COMO SE DEFENDER DE UM CACHORRO VIOLENTO? [+18]

Antes de entrarmos neste assunto, quero começar dizendo duas coisas:

Não tenho nada contra cães, nem estou defendendo o abuso ou a espancamento contra eles.

Este texto vem com a premissa de explicar do ponto de vista anatômico como se defender de um ataque canino, o mesmo não se configura como conselho ou dá orientações para você fazer coisa alguma. Suas ações são de responsabilidade própria.

É uma realidade da vida, existem ocasiões em que os cães atacam os humanos.

Existem muitas pessoas que compram cães com o propósito exclusivo de torná-los agressivos (este é especialmente o caso nas grandes cidades) e que então ignoram os cães, não os restringem adequadamente ou simplesmente os abandonam quando não podem mais se dar ao luxo de alimentá-los.

A maioria das pessoas que vai ler isso terá a mentalidade de “Vou atirar no cachorro até que ele morra”. Eu recomendo totalmente, no entanto, há momentos em que ou não é possível ou simplesmente não é prudente (há pessoas por perto que podem ser atingidas pelos tiros, seja o que for).

AVISO:

Neste post, irei discutir métodos violentos e gráficos de como causar traumas massivos em caninos. Se você for sensível, é melhor não ler mais nada.

São três os cenários que examinarei nesta postagem:

  • Lutar contra um cão com um pedaço de pau ou outra arma de impacto;
  • Lutar contra um cão com uma faca ou arma afiada;
  • Lutar contra um cão com as próprias mãos.

Escolhi esses três cenários porque acho que é mais provável que seja assim que as pessoas vão lutar contra os cães. Acho que para a maioria esse é um pensamento assustador, em parte porque todos nós temos ideia do que um cachorro agressivo pode fazer e em parte porque a maioria das pessoas não sabe nada sobre os detalhes básicos de como se defender contra um cachorro. Você não pode simplesmente dar um soco nele e vencer. Você tem que entender como desabilitar seu oponente. Quando confrontado com um ataque agressivo de cães, você só tem duas opções: imobilizar ou incapacitar o cão.

Anatomia básica de um cachorro

Primeiro, vamos dar uma olhada na estrutura do esqueleto de um cão comum e como podemos relacionar isso aos humanos:

Imagem 1
Imagem 2

Você notará que os cães são estruturalmente meio parecidos com as pessoas. Compreender as semelhanças e diferenças pode ajudá-lo a desenvolver uma estratégia que o ajudará a lidar com um cão atacante.

Lutar contra um cachorro com um pedaço de pau ou arma de impacto

Suas táticas básicas ao lutar contra humanos com arma de impacto são quebrar ossos ou causar dor. Os cães têm um limiar de dor muito mais alto do que o humano médio, então provavelmente você não conseguirá interromper um ataque canino usando a dor. Novamente, imobilizar ou incapacitar são nossas únicas opções.

Existem basicamente duas maneiras de lutar contra um cão com uma arma de impacto: você pode tentar mantê-los à distância com golpes do porrete ou pode tentar fazê-los se concentrar no pedaço de pau e usar táticas corpo a corpo para infligir danos ao animal. Se estiver usando um pedaço de pau mais curto, por exemplo, você pode tentar deixar o cão ocupado tentando mordê-lo para evitar ser mordido enquanto se posiciona para aplicar o estrangulamento. Só faça isso se possuir conhecimento técnico e prático para tal ação.

Obviamente você deseja algo longo e pesado se puder escolher as armas de impacto, mas a luta será o que é, não o que você deseja. Você tem dois alvos principais em um cão com uma arma de impacto: a cabeça e as pernas.

Golpes de cabeça provavelmente serão mais para desviar o cão de mordê-lo ou para manobrá-lo para uma posição em que você possa bater melhor em suas pernas. Golpear o cão no focinho ou nariz será extremamente doloroso para o cão e pode fazer com que o cão se mova para trás e para longe do golpe, deixando a pata dianteira exposta para um golpe poderoso.

