Conexões: A necessidade de permanecer em grupo

Sempre quando pensamos em uma situação de sobrevivência extrema acabamos por imaginar o homem solitário que defende seu território e vive de maneira fria e objetiva… Creio que isso tem partes de culpa nos nossos cinemas que fazem a fantasia parecer realidade.

A grande verdade é que seres humanos são seres sociais. Você já tentou ir acampar e permanecer pelo menos uma semana longe de qualquer contato humano? É difícil, muito difícil. Precisamos nos comunicar para ter desejos, motivações e idéias, caso contrário começamos a definhar psiquicamente. Toda essa reflexão nos leva então à importância mór em casos de crise, o grupo onde você estará inserido.

Em uma situação de sobrevivência você deve ser capaz de cuidar de muitos aspectos da vida, como a segurança, busca por alimento, manutenção e higiene do local e tudo aquilo que você faz hoje na sua casa, porém de forma muito mais precária e difícil. Nenhum homem sozinho é capaz de lidar com todos esses assuntos de forma eficiente e é por isso que ao olharmos a história vemos que o ser humano sempre se agrupou para sobreviver às adversidades.

Se você me disser que vai pegar as coisas e vai para o mato digo apenas um “boa sorte” para você, afinal, até índios que são nativos da floresta não sobrevivem sozinhos… Muito pelo contrário, possuem toda uma tribo onde cada membro faz uma função para que todos possam continuar vivendo. Por mais frustrante que seja, admita, você não é um rambo solitário das montanhas.

Então, como resolver essa situação? Seguem algumas dicas simples:

Relacione-se com pessoas que pensam como você: De nada adianta discutir sobre sobrevivencialismo com o seu amigo que gosta de carros chiques e baladas. Começe a pensar em quais amizades você tem ou pode desenvolver que pensem nas mesmas coisas que você e tem habilidades que possam lhe somar em caso de crise;

Conheça seus vizinhos: Eu aposto que poucos aqui conseguem dizer quem são seus vizinhos e o que eles fazem para viver. Em um momento de crise a tendência é que os seres humanos se agrupem com outros que estão mais próximos de sua localidade, então ao menos veja se a pessoa da casa ao lado vai contribuir ou prejudicar seus planos (lembre-se que ele pode preferir pular seu muro e te matar);

Estabeleça planos: Se você já possui amigos que pensam de forma semelhante (se forem seus vizinhos, melhor ainda), está na hora de desenvolver planos de reação à diferentes ameaças. Sente  e converse sobre rotas de fuga, pontos de encontro e meios de obtenção de recursos. Isso parece bobeira mas se um dia for necessário será o elemento chave na sobrevivência;

Tenha contatos de qualidade: Conheça aquele cara que vende equipamentos baratos, entre em contato diretamente com fornecedores de alimentos, desenvolva sua rede de conexões. Isto pode ser extremamente útil em momentos de crise, afinal, quem conhece as pessoas certas terá vantagem sobre os outros.

Apesar de parecerem conselhos óbvios, muitos não se dão conta da importância dos grupos e são eles os fatores determinantes na força e capacidade de superação em uma crise. Pense sobre esta situação e começe a desenvolver amizades que vão lhe ajudar a superar as dificuldades que podem vir, preze por laços reais de confiança em suas amizades e sempre, sempre mantenha-se próximo a sua família, afinal, se tudo der errado os laços de sangue vão ser os únicos que permanecerão com você.

Até.