Preparação e seus vários aspectos : Percepção Local ou Regional.


Segundo post da série Preparação e seus vários aspectos, onde vamos tratar sobre a percepção em nível local ou regional, como vocês puderam perceber com o texto anterior, o sobrevivencialista deve ser acima de tudo um conhecedor de seu meio, e via de regra o que serve para nível global, servirá para nivel local/regional, agora, existem pequenas diferenças que podem significar a diferença entre sobreviver ou não a uma situação de SHTF.

Bem, é nesse momento da preparação que iremos aprender a observar nossas possíveis fontes de mantimentos, por exemplo, mercadinhos, distribuidoras, lojas de ferragens, lojas de caça e pesca… etc. Bem como também temos de encontrar as melhores vias de fuga ou vias de retorno para casa, isso mesmo, vias de retorno porque em muitos momentos os problemas acontecem quando não estamos em casa, e se tivermos família, mantimentos, um bom veículo para fuga… vamos com toda certeza querer passar em casa para pegar algo (ou alguém).

Desculpem bater nessa tecla, porém acho que esse é um dos principais estágios do sobrevivencialismo, é aqui que perceberemos quais serão possíveis aliados e quais serão aqueles que causarão problemas, inclusive os vizinhos assumem papel importante para a nossa condição de sobrevivente, por exemplo, eu que moro em apartamento teria uma dificuldade maior de captação de recursos, então observar os vizinhos seria muito importante para garantir a minha vida, no sentido de que quando situações de perigo ocorrem, todas as pessoas que não tem preparo algum, pensam logo na fuga e normalmente saem levando roupas e bens materiais, deixando pra trás, comida, remédios, gás de cozinha, etc.

Perceberam a função dos vizinhos? São sempre uma fonte a mais de recursos, mas pra isso você precisa saber quais casas estão vazias afinal de contas você não vai sair arrombando a casa de ninguém pelo vandalismo, estamos assumindo uma situação extrema em que você tenha que captar recursos.

Fora esses aspectos, também devemos ter conhecimento dos efeitos do clima, estação do ano e afins, já que o Brasil tem uma gama bem vasta de climas em seu território, agora mesmo estamos tendo alagamentos no Amazonas e uma seca terrível no nordeste.

Enfim, aguardem as continuações da série. Críticas e Sugestões são bem vindas.

Anúncios

18 Comentários

  • Abominável Pacheco das Neves

    http://noticias.br.msn.com/mundo/comerciantes-de-alimentos-s%c3%a3o-o-novo-alvo-das-quadrilhas-da-guatemala

    20 mil bandidos em uma só gangue.

    • Infelizmente só vejo piora da situação amigo. É para isso que nos preparamos.

      Abraços.

  • Abominável Pacheco das Neves

    Ao menor sinal de caos permanente, a violência chegará em níveis inimagináveis, os bandidos não tem consciência e estão extremamente bem armados (farão estoques vivos de pessoas pros mais variado fins), as forças armadas cuidarão da cúpula, é preciso estar preparado pro combate com qualquer um ou qualquer gangue, independente de onde se encontre (selva ou cidades). inclusive para as hipóteses “fantasiosas”.

  • Para quem entende minimamente do English.

    • Conheço o Nutfancy, bom mesmo, também já vi as coisas do selco.

  • Victor, veja o que o Selco tem a dizer.

    http://shtfschool.com/security/perfect-survival-shelter/

  • Também penso que as preparações podem variar bastante regionalmente. Nós aqui do sul por exemplo temos o frio que é mais um ítem vital a ser considerado.

  • marcelo mamone

    Gostaria de compartilhar uma experiencia que adquirí nos acampamentos da vida quando era mais jovem; um equipamento que permite, entre outras coisas: servir de abrigo e moradia, servir de posto de comando e observação, posto de rádio amador, gerador de energia CC e CA, serve como uma pequena cozinha, como meio de locomoção, ofereçe meios para se obter fogo e fumaça, serve como barricada, como ponto de ancoragem para corda de escalada etc. o nome dessa ferramenta multi uso é CARRO. Claro que seu uso depende de alguns fatores, mas fica aí a dica que não é novidade para muitos.
    Abraço a todos.

    • Beleza, cara concordo com você.

    • Certamente em uma situação de caos, haverá barricadas em todo lugar.
      Não acho que o carro seja o melhor meio de se encher de coisas como comida, combustível, etc. E sair por aí para arrumar um lugar teoricamente seguro.
      Você será um alvo fácil e apenas vai abastecer a bandidagem.
      Abs…

      • Marcus Vinicius

        Opa…agora pecebo que existe um outro Marcus…rs

        Vou acrecentar o Vinicus para diferenciar.

        Desculpe xará…

  • Antes de definir rotas de fuga, não seria mais interessante categorizar os riscos?
    Acredito que, no caso brasileiro urbano, o principal risco atual seria catástrofe natural ou pane nos serviços públicos. Aqui onde moro nunca alagou, por mais que chovesse, a geografia não permite. Pane nos serviços públicos pode tornar a vida difícil de fato, mas em caso de pane crítica e prolongada não preciso deixar o local (posso percorrer a cidade de bicicleta elétrica, se preciso).
    Em casos mais remotos, como guerra (Selco), o melhor é ir embora antes de tudo, se não for se alistar (dependendo do caso pode até ser melhor). Sempre existem muitos avisos.
    Casos possíveis, mas beirando a fantasia (“Guerra dos Mundos”) já oferecem maior desafio. Seria um perigo não-humano inteligente, neste caso habitar qualquer edificação identificável seria um risco extremo.
    Agora não me vem à memória nenhum perigo não-humano não-inteligente factível.

    • Amigo, a resposta da sua pergunta está no texto que escrevi, quando falo em observar o meio, me refiro a entender o que está acontecendo ao seu redor, e criar um plano baseado nessa situação. Acho que ficou um pouco confuso porque você não deve ter lido a parte 1.

      Obrigado pela leitura! Em breve novos capítulos.

  • Extremamente valido os pontos de vista de aproveitamento ( material que seja deixado para traz esta correto , como diria o Selco , a maioria das mortes iniciais em um evento SHTF são ” bobas ” , ou seja , pessoas desesperadas despreparadas , etc.
    Fiz um audio se os colegas quiserem ouvir para trocarmos informações :

    Abraço a todos e obrigado pelos ensinamentos.

    • Marcus, seu ponto de vista é muito bacana, agora, você poderia falar melhor sobre isso no nosso fórum.

  • Eu penso que um prédio de apartamentos pode ser transformado em uma casamata sem muita dificuldade. Principalmente se os vizinhos saírem correndo e largando o que nos interessa para trás, E desde que não estejamos sozinhos, é claro.

    • … para trás. E desde…

      • Também penso dessa forma amigo, por isso é tão importante pra mim saber sobre o movimento dos vizinhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s