RELATO: UMA VIDA NA ESTRADA

Este é um relato exclusivo e pessoal de um apoiador do Sobrevivencialismo. As informações apresentadas e histórias contadas podem variar perante a realidade de outros caminhoneiros.

Aqui no Sobrevivencialismo já conversamos com várias pessoas que caíram na estrada e passaram a morar em seus veículos por um determinado tempo. Entre eles a Família X, o casal da kombi lavanda e outros. Cada um deles em seus respectivos carros nos apresentaram formas muito criativas e engenhosas de se viver rodando de cidade em cidade.

Eu então pensei, mas e aqueles que tiram sua renda mensal disso. Os caminhoneiros que passam muito mais tempo atrás do volante do que em casa com seus entes queridos, como será a vida desses profissionais?

Este artigo será redigido tendo como base perguntas feitas a um caminhoneiro que está nessa profissão a oito anos.

Como é sua preparação, o dia a dia na estrada, e tudo mais que cerca essas pessoas que inclusive a pouco tempo atrás foram capazes de paralisar o país inteiro pelo simples fato que decidiram não saírem para trabalhar.

Apresentação

Possuindo atualmente 32 anos, Ricardo Rodrigues é motorista de caminhão desde 2012. O início da profissão foi em uma metalúrgica em Guarulhos-SP, onde o emprego perdurou durante três anos. Durante esse período as viagens eram bem curtas, basicamente se deslocava somente pela capital e pela região metropolitana do estado. Contudo com a crise de 2014, veio a notícia da demissão e durante os próximos três anos a ocupação mudou algumas vezes, sendo inclusive por um curto período de tempo motorista de aplicativo.  

Só então em 2017 é que o emprego de caminhoneiro realmente veio, a rotina de entrar em uma boleia e não ter uma data certa para regressar para casa se inicia aqui. Aqui Ricardo virou de fato um motorista rodoviário.

Condições de trabalho

A primeira coisa a se dizer é que não é bem como as pessoas acham que a profissão é. A maioria pensa que ser caminhoneiro é viver a vida passeando pelo país, conhecendo diversos lugares e pessoas enquanto se recebe um ótimo salário. Definitivamente não!

Não sejamos unilaterais aqui, há sim suas vantagens assim como qualquer outra coisa. Por exemplo, ao se especializar em determinadas ramificações é praticamente impossível que você fique sem emprego, a demanda é muito grande por profissionais.

Convenhamos, essa disponibilidade de empregos é ótima, mas não é uma profissão para qualquer um.

Na empresa atual as condições são boas, os caminhões estão em um bom estado de conservação e manutenção. O salário é algo próximo de dois mil reais, contudo o grande diferencial são as comissões recebidas pelas viagens realizadas. São acréscimos ao pagamento que derivam de acordo com o tempo da viagem, diária, pernoite, tempo de espera e etc. A desvantagem é que se perde praticamente sua vida social em prol de mais dinheiro no final do mês.

As limitações existentes são inúmeras, não ache que por estar sozinho longe do chefe você poderá fazer o que bem entender. Na empresa especifica não é permitido que sua família o acompanhe, o veículo é rastreado, o que faz com que você tenha que comunicar qualquer ação sua fora do padrão.

Não se iluda que caminhoneiro tem liberdade. Inclusive ir ao banheiro é restringido, caso não estiver disposto a deixar o caminhão bloquear, vai ter que resolver os problemas dentro da cabine, sejam eles quais forem.

Como dito, as condições dos veículos são boas juntamente com o que a empresa disponibiliza. O caminhão possui cabine leito, ar condicionado e despesas como alimentação e outras regalias são garantidas. Contudo isso não lhe garante todo o conforto, há aspectos que a empresa não consegue cobrir, a estrada e suas condições são umas delas, não se referindo somente a integridade do asfalto que os pneus do caminhão cruzam.

Em determinados postos de parada é praticamente impossível conseguir dormir devido ao medo de ser assaltado. Existem também inconveniências regulares, algumas cargas trazem consigo uma trava luminosa e sonora que se mantém ativada durante toda a noite, como deve-se imaginar, se algo está bem trancado, possui algo valioso ali dentro.

Alguns postos também não facilitam a vida dos motoristas, muitos só permitem a pernoite caso o veículo seja abastecido, se não possuir o aval da empresa não é possível abastecer ali. Contudo alguns permitem a breve estadia, porém uma taxa será cobrada para que o caminhão passe a noite ali estacionado. O atendimento apesar de tudo nem sempre é satisfatório, banho e alimentação são os serviços que mais deixam a desejar.