Seu alvo principal deve ser os dois ossos delgados das pernas dianteiras, entre os ombros e os pés, marcados como pontos 7 e 9 na imagem 2 acima. Esses são alvos de alto valor, pois são relativamente finos e, se quebrados, imobilizarão completamente o cão (eles ainda serão capazes de morder, então tome cuidado). Na maioria das vezes, o cão virá em sua direção, fazendo com que os golpes nas patas traseiras sejam uma proposição muito arriscada, pois irá expô-lo às mordidas do cão. Não se estenda demais para acertar uma perna de trás. As pernas traseiras são alvos de baixo valor porque você deve atingi-las de maneiras muito específicas para quebrá-las ou deslocar as articulações, e os ossos das pernas são muito mais grossos do que as anteriores.

Se sua arma de impacto tem grande peso (como um martelo, uma pedra grande ou um taco de beisebol), você pode tentar um golpe de cabeça decisivo. No entanto, tenha cuidado para não se estender demais com um ataque sério, pois os cães são geralmente muito ágeis e um ataque errado no crânio pode facilmente levar a um contra-ataque do cão que o deixará sangrando ou o jogará no chão.

Golpes nas costelas ou na coluna podem ser eficazes, mas devem ser extremamente poderosos para causar ferimentos o suficiente para imobilizar ou incapacitar o cachorro.

Lutar contra um cachorro com uma faca ou arma afiada

Os humanos têm um medo instintivo e primitivo de facas quando usadas como armas. Os cães não. Você não vai assustar um cachorro puxando uma faca contra ele. Se você está enfrentando um cão agressivo e tem apenas uma faca para se defender, você tem apenas um objetivo: incapacitar o cão o mais rápido possível, destruindo a capacidade dele de se mover, respirar ou através de uma grande perda de sangue.

A imagem 4 mostra o interior de um cachorro, nos dando vários alvos para o ataque com uma faca.

Imagem 3

Algo a se ter em mente é que os músculos dos cães são extremamente densos. Algumas das áreas-alvo discutidas aqui exigirão força para alcançá-las com eficácia, sem contar que o cão não ficará parado enquanto você o observa procurando um local para esfaqueá-lo.

Ao se defender de um cão com uma faca, é altamente provável que você seja mordido. É imperativo que você não permita que o cão morda a mão ou o braço em que você está segurando a faca. Se o cão enfiar os dentes neste braço, é muito provável que você perca a faca.

O ponto A na imagem 3 é uma área-alvo sob a mandíbula e entre os ossos da mesma. Este é um alvo de oportunidade. Se você puder enfiar uma faca na boca, é possível empurrar para trás e para baixo, possivelmente cortando várias artérias e perfurando ou cortando a traqueia. Isso levará a uma rápida incapacitação.

O ponto B na imagem 3 é um alvo logo à frente da coluna vertebral do cão no pescoço, de preferência um impulso na lateral do pescoço, e puxando a lâmina para trás em direção à frente da garganta, resultando em um corte completo da traqueia, e várias artérias. Cães mais musculosos (como pitbull e rottweiler) estarão mais protegidos nesta área, tornando este um alvo muito difícil de atacar com eficácia. Se você estiver enfrentando um cão que é extremamente musculoso nesta área (veja a imagem 2 para uma representação de como os músculos caninos envolvem o peito e o pescoço), é uma tática melhor empurrar a faca nesta área tão profunda, rápida e quantas vezes como você pode, potencialmente rompendo uma ou mais artérias.

O ponto C na imagem 3 tem como alvo um aglomerado de artérias principais localizado em ambos os lados da coluna do canino quase no mesmo nível da borda dianteira da perna traseira. Este é um alvo de ataque, uma vez que a faca é mergulhada nesta área, ela deve ser trabalhada para frente e para trás e de um lado para o outro o mais rápida e violentamente possível. Cortar qualquer uma dessas artérias resultará na rápida incapacitação do animal.

