixinho.

Neste filme, Audie Murphy atua como Audie Murphy, um heroi de guerra macho que prova seu valor no campo de batalha com macheza incrível. O filme foi um dos com maior orçamento que a Universal fez, um recorde mantido por vinte anos até a filmagem de Tubarão. Isso mesmo, eles precisaram de um filme sobre um tubarão gigante comedor de gente para ganhar do nível de loucura de Audie Murphy.

Por que não se compara:

Quando um produtor de Hollywood queria fazer um filme baseado na biografia de Murphy, ele estava determinado para colocar o próprio Murphy no filme. Murphy tinha medo que as pessoas vissem o que a história completamente insana tinha a oferecer e pensar que ele estava tentando embelezar ou ganhar dinheiro com a fama, então ele teve de tirar partes da história com medo de que elas não fosse “acreditáveis” para a audiência de Hollywood. Sério.

Adaptado e traduzido do Cracked.com

Qual das histórias acima vocês acham mais incrível? Eu acho que faltou o grande Vassili Zaitzev, mas Simo Hayha não fica nem um pouc0 para trás.

Anúncios

20 Comentários

  • Papo de soldado é o que mais tem’. …

  • Murphy é realmente o número um, entrar em um tanque de gaze praticamente explodindo conseguir executar a missão e pôs a guerra entrar em depressão pisicose si viciar em remédios e ter coragem de si trancar no quarto por uma semana e conseguir vencer o vício da depressão e as pisicoses da guerra sozinho, tem que ser muito macho mesmo salve Murphy eterno Murphy sem desmerecer os outros é claro.

  • ou o soldado “milhoes” um soldado portugues da 1ºguerra mundial ele e o batalhao dele tinha ordens para se retirarem-se mas ele ficou e so ele com uma metrelhadora e ele derrotou SOZINHO uma ARMADA INTEIRA ALEMA

  • Pra mim o morte branca foi melhor.ninguem pegava o cara era tipo um fantasma acho que o lider dos inimigos invasores.nao consiguinha viver rs sabendo que um cara de rifle inferrugado fanzendeiro.podia estar com acabeca dele na mira.e tipo.pow e vc vai pro saco fil rsrs

  • Ah sim como um japones que passou 29 anos lutando apos a guerra ter acabado! Ele ficou esses 29 anos na floresta escondido

    • Erick Tamberg

      Este foi o tenente HIROO ONODA. A história dele é contada no livro autobiográfico “Os Trinta Anos de Minha Guerra”.

  • lindo as histórias

  • Featherstrong

    Symo Haia sem dúvida é o maior ícone quando o assunto é um super soldado.

    Quando a atuação da FAB, ou até mesmo por atuações americanas como D Day, são de pequena importância no curso da Guerra e ponto. Não obstante, foi uma maneira de marcar presença e garantir uma fatia da glória Russa. Se há soldados que, independentemente de sua ideologia devem ser respeitados, são os Alemães, que, apesar do propósito, carregaram a guerra toda em suas próprias costas, lutando contra praticamente o resto do mundo.

    • Paulo hetfield

      Poiseh ha muitos herois de guerras e super soldados

    • Errado.É brutalmente diferente você ficar escondido como um sniper atirando em quem está na sua mira sem poder lhe ver, de caras que enfrentam o inimigo em Campo aberto, como o York que enfrentou de frente 32 metralhadoras.

  • Sem contar os três heróis brasileiros que lutaram na Segunda Guerra tão bravamente que, quando foram mortos, foram devidamente enterrados e sobre suas covas foi colocada uma placa com os dizeres: “Drei Brasilianische Helden”

    • Sim… traduzindo “Três Herois Brasileiros”

  • FERNANDO P. N. JUNOR

    Laudelino
    16/04/2013 às 23:23
    Aqui, como vc bem mostrou, também temos nossos VERDADEIROS HERÓIS, infelizmente são esquecidos, como sempre, por todos nós OS BRASILEIROS!!!
    Agradeço=lhe pelos textos!!

  • malditos sujos e porcos , que ocultam a verdade de todos. SILVESTRE um idiota e o hesto de Holywood, fdp.

