Cinco dicas para sobreviver aos piores cenários

Sobreviver é basicamente conhecimento, treinamento e preparação.

Se você busca esses três itens regularmente, as chances são realmente boas de você sobreviver ao pior cenário de crise possível. Falhe ao se preparar e tudo o que podemos dizer é “Boa Sorte, nós tentamos te avisar!”.

Aqui estão cinco pequenas coisas que você pode fazer para se preparar para futuros problemas:

Crie um plano de evacuação para ser utilizado em um cenário de crise. Pegue seu caderno de notas e começe a pensar sobre o que você faria em uma situação em que fosse necessário abandonar seu abrigo.

  • Você sabe para onde ir?
  • Você tem um plano de ação encaminhado?
  • Você tem rotas alternativas?

Se não, está na hora de criar um plano de evacuação.

Faça um estudo das ameaças

Faça um estudo profundo de suas forças e fraquezas, considerando o maior número de cenários possíveis. Se você planeja deixar seu abrigo e ir para outro lugar, procure fraquezas em seu plano.

  • Você sabe como seguir suas rotas sem um mapa?
  • Você sabe onde encontrar comida e água durante o percurso?
  • Você tem um plano B?
  • Quais são as ameaças mais prováveis?

Se você planeja se abrigar em casa

Existem muitos fatores a serem estudados. Você deve levar em conta sua localização, possíveis rotas de acesso a ela e quais são os suprimentos disponíveis em seu abrigo e nas redondezas.

  • Quais são as ameaças mais prováveis que você irá enfrentar?
  • Você tem um plano de segurança?
  • Seu abrigo é forte e equipado o bastante para enfrentar essas ameaças?
  • Quanto tempo você pode sobreviver nesse abrigo antes de sair?

Teste suas habilidades

Ter conhecimento é ótimo, mas você já tentou colocar esse conhecimento em uso? Para estar realmente preparado, você precisa começar a praticar suas habilidades de sobrevivência em uma situação real. Uma situação de sobrevivência nunca pode ser a primeira vez que você testará suas habilidades.

Faça um inventário de seus suprimentos

Faça um inventário com os seus recursos e calcule o quanto você pode realisticamente sobreviver com o que atualmente possui. Se você não está satisfeito com o resultado do cálculo faça uma lista com o que você precisa e comece a armazenar tais itens. Dê uma olhada nas comidas de longa duração para ter algumas idéias.

Crie uma base de informações

Conhecimento é uma das coisas mais importantes que você pode ter em qualquer situação, mas… Você pode lembrar-se de tudo?

Um bom jeito de começar é criando um guia de sobrevivência pessoal, cheio de artigos importantes, dicas e tutoriais de “como fazer”. Esse guia deverá estar cheio de coisas que você poderia ter grande dificuldade em lembrar-se durante uma situação de crise.

Lembre-se de que é essencial que você coloque estas informações em papel (em um caderno ou pasta), pois se essas estiverem no seu computador/pendrive, em caso de falta de energia ou dano ao equipamento você pode perder o acesso a todas as informações.

Até.

Fonte: Off Grid Survival

Anúncios

23 Comentários

  • Muito bom artigo, especialmente pela parte onde menciona um guia de sobrevivência pessoal, cheio de artigos importantes, dicas e tutoriais de “como fazer”. Bem que você poderia lançar um livro assim. Há poucos títulos em português, e os que vi estavam focados em cenários estrangeiros.

  • marcelo mamone

    Olá. Parabens pelas informações. Embora um pouco desagradavel, gostaria de saber a opinião dos colegas a respeito das nossas “necessidades fisiologicas” no caso de umas interrupção do serviço de agua e esgoto da minha cidade. Pensei em cavar fossas no quintal, mas teria que arrebentar o concreto do piso, tambem pensei no bom e velho pinico (com os dejetos sendo jogados diretamente nos bueiros de egoto da rua). Penso que manter a higiene seria fundamental para a manutenção da saude, principalmente em tempos onde não se encontram hospitais disponíveis. Aguardo sujestões.
    Abraço a todos.

    • Olá Marcelo!

      São por essas situações que acredito ser impossível permanecer por longo período em uma cidade onde a infra estrutura parou de funcionar. O lixo seria acumulado, esgotos eclodiriam para as ruas e a doença tomaria conta de tudo. Por essas e outras situações que devemos pensar que à longo prazo a unica maneira viável de viver (com qualidade) seria procurar meios mais rurais e selvagens, onde livrar-se de dejetos, lixo e conseguir água seria muito mais fácil.

      Se não houver forma de abandonar o local, a alternativa mais viável (à curto prazo) seria continuar utilizando o sistema de esgoto e liberar o vaso sanitário despejando água manualmente. Se você possuir fossas em casa, o problema será resolvido mais facilmente, visto que demorará um bom tempo para a mesma precisar ser esvaziada… mas apesar de todas as alternativas não vejo uma solução permanente.