O ponto D na imagem 3 tem como alvo a musculatura e os ligamentos das pernas dianteiras. Este é um alvo de oportunidade e, se usado com sucesso, pode levar à imobilização do cão.

O ponto E na imagem 3 tem como alvo o diafragma e a cavidade intestinal do cão. Uma perfuração nesta área por baixo começando logo abaixo da caixa torácica e empurrando ou puxando a faca para trás em direção às pernas traseiras provavelmente estripará o canino, ao mesmo tempo que possivelmente cortará várias artérias e veias principais, ou danificará vários órgãos vitais.

O ponto F na imagem 3 tem como alvo os grandes grupos de músculos e tendões na frente das patas traseiras. Este é um alvo de oportunidade: golpes poderosos feitos com sucesso nessas áreas podem imobilizar o cão, bem como, potencialmente, cortar veias principais.

O ponto G na imagem 3 tem como alvo os tendões e grandes grupos de músculos na parte posterior das patas traseiras. Este é um alvo de oportunidade. Golpes poderosos aplicados com sucesso ou estocadas puxadas para trás podem imobilizar o cão, bem como potencialmente cortar veias principais.

Você pode ver na imagem 4 que (como no caso dos humanos) os cães têm várias artérias que passam sob a mandíbula e ao redor do crânio. Essas artérias estão relativamente próximas à superfície do tecido e o corte de qualquer uma delas resultará em rápida perda de sangue. A área do peito da maioria dos cães é fortemente musculosa (como mostrado na imagem 2 acima) e pode ser bastante difícil de penetrar com eficácia. Se você tiver uma faca grande e pesada, a área para onde as artérias convergem no tórax pode ser um alvo viável, mas provavelmente deve ser evitada se estiver com apenas um pequeno canivete.

Esses não são os únicos alvos disponíveis, mas são os que têm mais probabilidade de resultar em uma incapacitação rápida.

Lutando contra um cachorro com as próprias mãos

Esta é uma situação que quase garante que você será mordido. É quase inevitável.

Se isso vai acontecer, por que não tentar minimizar os danos? Em quase todos os casos, um cão atacante morderá a primeira coisa que chegar perto de sua boca.

Em alguns casos, isso será sua virilha (muito ruim) ou seu abdômen (nada bom), mas geralmente essa não é a primeira escolha de um cão para o ataque.

Os cães tendem a atacar pulando em seu peito com as patas dianteiras na tentativa de empurrá-lo para baixo, então frequentemente a primeira coisa perto de sua boca é uma de suas mãos ou braços (há muitos vídeos disponíveis na internet onde você pode ver Cães policiais são treinados especificamente para atacar dessa forma, em grande parte porque esse é um ataque natural de um cão contra um oponente mais alto).

Se você conseguir colocar uma peça de roupa na boca do cachorro em vez de uma parte de seu corpo, ótimo! Faça isso! Se você tiver alguns instantes avisando que o cão vai atacá-lo, enrole o que quer que tenha em volta do seu antebraço “fraco” (jaqueta, suéter, camiseta, qualquer coisa que ajude) e deixe o cão morder isso ao invés de um membro desprotegido.

Se você tiver coragem de seguir em frente, enfie a mão em sua boca e agarre sua língua com um aperto mortal ou tente o máximo que puder enfiar o punho em sua garganta.

Em 2005, um homem de 73 anos em Nairóbi matou um leopardo que o atacou puxando sua língua para fora. Os cães não morderão se você os segurar dessa forma por medo de cortar a própria língua. Se você for tentar fazer isso, eu recomendo fortemente que você use a outra mão para controlar a cabeça do cão para que ele não possa sacudi-lo.