  • O maluco com a espada foi hilário. Só podia ser escocês mesmo.

    • Escoceses são os melhores!!!

  • Muito bom !
    Tivemos alguns por aqui:
    Apollo Miguel Rezk
    Em 12/12/1944 em Monte Castelo, comandando seu pelotão, o Ten Apollo conquistou importante posição alemã, após violenta batalha. Pela bravura demonstrada nessa ação, o Ten Apollo foi agraciado com a Medalha “Silver Star”, pelo alto comando americano. Entretanto, o Ten Apollo viria a demonstrar, novamente, sua coragem, determinação e desprendimento quando em vinte e quatro de fevereiro de 1945, conquistou La Serra, à frente de seu pelotão, atravessando extenso campo minado e sob pesada resistência inimiga.
    Ferido e em posição vulnerável, conseguiu suportar os contra-ataques dos alemães e, apesar do poder de fogo inimigo, logrou repeli-los e ainda infligir-lhes severas baixas. Por essa magnífica atuação, o Ten Apollo, já no hospital de campanha, ouviu pela rádio BBC de Londres a seguinte notícia:
    “O Comando Aliado na Itália resolveu louvar um Oficial da Força Expedicionária Brasileira pelos seguintes motivos: cada ação em combate é um pretexto para evidenciar suas belas qualidades de soldado e sua excelência no comando do pelotão, conduzindo a sua tropa ao objetivo com o exemplo da sua própria coragem.
    Conquistou La Serra, em cujas ruínas se manteve até ser evacuado, ainda lutando, algumas horas depois de gravemente ferido. Sua posição estava cercada de metralhadoras inimigas, a esquerda, à frente e a direita, seis ao todo, as mais próximas distavam cerca de 15 metros do objetivo alcançado e as mais afastadas, 80 metros.
    Suportou contra-ataques e esteve cercado durante quase toda a primeira noite. Fez cinco prisioneiros.
    Ferido em combate às 23 horas do dia 23, só pôde ser evacuado na manhã seguinte, às 10 horas, devido ao intenso bombardeio da artilharia e morteiros a que estava sujeita a posição.Sua audácia em marchar para o objetivo fixado, que sabia fortemente defendido, completou-se com a decisão de manter o objetivo conquistado.
    Mesmo ferido, contra-atacado e cercado, em momento algum pensou em retrair.
    Revelou bravura, firmeza e acerto de decisão, excepcional calma em presença do inimigo, exata noção dos seus deveres em combate, a par de elevado sentimento de honra militar e superior capacidade de sacrifício”.
    Foi condecorado com a Medalha de Campanha, a Cruz de Combate de 1ª. classe, a Medalha de Sangue do Brasil e a Medalha de Guerra, do Governo Brasileiro.
    Em virtude de sua destacada ação na batalha de La Serra, o Ten Apollo recebeu do Governo dos Estados Unidos a Medalha “Cruz de Serviços Notáveis”, considerada uma das mais importantes condecorações americanas. Foi o maior herói da FEB, na condição de Oficial R/2, sendo um dos poucos combatentes, em todo o mundo, distinguido com tão importante condecoração.

    Não esqueçam do Senta a Pua, foram uma das três unidades não americanas em toda história, que receberam a presidential citation. São lembrados até nos museus militares americanos: http://www.nationalmuseum.af.mil/factsheets/factsheet.asp?fsID=8004

    O 22 de abril de 1945 – Dia da Aviação de Caça

    O dia amanheceu frio, encoberto e com nevoeiro. As três esquadrilhas brasileiras levantaram vôo a partir das 8h30min a intervalos de 5min cada uma, a fim de atacar alvos na região de San Benedetto, destruindo pontes, balsas e veículos motorizados. Às 10h00min, uma esquadrilha levantou vôo para uma missão de reconhecimento armado ao sul de Mantua, destruindo mais de 80 caminhões e veículos. Outros aviões do Grupo atacaram posições fortificadas alemãs, tanques e balsas. Ao final do dia, o Grupo havia voado 44 missões individuais, tendo destruído mais de 100 veículos e outros alvos.

