A CIDADE DE GELO DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

A “cidade de gelo” na Itália da Primeira Guerra Mundial é um dos temas menos conhecidos na história desta guerra. No entanto, é também um dos mais interessantes. É uma história de sobrevivência sob condições excepcionalmente duras.

“A Grande Guerra diferia de todas as guerras antigas pelo imenso poder dos combatentes e seus temíveis agentes de destruição, e de todas as guerras modernas, pela total crueldade com que foi travada. … A Europa e grandes partes da Ásia e da África tornaram-se um vasto campo de batalha no qual, após anos de luta, não exércitos, mas nações se desintegraram. Quando tudo acabou, a tortura e o canibalismo foram as únicas coisas que os Estados civilizados, científicos e cristãos puderam negar a si mesmos: e suas afirmações eram de qualidade duvidosa.”

– Winston Churchill, A Crise Mundial, 1911-1918: Capítulo I (Os Frascos da Ira) (1923)

Primeira Guerra Mundial e a Cidade de Gelo

Durante a Primeira Guerra Mundial, a importância de estabelecer e manter um posto avançado em uma posição crucial era uma necessidade para vencer batalhas. A geografia desempenhou um papel importante na fluidez dessas batalhas, particularmente nos Alpes. Os combates nessas áreas alpinas da Itália ficaram conhecidos como a Guerra Branca, devido à presença constante de neve e gelo. Os elementos severos desta região tornaram-se um inimigo adicional a ser derrotado.

Esta é a história de um esforço notável para criar e manter um posto avançado a 3.343 metros de altitude.

Uma breve visão geral

A Primeira Guerra Mundial ou Grande Guerra, começou em 28 de julho de 1914 e durou até 11 de novembro de 1918. Centrada e travada na Europa, envolveu mais de 9 milhões de combatentes e causou 7 milhões de baixas, sendo um dos conflitos mais mortíferos da história. Ele abriu o caminho para uma série de grandes mudanças políticas e, finalmente, revoluções.

O conflito, desencadeado logo como guerra global, viu os Aliados (a Tríplice Entente do Reino Unido, França e Império Russo) contra as Potências Centrais representadas pela Alemanha e Império Austro-Húngaro. Mais tarde, mais nações entrariam na guerra, redefinindo os protagonistas: Itália, Japão e Estados Unidos se juntaram aos Aliados; enquanto o Império Otomano, junto com a Bulgária, juntou-se às Potências Centrais (Quádrupla Aliança).

A Guerra Branca

A expressão Guerra Branca (em alemão Gebirgskrieg, que pode ser traduzida como “guerra nas montanhas”) identifica o local e o cenário específico das estratégias e eventos táticos ocorridos nos setores alpinos (frente italiano) durante a Primeira Guerra Mundial. Entre 1915 e 1918, as Dolomitas passaram a ser o setor operacional, pois as tropas do Reino da Itália se opuseram às do Império Austro-Húngaro.

Geleira Marmolada

Esta frente foi caracterizada por batalhas travadas em altitudes médias a altas, acima de 2.000m, até o Grupo Ortles Mountain ao longo da fronteira sul da região histórica do Tirol. Este obstáculo formidável, severo e natural foi altamente explorado pelo Exército Austro-Húngaro. Estando em menor número do que o exército italiano durante os estágios iniciais do conflito, eles tomaram a decisão de se retirar para os picos, que por acaso dominavam quase todos os pontos estratégicos necessários para aproveitar as posições elevadas.

Desde os primeiros meses, a frente alpina começou a se tornar mais estática, levando ao estabelecimento de linhas bem fortificadas que preenchiam todas as lacunas ao longo do fronte. Mesmo os picos mais altos foram ocupados para criar uma linha de batalha contínua e inacessível destinada a ser mantida por meses ou mesmo anos.

Sobrevivendo e lutando nos Alpes

As questões mais difíceis que os exércitos enfrentaram nas frentes alpinas foram relacionadas à natureza intransitável do terreno (principalmente íngreme) e às condições climáticas extremas. As três principais montanhas têm altitudes em média superior a 1.800m, tornando-as extremamente difíceis de atravessar. Quanto mais se afastava do vale, mais o transporte feito por animais era necessário. Mulas e até homens, especialmente em passagens estreitas, tinham que transportar cargas muito pesadas de materiais de artilharia.

Somente com o progresso do conflito ao longo dos anos foi criada uma densa rede de estradas, trilhas de mulas e caminhos. Essa era a realidade de alcançar postos avançados nos lugares mais inacessíveis. Nos últimos dois anos da guerra, a utilização dos teleféricos foi finalmente sistematizada, mas a própria construção destas infraestruturas, estradas e teleféricos, foi talvez o empreendimento que exigiu mais energia e sacrifícios nesta frente em particular.