Por trabalhar com cargas relacionadas a receita federal, somente um fiscal da mesma pode receber o que está sendo transportado, essa é uma das inúmeras regras delimitadas pela receita. Hora de saída e também de chegada, apesar de tudo o prazo nunca é curto demais, sendo possível entregar tudo sem nenhum atraso. Contudo aqui retornamos a questão da falsa liberdade do caminhoneiro, afinal se o fiscal não estiver presente no momento da chegada, o protocolo diz que a espera deverá ser feita dentro do veículo. Caso isso seja final de semana ou véspera de feriado o motorista se verá praticamente preso na cabine numa espera que pode durar vários dias.

Preparações pré-viagem

As preparações para as viagens têm muitos itens que serão considerados muito simples, mas para muitos lugares que se é enviado, se faltar algum deles, a enrascada é certa!

1- Dinheiro em espécie pra consumo e/ou emergência

Muitos lugares no interior do país ainda não sabem da existência do cartão de crédito/débito, então ter dinheiro em espécie na carteira é obrigatório, se por exemplo furar um pneu, não importa o quanto de dinheiro você tenha na conta bancária, se você não tiver R$20,00 em espécie para pagar o borracheiro,  a viagem vai atrasar. A menos que seja aceito o pagamento por transferência bancária depois do serviço, o que é bem incomum. Pode-se sacar R$500,00 pra cada semana de viagem, a partir da segunda semana vá apenas completando o montante pra também não ter dinheiro em excesso na carteira.

2- Tenha um celular bom e outro razoável

O telefone celular hoje em dia é quase mais importante que o combustível do próprio caminhão. Então possua pelo menos dois aparelhos, caso a empresa disponibilize um, você precisará ter um particular. É crucial manter a linha com créditos ou fazer um bom plano pós pago, porque acredite, é melhor ter uma pane seca no caminhão do que ficar sem internet numa emergência.

3- Ferramentas e insumos

As viagens, raramente tem menos de vinte dias de duração, e nesse meio tempo sempre tem uma lâmpada queimada, um para-barro que solta, uma catraca de amarração travada… Então sempre é imprescindível carregar consigo um kit de ferramentas com chaves, um lubrificante tipo WD40, martelo, faca e também dois galões de 5L com óleo de motor e liquido de arrefecimento com o aditivo próprio. Só pelo simples fato de você conseguir trocar uma lâmpada queimada, você pode se livrar de uma blitz da PRF e também da multa.

4- Reserva de Alimentos

É sempre bom ter uma reserva de alimentos no caminhão, tanto daquele tipo de comida que tem que ser preparado pra consumo, quanto daquelas que é só tirar da embalagem e comer. O primeiro motivo é economia, você comprar seus mantimentos e preparar sua própria refeição sai mais barato do que comer nos restaurantes de beira de estrada. O segundo motivo é estratégico, as vezes você vai descarregar em lugares que não tem sequer um boteco para você fazer um lanche, e o pior, as vezes você fica dias parado nesse lugar esperando a descarga (ou carga), e pra piorar mais um pouco, tem lugares que não te deixam usar a cozinha do caminhão, aí a importância de se ter alimentos prontos pra consumo.

5- Documentação pessoal, da carga e do veículo

Uma das piores coisas que podem acontecer numa viagem é você ser parado numa blitz ou em um posto fiscal, e ter sua carga ou caminhão retido por conta de um documento que faltou um carimbo, uma habilitação vencida ou o IPVA do caminhão atrasado. Sempre que assumir o veículo, confira se os documentos do veículo estão em dia, se o disco do tacógrafo (aparelho obrigatório que serve pra medir tempo e velocidade média da viagem) está em condições, se a carteira de habilitação está dentro da validade ou se não tem alguma irregularidade (acredite, tem um monte de gente andando com a pontuação da CNH estourada e nem sabe), e por fim, conferir se a documentação da carga está ok, nota fiscal, manifesto de carga, conhecimento de transporte (CT-e), e qualquer outro documento que possa estar junto variando com o tipo e origem da carga.