      Abraços.

      • Olá amigo! Comentando o que vc postou:
        Verdade em uma situação de crise onde os serviços urbanos(como coleta de lixo e esgoto e abastecimento de água potável) venham a falhar corremos riscos de contração de diversas doenças, mas mesmo em zona rural ou ambiente natural as doenças serrão um problema. Em todo caso vc terá que ter cautela com sua higiene pessoal, evitar beber água antes de trata-la, da forma que for possível, evitar comer alimentos sem cozinha-los ou assa-los ou lava-los bem(No caso de alimentos como frutas e verduras que se comem crús).
        Também deve se tomar cuidados com insetos e animais transmissores de doenças.

  • Anderson Mendes

    Eu moro em um predio de varios andares próximo a orla, e penso que numa rota de fuga deve ser baseada em parte pelo tempo que se tem ou não para escapar das situações extremas. No meu caso, creio que a pior ameaça vem do mar, seja por maremotos ou furações. É indispensavel estar antenado para saber de crises que necessitem de evacuação. Informação é fundamental. Rádios portáteis e pilhas são indispensáveis. E o meio de transporte? Creio que não devo contar com motores, por isso optei por bicicletas! Além de independerem de combustivel, não ficam presas em encarrafamentos. Espero comentarios!

    • Olá Anderson!

      Primeiramente, bem vindo ao blog. Como sempre dizemos, não existe uma “fórmula” para seguir e se tornar preparado, tudo vai de acordo com sua realidade. As sugestões que posso lhe fazer são as seguintes… seria interessante adquirir um rádio scan para poder ouvir as frequencias de emergência e assim permanecer o tempo todo antenado aos fatos que ocorrem imediatamente, sem que os mesmos tenham de passar pelos filtros da TV/Rádio. Quanto ao meio de transporte eu concordo contigo, a bicicleta é fenomenal, porém obviamente devemos ter condicionamento físico adequado para usá-la… afinal ninguém consegue percorrer 10 – 40 km em um pequeno tempo em meio ao caos da cidade sem prática e preparo. Outra recomedação seria a aquisição de um pequeno recarregador Solar como o que já comentamos aqui no blog (da Guepardo), pois você poderá recarregar seus gadgets como celular, rádios e quaisquer equipamentos eletrônicos.

      Vale considerar a opção de manter uma mochila de fuga (BoB) sempre preparada com alimentos liofilizados e todos os itens que você julga importantes para uma evacuação rápida.

      Abraços!

      • Anderson Mendes

        Agradeço a resposta e aproveitaria para fazer uma proposta de estudo de um cenário brasileiro neguigenciado e mortal que temos a menos de 200 km das duas cidades mais populosas do país. Uma não duas em caminho da terceira, em construção. Estas bombas com potencial para expor milhões de pessoas, a curto, médio e longo prazos! Refiro-me as Usinas Termo nucleares de Angra I e II e da futura Angra III. No caso de necessidade de evacuação em massa, seria um pesadelo logístico e sócio economico que nem mesmo um país rico e organizado poderia afrontar com eficiência! Logo, consideremos que no Brasil será o cada um por si e que Deus nos ajude!
        Fica aí a sugestão de um cenário real, cujo raio de ação pode chegar a 400 km de extensão! Desafio para aqueles que pensam na frente e se põe como líderes! Abraços!

      • Anderson,

        Na busca desvairada de suprimento energético nós estamos entrando nesse beco sem saída. Quanto mais pessoas e menor consumo consciente, maior o número de usinas necessárias e logo, maior a possibilidade das coisas darem errado. É por essas e outras que nos preparamos, afinal infelizmente não temos autonomia como povo brasileiro para conseguirmos vetar alguma ação governamental (que ironia, não?).

        Abraços.

  • Muito bom artigo. A algum tempo venho pensando na possibilidade de algo pior acontecer, não que eu acredite em profecias e coisa e tal, mas também não posso afirmar que estou 100% seguro contra calamidades naturais, econômicas e conflitos afinal há muitos indícios científicos que levam a crer que algo poir pode acontecer em algumas décadas ou anos. Já venho trabalhado num plano de evacuação e sobrevivência pra mim e minha esposa a algum tempo e tenho praticamente tudo pornto, mas esse artigo me lembrou de alguns detalhes que deixei passar, parabéns, ótimo post.

  • achei otimo isso tudo, eu sempre penso em fikar em casa numa situaçao de crise, comida, se racionar tem para um mes, pra mim e minha familia, porem, tem um supermercado bem proximo.. entao acho q ja ta bom..

    • Olá Hugo!