Nos picos mais altos, as variações de temperatura foram perceptíveis. Acima de 2.500m, as temperaturas abaixo de zero eram normais mesmo no verão e nevava frequentemente. No inverno, o termômetro podia cair várias dezenas de graus. Durante a Guerra Branca, as temperaturas registradas foram inferiores a -33° C. O clima poderia mudar rapidamente e as tempestades estavam presentes em todas as estações.

Além disso, os invernos de 1916 e 1917 estavam entre os mais nevados do século. As encostas das montanhas estavam cobertas por camadas de neve espessa, até três vezes mais do que a média anual. Obviamente, todos esses fatores tornaram a vida extremamente difícil para as tropas viverem em grandes altitudes. Não era mais uma questão de vida, mas de sobrevivência. A presença constante de neve e gelo forçou os homens a escavar e limpar continuamente aberturas e espaços. Isso levou a um aumento do risco de avalanches.

O historiador do pós-guerra Heinz Lichem von Löwenbourg declarou:

“Com base em relatos unânimes de combatentes de todas as nações, aplica-se a regra aproximada de que em 1915-1918, na frente da montanha, dois terços dos mortos foram vítimas dos elementos (congelamento, avalanches, resfriados, exaustão) e apenas um terço, vítima de ações militares diretas.”

Soldados sentados em um posto avançado da Cidade de Gelo na Geleira Marmolada.

Construindo a Cidade de Gelo

A Grande Guerra foi de fato um período de estratégias e inovações de ponta. Para apanhar o inimigo de surpresa e conquistar ainda que poucos metros da linha de defesa, os generais e os soldados tiveram de utilizar os meios e armas mais inovadores para a época, recorrendo também às estratégias mais engenhosas.

Um exemplo? A Eisstadt, ‘Cidade de Gelo’, concebida e construída em 1916 pelo tenente e engenheiro austríaco Leo Handl. A construção começou alguns meses depois. A Cidade de Gelo passou a ser um extraordinário sistema de túneis e passagens escavadas no gelo com o objetivo de evitar o perigo de passarelas externas, que se mostraram muito expostas aos disparos de metralhadoras e também as avalanches. A ideia de criar uma Cidade de Gelo surgiu em Handl durante uma noite de maio de 1916.

Juntamente com outros seis homens do exército austríaco, Handl comprometeu-se a defender o Glaciar Marmolada. Para escapar do fogo das tropas italianas estacionadas ao longo do cume do Serauta, eles começaram a descer em uma fenda. Handl era apaixonado por montanhismo e, uma vez no fundo da fenda, descobriu que poderia explorar o espaço abaixo da superfície para avançar mais rapidamente em direção às posições inimigas, mantendo-se protegido de balas e condições climáticas adversas. As temperaturas dentro das cavernas oscilavam entre 0°C e 5°C, muito mais toleráveis ​​do que ficar do lado de fora no topo da geleira.

Handl começou assim a forjar a ideia de construir uma verdadeira fortaleza feita de corredores desenvolvidos de até 12km de extensão a uma profundidade de 60m, definido como um lar temporário para cerca de 200 soldados, que poderia abrigar dormitórios, cozinhas, enfermarias, salas de rádio, capela, refeitório e locais seguros para guardar munições.

Os soldados até trouxeram energia para a Cidade de Gelo da pequena vila de Canazei, localizada a 2000m abaixo. Certamente era muito difícil viver naquela cidade subterrânea, dominada pela umidade e pelo medo de ser engolido pelo gelo. No entanto, a ideia de Handl de fato salvou muitas vidas humanas e permaneceu uma verdadeira fortaleza. A Cidade de Gelo permaneceu ativa até a derrota de Caporetto, o que significou a consequente mudança do fronte para a posição sul. Mais tarde, a Cidade do Gelo foi abandonada.

Cidade de gelo hoje

Com o derretimento da grande geleira Marmolada, muitos encontram ferramentas e outros objetos desse período à medida que são trazidos à superfície. Eles agora estão preservados dentro do Museu Marmolada, que é o museu mais alto em toda a Europa, localizado quase na impressionante altitude de 3.000m acima do nível do mar.

Hoje em dia, apenas uma pequena quantidade de materiais de destaque nos conta a incrível história da Cidade de Gelo. De fato, quando os soldados começaram a abandonar a frente de Dolomite, o túnel de gelo que hospedava a cidade começou a desmoronar e derreter.

Somente nos últimos tempos, outros itens foram encontrados e levados ao museu após o derretimento da geleira. Milhares de outros equipamentos estão enterrados nas profundezas da geleira silenciosa e sombria.

Embora você não possa visitar a cidade de gelo como turista, a história é interessante da mesma forma.

Texto traduzido e adaptado do site: SHTF Blog.

2 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s