Lembre-se de que, exceto em casos muito raros, você é sempre maior do que o cão (se estiver lutando com um cão agressivo que é maior do que você, é melhor dar tudo de si, porque está em sérios apuros). Use seu tamanho a seu favor. Se você conseguir montar no cão e ficar em cima dele, é bem provável que consiga segurá-lo até que a ajuda seja chamada ou descobrir como incapacitá-lo.

A menos que você seja um super humano, não será capaz de correr mais que o cachorro, então nem tente. Você não quer um cão agressivo derrubando você por trás. A melhor coisa que você pode fazer é encarar o cachorro de frente, não o olhe diretamente nos olhos, se você estiver usando óculos escuros, tire-os, pois os cães os veem como olhos grandes, fixos, que não piscam que estão olhando diretamente para eles, o que é um sinal de que você está desafiando o cão.

Grite com o cachorro, agite os braços, mas não corra. Se você recuar ou mostrar medo, o cão irá atacá-lo. Se você se mantiver firme e não o desafiar diretamente avançando ou recuando, ele pode decidir que não quer atacá-lo.

Se você está usando um cinto que você pode usar como uma arma, faça! Os cintos têm vários usos em combate; você pode chicotear o cachorro com a ponta da fivela, usá-lo como um garrote improvisado no focinho e, no caso de cintos de couro grossos, você pode enfiá-lo na boca do cão de lado, o que pode impedi-lo efetivamente de morder você.

Você pode usar uma camisa ou jaqueta como uma venda improvisada, se puder colocá-la sobre a cabeça do cachorro. Qualquer coisa que você possa usar para obter uma vantagem ajudará. Se você não tem nada e é “mano a canis”, você deve incapacitar o cão o mais rápido possível.

O nariz de um cachorro é extremamente sensível e fácil de danificar porque é um tecido muito macio. Qualquer soco no nariz de um cão pode ser muito doloroso e pode fazer com que o cão se afaste de você. Use isso a seu favor.

Se o cão pular em você e você conseguir colocar as mãos nas patas dianteiras, empurre-as para os lados o mais forte que puder. As patas dianteiras do cão não se dobram naturalmente dessa maneira e você pode facilmente quebrar as pernas ou separar as articulações, imobilizando-o de maneira eficaz.

Se você conseguir colocar sua mão em cima do focinho e não ser mordido, você pode fechar a boca do cachorro e prendê-la ao peito, o que também é uma forma eficaz de prevenir mordidas.

Vou reiterar, você é maior do que o cachorro, pegue e jogue-o no chão, na parede ou jogue-o por cima de uma cerca.

Lembre-se de que os cães geralmente têm pele muito mais solta do que a dos humanos. Você pode usar isso da mesma forma que usaria roupas soltas em um atacante humano, para direcionar seu movimento ou como apoio para a mão para aplicar uma alavanca.

Os cães são suscetíveis a travas e engasgamentos nas articulações, assim como os humanos (embora, no caso de uma articulação, você provavelmente vai querer ir em frente e quebrá-la para não ser mordido muito ao tentar segurar o cachorro). Um mata-leão funciona tão bem em um pitbull quanto em um humano, com a vantagem de que o cão não pode usar as mãos para tentar sair do estrangulamento.

A agressão é sua amiga. Se você conseguir afastar o cachorro, ou se ele começar a correr, persiga-o gritando como um louco. Você deve parecer perigoso e que vai machucar o cachorro em seu cérebro primitivo. Os cães que se viram para correr podem percorrer uma curta distância para se reagrupar antes de trazer a luta de volta para você. Não presuma que o cão está em retirada total.

Se você conseguir afugentar o cachorro, saia da área e procure abrigo imediatamente. Você não pode ter certeza de que ele não retornará.

Táticas de grupo

Se um cachorro está atacando outra pessoa, corra atrás dele, agarre suas pernas traseiras levantando-as do chão e separe-as como se fossem um biscoito da sorte. Isso destrói a estabilidade da plataforma de ataque do cão (se você for forte o suficiente, também pode deslocar as articulações do quadril ou quebrar as pernas, imobilizando o cão) e torna quase impossível para o cão morder a pessoa que está atacando. Porém, esteja ciente de que se o cão for esperto (ou sortudo), ele pode rolar para o lado e tentar morder você.