      Um dos primeiros locais a ficar sem recursos (baseando-se em acontecimentos reais) são as conveniências e mercados, que são atropelados por centenas de pessoas que vão tentar comprar os suprimentos de última hora… o resultado disso é que em algumas horas todas as prateleiras estarão vazias e a luta para conseguir alguma coisa com certeza pode gerar uma onda de violência que se espalha e pode terminar em mortes e saques.

      O segredo da prática de preparação é não depender de terceiros para adquirir os itens essenciais para nos manter vivos.

      Abraços.

      • Bom dia Julio. É muito oportuna a sua colocação. É necessário estar atento e preparado, esperar que aconteça a crise para procurar recursos é perigoso e talvez inútil. Se observarmos fatos comuns do nosso dia-a-dia percebemos isso. Algúem aqui já ficou sem gás de cozinha e não tinha um botijão de reserva? Já escutou a patroa dizer ” O que vamos preparar para o almoço?” e você olha pela janela e vê aquela chuva torrencial que cai impedindo a sua ida ou supermercado. Já passou por inerrupção de fornecimento de energia e a única vela que encontrou foi a do seu bolo de anivessário que ficou esquecida em uma gaveta? Já acordou de madrugada e descobriu que os seus cigarros acabaram? São situações elementares, mas são lições que devemos aprender. Agora imagine se for para valer e a sua vida e da sua família dependa disso. Estar totalmente preparado nós nunca estaremos, porém é melhor estar “meio” preparado do que ser pego desprevenido. São ações simples que podem ser tomadas, se não dispomos de dinheiro para soluções sofisticadas devemos ser criativos. Com itens improvisados podemos aumentar as nossas chances de sucesso, é melhor ter dentro de um saco feito de perna de calça jeans, uma faca de cozinha vagabunda, um canivete do Paraguai e uma caixa de fósforos embrulhada em um saco plástico, do que juntar dinheiro até poder comprar até poder comprar uma BK2, um Vitorinox e uma Pederneira importada, talvez não haja tempo. Na minha opinião, a primeira ação de sobrevivência é se considerar como “O SOBREVIVENTE”, ou seja você está só e não pode contar com a ajuda de mais ninguém, daí você aprende a se virar sozinho. Esta atitude de precisa ser cultivada no dia-a-dia, seja na vida pessoal, profissional ou acadêmica. Esteja sempre pronto para auxiliar e preparado para agir de forma independente, ofereça o que você tem mas não fique esperando nada dos outros. O sobrevivente é aquêle que se prepara para ter sucesso onde os outros falharam.
        Abraços fraternos.
        Vaniel Bittencourt.

      • Vaniel,

        Não há como tornar suas palavras mais verdadeiras. Um dos grandes objetivos do blog é demonstrar às pessoas que de nada adianta ler posts e mais posts aqui no blog e não colocar ao menos algum conhecimento em prática, afinal, não podemos contar com uma sobrevivência estilo Hollywood somente por conhecer princípios teóricos sobre os fatos.

        Muitos realmente querem iniciar suas preparações mas nunca fazem planejamentos concretos para as mesmas, e como você mesmo disse, creio que não temos muito tempo para adiar o início desses planos. Vejo que muitas pessoas são exigentes quanto aos produtos, comprando itens caros que são muitas vezes pouco utilizados… eu me virei muito bem com uma tramontina durante 3 anos de escotismo quando não tinha dinheiro pra algo melhor que isso.

        Mas, não podemos dizer que esquecemos de avisar…rs.

        Abraços.

  • Falando em listar risco, pensei em mais uma sugestão de postagem: Quais são os principais riscos no Brasil?

    • Legal Denis!

      Vou providenciar algumas informações sobre o assunto e tentarei fazer uma postagem!

      Abraços.