    Dois P-47s foram avariados pela “Flak” e um terceiro foi abatido, tendo sido capturado pelas forças alemãs o 2º Ten.-Av. Armando de S. Coelho. Esse foi o dia no qual foram despachadas o maior número de missões de combate pelo Grupo, e por isso é comemorado a cada ano como o Dia da Aviação de Caça.

    O desempenho exemplar dos brasileiros no 22 de abril lhes rendeu uma importante recomendação: a Medalha Presidencial Americana (Presidential Unit Citation).

    Alguns dos trechos da Proposta de Citação Presidencial de Unidade enviado pelo Comandante do 350th Fighter Group, Coronel Ariel Nielsen, ao XXII Comando Aerotático, resumem fielmente as atividades do Grupo de Caça nesta fase da guerra:

    “Proponho-vos seja o 1º Grupo de Caça Brasileiro citado pelos relevantes feitos realizados no conflito armado contra o inimigo, no dia 22 de abril de 1945.

    Este Grupo entrou em combate numa época em que era máxima a oposição da anti-aérea aos çaças-bombardeiros. Suas perdas têm sido constantes e pesadas e têm tido poucas substituições. À medida que se tornaram menos numerosos cada um passou a voar mais, expondo-se com maior freqüência. Mesmo assim, em várias ocasiões, tive que refreá-los quando queriam continuar voando, porque considerei que já haviam ultrapassado o limite de resistência.

    A perícia e a coragem demonstradas nada deixam a desejar. chamo-vos a atenção para a esplêndida exibição do seu excelente trabalho contra todas as formas de interdição e coordenação de alvos.

    Em minha opinião, seus ataques na região de San Benedetto, no dia 22 de abril de 1945, ajudaram a preparar o caminho para a cabeça de ponte estabelecida pelos Aliados, no dia seguinte, na mesma região. A fim de completar isso, o 1º Grupo de Caça Brasileiro, em seus feitos, excedeu os de todos os outros Grupos e sofreu sérias perdas.

    Acredito estar refletindo o sentimento de todos os que conheceram o trabalho do 1º Grupo de Caça Brasileiro, ao recomendar que eles recebam a Citação Presidencial de Unidade (PUC – Presidential Unit Citation). Tal citação é, não só meritória, mas tornar-se-ia carinhosa à lembrança dos brasileiros, na comemoração dos esforços que foram desenvolvidos neste Teatro de Operações.”

    A condecoração acabou não sendo oficializada após a guerra, pois este tipo de comenda somente é atribuída a unidades americanas e de tamanho superior ao de Grupo de Caça. Esta grande injustiça só foi reparada 41 anos após o final da 2ª Guerra Mundial. No dia 22 de abril de 1986, por determinação do então Presidente dos EUA, Ronald Reagan, o 1º Grupo de Aviação de Caça, recebeu durante as comemorações do “Dia da Aviação de Caça”, realizada anualmente na Base Aérea de Santa Cruz, a merecida Citação Presidencial Americana. Somente uma unidade inglesa que lutou durante a Batalha da Inglaterra detém, juntamente com o Grupo de Caça, a honra de possuir tal distinção. Infelizmente, por motivos até hoje desconhecidos, os integrantes do 1º Grupo de Aviação de Caça estiveram proibidos de usar tão importante condecoração. Esta proibição incluiu também o estandarte da unidade. Felizmente, esta proibição foi cancelada, e atualmente o Grupo de Caça e seus integrantes ostentam, com orgulho, a merecida comenda.

    • FERNANDO P. N. JUNOR

      Laudelino
      16/04/2013 às 23:23
      Aqui, como vc bem mostrou, também temos nossos VERDADEIROS HERÓIS, infelizmente são esquecidos, como sempre, por todos nós OS BRASILEIROS!!!
      Agradeço=lhe pelos textos!!

    • Poxa, muito legal mesmo conhecer nossos heróis de guerra! Eu gostaria muito que essas informações fossem mais divulgadas!

  • Mto bom o texto…sobre o “Morte Branca” eu já tinha lido, agora sobre esses outros retardados de guerra nunca…ah esqueceram de citar o cavalo do filme Cavalo de Guerra que fodeu com mto alemao na guerra…
    Parabens Julio…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s