Da mesma forma, se você erguer as patas traseiras do cachorro e perceber que ele é um macho, chute seus testículos com toda a força que tiver. Isso aqui não é uma luta justa, a vida de alguém está em risco.

No fim é isso, imobilize ou incapacite o agressor da forma que conseguir. Lutar contra um cachorro agressivo não é algo que se queira fazer, porém um dia pode ser necessário.

Texto traduzido e adaptado do site: Exigent Circumstance.

14 Comentários

  • Certo dia eu estava de moto num bairro afastado, entrei numa rua de terra tipo chácaras, rua sem saída, ia fazer um serviço, na entrada alguns cães já me acompanhavam, e no final tinha mais uns 6 ou 7 cachorros grandes, derrepente, um atacou e mordeu meu pé, eu usava bota de couro, cano alto, solado grosso mas senti a mordida, me cercaram e cada um atacava e recuava, fiquei apavorado, então, aproveitei minha habilidade na moto, e comecei a girar a moto fazendo tipo zerinho, jogando pedrinhas e a traseira da moto por cima deles, depois de vários giros, num movimento rápido fugi, e o bando veio atras de mim, depois, deitei numa calcada e fiquei ali coração saindo pela boca…slk.

  • Certo dia eu estava de moto num bairro afastado, entrei numa rua de terra tipo chácaras, rua sem saída, ia fazer um serviço, na entrada alguns cães já me acompanhavam, e no final tinha mais uns 6 ou 7 cachorros grandes, derrepente, um atacou e mordeu meu pé, eu usava bota de couro, cano alto, solado grosso mas senti a mordida, me cercaram e cada um atacava e recuava, fiquei apavorado, então, aproveitei minha habilidade na moto, e comecei a girar a moto fazendo tipo zerinho, jogando pedrinhas e a traseira da moto por cima deles, depois de vários giros, num movimento rápido fugi, e o bando veio atras de mim, depois, deitei numa calcada e fiquei ali coração saindo pela boca…slk.

  • Boa tarde gente, eu moro em Petrópolis Rio de Janeiro,no bairro onde resido tem muitos cães,digo cachorros na rua mesmo,aqui se qualquer cão atacar uma pessoa,e a pessoa tentar se defender,aparece logo o dono do animal,quando passo de moto tem um monte que tentam me atacar,vou comprar uma faca ou canivete bem resistente, pois se qualquer animal tentar me atacar,vou me defender.

  • Arthur Bonamigo

    De fato, que situação terrível. Certa vez fui fazer visita em um bairro que não conhecia e cheguei numa rua sem saída. Na volta, uma matilha de cães, de uns 4 ou 5, brotou do nada e impediram meu retorno, de tal forma que fiquei encurralado com vários deles vindo em minha direção. Comecei a gritar que nem doido pra assustá-los, batendo o pé no chão, logo ganhei distância e subi rapidamente num caminhão que estava por ali, assim nenhum deles conseguiu me morder. Depois uma moradora ajudou a dispersar o bando e tudo correu bem.

    Tive sorte porque aparentemente nenhum deles era do tipo tão agressivo, mas uns 2 deles eram grandalhões e nunca se sabe.

    Minha experiência é de que lugares altos, como árvores e até mesmo carros, podem ser a salvação nessas situações em que é inviável lutar contra vários adversários. Portanto, é bom manter os músculos em dia para ter a agilidade necessária nessas ocasiões.