  • Diego Ferreira da Silva

    Existem “n” fatores que vão influenciar as decisões que cada um há de tomar. Muitas foram abordadas, mas acho que a principal é: VOCÊ.
    Você se prepara como? Cara, é legal ver um Dave Canterbury ou um Cody Lundin ensinando a fazer fogo, ou ver o Bear Grylls pulando no meio do mato (algo que eu jamais faria, o risco de lesões é exponencialmente maior). Mas na hora “H”, no dia “D”, eles não vão estar do seu lado. Tudo o que já foi falado aqui ou em outros lugares, sempre digo que é valido, mas se a pessoa não se mexer, não deixar de ser sedentário física e psicologicamente, tudo vai virar um monte de lixo, informação inútil. Vejo em empresas gente que desmerece a CIPA, que não quer saber onde ficam as rotas de fuga onde trabalham ou residem. Lembrem-se de que a maioria das pessoas nas cidades hoje moram em edifícios, que são mais frágeis em determinadas situações.
    Estocar alimentos não é estocar miojo, é manter produtos de necessidade básica que vão te suprir por um bom tempo. Uma dica que eu dou e já fiz várias vezes, aliás foi meu falecido pai que me ensinou é: faça uma lista de compras pra um mês, e não compre mais nada dentro deste mês, aprenda a racionar. Pasta de dente e sabonete são itens de 1ª necessidade sim, junto com arroz, feijão, carne seca, farinha, leite em pó, sabão para lavar roupas. Galera, higiene, assim como o amigo comentou sobre os dentes, é muito importante, previne doenças. Lenços umedecidos para bebes também podem te ajudar, assim como algodão para curativos, álcool para esterilizar ferimentos ou iniciar uma fogueira. Pense em quais itens de 1ª são indispensáveis para você. Mantenha lanternas e velas em locais de fácil acesso aos adultos. Se puder, coloque uma luz de emergência na parte central da casa, assim se a noite a energia for cortada, você terá como chegar aos itens de 1ª necessidade (lanterna, por exemplo) e evita aquele pânico inicial, principalmente em crianças. Sobre o estoque, gradativamente aumente o poder de armazenagem, para 2 ou 3 meses, comprando itens de reposição. Você economiza, pois vai comprar só o necessário, e se você tiver determinado produto em casa não tem porque pagar mais caro no mercado, pode esperar o preço baixar.
    Faça exercícios regularmente, aprenda a correr em uma situação de emergência, aprenda a ficar calmo e raciocinar, tenha paciência com quem entra em pânico e mostre sua calma, mesmo que esteja nervoso.
    Sei que escrevi muito, mas podemos ficar aqui o dia inteiro escrevendo e vai faltar algo…

    Até mais…..

    • Concordo Diego.

      A verdade é que não aprendemos nada se ficarmos apenas na teoria. Posso ler 20 artigos sobre como fazer fogo com uma pederneira, porém enquanto não estiver lá no mato, com frio e fome, não aprenderei realmente essa habilidade.

      Espero que grande parte dos leitores do blog também tenham consciência disso!

      Abraços.

  • Anderson Cavalcanti

    Eu incluiria mais alguns itens, considerando nossa realidade:
    -Mantenha atualizadas todas as vacinas (suas e de seus familiares);
    -Faça check-up médico regularmente (e o mantenha em dia);
    -Mantenha seus dentes cuidados (não há preparação que resista a dores de dente e infecções).
    É impressionante como há pessoas que vivem ao acaso, que conseguem deixar “a vida me levar” e sofrem consequências de sua inércia. Há quem deixe o carro faltar gasolina, pagar juros por que “esqueceu de pagar” mesmo tendo dinheiro, “esqueceu” onde estão as velas, as chaves, as ferramentas, de comprar pilhas, etc, etc. Imagine “sobreviver aos piores cenários”… Estar preparado é um hábito, e a maioria das pessoas não adquiriu.
    O “Pensando mais à frente” deve ser cotidiano, mas disso os leitores daqui já sabem faz tempo…

    • Concordo Anderson!

      Em todas as situações, o que nos complica é sempre o básico. Vejo em sites americanos muitos “sobrevivencialistas” estocarem anos de comida e caixas de munição e armas, mas estão acima do peso, fora de condicionamento físico e com vários problemas de saúde devido aos maus tratos.

      O problema é que a “manuntenção do corpo” é algo que pouco interessa as pessoas, pois envolve sacrifícios de tempo (para se exercitar) e dinheiro.

      Mas não foi por falta de aviso que esses estarão em maus lençóis, não é?

  • Muito legal o post.

    • MUITO BOM MESMO!vcs sabem me dizer onde consigo informaçoes sobre quantidade recomendada de produtos(alimento,agua,pilhas,remedios etc?)

      • Existem alguns sites que podem calcular essas quantias, porém só vi os que são em inglês. Mas meu conselho é que você mesmo calcule baseando-se no consumo de sua casa, considerando quantos quilos de arroz gasta por semana, quais remédios controlados você e sua família precisam sempre ter e por aí vai.

        Dá trabalho, porém você acaba pegando a prática e em certo tempo terá exatamente o necessário para suas necessidades.

  • Perfeita !
    Estratégia, importante para definir os rumos a serem tomados, pra isso há de se pensar no tema de forma séria.
    Planejamento, é a pré execussão da preparção, importante pra economizar tempo e dinheiro.
    Preparação, o termo em sí aliado aos anteriores parece ser o fim da história mas não é, não adianta ter a semente e só ir aprender a plantar no meio do colapso, da mesma forma não espere o sistema publico entrar em colapso pra cuidar daquele joelho ruim ou instalar aquele sistema complexo no abrigo, faça já!

    òtima postagem! Boa mesmo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s