Cotidiano

A rotina diária não tem muita variação, muda uma ou outra coisa que basicamente depende do tipo de serviço realizando no dia, se é fazer entregas ou coletas em área urbana praticamente se resume a dirigir e carregar caixas o dia inteiro, muitas vezes sem tempo nem pra almoçar. Caso seja escalado pra viajar e/ou fazer uma DTA (Carga em que a tomadora do frete é a Receita Federal), é provável ficar vários dias na estrada e também ficar preso dentro de algum terminal alfandegário praticamente em cárcere privado.

Em tempos de viagem, os dias sempre começam antes do sol nascer (geralmente as 04:00 da manhã). A rotina se baseia em banho, escovar os dentes, tomar café da manhã, verificar o estado do caminhão, comunicar o gerenciamento de risco (empresa que faz o monitoramento do caminhão) o reinício de viagem, e por fim começar a jornada que dependendo de como as coisas transcorrem pode ser um trecho entre 500 à 800km por dia.

Na chegada ao destino, após apresentar os documentos da carga e ser autorizado a entrar no terminal alfandegário (lembrando, no caso de uma DTA), aguarda-se a chegada do fiscal e ele comunica como e quando o caminhão vai ser deslacrado e descarregado; e em e na grande maioria dos casos a carga só descarregada no vencimento do prazo da DTA.

É nessa situação muita resiliência é necessária, pois talvez seja necessário ficar dias dentro do terminal. A maioria deles ficam em lugares muito isolados e sua saída não é permitida, por isso a importância de se ter um estoque de mantimentos no carro (lembrando que nesses lugares é quase impossível que um desses aplicativos de entrega de comida funcione.)

Quando estiver ciente que vai ficar parado, a primeira coisa a se fazer é tentar ganhar a simpatia da equipe de segurança do local, pra que a estadia fique menos estressante, e a melhor moeda pra conseguir tal façanha é um café, conseguindo a amizade dos mesmo, possibilidade se abrem, pode até ganhar em troca um banho quente (em alguns lugares, os chuveiros são desligados), uma permissão pra dar uma volta pelo pátio pra esticar as pernas ou simplesmente não ser observado a todo minuto como se você fosse um potencial terrorista. Nessa hora também é de grande ajuda ter um dos celulares com uma boa cobertura de internet e plano de dados, porque é nessa hora que as redes sociais fazem valia para que não se enlouqueça de tédio, também procure fazer uma boa faxina, pequenos consertos no caminhão, prepare sua refeição pra distrair a cabeça e coloque a conversa em dia com meus parentes e com os amigos pelo telefone.

“Aproveito aqui a oportunidade pra indicar o grupo de apoiadores do Sobrevivencialismo, lá estou aproveitando os vários temas que são abordados nas conversas que rolam pra fazer pesquisas e aprender sobre os assuntos.”

Terminado o período de espera pra descarga, o serviço é feito e comunicado a empresa e novamente o gerenciamento de risco pra saber onde será o próximo destino.

Conclusão

A profissão exige muito da pessoa em termos de assiduidade, conhecimento técnico, senso de improviso e lógico, esforço físico. Terá que estar disponível a todo momento. A função de motorista, como já dito anteriormente, pode ser bastante rentável dependendo do grau de especialização em que o profissional for capaz de alcançar.

A profissão não exige um grau acadêmico muito alto, você pode ter a quarta série do primário no seu histórico escolar, mas se passar no teste de volante e ter alguma especialização atualizada, é muito provável que consiga trabalhar em um lugar que te pague muito bem. Porém, se você for uma pessoa que preza por evolução constante, que pratica atividades físicas, que pretende aprender outros ofícios ou algo do gênero, essa profissão tem o perigoso detalhe de a todo momento de te deixar ocioso e sedentário, por conta do tempo de viagem e do tempo de espera entre carga e descarga (como já dito, às vezes te impedindo até de descer do veículo).

A profissão de motorista, sim é boa. Porém, não se pode entrar nela com uma visão muito romântica. Diria até que, para uma pessoa de perfil “Sobrevivencialista Nômade”, seria um baita exercício de afirmação pra saber se essa vida é pra ela ou não. Mas para uma pessoa comum, que gosta de ter horários bem definidos para trabalho, estudo, refeições e preza por convívio familiar, não recomendaria esse tipo de trabalho, ou no máximo, diria pra trabalhar com entregas rápidas dentro da cidade.

Existem prós e contras em tudo que fazemos não é mesmo.

Texto por Ricardo Rodrigues.