  • Eduardo Barrionovo Junior

    Sempre ando com canivete….porque o homem é o bicho mais indefeso ( sem garras couro dentes mandíbulas forte nada nada …)
    Enfim sempre está em desvantagem….
    Assim tem q ter técnicas e instrumentos para poder se defender pois só o instinto dificultará as coisas…excelente artigo.agora sei onde golpear.
    Grato

  • Tenho pavor de qqr tipo de cachorro ,mesmo os vira-latas porque tem uns que atacam pra valer.
    Por isso quando saio na rua ou vejo um cachorro eu logo me desvio de passar aonde eles estão. Nunca fui mordida por um tenho pavor só de pensar😖

  • Achava que sabia me defender de um cão até quase morrer para um Chow Chow, fiquei uma semana com 3 membros debilitados, as demais raças de cachorro são bons em Latir e morder, mas o Chow chow sabe lutar e ataca múltiplos lugares invés de agarrar um só.

  • Antonio Carlos da Costa Andersen

    Já tive a experîência de ser atacado por um cão bravo de porte médio, para minha sorte, estava equipado, e utilizei o spray de pimenta, que funcionou maravilhosamente, no animal e em seu dono, que de quebra ainda levou uns tapas nas orelhas, por deixar dois animais perigosos ( o cachorro e o dono ) a solta, sendo que o cachorro poderia ter atacado uma criança, ou uma senhora gestante ou ainda pessoas de idade. è preciso que os donos desses animais tenham de ter consciência do que estes pets podem fazer. Abraço a todos.

  • A um tempo atrás tive que agir contra um vira lata tamanho médio que estava matando um filhote na rua. Tinha um “amança louco” feito de cabo de inchada no carro. Desferi um golpe na paz pernas traseiras na altura do rabo.
    Consegui salvar o filhotinho, mas foi uma cena horrível pois pude sentir os ossos do cachorro no porrete

  • Afonso Pena

    Não creio que seja o único a já ter passado por isso. Quando criança, uns moleques da minha rua não gostavam de mim e soltaram um pastor alemão para cima de mim, o mesmo que ficava latindo com raiva de mim todas as vezes que eu passava em frente da casa deles. Acho que nunca soquei algo com tanta força na minha vida, mas o que funcionou para mim foi acertar o focinho (as cicatrizes são da minha mão resvalando nos dentes do cão, tentando acertar o focinho). Tenho cicatrizes na mão até hoje. Ele realmente veio para cima de mim querendo me derrubar. Eu tinha um Dog Alemão em casa (portanto, maior que ele) então já estava acostumado com as “brincadeiras” de derrubar dele. Me lembro de quase me desequilibrar, mas de ter conseguido jogar meu peso contra o dele na hora certa enquanto eu revezava entre bater no focinho e empurrar ele para longe. Se eu fosse um pouco menor, e se eu não tivesse um cachorro em casa com quem brincar, eu não estaria aqui hoje para contar essa história.

    • nunca fui atacado por um cachorro. tenho 18 anos e achava que seria facil lidar com um cachorro, mudei de ideia quando um amigo meu, bem maior e mais forte foi brutalmente atacado e derrubado com facilidade por um cachorro como se fosse uma criança. agora comprei um canivete com intuito de me defender

  • Gabriel Junior da Silva

    Quando você vai se defender de um cachorro bravo sempre tem aquela frase “Ele não morde, relaxa” esse tipo de cachorro só tem dono quando você se defende dele, nunca aparece na hora que te morde ou avança, lembro uma vez que um cachorro veio me morder e acertei ele com uma cacetada, o dono só fez alguma coisa na hora que acertei o “bichinho manso que não morde” fui ameaçado e quase linchado, depois fiz B.O contra o dono

    • Quando coisas como essas acontecerem, vc tem que mobilizar as pessoas contra o dono do cão, sensibilizar as pessoas com a hipótese de que poderia ser uma criança no seu lugar, e não deixar o dono do cachorro calar sua boca.

    • Verdade Gabriel,os cães não mordem os donos né,e pior é quando o bicho olha fixo pra uma pessoa e o dono não faz nada,isso né deixa irritado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s